Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

AMSTERDÃ - HOLANDA

Quando mamãe telefonou eu ainda estava na cama com Tiago, que havia acabado de me contar que era um policial. Quando disse a mamãe que iria à Holanda sua recomendação era; trazer de viagem uma peça da Royal Delft. Mães.
“Achei que policiais não saíssem por ai falando qual é sua profissão.”.
“Mas eu quis contar isso para você.”.
Alto com ombros largos. Diria ser um nadador se não fosse os pelos que cobriam o tórax e desciam em direção ao seu membro. Dormia de bruços o que proporcionalizava uma bela visão de suas costas.
Meu quarto ficava no terceiro andar de uma pensão de arquitetura gótica em Amsterdã, absolutamente comum sem muitos exageros; um toucador, uma cômoda, a cama de casal, e um banheiro simples. Se não fosse pela TV, a qual nunca liguei desde a estadia, facilmente diria estar alguns séculos atrás. Da janela eu podia avistar o canal Prinsengracht e mais adiante o Mercado das Flores, onde se pode comprar de bulbos de tulipa a mudas de canábis.
“Bem, só acho um tanto perigoso sair por aí falando quem você é para todas as mulheres que você transa. Eu podia ser a esposa de meliante.”.
Naquele momento, inverto meu corpo na cama ficando com os pés na cabeceira. Tiago continuou na mesma posição fitando meus pés. Depois estendeu mão os acariciando antes de cravar uma mordida em meu dedão.
“Vocês repórteres são muito previsíveis”.
“E vocês, policiais, são muito introspectivos…”.
Estendendo a mão ele puxa meu corpo para cima. Sua pélvis encaixa-se na minha e seu órgão pressiona meu abdômen. Noite passada tive o prazer de o ter dentro de mim me penetrando com força e preciso.
“Posso te fazer implorar por isso Diana.”. Ele diz com um sorriso malvado.
Meus mamilos enrijeceram de modo que tocaram seu tórax enquanto nossos sexos se tocavam sem pudores. Cedo passagem para seu órgão. Frenéticos, no ato eramos somente um, entregues a um desejo puramente carnal. Nossas línguas entrelaçando-se sentindo o sabor um do outro. Minha carne ainda refém da noite anterior fazia com que meu prazer aumentasse tanto que quando meu orgasmo veio arrebatador agarrei-me a Tiago trêmula gozando feito uma louca sobre seu pau que latejava de desejo indicando que ele também tinha feito o mesmo, ao mesmo tempo que eu. Ficamos deitados em silêncio por alguns minutos.
“Preciso de um banho.”. Digo levantando da cama. “Ainda tenho que ir a Delft.”.
“Louça para casa?”.
“Minha mãe… Ela adora louça, embora não deixe nem a metade do que tem em uso. Meu pai dissera uma vez que se eu levasse mais uma xícara para aquela casa a quebraria na minha cabeça.”.
“Acho que alguém vai apanhar quando chegar no Brasil, adoraria fazer a vez por seu pai.”.
“Meu pai é falecido, câncer de pulmão.”. Pisco.
Tiago arqueia a sobrancelha e me parece comovido.
Caminho até o banheiro reflexiva se não estou fornecendo detalhes demais a um pleno desconhecido, por praxe uma mente criminosa se mostra mais gentil do que antipática.
“Você poderia deixar de dar uma de ‘criatura das trevas’.”. Digo. “Desde que te conheci nunca ficamos a pleno sol.”. Ligo o chuveiro, o impacto da água sobre meu corpo é maravilhoso. Tiago entra no box prendendo meu cabelo em um coque em seguida ensaboa meu corpo por inteiro. Faço o mesmo com ele ficando na ponta dos pés para lavar suas partes mais altas.
Seu membro enrijece ao toque de minhas mãos. O masturbo com destreza o manipulando até enfim ele gozar frente aos azulejos como se estivesse pintando uma tela fazendo inveja ao próprio Da Vinci.

Eu escovava o cabelo, diante do toucador ao estilo vintage, quando Tiago se aproximou por trás colocando as mãos em minha cintura.
“Vou com você até Delft, só preciso pegar uma roupa no hotel.”. Ele diz com a voz mansa.
“Não demoro para me arrumar.”. Digo com um sorrisinho.
“Eu não caio nessa a anos.”. Ele ri. “Em frente ao De Pieper em uma hora, podemos tomar café e pegar o tram depois.”.
“Eu acha essa uma boa ideia. Em uma hora.”. Cruzo os dedos.

CONTINUA…



Sobre este texto

C. J. Tiger

Autor:

Publicação:18 de janeiro de 2015 21:59

Gênero literário:Contos eróticos

Tema ou assunto:Heterossexual

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Este texto foi lido 197 vezes desde sua publicação em 18/01/2015. Dados do Google Analytics

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

Não há comentários até o momento. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*