Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

Kátia, tesuda e incestuosa (Parte 2)

Kátia, tesuda e incestuosa (Parte 2)
— O que foi? — pergunta ela.
— Não posso. Tua mãe confiou em mim.
— Mas, tio, eu to te querendo... eu...
— Kátia, vc não entende... vc é linda... gostosa demais... mas eu não posso fazer isso com vc...
Ela abaixa os olhos.
Ele liga o motor e arranca. Chegam em casa em silêncio.
Kátia vai para o seu quarto e ele para o seu.
Depois do banho, Kátia, já de camisolinha, recebe uma ligação de Filipe.
— Oi, amor... que saudade — disse ela.
E começaram um diálogo, que logo descambou para o erótico.
— oh, meu gostoso... não fala assim... me deixa louca...
Kátia já tem dois dedos atolados na sua boceta.
— Oooh, fala mais... quer me comer? Quer me comer? Oooh... fode tua branquinha... oooh, fode muito tua branquinha.... mete teu caralho na minha buceta... oh, enfia tudo... me fode... me fode gostoso... fode tua menininha, fode...
Minutos depois, ela jazia ali, lânguida... Filipe, safado que era, faz ela gozar como louca.
Ele já desligara o celular.
Ela ouve ruído de TV ligada na sala. Era o tio, com certeza. Devia estar sem sono.

Mauro estava ali, apenas de calção. Perdera o sono. Estava meio arrependido de haver dispensado Kátia. Ela devia estar magoada com ele. Como ele fora babaca!
— Está sem sono, tio? — ouve a voz atrás de si. A voz suave de Kátia.
Ele se volta e dá com a sobrinha, ali, usando apenas uma camisolinha de tecido quase transparente, curto, creme, simples, mas que a deixava diabolicamente sensual.
— Estou sim, mas pelo visto você também...
— Estava no celular...
— Com o namorado?
— Ele não mais meu namorado, mas mantemos o contato, querendo ou não tivemos um relacionamento e só terminamos porque tanto eu, quanto ele nós mudamos...
— Hum...
Mauro sente ciúmes ao saber que Kátia estava com seu ex no telefone, mas não demonstra nada...
— Mas porque ficou sem sono, tio?
— Tava pensando no que aconteceu hoje, não queria te deixar magoada, mas disse a sua mãe que ela podia confiar em mim...
— Eu sei tio, querendo ou não você é irmão dela, mas eu sei o que estava fazendo, sei das consequências, como a gente mesmo já conversou eu não sou mais uma criança, não estava fazendo nada forçada, você desde o dia que me buscou na plataforma mexeu comigo, mas eu te entendo, se não quiser ficar comigo, nada vai mudar, afinal você sempre será meu tio...
— Não quero que pense assim, como te disse você é linda, gostosa e sua boca é a melhor que já beijei, mas...
Kátia vai até seu tio, senta no seu colo, e não o deixa falar mais nada, a menina sabe que é seu tio ali, mas o desejo por ele está superando qualquer parentesco...
Ela acaba dando-lhe um beijo, calmo mas muito envolvente, tirando qualquer pensamento do seu tio... O beijo prossegue e Kátia segura na nuca do tio brincando com o seu cabelo.
Mauro segue com sua mão pelas pernas da menina, sentindo sua pele macia e maravilhosa,
Kátia por sua vez sente o volume do seu tio em sua bunda e fica ainda mais com desejo ao perceber o quanto está mexendo com seu tio. Este sobe sua mão até sentir o elástico da calcinha da sobrinha e ali fica acariciando; ela abre um pouco as pernas para seu tio e Mauro percebe o que a sobrinha quer e desce sua mão até a virilha da menina, sentindo alguns pelos que por ali escapavam...
Mauro fica louco, mas se controla e vai interrompendo o beijo e tirando sua mão dali lentamente até suas bocas se separarem e sua mão saírem de sua coxas grossas...
— Minha pequena, você sabe o quanto eu te desejo, mas respeito sua mãe e por mais que esteja sendo um idiota ao falar isso afinal sou homem, preciso pensar e colocar minha cabeça no lugar...
— Como já te disse eu te entendo, mas não posso resistir tio, minha atração por você é maior do que qualquer outra... Mas tudo bem, eu vou ir pro meu quarto afinal amanhã o dia vai ser longo, mas quero te pedir uma coisa...
— Pode falar...
— Me da um abraço de boa noite?
¬— Claro!
Kátia e Mauro levantam e Mauro quando vai abraçar sua sobrinha ao olhar sua boca não resiste e acaba a beijando novamente, só que com mais desejo, suas mãos ficam em suas costas descendo até sua bunda e Mauro fica alisando aquela região... Kátia para provocar ainda mais seu tio, desce sua mão até o encontro do seu membro, sente como é enorme e grosso, e fica ali alisando sua cabeça por cima do calção. Mauro fica louco e acaba suspirando.
Kátia se afasta do tio, e Mauro a olha sem entender...
— Isso é só pra você pensar melhor... Vou dormir... beijos, gostoso...
— Beijos né...
Kátia volta para cama e adormece...
Mauro acorda cedo pra ir pro serviço, ao passar pelo quarto da sobrinha não deixa de olhar lá dentro, percebe que ela está descoberta e vai até ela, quando repara no corpo, vê que a menina dormiu sem calcinha e está com a bunda para cima.
Mauro fica louco com isso, e não resiste acaba alisando aquela bunda tão grande, tão branquinha, tão gostosa.
Kátia se mexe, seu tio se assusta e a cobre, sai do quarto e vai pro serviço...
Mais tarde Kátia acorda, não tem ninguém em casa, parece que todo mundo foi trabalhar; ela vai beber um copo de leite e corre para a faculdade resolver algumas pendências, pois as aulas iriam começar dali a 1 semana;
Kátia fica passeando o resto do dia, conhecendo a cidade, chega em casa já muito tarde. Sua avó estava colocando a mesa de jantar e seu tio estava esperando também.
Enfim todos se juntam na mesa, e começa o jantar...
Kátia está ao lado do tio, e ela por sua vez começa a alisar sua perna por debaixo da mesa, deixando seu tio sem muito pra onde fugir...

Ela não perde a chance de provocá-lo, inclusive até na forma de introduzir um pedaço de legume na boca. Tudo nela torna-se sugestivo, insinuante.
Num dado momento do jantar, ela derruba o garfo no chão, de propósito. Mauro se apressa em pegar para ela.
Mas era apenas um truque da garota.
Mauro praticamente se enfia debaixo da mesa para pegar o talher, e aí Kátia começa o seu show. Como estava usando uma saia, ela começa a abrir e a fechar as coxas, oferecendo ao pobre tio um espetáculo do mais alto teor erótico.
Mauro fica boquiaberto com a ousadia da sobrinha.
Ela abre as coxas e as deixam assim, abertas, para ele olhar. E Mauro olha, e se excita barbaramente quando vê a calcinha da sobrinha enfiada na sua grutinha coberta de pêlos.
Ela então fecha as coxas.
Ela quer enlouquecê-lo de tesão. Quer fazê-lo pagar por ter recusado transar com ela. Pelo menos era o que Mauro achava.
Ele então sai de baixo da mesa, meio constrangido.
Kátia está lá, e o olha da forma mais sem vergonha do mundo.

Cristine terminara de lavar a louça naquele momento, e foi até o seu quarto. Toni ligara dizendo que teria que almoçar na empresa. Para ela, tanto fazia.
Acostumara-se a ficar sozinha, mesmo quando ele estava em casa.
Olha-se no espelho. Sabia que era linda, que despertava cobiça por onde andasse.
A mesma cobiça que ela gostava de ver nos olhos “dele”.
Dez anos atrás. O bom das lembranças é que elas quebravam as barreiras do tempo.
Ela estava no seu quarto, ansiosa, como sempre. Toni acabara de sair.
Ela adorava fazer amor com “ele” às tardes. Seus corpos ficavam suados, e eles podiam sentir aquele aroma forte no ar.
“Ele” era insaciável. Como a possuía com vontade.
Dois toques na porta, e ela abria. Ele já entrava beijando, tocando, erguendo-a do solo.
As vezes, a encostava na parede, deixava-a de costas, e a possuía ali mesmo.
— Oh, meu amor... ooh
— vc está... cada vez mais tesuda... aah...
— oh, me come... come tua mulher... come…oh
Cristine desperta daquele devaneio. Sua calcinha está no meio das suas deliciosas coxas, e seus dedos entram e saem daquela gruta sequiosa... seus fartos pêlos pubianos estão melecados com o liquido que sai da sua buceta em abundância...
Era uma mulher em pleno cio...
Cristine precisava, merecia ser possuída...
Mas Cristine, mulher deliciosa e solitária, só queria “ele”...
Dos seus lábios sai um nome...
E ela tem os últimos espasmos daquele orgasmo solitário.

Mauro chega em casa, depois do costumeiro futsal com os amigos. Bebera algumas latinhas de cerveja.
Ele passa pelo quarto de Kátia, e ouve, através da porta, ela cantarolando.
Mauro calcula que ela está no chuveiro.
Ele sorri. Mas logo sua mente um tanto pervertida já começa a imaginá-la sob os jatos dágua, peladinha, cheia de espuma de sabonete...
Imagina a água escorrendo pelo seu delicioso e voluptuoso corpo, os bicos dos seios durinhos, as coxas grossas, o triângulo de pêlos e lá no meio, aquela grutinha que havia se tornado uma obsessão para ele.
Ele vai se afastar, quando resvala numa cadeira, fazendo um barulho.
— Titio... é você? — diz ela, em voz alta.
Mauro não sabe se responde.
— Tio, por favor, vem cá... preciso de um favor...
Mauro fica em duvida, mas esquece tudo, e vai até o banheiro, quando entra percebe que o boxe impede que veja a sobrinha, mas ela logo o chama...
— Tio, não to conseguindo mudar a temperatura do chuveiro ta muito alto, não alcanço...
— Se enrola na toalha que eu vou ai...
— Pronto.
Mauro abre o boxe, Kátia está só com a toalha sobre o corpo.
— Em qual você quer que eu coloque?
Kátia se aproxima do tio, encostando seu corpo no dele.
— Quero que você coloque sua boca na minha, afinal você já pensou demais..
Mauro não perde tempo, já estava enrolando demais com a sobrinha, sabia que estava indo contra sua irmã, mas ele era homem, e daqui a pouco Kátia podia ficar com uma impressão errada do tio...
Então ele a puxa para mais perto de si, a toalha escorrega e cai no chão do banheiro, Mauro fica doido ao ver aquela menina ali na sua frente se nenhuma roupa, colocado no seu corpo; logo a beija com vontade, um beijo intenso e provocante, sua mão passa pelas suas costas, de desce até sua bunda e ali fica... aperta a bunda da sua sobrinha e sente como é gostosa, durinha e arrebitada, sua pele é macia;
Kátia já sente ereção do seu tio em sua virilha, está toda molhadinha.
Mauro então desce sua mão até a virilha da sua sobrinha, sente seus os pelos fartos, e fica brincando com aquilo...
Kátia então para o beijo e fica olhando a mão do seu tio ali, isso o deixa ainda mais excitada...
Mauro olha para a menina e vê o desejo dela no olhar, logo percorre sua mão, e a sente toda a molhadinha e enfia seu dedo naquela gruta tão quentinha, tão apetitosa...
Kátia por sua vez solta um gemido, Mauro começa um movimento de vai e vem gostoso... sua sobrinha não resiste e começa a acompanha-lo com o quadril, Kátia não aquenta e goza na mão do seu tio... Mauro fica louco...
— Vamos pra cama, minha tesuda?
— Vamos, titio...
Mauro a pega no colo e a tira daquele banheiro, coloca ela na cama e tira sua blusa e bermuda, seu pau já não se contém dentro da sua cueca... ele a tira e vai para cama com Kátia, ela fica surpreendida com o tamanho daquilo, e sente um enorme desejo de tudo aquilo na sua boca...
Mauro vem pra cima dela, ela o joga de lado e vai pra cima dele, dando um beijo intenso, desce sua mão para o pau de Mauro e começa bater uma punheta para tio, alisando aquele mastro, passando seus dedos na cabeça, Mauro fica louco...
— Noss... huuumm... isso gostosa... acaricia esse mastro vai...
Kátia desce beijando o corpo do tio, deixando ele ainda com mais tesão...
Até que chega em seu pau, ela olha para tudo aquilo na sua frente e olha pro seu tio com o olhar mais malicioso que ela já vira, então começa chupar suas bolas, mas continua com sua punheta, então começa a lamber aquele pau como se fosse um delicioso picolé...
Quando chega na cabecinha começa dar leves chupadas, e assim faz com que seja uma chupeta bem apetitosa.
— Para de me provocar, Kátia, coloca logo esse caralho na boca, engole tudinho vai, me faz gozar na sua boca...
Kátia não perde tempo, coloca aquele cacete na boca, e chupa como neném, engole todo aquele pau, e faz movimentos de vai vem... Mauro segura o cabelo da sobrinha e acompanha com ela seus movimentos...
— Vai, sua putinha gostosa, chupa esse mastro, vai... huuum... que delicia. Sua tesuda....
Kátia sempre coloca o tudo que pode que pode afinal Mauro era muito bem dotado, mas sempre com sua mão para ajudar e proporcionar mais prazer para seu tio...
Mauro não está mais aguentando, afinal sua sobrinha já esta a um bom tempo trabalhando com seu pau...
— Vou esporrar, Kátia, ai que delicia, huuum, continua asssiiiim que eu vou gooozar.... huuuum, nooossa....
Kátia engole tudo, aquele leitinho branquinho e gostoso, chupa tudo e não deixa cair nenhuma gota... ela sobe e beija seu tio fazendo que o sinta o gosto da sua porra, mas ele interrompe Kátia...
— Fica de quatro pra mim, deixa eu te comer, delicia?
— Claro, titio, coloca tudo isso em mim, sem dó sem piedade...
Kátia fica de quatro, na beirada da cama, Mauro levanta e fica esfregando seu pau, na bucetinha de Kátia, que já latejava por querer aquilo dentro dela...
Mas quando Mauro vai enfiar, ouve um barulho era sua mãe chegando...
— Kátia é sua vó, preciso me vestir... depois a gente termina isso, sua gostosa...
— Tá, tio, não vejo a hora de te sentir dentro de mim, esse cacete enorme me rasgando por dentro...
Kátia levanta e da um beijo no tio, e volta para o banheiro, Mauro veste suas roupas e vai para seu quarto antes que sua mãe perceba...

O resto do dia foi de uma expectativa enorme para os dois. Mauro torcendo para que a mãe saísse, o mesmo acontecendo com Kátia.
Pra piorar, ela vestira um shortinho curtíssimo e folgado, daqueles que, ao menor descuido, revelava detalhes deliciosos... E foi isso que aconteceu.
Mauro estava sentado na sala, e Kátia não perdeu a chance de provocá-lo. Sentou-se no sofá diante dele, e, dobrando os joelhos, começou um abrir e fechar de coxas...
Mauro estava perdendo o controle. Estava perdendo a noção do certo e do errado.
Kátia, em dado momento, abriu as coxas o mais que pode, e, percebendo que a vó não estava por perto, começou a insinuar uma masturbação.
Foi além, muiito além.
Tirou a calcinha de lado, e exibiu para ele sua buceta, já toda melecada...
— Tio, eu não agüento mais...
— Kátia, a mãe pode ver... sua doida...
— Tio, diz a verdade... vc quer me foder? Quer foder minha bucetinha?
— Eu quero... quero demais... meu pau está grosso e latejando por vc, meu amor...
— Oh, tio... fala mais...
— Sempre quis foder vc... sempre fui louco pra foder vc gostoso...
— Oh, tio... verdade?
— Sim, mas eu sei que vc não ia agüentar... vc era tesuda, mas não iria agüentar...
— Tio, por que não me falou? A gente podia brincar...
— Não... foi melhor assim... vc está aqui, toda tesuda...
Nisso, a mãe de Mauro apareceu na sala, mas não pode perceber nada, pois Kátia era muito esperta e se recompora.
Mas ela ficou ali, com aquele sorriso maroto, muito sem vergonha nos lábios.

Mauro não se agüentava mais. Seu pau andava duro direto, a cabeça naquela doçura que era sua sobrinha. Ele não via a hora da mãe sair. Será que naquele dia teria bingo?
Não acreditou quando sua mãe o procurou e disse que sairia com algumas velhas amigas. Só faltou o Mauro empurrar a mãe até o portão.
Assim que a mãe saiu, Mauro foi até o seu quarto.
Seu coração batia acelerado.
Não via a hora de ouvir os toques na porta.
Mas isso não aconteceu.
Ele ouviu a voz da sobrinha chamando-o.
— Tio, por favor, pode vir aqui na sala?
E lá foi o pobre (pobre?) Mauro. Sentia-se dominado, totalmente dominado por aquele louco desejo.
Ao chegar na sala, pára, boquiaberto.
Kátia nunca estava satisfeita, sempre aprontava alguma para surpreendê-lo.
Ela estava ali, deitada no amplo sofá.
Kátia estava nua.
Nuinha da silva.
E de sua boca saíram estas palavras:
— Vem, tio, vem pra mim.

Longe dali, Cristine era só lembranças.
Toni estava demorando para chegar, e ela estava rebuscando suas gavetas.
Tirou um pacote do fundo de uma delas, e pôs-se a olhar seu conteúdo.
Fotos, cartas, bilhetes...
Havia uma foto sua, nua, e fora “ele” que tirara...
Ele tinha verdadeira fixação pelo seu rosto, pelo seu corpo, pelo seus pêlos pubianos, que ela fazia questão de deixar bem sedosos, perfumados... Alí, naquele delta, é que ele gostava de se perder, de matar sua sede, sua fome...
Ela retribuía... passava longos momentos alisando aquele cacete enorme, suspirando ao vê-lo se alongar e engrossar em suas delicadas mãos..
Ela gostava de ver a expressão do amante quando ela levava aquele mastro à boca... ela o chupava olhando-o nos olhos... Não era raro ele ejacular no rosto dela, nos seus seios...
Ele era resistente... muito resistente, parecia um touro. Um touro enlouquecido de desejo. E ela, uma deliciosa amazona.
Como ela gostava de montar sobre ele, encaixar aquela tora de carne na entrada da sua buceta, e descer, lentamente, levando o rapaz à loucura.
Fazia isso com um certo sadismo.
Ela descia e subia as ancas com suavidade, com uma lentidão exasperante, o que fazia com que ele a puxasse, as vezes, enterrando seu pau de uma vez só...
Ela adorava isso... adorava aquela truculência, aquele jeito de homem, comedor, as vezes até cafajeste, mas capaz de transmitir uma doçura sem igual nos momentos de sexo intenso.
Cristine volta a realidade.
Do meio do pacote cai um anel. Fora “ele” que lhe dera.
Aliás, ela também lhe dera um igual. Fora como um pacto.
Um pacto para que ambos não se esquecessem dos momentos que viveram.
Será que ele guardara aquele anel?

Enquanto isso, ....

Mauro ficou louco com Kátia daquele jeito, afinal aquela menina podia ter só 19 anos, mas sabia surpreender um homem e provoca-lo, e com certeza naquela altura do campeonato seu pau já estava mais que duro, ele estava louco, foi até Kátia que o esperava ali naquele sofá toda peladinha, mostrando aquele tesouro coberto de pelos e isso o deixava ainda mais excitado, foi até aquele menina, mas não queria a ter ela ali no sofá, queria curtir o momento, e ali na sala seria demais para ele sua mãe podia chegar e eles não teriam para onde se esconder.
— Kátia, como você me provoca, agora vc vai ver o que vai te acontecer...
— Aé? E o que vai acontecer? Pelo visto nada, afinal to deitada aqui faz mó tempo e você fica ai só babando...
— Como você me provoca menina, mas pode deixar não vou ficar mas só te olhando.
Mauro vai até a sobrinha, ela se senta e os dois começam com deliciosos e provocantes beijos, Mauro passa a mão nas pernas da menina, e ela tira sua blusa. Mauro sobe sua mão e começa brincar com os pelos da sobrinha e já sente o quanto ela está molhada, Kátia desce sua mão e coloca por dentro da bermuda e começa massagear o enorme pênis de seu tio por cima da cueca, Mauro fica louco, não está mais aguento aquela situação quer ter o mais rápido possível aquela menina.
— Kátia eu te quero demais, vamos pro meu quarto, aqui minha mãe pode chegar...
— Ta titio,
Mauro adorava quando sua sobrinha o chamava titio o deixava ainda mais excitado. Mauro então pega ela no colo, e vai paro seu quarto entre beijos com a menina.
Assim que chegam lá Mauro a coloca na cama, e tira toda sua roupa, Kátia fica louca ao ver o corpo do seu tio, aquele membro enorme grosso delicioso ali na frente dela.
— Vem titio, vem quero você aqui dentro de mim, me levando para a lua.
Mauro não chega nem a pensar, vai ao encontro de Kátia, começa beijando desde seus dedos do pé até que chega em sua parte preferida, a buceta de Kátia esta toda molhadinha, quase piscando para ter o pau de Mauro, mas ele por si só não aguenta e acaba saboreando aquele lugar.
— Huuum, aaah, tio que delicia de língua, huuuum... Tio, vamos fazer um 69, quero muito esse seu pau gostoso na minha boquinha,
Mauro vira, e já sente seu membro na boca de Kátia, ela chupa como ninguém...
Kátia chega a perder o controle sobre o pênis de Mauro, com tanto prazer que está sentindo, mas não larga por nada, pois aquilo estava muuuito gostoso para ela e para o Mauro.
Os dois acabam gozando juntos, Kátia engole tudinho, e Mauro suga tudo que escorre pela bucetinha (inha? Que nada).
Eles se viram e se beijam um sentindo gosto do outro. Entre um beijo e outro eles falam...
— Kátia, que delicia, você me chupou como nunca me chuparam, nossa...
— Digo o mesmo titio, uma delicia sua boca... Mas quero você dentro de mim já estou louca de vontade...
— Tá minha gostosa, minha tesuda...
— Repete de novo o que eu sou pra você, ein, titio?
— Minha sobrinha gostosa e tesuda.
— Que delicia, vc me deixa molhadinha falando desse jeito.
Kátia pega o pau de Mauro e começa roça-lo na sua virilha, passando pelos seus lábios,
Mauro está louco quer comer Kátia hoje, antes que sua mãe chegue e atrapalhe tudo novamente...
Mauro retira o pau da mão de Kátia, e olha com aquela cara mais safada que existe com um olhar que Kátia entende que ele vai colocar aquele pau enorme dentro dela...
— Vem, titio, coloca tudinho dentro da minha bucetinha, mas com calma porque ela não está acostumada com um mastro igual ao que você tem...
— Se doer, você me avisa, não quero machuca-la.
— Sei que não, ao contrario vai me fazer gozar ainda mais...
Mauro começa colocando aos pouco, enfia a cabeça, Kátia geme, ao mesmo tempo sente uma pequena dor, mas nada comparado ao prazer....
— O que foi? — pergunta ela.
— Não posso. Tua mãe confiou em mim.
— Mas, tio, eu to te querendo... eu...
— Kátia, vc não entende... vc é linda... gostosa demais... mas eu não posso fazer isso com vc...
Ela abaixa os olhos.
Ele liga o motor e arranca. Chegam em casa em silêncio.
Kátia vai para o seu quarto e ele para o seu.
Depois do banho, Kátia, já de camisolinha, recebe uma ligação de Filipe.
— Oi, amor... que saudade — disse ela.
E começaram um diálogo, que logo descambou para o erótico.
— oh, meu gostoso... não fala assim... me deixa louca...
Kátia já tem dois dedos atolados na sua boceta.
— Oooh, fala mais... quer me comer? Quer me comer? Oooh... fode tua branquinha... oooh, fode muito tua branquinha.... mete teu caralho na minha buceta... oh, enfia tudo... me fode... me fode gostoso... fode tua menininha, fode...
Minutos depois, ela jazia ali, lânguida... Filipe, safado que era, faz ela gozar como louca.
Ele já desligara o celular.
Ela ouve ruído de TV ligada na sala. Era o tio, com certeza. Devia estar sem sono.

Mauro estava ali, apenas de calção. Perdera o sono. Estava meio arrependido de haver dispensado Kátia. Ela devia estar magoada com ele. Como ele fora babaca!
— Está sem sono, tio? — ouve a voz atrás de si. A voz suave de Kátia.
Ele se volta e dá com a sobrinha, ali, usando apenas uma camisolinha de tecido quase transparente, curto, creme, simples, mas que a deixava diabolicamente sensual.
— Estou sim, mas pelo visto você também...
— Estava no celular...
— Com o namorado?
— Ele não mais meu namorado, mas mantemos o contato, querendo ou não tivemos um relacionamento e só terminamos porque tanto eu, quanto ele nós mudamos...
— Hum...
Mauro sente ciúmes ao saber que Kátia estava com seu ex no telefone, mas não demonstra nada...
— Mas porque ficou sem sono, tio?
— Tava pensando no que aconteceu hoje, não queria te deixar magoada, mas disse a sua mãe que ela podia confiar em mim...
— Eu sei tio, querendo ou não você é irmão dela, mas eu sei o que estava fazendo, sei das consequências, como a gente mesmo já conversou eu não sou mais uma criança, não estava fazendo nada forçada, você desde o dia que me buscou na plataforma mexeu comigo, mas eu te entendo, se não quiser ficar comigo, nada vai mudar, afinal você sempre será meu tio...
— Não quero que pense assim, como te disse você é linda, gostosa e sua boca é a melhor que já beijei, mas...
Kátia vai até seu tio, senta no seu colo, e não o deixa falar mais nada, a menina sabe que é seu tio ali, mas o desejo por ele está superando qualquer parentesco...
Ela acaba dando-lhe um beijo, calmo mas muito envolvente, tirando qualquer pensamento do seu tio... O beijo prossegue e Kátia segura na nuca do tio brincando com o seu cabelo.
Mauro segue com sua mão pelas pernas da menina, sentindo sua pele macia e maravilhosa,
Kátia por sua vez sente o volume do seu tio em sua bunda e fica ainda mais com desejo ao perceber o quanto está mexendo com seu tio. Este sobe sua mão até sentir o elástico da calcinha da sobrinha e ali fica acariciando; ela abre um pouco as pernas para seu tio e Mauro percebe o que a sobrinha quer e desce sua mão até a virilha da menina, sentindo alguns pelos que por ali escapavam...
Mauro fica louco, mas se controla e vai interrompendo o beijo e tirando sua mão dali lentamente até suas bocas se separarem e sua mão saírem de sua coxas grossas...
— Minha pequena, você sabe o quanto eu te desejo, mas respeito sua mãe e por mais que esteja sendo um idiota ao falar isso afinal sou homem, preciso pensar e colocar minha cabeça no lugar...
— Como já te disse eu te entendo, mas não posso resistir tio, minha atração por você é maior do que qualquer outra... Mas tudo bem, eu vou ir pro meu quarto afinal amanhã o dia vai ser longo, mas quero te pedir uma coisa...
— Pode falar...
— Me da um abraço de boa noite?
¬— Claro!
Kátia e Mauro levantam e Mauro quando vai abraçar sua sobrinha ao olhar sua boca não resiste e acaba a beijando novamente, só que com mais desejo, suas mãos ficam em suas costas descendo até sua bunda e Mauro fica alisando aquela região... Kátia para provocar ainda mais seu tio, desce sua mão até o encontro do seu membro, sente como é enorme e grosso, e fica ali alisando sua cabeça por cima do calção. Mauro fica louco e acaba suspirando.
Kátia se afasta do tio, e Mauro a olha sem entender...
— Isso é só pra você pensar melhor... Vou dormir... beijos, gostoso...
— Beijos né...
Kátia volta para cama e adormece...
Mauro acorda cedo pra ir pro serviço, ao passar pelo quarto da sobrinha não deixa de olhar lá dentro, percebe que ela está descoberta e vai até ela, quando repara no corpo, vê que a menina dormiu sem calcinha e está com a bunda para cima.
Mauro fica louco com isso, e não resiste acaba alisando aquela bunda tão grande, tão branquinha, tão gostosa.
Kátia se mexe, seu tio se assusta e a cobre, sai do quarto e vai pro serviço...
Mais tarde Kátia acorda, não tem ninguém em casa, parece que todo mundo foi trabalhar; ela vai beber um copo de leite e corre para a faculdade resolver algumas pendências, pois as aulas iriam começar dali a 1 semana;
Kátia fica passeando o resto do dia, conhecendo a cidade, chega em casa já muito tarde. Sua avó estava colocando a mesa de jantar e seu tio estava esperando também.
Enfim todos se juntam na mesa, e começa o jantar...
Kátia está ao lado do tio, e ela por sua vez começa a alisar sua perna por debaixo da mesa, deixando seu tio sem muito pra onde fugir...

Ela não perde a chance de provocá-lo, inclusive até na forma de introduzir um pedaço de legume na boca. Tudo nela torna-se sugestivo, insinuante.
Num dado momento do jantar, ela derruba o garfo no chão, de propósito. Mauro se apressa em pegar para ela.
Mas era apenas um truque da garota.
Mauro praticamente se enfia debaixo da mesa para pegar o talher, e aí Kátia começa o seu show. Como estava usando uma saia, ela começa a abrir e a fechar as coxas, oferecendo ao pobre tio um espetáculo do mais alto teor erótico.
Mauro fica boquiaberto com a ousadia da sobrinha.
Ela abre as coxas e as deixam assim, abertas, para ele olhar. E Mauro olha, e se excita barbaramente quando vê a calcinha da sobrinha enfiada na sua grutinha coberta de pêlos.
Ela então fecha as coxas.
Ela quer enlouquecê-lo de tesão. Quer fazê-lo pagar por ter recusado transar com ela. Pelo menos era o que Mauro achava.
Ele então sai de baixo da mesa, meio constrangido.
Kátia está lá, e o olha da forma mais sem vergonha do mundo.

Cristine terminara de lavar a louça naquele momento, e foi até o seu quarto. Toni ligara dizendo que teria que almoçar na empresa. Para ela, tanto fazia.
Acostumara-se a ficar sozinha, mesmo quando ele estava em casa.
Olha-se no espelho. Sabia que era linda, que despertava cobiça por onde andasse.
A mesma cobiça que ela gostava de ver nos olhos “dele”.
Dez anos atrás. O bom das lembranças é que elas quebravam as barreiras do tempo.
Ela estava no seu quarto, ansiosa, como sempre. Toni acabara de sair.
Ela adorava fazer amor com “ele” às tardes. Seus corpos ficavam suados, e eles podiam sentir aquele aroma forte no ar.
“Ele” era insaciável. Como a possuía com vontade.
Dois toques na porta, e ela abria. Ele já entrava beijando, tocando, erguendo-a do solo.
As vezes, a encostava na parede, deixava-a de costas, e a possuía ali mesmo.
— Oh, meu amor... ooh
— vc está... cada vez mais tesuda... aah...
— oh, me come... come tua mulher... come…oh
Cristine desperta daquele devaneio. Sua calcinha está no meio das suas deliciosas coxas, e seus dedos entram e saem daquela gruta sequiosa... seus fartos pêlos pubianos estão melecados com o liquido que sai da sua buceta em abundância...
Era uma mulher em pleno cio...
Cristine precisava, merecia ser possuída...
Mas Cristine, mulher deliciosa e solitária, só queria “ele”...
Dos seus lábios sai um nome...
E ela tem os últimos espasmos daquele orgasmo solitário.

Mauro chega em casa, depois do costumeiro futsal com os amigos. Bebera algumas latinhas de cerveja.
Ele passa pelo quarto de Kátia, e ouve, através da porta, ela cantarolando.
Mauro calcula que ela está no chuveiro.
Ele sorri. Mas logo sua mente um tanto pervertida já começa a imaginá-la sob os jatos dágua, peladinha, cheia de espuma de sabonete...
Imagina a água escorrendo pelo seu delicioso e voluptuoso corpo, os bicos dos seios durinhos, as coxas grossas, o triângulo de pêlos e lá no meio, aquela grutinha que havia se tornado uma obsessão para ele.
Ele vai se afastar, quando resvala numa cadeira, fazendo um barulho.
— Titio... é você? — diz ela, em voz alta.
Mauro não sabe se responde.
— Tio, por favor, vem cá... preciso de um favor...
Mauro fica em duvida, mas esquece tudo, e vai até o banheiro, quando entra percebe que o boxe impede que veja a sobrinha, mas ela logo o chama...
— Tio, não to conseguindo mudar a temperatura do chuveiro ta muito alto, não alcanço...
— Se enrola na toalha que eu vou ai...
— Pronto.
Mauro abre o boxe, Kátia está só com a toalha sobre o corpo.
— Em qual você quer que eu coloque?
Kátia se aproxima do tio, encostando seu corpo no dele.
— Quero que você coloque sua boca na minha, afinal você já pensou demais..
Mauro não perde tempo, já estava enrolando demais com a sobrinha, sabia que estava indo contra sua irmã, mas ele era homem, e daqui a pouco Kátia podia ficar com uma impressão errada do tio...
Então ele a puxa para mais perto de si, a toalha escorrega e cai no chão do banheiro, Mauro fica doido ao ver aquela menina ali na sua frente se nenhuma roupa, colocado no seu corpo; logo a beija com vontade, um beijo intenso e provocante, sua mão passa pelas suas costas, de desce até sua bunda e ali fica... aperta a bunda da sua sobrinha e sente como é gostosa, durinha e arrebitada, sua pele é macia;
Kátia já sente ereção do seu tio em sua virilha, está toda molhadinha.
Mauro então desce sua mão até a virilha da sua sobrinha, sente seus os pelos fartos, e fica brincando com aquilo...
Kátia então para o beijo e fica olhando a mão do seu tio ali, isso o deixa ainda mais excitada...
Mauro olha para a menina e vê o desejo dela no olhar, logo percorre sua mão, e a sente toda a molhadinha e enfia seu dedo naquela gruta tão quentinha, tão apetitosa...
Kátia por sua vez solta um gemido, Mauro começa um movimento de vai e vem gostoso... sua sobrinha não resiste e começa a acompanha-lo com o quadril, Kátia não aquenta e goza na mão do seu tio... Mauro fica louco...
— Vamos pra cama, minha tesuda?
— Vamos, titio...
Mauro a pega no colo e a tira daquele banheiro, coloca ela na cama e tira sua blusa e bermuda, seu pau já não se contém dentro da sua cueca... ele a tira e vai para cama com Kátia, ela fica surpreendida com o tamanho daquilo, e sente um enorme desejo de tudo aquilo na sua boca...
Mauro vem pra cima dela, ela o joga de lado e vai pra cima dele, dando um beijo intenso, desce sua mão para o pau de Mauro e começa bater uma punheta para tio, alisando aquele mastro, passando seus dedos na cabeça, Mauro fica louco...
— Noss... huuumm... isso gostosa... acaricia esse mastro vai...
Kátia desce beijando o corpo do tio, deixando ele ainda com mais tesão...
Até que chega em seu pau, ela olha para tudo aquilo na sua frente e olha pro seu tio com o olhar mais malicioso que ela já vira, então começa chupar suas bolas, mas continua com sua punheta, então começa a lamber aquele pau como se fosse um delicioso picolé...
Quando chega na cabecinha começa dar leves chupadas, e assim faz com que seja uma chupeta bem apetitosa.
— Para de me provocar, Kátia, coloca logo esse caralho na boca, engole tudinho vai, me faz gozar na sua boca...
Kátia não perde tempo, coloca aquele cacete na boca, e chupa como neném, engole todo aquele pau, e faz movimentos de vai vem... Mauro segura o cabelo da sobrinha e acompanha com ela seus movimentos...
— Vai, sua putinha gostosa, chupa esse mastro, vai... huuum... que delicia. Sua tesuda....
Kátia sempre coloca o tudo que pode que pode afinal Mauro era muito bem dotado, mas sempre com sua mão para ajudar e proporcionar mais prazer para seu tio...
Mauro não está mais aguentando, afinal sua sobrinha já esta a um bom tempo trabalhando com seu pau...
— Vou esporrar, Kátia, ai que delicia, huuum, continua asssiiiim que eu vou gooozar.... huuuum, nooossa....
Kátia engole tudo, aquele leitinho branquinho e gostoso, chupa tudo e não deixa cair nenhuma gota... ela sobe e beija seu tio fazendo que o sinta o gosto da sua porra, mas ele interrompe Kátia...
— Fica de quatro pra mim, deixa eu te comer, delicia?
— Claro, titio, coloca tudo isso em mim, sem dó sem piedade...
Kátia fica de quatro, na beirada da cama, Mauro levanta e fica esfregando seu pau, na bucetinha de Kátia, que já latejava por querer aquilo dentro dela...
Mas quando Mauro vai enfiar, ouve um barulho era sua mãe chegando...
— Kátia é sua vó, preciso me vestir... depois a gente termina isso, sua gostosa...
— Tá, tio, não vejo a hora de te sentir dentro de mim, esse cacete enorme me rasgando por dentro...
Kátia levanta e da um beijo no tio, e volta para o banheiro, Mauro veste suas roupas e vai para seu quarto antes que sua mãe perceba...

O resto do dia foi de uma expectativa enorme para os dois. Mauro torcendo para que a mãe saísse, o mesmo acontecendo com Kátia.
Pra piorar, ela vestira um shortinho curtíssimo e folgado, daqueles que, ao menor descuido, revelava detalhes deliciosos... E foi isso que aconteceu.
Mauro estava sentado na sala, e Kátia não perdeu a chance de provocá-lo. Sentou-se no sofá diante dele, e, dobrando os joelhos, começou um abrir e fechar de coxas...
Mauro estava perdendo o controle. Estava perdendo a noção do certo e do errado.
Kátia, em dado momento, abriu as coxas o mais que pode, e, percebendo que a vó não estava por perto, começou a insinuar uma masturbação.
Foi além, muiito além.
Tirou a calcinha de lado, e exibiu para ele sua buceta, já toda melecada...
— Tio, eu não agüento mais...
— Kátia, a mãe pode ver... sua doida...
— Tio, diz a verdade... vc quer me foder? Quer foder minha bucetinha?
— Eu quero... quero demais... meu pau está grosso e latejando por vc, meu amor...
— Oh, tio... fala mais...
— Sempre quis foder vc... sempre fui louco pra foder vc gostoso...
— Oh, tio... verdade?
— Sim, mas eu sei que vc não ia agüentar... vc era tesuda, mas não iria agüentar...
— Tio, por que não me falou? A gente podia brincar...
— Não... foi melhor assim... vc está aqui, toda tesuda...
Nisso, a mãe de Mauro apareceu na sala, mas não pode perceber nada, pois Kátia era muito esperta e se recompora.
Mas ela ficou ali, com aquele sorriso maroto, muito sem vergonha nos lábios.

Mauro não se agüentava mais. Seu pau andava duro direto, a cabeça naquela doçura que era sua sobrinha. Ele não via a hora da mãe sair. Será que naquele dia teria bingo?
Não acreditou quando sua mãe o procurou e disse que sairia com algumas velhas amigas. Só faltou o Mauro empurrar a mãe até o portão.
Assim que a mãe saiu, Mauro foi até o seu quarto.
Seu coração batia acelerado.
Não via a hora de ouvir os toques na porta.
Mas isso não aconteceu.
Ele ouviu a voz da sobrinha chamando-o.
— Tio, por favor, pode vir aqui na sala?
E lá foi o pobre (pobre?) Mauro. Sentia-se dominado, totalmente dominado por aquele louco desejo.
Ao chegar na sala, pára, boquiaberto.
Kátia nunca estava satisfeita, sempre aprontava alguma para surpreendê-lo.
Ela estava ali, deitada no amplo sofá.
Kátia estava nua.
Nuinha da silva.
E de sua boca saíram estas palavras:
— Vem, tio, vem pra mim.

Longe dali, Cristine era só lembranças.
Toni estava demorando para chegar, e ela estava rebuscando suas gavetas.
Tirou um pacote do fundo de uma delas, e pôs-se a olhar seu conteúdo.
Fotos, cartas, bilhetes...
Havia uma foto sua, nua, e fora “ele” que tirara...
Ele tinha verdadeira fixação pelo seu rosto, pelo seu corpo, pelo seus pêlos pubianos, que ela fazia questão de deixar bem sedosos, perfumados... Alí, naquele delta, é que ele gostava de se perder, de matar sua sede, sua fome...
Ela retribuía... passava longos momentos alisando aquele cacete enorme, suspirando ao vê-lo se alongar e engrossar em suas delicadas mãos..
Ela gostava de ver a expressão do amante quando ela levava aquele mastro à boca... ela o chupava olhando-o nos olhos... Não era raro ele ejacular no rosto dela, nos seus seios...
Ele era resistente... muito resistente, parecia um touro. Um touro enlouquecido de desejo. E ela, uma deliciosa amazona.
Como ela gostava de montar sobre ele, encaixar aquela tora de carne na entrada da sua buceta, e descer, lentamente, levando o rapaz à loucura.
Fazia isso com um certo sadismo.
Ela descia e subia as ancas com suavidade, com uma lentidão exasperante, o que fazia com que ele a puxasse, as vezes, enterrando seu pau de uma vez só...
Ela adorava isso... adorava aquela truculência, aquele jeito de homem, comedor, as vezes até cafajeste, mas capaz de transmitir uma doçura sem igual nos momentos de sexo intenso.
Cristine volta a realidade.
Do meio do pacote cai um anel. Fora “ele” que lhe dera.
Aliás, ela também lhe dera um igual. Fora como um pacto.
Um pacto para que ambos não se esquecessem dos momentos que viveram.
Será que ele guardara aquele anel?

Enquanto isso, ....

Mauro ficou louco com Kátia daquele jeito, afinal aquela menina podia ter só 19 anos, mas sabia surpreender um homem e provoca-lo, e com certeza naquela altura do campeonato seu pau já estava mais que duro, ele estava louco, foi até Kátia que o esperava ali naquele sofá toda peladinha, mostrando aquele tesouro coberto de pelos e isso o deixava ainda mais excitado, foi até aquele menina, mas não queria a ter ela ali no sofá, queria curtir o momento, e ali na sala seria demais para ele sua mãe podia chegar e eles não teriam para onde se esconder.
— Kátia, como você me provoca, agora vc vai ver o que vai te acontecer...
— Aé? E o que vai acontecer? Pelo visto nada, afinal to deitada aqui faz mó tempo e você fica ai só babando...
— Como você me provoca menina, mas pode deixar não vou ficar mas só te olhando.
Mauro vai até a sobrinha, ela se senta e os dois começam com deliciosos e provocantes beijos, Mauro passa a mão nas pernas da menina, e ela tira sua blusa. Mauro sobe sua mão e começa brincar com os pelos da sobrinha e já sente o quanto ela está molhada, Kátia desce sua mão e coloca por dentro da bermuda e começa massagear o enorme pênis de seu tio por cima da cueca, Mauro fica louco, não está mais aguento aquela situação quer ter o mais rápido possível aquela menina.
— Kátia eu te quero demais, vamos pro meu quarto, aqui minha mãe pode chegar...
— Ta titio,
Mauro adorava quando sua sobrinha o chamava titio o deixava ainda mais excitado. Mauro então pega ela no colo, e vai paro seu quarto entre beijos com a menina.
Assim que chegam lá Mauro a coloca na cama, e tira toda sua roupa, Kátia fica louca ao ver o corpo do seu tio, aquele membro enorme grosso delicioso ali na frente dela.
— Vem titio, vem quero você aqui dentro de mim, me levando para a lua.
Mauro não chega nem a pensar, vai ao encontro de Kátia, começa beijando desde seus dedos do pé até que chega em sua parte preferida, a buceta de Kátia esta toda molhadinha, quase piscando para ter o pau de Mauro, mas ele por si só não aguenta e acaba saboreando aquele lugar.
— Huuum, aaah, tio que delicia de língua, huuuum... Tio, vamos fazer um 69, quero muito esse seu pau gostoso na minha boquinha,
Mauro vira, e já sente seu membro na boca de Kátia, ela chupa como ninguém...
Kátia chega a perder o controle sobre o pênis de Mauro, com tanto prazer que está sentindo, mas não larga por nada, pois aquilo estava muuuito gostoso para ela e para o Mauro.
Os dois acabam gozando juntos, Kátia engole tudinho, e Mauro suga tudo que escorre pela bucetinha (inha? Que nada).
Eles se viram e se beijam um sentindo gosto do outro. Entre um beijo e outro eles falam...
— Kátia, que delicia, você me chupou como nunca me chuparam, nossa...
— Digo o mesmo titio, uma delicia sua boca... Mas quero você dentro de mim já estou louca de vontade...
— Tá minha gostosa, minha tesuda...
— Repete de novo o que eu sou pra você, ein, titio?
— Minha sobrinha gostosa e tesuda.
— Que delicia, vc me deixa molhadinha falando desse jeito.
Kátia pega o pau de Mauro e começa roça-lo na sua virilha, passando pelos seus lábios,
Mauro está louco quer comer Kátia hoje, antes que sua mãe chegue e atrapalhe tudo novamente...
Mauro retira o pau da mão de Kátia, e olha com aquela cara mais safada que existe com um olhar que Kátia entende que ele vai colocar aquele pau enorme dentro dela...
— Vem, titio, coloca tudinho dentro da minha bucetinha, mas com calma porque ela não está acostumada com um mastro igual ao que você tem...
— Se doer, você me avisa, não quero machuca-la.
— Sei que não, ao contrario vai me fazer gozar ainda mais...
Mauro começa colocando aos pouco, enfia a cabeça, Kátia geme, ao mesmo tempo sente uma pequena dor, mas nada comparado ao prazer....

Sobre este texto

Cris

Autor:

Publicação:28 de setembro de 2013 00:28

Gênero literário:Contos eróticos

Tema ou assunto:Jovens

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Este texto foi lido 1.596 vezes desde sua publicação em 28/09/2013. Dados do Google Analytics

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

  • Linda
    Postado porLindaem28 de setembro de 2013 09:02

    Que loucura

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*