Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

Eu sou Tua (parte 2)

Essa história é a continuação da história Eu sou Tua. Se ainda não leu, Procure neste blog, a história (Eu sou Tua)

Após o longo beijo, abri meus olhos, ele bem na minha frente, eu ainda não acreditava no que estava acontecendo. Parecia estar em um sonho, ele me deitou na cama, juntos continuamos a nos beijar. Eu não queria que aquele momento acabasse nunca.

Me senti mulher novamente, me sentia desejada. Neste momento, estava deitada, seu corpo por cima, não totalmente, um pouco de lado, apenas o tórax dele, por cima. Passei meus braços sob seus ombros, ele passou a mão no meu rosto, cabelo e veio outro beijo, seguido por outro, não acabava.

Eu mudei de posição, nos sentamos, o empurrei levemente, agora ele estava deitado, botei um travesseiro por baixo de sua cabeça, fiquei por cima dele, da mesma forma, apenas com o tronco por cima. Minha mente parecia não acreditar, que sensação maravilhosa, ser abraçada e beijada daquela forma.

Durante o beijo, percebi que ele foi com a mão direita até sua calça, fazendo algum movimento, como estivesse tentando abri-la. Mas eu ainda estava de olhos fechados, o beijando, não tinha certeza. Senti sua mão, voltar para meu corpo, procurando a minha. Ele a encontrou, suavemente a conduziu até sua calça.

Meu coração disparou. O pênis dele já estava para fora, completamente duro, o peguei, apalpando com vontade. Tentando descobrir com o tato, seu tamanho, largura, maciez. Eu já estava toda molhada naquele momento.

Me levantei, ele também. Ficamos sentados, ele falou: - Me chupa.

Nem precisava pedir, minha boca estava sedenta querendo chupá-lo. Seu pênis, era lindo, sem capinha, de tamanho médio para grande e grosso. Cabia na minha mão e sobrava.

No começo, eu disse não:
- Você não lembra que combinamos só almoçar?

Ele respondeu:
- Chupa, vai.

Claro, não resisti. Eu desejava muito chupá-lo. Cheguei próximo da altura de sua cintura, olhei bem para o pênis dele, admirando-o, fechei os olhos, comecei a chupar sua cabeça, depois fui chupando mais, a cada movimento, botava mais ele para dentro.

Ele suspirou e disse: - Que boca maravilhosa.

Só aumentou minha vontade de continuar chupando. Tirei o pênis da minha boca, deslizei minha língua até os ovos, subi novamente até a cabeça e continuei chupando. Agora olhando fixamente para seus olhos. Quem parecia está em transe agora era ele. Estava muito gostoso chupá-lo e o fazia com muito tesão. Fiquei louca, querendo cada vez mais e mais, com uma vontade imensa de sentir aquele pênis dentro de mim.

Passei algum tempo ali. Depois ele levantou, ficamos de joelhos de frente um para o outro na cama, tiramos nossas camisas, nossas calças, ele totalmente pelado, eu ainda de calcinha.

Sentei em cima dele, o coloquei encostado na parede da cama. Pedi para ele chupar meus seios. Ele atendeu meus pedidos. Eu já estava nas alturas naquele momento. Suspirava e gemia com a boca dele nos meus peitos. Botei minhas duas mãos na parede, levantei a cabeça, como se olhasse para o céu, fechei os olhos, enquanto ele me chupava. Que delícia. Enquanto sua boca me chupava com muito tesão, suas mãos deslizava pelas minhas costas, meu bumbum. Eu, ainda de calcinha, mas sentada naquele pênis duro e gostoso.

Queria me abrir toda, sentir ele dentro de mim. Ele pareceu ler meus pensamentos, com as mãos no meu quadril, começou a puxar minha calcinha para baixo, eu me levantei, fiquei de joelhos, ele baixou minha calcinha, eu sentei e ele tirou todo o resto. Em seguida, me deitei na cama. Ele pegou a camisinha que neste intervalo, já havia deixado entre aberta ao lado. Colocou em seu pênis.

Eu esperava deitada. Não via a hora de ser penetrada por um novo homem. Fazia muito tempo que não sabia o que era isso. Não casei virgem, tive outros namorados, mas já estava casada há sete anos e nunca havia traído antes. Nem lembrava como era sentir um novo pênis. Estava louca para ter essa sensação novamente.

Ele se aproximou por cima de mim, eu abri as pernas, ele me deu um beijo. Seu corpo aos poucos foi encostando no meu. Aquele calor gostoso foi tomando conta de mim. Senti seu pênis se aproximando, ele deslizou por fora da minha vagina, fez um movimento de vai e vem, por duas ou três vezes, ainda sem entrar. Uma mistura de preparação para a penetração e a procura pelo encaixe perfeito. Incrível como os corpos parecem saber encontrar a posição certa.

Seu pênis se posicionou na entrada da minha vagina e deslizou suavemente para dentro. Que delícia. Eu estava sendo penetrada por um novo homem. É uma sensação maravilhosa de desbravar um novo território. Um território que não me pertencia, mas naquele momento era meu.

Enlacei meus braços por volta de seu pescoço, com a mão direita, deslizei meus dedos por seus cabelos. Conduzi sua cabeça para meu lado direito. Fechei os olhos, eu parecia sentir cada parte do meu corpo, principalmente ali embaixo. Seu pênis, ia entrando mais um pouco a cada movimento. Naquele momento, relaxei minha região pélvica e abri ainda mais minhas pernas, como um movimento natural da mulher, o convidando a entrar mais, eu o queria todo, até ocupar por inteiro cada centímetro.

Por fim, estava todo lá dentro.

Ficamos nesta posição por alguns minutos, tentando descobri cada parte do corpo do outro. Cada toque, cada penetração era uma descoberta.

Depois de algum tempo, ele levantou o tronco, mantendo as duas mãos abertas na cama, eu me abri mais ainda. Segurei minhas pernas por trás do joelho. Como se eu falasse - Pode vir. Pode meter que eu quero mais.

Ele aumentou mais a intensidade da penetração com várias bombadas em mim. Ficou assim, por alguns minutos naquele movimento frenético.

Depois voltou para próximo de mim novamente, beijei ele com muito ardor. Nossas bocas se encontravam com muita paixão, enquanto seu pênis, entrava e saia de dentro de mim.

Eu estava em êxtase, ele sussurrava no meu ouvido, dizia como era bom está ali, como ele queria com aquele momento, eu respondi baixinho:
- André, eu sonho há semanas por este momento. Sonhava com você me devorando.

Ele respondeu com um sorriso de satisfação.

Foi ali que ele me pediu algo que virou nosso mantra. Acho que ele tinha a mesma sensação que eu, ele suspirou baixinho no meu ouvido:
- Fala que tú é minha.

Eu atendi seu pedido, falando do fundo da minha alma.
- Eu sou Tua, só Tua, toda Tua, Andrezinho.

E era mesmo. Pelo menos naquele momento, tinha esquecido tudo. Eu era só dele, meu corpo, meu coração. Pertencia aquele homem, aquele amante. Eram emoções que com 34 anos, jamais havia vivido.

Eu pedi o mesmo e fui correspondida:
- Eu sou teu, Dani. Só teu.

Respondeu com firmeza. Parecia saber que eu pediria também.

No fundo, sabíamos que tínhamos nossos conjugues. Mas era gostoso ouvir e falar aquela frase. Só havíamos nós naquele momento. Nossos mundos se resumia aquele quarto de motel e nossos corpos unidos.

Senti o pênis dele pulsando dentro de mim. Mesmo com a camisinha que atrapalha. Conseguia sentir o pênis dele inteiro, com muito prazer.

Ele me deu outro beijo, parecia sentir que estava próximo de chegar ao orgasmo. Mais algumas bombadas e ele chegou lá. Primeiro do que eu. Mas eu não me importei. O prazer era tanto que eu queria vê-lo gozar.

Ele gozou deliciosamente, seu corpo retraiu todo, ele me abraçou forte nesse momento e eu o abracei também. Tinha feito meu amante gozar dentro de mim. Ele parou um pouco, abriu os olhos lentamente, suspirou, fixou seu olhar em mim, meu deu alguns beijinhos na minha boca. Os rostos ficaram um pouco de lado um para o outro, me deu outro beijo daqueles de virar os olhos. Minhas pernas enlaçaram seu corpo, como uma mensagem subliminar - Você é meu.

Nos levantamos, estávamos ofegantes. Ele conferiu a camisinha, senão tinha furado. Estava tudo certo. Fomos ao banheiro. Tomamos um banho gostoso, precisávamos de um tempo. Ele me deixou entrar primeiro no chuveiro, depois foi ele. Nos enxugamos e voltamos para a cama.

Conversamos algumas coisas, eu pedi uma bebida. Ficamos ali, tentando recuperar o folego e bebendo alguma coisa para distrair.

Passados alguns minutos. Já começamos a nos pegar novamente. Tiramos as toalhas e parti para cima dele. Beijei sua boca com toda força, ele apertou minha bunda. Passou a mão em todo o meu corpo. Não sei como, ele foi super rápido dessa vez, botou a camisinha e sentei em cima dele. Entrou fácil e rápido. Eu ainda não tinha gozado e queria a minha vez.

Fiquei em cima por incontáveis minutos, cavalgando bem gostoso. Ele passava a mão em mim, na minha bunda, começou aproximar o dedinho do meu ânus. Adoro. É meu ponto fraco. Eu abri meu bumbum, apenas com movimento da cintura, ele passou o dedinho lá. Sem entrar, só por fora, sentindo se eu aprovava. Meus gemidos, davam a permissão de seguir em frente. Ele enfiou o dedo. Eu gemi alto de prazer. Ele naquele momento, estava dentro da minha vagina, dedo atrás de mim e chupando meus seios. Me senti preenchida por todos os lados.

Sentia que eu estava chegando lá. Mas eu queria outra posição. Queria ser penetrada de quatro. Minha posição preferida, já tínhamos conversado sobre isso via Skype em nossas conversas picantes. Pedi para ele:
- Quero de quatro!

Fui prontamente atendida.

Fiquei na posição, na transversal da cama. A parede que dividia o quarto do banheiro era toda de espelho. Então, poderia me ver de frente e meu homem atrás de mim. E que homem. Ele tem um tórax lindo. Um pouco peludo, mas na medida certa, com pelos pequenos. Não é saradão, mas tem ombros e um peitoral bem definidos. Nossos reflexos no espelho, aumentava mais meu tesão.

Ele se ajoelhou atrás de mim, pegou minha cintura com muito tesão, com a mão esquerda, pegou seu pênis, colocou na portinha de entrada da minha vagina. Entrou sem cerimônias, entrou de uma vez. Lá dentro. Eu gemi muito alto. Meu prazer foi a mil. Ele pegou minha cintura e trazia para seu pênis num vai e vem frenético. Eu estava louca de prazer. Eu pedia:
- Me come, me fode. Me come toda.

Sentindo aquele pênis maravilhoso dentro de mim, pulsando mais uma vez. Ele variava os movimentos com as mãos, as vezes puxava meu cabelo, as vezes, dava palmadas no meu bumbum. Eu sentia que estava chegando minha vez. Ele metia muito. Um vai e vem muito rápido e forte.

Eu me olhava no espelho, olhava para ele. Arrebitava mais meu bumbum querendo excitá-lo. Mas era eu que virava os olhos de prazer com aquela cena de filme pornô, no qual eu, era a atriz principal.

Falei para ele:
- Mete, não para. Mete que eu vou gozar.

Ele respondeu:
- Goza minha gostosa, goza na minha rola.

Eu gozei loucamente. Foi um prazer maravilhoso. Nem lembrava a última vez que tinha gozado daquela maneira. Gozei e ele continuou socando minha vagina por trás. Eu gozava e gemia de prazer. Eu acho que passei 2 minutos gozando sem parar.

Ele disse que iria gozar também. Desta vez, ele tirou o pênis de dentro de mim, tirou a camisinha e gozou em cima da minha bunda e nas minhas costas. Conseguia sentir cada gota de esperma que caia em mim. Que delícia de leite.

Estávamos exaustos. Parecia que cada gota de energia tinha saído de mim. Me joguei na cama, como se meus joelhos não aguentasse mais, ainda de bruços. Ele me deu um beijo nas costas, perto da nuca, se levantou, pegou a garrafa d'água que estava próxima da cabeceira. Bebeu um pouco e me deu. Estava morrendo de sede.

Nos levantamos e tomamos outro banho. Desta vez, juntos. Com muitos beijos, abraços e trocas de confidências de quão prazeroso estava sendo aquele momento.

Nem imaginava, mas o melhor, ainda estava por vir.

Fizemos um intervalo, já se aproximava do meio dia. A fome começava a bater. Ele pediu dois pratos iguais. Camarão ao Catupiry, ele adora e eu também.

Almoçamos, rimos do nosso trato de não acontecer nada. Apenas almoçar. Ambos sabíamos que estando ali, seria quase impossível resistir. Eu estava só de calcinha e roupão branco do motel, para me aquecer do frio do ar condicionado. Ele também, porém ele estava só roupão, sem nada por baixo.

Depois do almoço, voltamos para a cama. Estava prestes a sentir a melhor sensação sexual da minha vida.

Depois de algum descanso, namoro e risos.

Sentei em cima dele novamente, já estávamos sem roupão. Eu ainda de calcinha, ele sem nada. Eu comecei a me esfregar nele. Lembrava de quantas vezes me masturbava, com meu travesseiro no meio das minhas pernas, pensando nele.

A sensação de me esfregar nele me deixou com muito tesão e muita vontade de senti-lo pulsando dentro de mim. Meu corpo estava com muito desejo ao ponto de explodir. Minhas pernas estava bambas, o querendo, estava louca de tanto desejo. Descobri naquela maneira de preliminar, um novo prazer, era algo novo, ficar tanto tempo só ali na portinha me excitando.

Eu fiquei ali me esfregando no pênis dele. A única coisa que impedia sua penetração sem camisinha, era minha calcinha que servia como barreira móvel daquele momento de prazer. Conseguia sentir a cabeça de seu pênis na minha vagina. Ali na portinha. Parecia que a qualquer momento, o pênis dele iria entrar com calcinha e tudo.

Ele pediu para entrar, eu respondi: - Não.
Ele insistia, eu negava. Mas por dentro, estava louca de tesão, queria senti-lo dentro de mim, sentir a pele dele, sentir seu gosto. Mas sabia que era loucura.

Ele sabia que meus nãos, eram sim. Minha cara de prazer, não conseguia disfarçar. Foi quando ele afastou minha calcinha com seus dedos e senti seu pênis delicioso encostar nos meus lábios vaginais. Nossa, estava louca naquele momento. Não queria, mas o desejo falou mais alto. Já não conseguia mais resistir. O prazer estava incontrolável.

Era o não, mais sim que já tinha dado na minha vida. Ele enfim, entrou dentro de mim. Naquele momento, soube o que era ver estrelas. Foi a melhor sensação da minha vida. Eu gemi muito alto. Foi mágico.

Depois de toda aquela preliminar, sentir seu pênis deslizar suavemente para dentro de mim, sem camisinha, sem nada para atrapalhar. Só nossos corpos juntos. Senti cada milímetro dele pulsando dentro de mim. Eu já estava ensopada, ele também, completamente lubrificado, a penetração foi uma delícia, impossível de ser interrompida.

Ele gemia muito também. O prazer de ambos naquele momento era imensurável. Agora sim, ele era meu, totalmente meu. E eu dele, toda dele.

Parecia que o mundo girava em câmera lenta. Conseguia sentir tudo. Nos abraçamos, nos beijamos, deixamos nossos corpos se unir numa cena de sexo que jamais sairá de nossas mentes.

Fiquei montada em cima dele, muitas cavalgadas, aproveitando aquele momento, sentindo aquele pau gostoso dentro de mim, me preenchendo, ocupando todo meu interior.

Não demorei muito para chegar ao clímax. Gozei como nunca, senti meu mel escorregar por toda minha vagina e cobrir o pênis dele. Foi o melhor orgasmo da minha vida.

Agora chegara a hora dele. Ele avisou que iria gozar, tirou seu pênis de dentro, eu dei um certo pulo para frente, para não gozar dentro de mim. Ele se masturbou por trás de mim, enquanto eu, de certa forma, ficava em cima dele. Gozou muito. Mais uma vez, senti seu esperma na minha bunda. Mesmo sendo a terceira gozada no dia, parecia que saia mais leite comparada as anteriores.

Até hoje, recordar aquela cena, me enche de prazer. Frequentemente, conversamos sobre aquele momento. Foi daqueles que marcam nossas vidas. Fica a imagem de prazer carimbada em nossa mente. Eu fico sem folego só de lembrar.

Suspiramos forte, olhamos um para o outro com certo ar de culpa.
Eu falei:
- Você é louco.

Ele respondeu:
- Você também. Se eximindo de levar a culpa sozinho.

Ainda respirávamos ofegantemente de todo aquele prazer. Nos levantamos, fomos ao toalete. Os momentos de prazer, eram interrompidos por flash's de preocupação. Tinha feito sexo sem camisinha com um complexo desconhecido. Posteriormente, para aliviar o sentimento de culpa, combinamos de fazermos todos os testes. Graças a Deus, tudo certo.

Saímos muitas outras vezes depois, nos tornamos amantes fixos. Muitas seções de puro prazer que poderei contar em outras oportunidades.

Hoje, infelizmente, estou morando em outra cidade, resta a saudade e gosto do seu amor nos dias quentes que passamos juntos. Ainda sinto saudades e todas as vezes que volto ao Recife, nos encontramos e nos amamos muito.

Sobre este texto

brucewaynepe

Autor:

Publicação:27 de outubro de 2015 00:05

Gênero literário:Depoimento erótico

Tema ou assunto:Casal

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Ainda não há estatísticas de leitura deste texto, pois ele foi publicado em 27/10/2015.

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

  • Thaís
    Postado porThaísem25 de fevereiro de 2016 12:10

    Que linda história e ao mesmo tempo triste devido a essa distância parabéns ao casal.

  • Matheus
    Postado porMatheusem17 de fevereiro de 2016 17:46

    Linda história de amor.

  • Viviane
    Postado porVivianeem13 de dezembro de 2015 11:26

    Muito bom. Pena que estão distantes,mais os momentos ficarão sempre na memória deles parabéns linda história.

  • André
    Postado porAndréem28 de novembro de 2015 00:31

    História excitante e bonita....

  • Paola
    Postado porPaolaem16 de novembro de 2015 16:07

    Gostei me identifiquei...

  • Fábio
    Postado porFábioem14 de novembro de 2015 23:26

    Bonito caso.

  • Aninha
    Postado porAninhaem10 de novembro de 2015 22:22

    Linda história..

  • Aninha
    Postado porAninhaem9 de novembro de 2015 20:06

    Muito bom e excitante

  • Mia
    Postado porMiaem31 de outubro de 2015 22:54

    Legal, apenas a parte que não gostei é quando ele goza e você não.... Deixa na mão não dar né... Tem que fazer a mulher gozar primeiro

  • Marília
    Postado porMaríliaem31 de outubro de 2015 22:35

    Show !!! Delicia !!

  • Alemã
    Postado porAlemãem30 de outubro de 2015 13:54

    Lindo.....

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*