Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

Apostei na namorada e fui humilhado

Comecei a namorar Bruna quando estava no segundo ano de faculdade. Ela, na época uma bichete do curso de administração, é uma mulher estonteante de estatura média, pele branca e cabelos negros. Eu tinha acabado de ir para o segundo ano e estava animado por passar um trote tirando com a cara dos novatos e bebendo de graça. No trote ela chamou a atenção de todos os marmanjos ao exibir suas cochas torneadas em um shortinho apertado que pouco deixou para a imaginação, a camiseta branca mostrando tudo depois de ter sido “acidentalmente” encharcada de cerveja por um veterano, e foi então que decidi que aquela musa tinha que ser minha mesmo que apenas por uma noite.
Em pouco tempo Bruna se tornou uma obsessão em minha mente. Sempre que podia eu jogava um charme, num intervalo entres as aulas ou no barzinho tomando cerveja com o pessoal, e já na primeira festa eu investi forte e consegui ficar ela. Ela deve ter gostado, pois passamos a ficar frequentemente e era certo nos ver agarrados em algum canto nas festas da faculdade. Nas que eu podia ir, é claro. Tinha de trabalhar para ajudar pagar as contas e nem sempre podia me dar ao luxo de ficar bebendo até tarde. Ao contrário de mim, ela era de uma família abastada e não precisava trabalhar, ficando quase sempre até altas horas bebendo com o pessoal da faculdade. Em outras palavras ela era uma patricinha. Logo começaram a surgir os papos de que ela estava ficando com outros caras. Quando perguntei, Bruna negou tudo e disse que estavam inventando essas histórias para me jogar contra ela. Eu queria acreditar que ela estava falando a verdade, mas algo dentro de mim me mantinha esperto, afinal de contas ela era muito extrovertida além de ser muito gostosa, e era certo que a rapaziada chegava nela o tempo inteiro. Para não criar caso fingi que comprei a história dela.
Dois meses se passaram, os boatos pararam e a nossa relação esquentou e melhorou. Tinha me apaixonado completamente por Bruna e consegui engatar um namoro. Algumas semanas depois de começar a namorar, um amigo me disse que era melhor cair fora, que tinha visto ela ficando com um tal de Marcão do 3º ano em uma cervejada que não pude ir. No primeiro momento eu fiquei puto, mas não quis acreditar, afinal de contas ele tinha visto de longe e podia ter confundido com alguma garota parecida. No final de semana seguinte ia rolar uma festa de outra bichete, também patricinha, numa enorme e luxuosa casa em um bairro nobre da cidade. O tema da festa seria a entrega do Oscar e o traje era de gala. Fui junto com minha namorada na festa, que contou com a presença de vários veteranos, inclusive o tal do Marcão que logo descobri quem era. Ele é negro, alto e boa pinta. Na faculdade era um imã de mulheres. Em um determinado momento da festa, enquanto estava saindo do banheiro, escutei uma conversa vindo de um entre as dezenas de quartos que a casa possuía. A curiosidade falou alto e resolvi espiar pela porta entreaberta. Dentro do quarto estavam Marcão e um sujeito magrelo que eu não conhecia. Ele estava falando sobre uma garota que tinha pegado numa festa e então disse:
- E ai Marcão, você acha que come a Bruninha hoje?
- Seu eu der um jeito de me livrar do corno do namorado dela, eu como sim! Quase comi na última cervejada, mas na última hora ela deu pra trás.
Fiquei enfurecido com aquela história. Quando voltei pro salão, não conseguia encontra-la em lugar nenhum e uma amiga me disse que ela tinha ido com uma galera pro gramado da piscina. Resolvi beber alguma coisa pra relaxar quando três amigos apareceram e começaram a puxar papo sobre futebol, como não queria que eles percebessem nada, fingi gostar da conversa. Bebi muito e não vi o tempo passar, depois de uns 40 minutos, avistei o tal do Marcão sozinho um andar acima e resolvi ir tirar satisfação. O cara não gostou muito e respondeu xingando a mim e minha namorada:
- Sua mina é uma vadia, chifrudo. Larga a mão se ser otário. A putinha ficou com três caras da minha sala e até pegou no meu pau na última cervejada. Só não meteu na boca porque bebeu pra caralho, passou mal e resolveu ir embora. Mas com 15 minutos sozinho com aquela puta eu faço ela chupar meu pau.
Retruquei dizendo que achava que ele não era nada do que dizia e ele falou:
-Quer apostar? Se esconde dentro do armário daquele quarto que em dez minutos eu chego lá com a vadia – quando eu comecei a retrucar ele disse – se você confia na sua namoradinha porque não aceita a aposta?
Eu fiquei sem saber o que dizer e, talvez devido ao efeito da bebida, resolvi aceitar. Mal eu sabia que estava assinando meu atestado de corno. Como combinado, fui até o quarto combinado e me tranquei dentro do armário. Passaram-se vinte minutos e não rolou nenhum movimento no quarto. Achei que tinha vencido a aposta e quando tava pra empurrar a porta do armário a Bruna entra com tudo, puxando o Marcão pela mão.
- Tem certeza que ele foi embora?
- Tenho sim, vi ele passando mal e indo embora, o corninho é fraco também na bebida.
Pasmo e sem reação, vi minha linda namorada rir da piada e dar um beijo forte de língua em Marcão, que apertou sua bunda com as duas mãos puxando ela pra si. Eles ficaram se beijando um tempão, aquele fdp sentindo com as mãos todo o corpo gostoso de minha namorada, apertando o pau na barriga dela. Nunca a tinha visto com tanto tesão, nem nas nossas melhores transas, que a bem da verdade àquela altura não tinham sido muitas. Passado algum tempo ele a pegou como se fosse uma boneca e colocou sentada na cama para logo se sentar ao seu lado. Os amasso recomeçaram e em poucos minutos ela estava com as duas alças do vestido abaixadas enquanto apertava o pau dele por cima da calça, que formava um volume enorme, enquanto ele mordia um de seus seios por cima do sutiã. Ele não perdeu tempo e logo tirou seu pau pra fora. O pau de Marcão ainda estava meio mole mas mesmo assim era consideravelmente maior que o meu duro e de dentro do armário pude ouvir Bruna suspirar e dizer:
- Eu tinha até me esquecido de como ele é grande!
Meio sem jeito ela punhetou seu pau por algum tempo até que ele ficou completamente duro. Marcão pegou Bruna pelos cabelos e a trouxe até seu rosto, a beijou e cochicou algo em seu ouvido, em seguida ela tirou os sapatos e ficou de quatro ao lado dele na cama, ele então a pegou novamente pelos cabelos empurrou a cabeça dela em direção a sua virilha, esfregando o pau em seu rosto e em seus lábios antes de ordenar que o chupasse. Ela, que nunca tinha me chupado, fechou os olhos e abriu lentamente a boca para engolir a enorme cabeça. Foi aí que percebi que não deveria ter passado muito mais do que quinze minutos desde que os dois entraram no quarto. Me senti completamente humilhado mas meu pau estava estourando dentro da calça, um misto de sentimentos difícil de descrever.
Minha namorada subia e descia com a boca na rola de Marcão, engolindo quase um terço a cada descida, parando um pouco de vez em quando pra respirar e olhar o pau babado. Marcão no entanto não dava sossego e logo dava batidas com o pau em sua cara, puxando seu cabelo e fazendo com que ela engolisse de novo.
- Ta na hora de você ir um pouco mais fundo – disse ele, que mudou de posição e ficou de joelhos deixando a rola dura na altura de seu rosto, a segurou pelos cabelos com as duas mãos e lentamente começou a bombar na sua boca. Ele metia um pouco mais do pau a cada bombada e para meu espanto em pouco tempo já estava com pouco mais da metade enterrado na boca de Bruna, formando um calombo em sua garganta. Ele tirava, deixava ela respirar um pouco, mandava chupar as bolas e depois bombava mais um tempo em sua garganta.
-Assim mesmo putinha, assim que eu gosto!
Ele ficou um tempo metendo na boca dela e apertando seus seios já livres do sutiã. Seu vestido agora estava todo amassado em sua cintura e sua bunda gostosa, coberta somente por uma pequena calcinha preta, era frequentemente apertada. Bruna adorava cada momento, sorvendo e sumindo com quase dois terços daquele pau grande e grosso, lambendo o saco enorme olhando nos olhos de meu corneador. Marcão então começou a perder o ritmo e acelerou as bombadas. Ele então deixou só a cabeçorra na boca dela enquanto masturbava o resto e falou alto:
-Vou gozar! Engole tudo vadia!- Ele estremeceu e mesmo por uma fresta do armário pude ver suas enormes bolas contraindo e jorrando porra na boca da minha namoradinha, que fazia um inútil esforço para tentar engolir tudo. Era tanta porra que um pouco escorreu pelo queixo e pingou na cama. Ele ainda ficou um tempo metendo na boca dela antes de tirar e dar umas pintadas na cara dela.
-Limpa meu pau e engole o que sobrou que logo eu to pronto pro round dois.
Ele deitou na cama e ela começou a lamber a rola semi ereta, limpando e engolindo os resquícios de porra que lá haviam ficado. Quando ela virou a bunda pra mim, pude ver como sua calcinha estava empapada. Marcão olhava diretamente pro armário com um sorriso sarcástico no rosto. Logo seu caralho estava novamente duro e ele tirou toda sua roupa, a deixando somente com sua cinta liga. Ela não ligou nem um pouco para o fato de ter continuado de quatro, mas para mim sempre usava os joelhos cansados como desculpa para mudar de posição. Ele se posicionou atrás dela e lubrificou a cabeça em seu suco antes de força a entrada. A cabeçona entrou com um pouco de dificuldade, mas logo a expressão de dor deu lugar à de prazer e Bruna deu um gemido de tesão que já conhecia mas poucas vezes tive a oportunidade de escutar.
-Ahhh, isso! Que delícia! Mete mais!- Lentamente com ajuda da lubrificação o enorme cacete entrou quase inteiro. Ele deixou ela se acostumar um pouco com o tamanho antes de segurar em sua cintura e começar a bombar. Primeiro devagar, arrancado gemidinhos de prazer a cada estocada, até acelerar e o volume dos gemidos aumentarem.
-Ahh! Isso! Judia de mim! Mete mais forte! Isso! – Logo o ritmo estava frenético e os dois gritavam muito alto sem se importar se alguém podia escutar. Ele puxava o cabelo dela e deu vários tapas em sua bunda, deixando uma marca vermelha.
- Ta gostando vadia? Falei que você ia curtir o meu pau!
- Hmmmm, to sim! To adorando! Mete mais! Isso!
- Depois que eu acabar com você o corno nunca mais vai te fazer gozar!
-Ele nunca fez!
Ela então gozou forte, tremendo muito e gritando bem alto. A festa inteira deve ter escutado minha namorada, que até então era apertadinha, ser arrombada pelo negão roludo. Pouco tempo depois Marcão acelerou e parecia estar perto de gozar novamente.
- Se prepara que eu vou gozar na sua cara, putinha. - Ele tirou o pau de dentro e rapidamente a puxou pelos cabelos, bem a tempo do primeiro jorro sair e acertar em cheio sua bochecha. Ela ficou meio assustada e abriu a boca permitindo que um segundo jorro acertasse em cheio sua garganta. O terceiro foi na testa e o quarto, não tão forte, acertou a boca agora fechada e escorreu até seus seios.
Eles ficaram um tempo parados, ofegantes, o Marcão passava o pau em seu rosto e depois levava até a boca para ela lamber. Passado alguns minutos eles se vestiram, ela lavou o rosto no banheiro, e saíram. Logo depois eu sai tomando cuidado para que pouca gente visse que eu ainda estava por lá.
Apesar de ter sentido tesão e me masturbado vendo a cena, não aguentei o episódio do chifre e terminei com ela, dizendo que um amigo me contou que ela ficou com o Marcão. Mas alguém deve ter me visto saindo do quarto e em pouco tempo eu já estava conhecido como o chifrudo da faculdade, até a Bruna ficou sabendo e veio me humilhar, falando que eu mereci levar o chifre por não ter impedido a cena e que eu gostei de ser corno.
-Você é um frouxo. Dei pro Marcão porque ele sim é um homem de verdade.
Tive que mudar de cidade pra não aguentar mais humilhação.

Sobre este texto

Chifronésio

Autor:

Publicação:18 de fevereiro de 2013 06:45

Gênero literário:Contos eróticos

Tema ou assunto:Pulando a Cerca

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Este texto foi lido 12.274 vezes desde sua publicação em 18/02/2013. Dados do Google Analytics

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

  • Alex Dotado Safado
    Postado porAlex Dotado Safadoem31 de janeiro de 2016 16:57

    depois de algumas exp. passei a gostar demais á cobiçar uma mulher safada, principalmente se for comprometida, vela se exibindo...gozar porra farta pra ela e xinga-la a vontade...ou ajuda-la a perder a timidez e mostrar todo desejo e vontade reprimida... whats (nove, cinco, nove, um, meia, um, sete, nove, um, oito)

  • Joao Batista
    Postado porJoao Batistaem18 de outubro de 2015 18:59

    Eu tambem sei que minha mulher ja gozou muito em outra rola dpois m contou
    pena que ela nao aceita uma transa a tres seria meu sonho

  • Frenando
    Postado porFrenandoem28 de agosto de 2015 13:06

    Olá Shaiane e Bruna, mandem ummemail, [email protected], adorei seus comentários, tenho umas historinhas pra contar pra vcs também, ótima semana

  • Norberto
    Postado porNorbertoem14 de abril de 2015 11:37

    É normal meu amigo,ninguém é perfeito,ate por mim voçe tinha que ter gostado do cenário afinal d contas você nunca tinha visto ela gozando da quele jeito,o negão foi mesmo superio...e não vou ti esconder tou com o pau duro,gostei

  • Shaiene Venske
    Postado porShaiene Venskeem17 de dezembro de 2014 23:24

    Tenho certeza que meu marido sabe das minhas puladas de cerca, mas se faz de desentendido.

    Melhor assim... eu gozo bastante e não tenho problema em casa

    rsrsrsrsr

  • Marcos
    Postado porMarcosem31 de maio de 2013 14:03

    Bruna quero comer vc.

  • Bruna
    Postado porBrunaem26 de fevereiro de 2013 14:43

    Que triste.
    E depois disso, você já assumiu que gosta de ver sua mulher ser fodida na sua frente? Meu marido gosta e não é corno.

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*