Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

Nosso reencontro: DOM GRISALHO e lee_serva

Meu nome é lee (fake), 25 anos, com 1,60 ms. de altura, 58 kilos, cabelos castanhos claros, olhos verdes, corpo atraente segundo meu DONO, tetinhas e bundinha de pequenas para médias e muito apreciadas por aquele a quem me entreguei por completo: DOM GRISALHO, meu DONO e SENHOR, e que, segundo Ele sou muito gostosa, rsrsrs, e a opinião D’Ele que vale para mim. Na minha vida baunilha tenho uma rotina diria que normal, pois trabalho bastante e vou de casa pro trabalho, do trabalho pra casa, sem quase nenhum laser por vontade própria, moro próxima a minha mãe e é aonde mais eu vou aos meus momentos de folga, levo uma bem caseira embora meu DONO não me proíba de quase nada. Tenho um namorado a 3 anos, que não é o melhor do mundo, mas que pelo menos me serve, não com o sexo, que é bem fraquinho, mas me trata hiper bem, faz tudo que quero, embora seja muito dependente de mim e não posso abandoná-lo assim de repente, pois temos uma história juntos, mas que estou me desvencilhando e assim poder ficar somente a servir meu SENHOR DOM GRISALHO. Nunca havia traído Paulo até conhecer meu Homem a quem hoje venero com todas as minhas forças possíveis. Sou solteira, não tenho filhos, moro sozinha em um pequeno apartamento delicioso, meu cantinho especial, em Santa Catarina. Sou serva de DOM GRISALHO há algum tempo, um homem maravilhoso que me preenche totalmente, nossa diferença de idade está na faixa dos 30 anos, mas é um homem extremamente viril e que me dá PRAZERES que nunca ousei nem pensar que existissem de tão maravilhosos que são. Formamos um excelente relacionamento de DOM/sub, gostamos muito de sexo e de fantasias, e já realizamos muitas e vou dizer-lhes que eu não conhecia a maioria, mas é tão gostoso que não consigo escrever o que eu passo junto a meu DONO. Meu SENHOR ordena que eu o mantenha constantemente informado sobre mim, para ter conhecimento de tudo que faço no meu mundo comum e claro tá certíssimo, porque assim devo agir sempre. Ele me incentiva, me dá conselhos, me guia corretamente, me faz crescer em servi-lo, é o Homem que preciso na direção de minha existência e que tive a imensa sorte de conhecê-lo e ser aceita por Ele. Sei que meu DONO pode ter a escrava que quiser e quantas servidoras desejar e, eu fui escolhida, hoje sei que é um privilégio imenso. Este testemunho que passo em forma de conto foi orientado e revisado por Ele, porque não tenho condições de escrever nem próxima à precisão, habilidade e desenvoltura que meu DONO o faz, apenas fiz um rascunho do que aconteceu e Ele que passou nesta forma de relato, espero que gostem porque trata-se da mais inteira verdade de tudo que ocorreu quando pude servi-lo.

Estava eu trabalhando na empresa, uma quinta-feira comum como tantas outras, quando em torno das 14:00 hs o telefone celular toca, era o meu namorado, me dizendo que havia recebido uma determinação para viajar a trabalho em uma hora e que ele queria que eu desse um jeito para sair do trabalho para arrumar sua mala e ainda, se desse tempo, namorar um pouquinho como despedida para poder viajar mais leve, solto. Mal eu baixei o telefone e um tesão enorme tomou conta de mim, lembrei-me de meu DONO, mas era o namorado que me chamava, mas quem sabe se ele desse uma boa trepada em mim e me satisfizesse, porque fazia muito tempo que não acontecia uma que me gerasse um gozo gostoso e, se me lembro bem apenas algumas vezes tive orgasmos que valeram a pena, ainda que poucos foram. Fui até a sala da chefia pedir a ela pra sair mais cedo, expliquei que precisaria deslocar-me naquele momento para resolver um probleminha, Srª Viviane aceitou o meu pedido e me liberou pra sair e, se quisesse me levaria em casa, dada a urgência que apresentei. Eu não aceitei claro, porque tiraria minha chefa do trabalho, e não era tão importante assim, Paulo iria viajar e eu estava com tesão danado pelo meu DONO claro, mais o tempo era curto e eu tinha também de cuidar muito bem do meu namoradinho, já corninho e que não tinha a mínima idéia de quem realmente eu era na minha intimidade, uma puta, vadia, vagabunda e escrava servindo ao meu DOM, rsrsrs. Meu relacionamento não ia bem, pois a intenção que ele me transparecia é que esqueceu de que eu estava em sua vida, só me procurava, como hoje, porque queria dar uma desafogada, gozando em mim, não me valorizou quando eu me dedicava realmente a ele e nem era, hoje, mais carinhoso comigo como quando começamos a nos ver, não me trata mal claro, aliás, ao contrário, mas queixa-se demais dos problemas de sua vida. Na cama me é insuficiente, mas é o que conto hoje fora o DONO que me preenche todinha. Quando eu lhe falava sobre sexo com praticas diferente, respondia-me sempre fugindo do assunto, não podia argumentar nada sobre o assunto que virava a cara e saía de onde estivéssemos deixando-me falar sozinha. Estou neste meu namoro faz tempo, nunca tive um orgasmo de verdade de como eu gostaria que fosse - eu não estou satisfeita com o relacionamento, por enquanto não vou largar dele, mas sei isso acontecerá logo, logo. Desde adolescente eu sonhava em ser usada como submissa, queria um homem que me pegasse com força, sem eu pedir ou licença, apenas me usar e o Paulo estava bem longe de ser dessa forma. Quando descobri o BDSM compreendi que era isso que eu procurava e precisava, mas Paulo não aceita, quando eu muito exijo, de vez em quando, me dá algumas palmadas leves na bunda, sem graça alguma, mas é só. Sou uma mulher para ser conduzida, quero um homem que me suplicie - que me force a fazer o que ele quiser - que me humilhe, faça-me rastejar aos seus pés, que puxe meus cabelos, que ainda me obrigue a lamber seus dedos, coisa que não gosto, mas na mão de meu DONO faço, acreditem. Um homem que faça tudo e mais alguma coisa – que seja exigente e não me trate como uma mulher com vontades baunilhas, mas com o bobo de meu namorado nunca, mas nunca nem chegamos perto disso, ao contrário eu que tinha que comandar quando dávamos uma transa. Com esse modo de ser tratada, sentia o nosso namoro entrar em crise a cada dia, o amor entre nós tinha acabado, éramos dois estranhos que partilhavam uma vida em comum, se pelo menos ele me comesse “meia boca” eu seria mais feliz. A nossa vida sexual não é nada satisfatória, apenas ele tem prazer e eu nunca mais tive e eu sei que mereço, sou uma mulher exemplar, séria, correta, trabalhadora e cumpridora de todas as minhas obrigações, mas ficar sem ter prazer na cama é demais, ainda mais quando basta eu entrar na net, nas salas de BDSM e só vejo mulheres saciadas, felizes com os seus companheiros e eu só chupando o dedo. Não é justo e, meu DONO é o único que me compreende, dá tudo que eu quero e preciso de um homem.

Ao chegar a casa, Paulo estava no box do banheiro tomando uma ducha, dei um oi pra ele e fui direto pro quarto arrumar sua bolsa, como a sua roupa e suas coisas já estavam praticamente separadas no guarda-roupa, e isso ocorre porque sou eu que faço, procuro facilitar a vida de meu namorado em todos os sentidos, ele tem em mim quem lave e passe suas roupas, mas eu com todo carinho, acomodo-os direitinho para ele não perder tempo procurando, ainda vejo quando estão mais gastas e faço ele trocar por novas, me esforço realmente, quem convive comigo sabe o cuidado que tenho com ele e é um bom parceiro de modo geral, carinhoso, só na cama que é um desastre, não pensa nem um pouco que eu possa querer prazer e carinho, por essa razão que eu procurei um Homem que me fizesse sentir-se como uma mulher na plenitude física e, eu encontrei em DOM GRISALHO (meu DONO) aquele que me faz subir às alturas, elogiando-me, valorizando-me, entende minhas fantasias e desejos mais diversos, quer me ver e sempre arrumando parte do seu tempo para comigo e, sei que Ele é uma pessoa hiper ocupada. Mas, sou uma mulher que ganhou na loteria praticamente, pois tenho hoje, enfim, um Homem com H maiúsculo, que cuida e me guia como devo ser.

Bem, voltando a minha vidinha baunilha, eu não demorei muito e a bolsa já estava logo prontinha, logo depois Paulo saiu do banheiro enrolado em uma toalha e veio em minha direção, me abraçou e começou a me beijar, deu uma risada bem sapeca e, me chamou carinhosamente (do jeitão dele falar as coisas) de sua puta, me pediu para sentar na cama e fazer um boquete nele, mesmo sem querer e como é uma das obrigações de uma namorada obedeci, retirei sua toalha e comecei a chupar o pau dele, e não estava gostando não, porque o prazer inexistia de minha parte, fazia por ser uma atribuição de nosso relacionamento. No meio do que fazíamos, poucos minutos depois, ouvimos o som de uma buzina próximo a porta e logo depois o celular do Paulo toca, era o Mateus que estava enfrente a nossa casa pedindo para se apressar para não perder o horário. Após desligar, meu namorado pegou seu pau, começou a punhetar forte, rápido e me pediu para abrir minha boca, não deixei porque somente meu SENHOR pode fazer isso, não demorou muito e ele gozou no meu pescoço, senti o esperma dele querendo descer pela minha roupa, mas segurei com os dedos e joguei fora sem ele perceber (até hoje pensa que aprecio seu sêmen, mas só aceito o do meu DONO e SENHOR e de mais ninguém), após ejacular Paulo vestiu-se rapidamente, pegou sua maleta, se despediu de mim e foi embora, e eu, como sempre, continuei só na vontade, com tesão, pensei que quem sabe iria ter um pau na minha buceta para amenizar o meu fogo, mas só levei gozadas na cara, fazer o que, já estava acostumada a ser deixada a segundo plano. Se meu DONO mandasse largava imediatamente Paulo, mas por dó continuava com ele, acreditem, hoje sei que era besteira de minha parte continuar com alguém por causa de pena.

No dia a dia sou uma mulher discreta e de bom gosto para vestir, eu mesma se me visse na rua não teria a menor possibilidade de pensar que em meus momentos mais íntimos sou uma cadelinha no cio do meu DONO, e das mais vagabundas por sinal. Eu, de forma geral, sou bem comportada, uso roupa que cobrem minhas pernas, normalmente calça comprida, camisetas grandes, jaquetas, para não me expor aos outros dada a minha situação de formação conservadora, raramente uso saias e vestidos. Mas, esse modo comportado nem sempre é assim, tem uma deliciosa exceção, na frente de meu DONO me liberto de minhas amarras e limites que a sociedade impõe, eu me esforço para ser outra mulher e viro uma putinha bem safada, rampeira mesmo, com enorme satisfação de servir a esse Homem que me leva a loucura e que tudo que desejo é apenas agraciá-lo com o que tenho e posso dar-lhe: meu corpo, minha mente e alma.

Tinha idéia de que naquele fim-de-tarde e continuando a noite seria bem monótono, planejei que iria um pouco ao computador no skype e verificar se tinha algum e-mail de meu proprietário com ordens a serem cumpridas por mim, depois assistir algum filme na TV e deitar-me, se possível dormir sonhando com meu amado e querido SENHOR, mas antes com certeza, com a devida anuência de meu DONO, bateria uma ou mais siriricas para me reequilibrar pela foda não realizada, porque Paulo apenas me atiçou e como sou uma mulher fogosa, preciso de carinho, preciso de trato de um verdadeiro macho que saiba fazer o que quiser comigo. Quando tudo parecia acontecer como tinha planejado, o que menos esperava para aquele dia ocorreu, o telefone toca, era meu DONO dizendo que iria me usar e, que estava chegando à cidade me querendo, passaria a noite num hotel bem no centro de uma cidade vizinha. Eu fiquei visivelmente nervosa, pois nunca antes havia sido comunicada assim tão em cima da hora, será que Ele descobriu que meu parceiro viajou? Mas como isso ocorreu? No telefone Ele me falou que queria comer minha bucetinha e meu cuzinho e chupar minhas tetinhas. Fiquei doida quando ouvi seus comentários, fiquei úmida no mesmo instante, era o que mais queria e também a mais inesperada de todas as situações possíveis no dia de hoje, embora eu esperasse, a qualquer momento que DOM GRISALHO entrasse em contato comigo.

Só uma mulher que foi usada por um Homem de verdade como eu fui e sou, pode realmente entender do que estou falando ao falar que sou alucinada por pertencer ao meu DONO. Não digo apenas pelo sexo, mas pelo conjunto todo de como sou tratada. Ele me faz transparecer que me deseja como uma puta devassa, que devo ser usada e abusada em todos os buracos, sou humilhada por completo por Ele e adoro, sempre quis ter alguém como Ele, mas não tinha idéia da delicia que seria, sou uma mulher feliz, preenchida totalmente. Experimento prazeres tão grandes com o meu SENHOR, que parece que a cada vez que estou junto a Ele, vou desfalecer ou enlouquecer de tanto tesão, fico imaginando levar pau, dedos e língua em meu corpo sedento. Somente quem é uma escrava em BDSM sabe a glória de ser uma delas. Uma cadela tem impressões, prazeres e tesão que nunca como baunilha alcançará, garanto a vocês, porque passei por isso e hoje tenho tudo isso que descrevi por que sou serva de um Homem extraordinário: DOM GRISALHO.

Mas, tinha que me apressar e quanto ao telefonema, “ordem dada é ordem a ser cumprida”, rsrsrs. Fui ao hotel conforme me mandara, vestida de cinta liga preta, meia 7/8 preta também, espartilho e sem calcinha, apenas coberta com um discreto sobretudo de amarrar na cintura, quem me visse não tinha idéia de como eu me sentia uma puta bem vadia, rsrsrsrs. Conforme eu ia chegando ao hotel, sentia minha xana cada vez mais úmida, meu coração quase vinha a boca de tanta ansiedade, meu corpo todo tremia aguardando o instante de rever meu DONO e SENHOR. Passei despercebida pela portaria, sem pressa embora o coração estivesse quase explodindo de tesão, não queria ninguém vasculhando aonde iria, me dirigi ao elevador tranquilamente e, cheguei à porta do apartamento número 406, bati sem exagerar no barulho para não irritar meu SENHOR, com o coração todo ansioso pela situação e, maravilhada vi a Ele, meu Homem e DONO veio abrir. Apenas o olhei, baixei os olhos, beijei sua mão direita e entrei. Sozinhos e cheios de tesão, Ele me deu um beijo, não resisti e despudoramente deixei-o levar-me enquanto Ele me despia e me arrastava para o banheiro. Fomos completamente nus diretos para debaixo do chuveiro. Lá nos beijávamos e acariciávamos o tempo todo. Ele me virou de costas, beijava minha nuca, dava mordidinhas, me chamava de puta, piranha; dava-me tapas na bunda e eu adorava. Ia ao delírio, meu Senhor fazia-me ficar elétrica como nunca fiquei com Homem algum. Por ter começado tarde a transar e ser insatisfeita com todos os meus parceiros, eu tinha muita vontade de experimentar de tudo um pouco e de preferência o mais rápido possível, lógico que somente com o meu DONO e com nenhum outro, inclusive meu namorado, esse só me tem por já transarmos a um bom tempo e de certa forma haver ainda alguma ligação entre nós mesmo que incompleta para mim, senão fosse isso nem ele, claro que meu DONO a quem elegi como meu proprietário me tem quando desejar. Confesso que me tornei amiga, escrava e cúmplice de meu DONO, antes mesmo de ficarmos juntos fisicamente, eu já confiava muito n’Ele, entrego-me toda sem pudor ou limite qualquer, pois Ele saberá o que fazer comigo.

Meu DONO, após o banho, pegou a coleira e colocou em meu pescoço, afirmando em voz alta que cadela que tem DONO não pode ficar solta, eu já estava de 4 para a verificação como eu estava e meu DONO colocou a mão na minha bucetinha, acreditem gemi baixinho, já estava toda melada e molhada, Ele procurou vestígios de qualquer pelo, não os achou e sorriu. Eu estava louca de vontade de chupar o pau dele que a toda hora encostava-se a mim. Eu fazia de tudo para tocá-lo. De repente não agüentei e pedi para mamar seu lindo membro. Ele soltou-me, aproveitei e abaixei-me e não mais resistindo comecei a mamar com toda a vontade, me coloquei ali de joelhos, abocanhando aquele pau com muito gosto. Chupei com vontade enquanto ele segurava meus cabelos e olhava para mim. Chupei loucamente. Eu delirava de prazer. Eu engolia tudo, não sei como consegui, mas eu consegui. Beijava, lambia aquele lindo membro, Ele batia com o pau na minha cara e boca. Nunca me senti assim tão vadia, tão deliciosamente vagabunda. Chupei, lambi, acariciei. Minha boca quente deslizava no pau de meu DONO com muito carinho. Eu cuspia nele, enchendo de saliva e tomando tudo de novo. Meu queixo ficou com uma mistura de saliva e liquido pré-gozo. Cada vez eu aumentava mais o ritmo de meu boquete. O gosto do meu homem. Levantei meus olhos e Ele me acarinhou. Estava com urgência de você, disse-me. Orgulhosa com as palavras de meu Senhor continuei e engolia tudo, tirava, chupava com rapidez, beijava a cabeça, lambia o saco de bolas peludas e grossas, passava a língua em volta da pica e deixava que ele fodesse minha boquinha, sonhara tantas vezes com o que me acontecia agora, tinha que aproveitar. Eu punhetava e chupava ao mesmo tempo. Fiz a chupetinha com o maior empenho possível, para meu DONO não por defeito. Queria chupar o máximo que podia colocá-lo todo em mim, senti-lo na minha língua. A sensação era ótima! Ter aquele cacete duro indo até a garganta, me deixava alucinada. E o gozo veio direto para minha boca, quente, meu DONO gozou bem gostoso no fundo de minha garganta e eu tomei tudo, realmente caprichei, Ele o merece, isso e bem mais. Meu Senhor não precisava, mas num ato de bondade de sua parte à mim, me agradeceu e como reconhecimento deu-me um beijo bem quente e molhado, que me fez subir às alturas, rsrsrsrs. Saciado, pelo menos naquele instante, mandou-me descansar um pouco enquanto se dirigiu ao toalete.

Meu DOM GRISALHO chegou mais perto ainda de mim e começou a beijar-me outra vez, no pescoço, na boca e nas tetas. Colocou-me de quatro e recomeçou a passar a língua no meu cuzinho, eu gemia de tesão, Ele lambia o cu e a bocetinha quase ao mesmo tempo. Eu gemia cada vez mais alto. Percebi que o pau D’Ele estava melado, meu cuzinho estava todinho lambuzado de tanto prazer que sentia. Logo percebi as pontas dos dedos D’Ele encharcadas de saliva me bolinando. Estava chegando o grande momento... - Vem meu DONO, pedi. - Abre bem a bocetinha, Ele mandou. Abri totalmente, empinando na direção dele. Senti um dedo cutucando meu xaninha. Nossa, lee como você é gostosa, Ele falou. Estava com tanto tesão que lhe falei: me pega, prenda-me, possua-me como quiser. Entrelace-se entre minhas pernas e faça-me sua mulher, sua puta, sua vagabunda. Venha, chega, rasga, chupa, suga, embaraça, satisfaça todos os seus desejos no meu corpo, nada negarei, entreguei-me de corpo e alma ao meu SENHOR.

Virei-me de costas para Ele, sabia que aquela visão da minha bundinha exposta era apetitosa e Ele deveria estar apreciando e gostando. Estava de pernas abertas e encostadas na mesa, quando vim a sentir o pau dele buscando na entrada da minha xana, Ele sabia que eu estava doidinha para ser penetrada, eu estava alucinada de tanto desejo. Ele raspava na portinha e me sentia molhadinha. Minha bocetinha estava totalmente lambrecada dos sucos do pau dele. Começou a brincar com mais vontade, meu tesão aflorava deliciosamente, Ele manipulava seus dedos na minha bocetinha úmida enquanto rebolava e gozava aqueles momentos únicos em minha vida. Ele colocou na entrada e começou a empurrar. Seu pau extremamente duro entrou em minha bucetinha molhada. Gritei de dor, de prazer. Senti quando a cabeça passou. Ai, tesão, tá entrando... Devagar... Aiiii, põe devagar... Ele foi empurrando devagarzinho como eu pedi. O pau dele foi deslizando dentro de mim. Que tesão... Põe... Gostoso... Aiii... Quando estava mais da metade dentro, ele voltou a encaixar as mãos nos meus ombros, me segurando. Tá gostoso lee? Perguntou sem parar de forçar. Aiiii... Demais... Aiii.... Em poucos segundos eu rebolava como uma vadia e gozava completamente tomada de desejo. Senti as mãos Dele me apertarem um pouco como se quisesse me impedir de escapar. Imediatamente empurrou o resto de uma vez dentro da xaninha. - Ai, meu DONO tá inteiro dentro... Aiii... Empurra... Isso... Assim... Me come...

- Tô metendo tudo... Apertadinha... Gostoso... lee você é um tesão... Ele falava e respirava forte perto da minha nuca enquanto enfiava e puxava o pau dentro do mim. - Isso, mete... Me come... - Tá gostoso? – Demais, Aiiii... Que delícia... Vai... mete... aiiii Ele bombava muito gostoso, e o pau dele fazia aquele barulho tão característico e gostoso de ouvir. Eu pedi que o queria com mais força e vontade, não consigo descrever a sensação da xaninha se dilatando recebendo seu pau aos pouquinhos, e Ele se deliciando, era fora da realidade, mas estava acontecendo, depois de muitas estocadas eu melava o chão. Senti o pau dele pulsando forte dentro de mim. Eu já estava quase gozando quando Ele me falou. Vou gozar... vou gozar... cadela vadia...

Gozamos praticamente ao mesmo tempo. Isso goza, to sentindo seu corpo latejar... Gozei muito e Ele também. Ele me abraçou e disse no meu ouvido: você é minha não adianta querer fugir de mim, é minha putinha, cadela, vou deixar você viciada no seu DONO, você vai implorar para Eu te querer, VOU USAR VOCE COMO NUNCA FOI USADA!!!! Ele me empurrou o corpo pra frente e deitou o peito em cima das minhas costas. Nós dois estávamos suando, cansados. O pau dele começou a amolecer e só tirou quando saiu sozinho. Senti o pau d’Ele escapando da minha bocetinha, que estava toda aberta, usada, abusada e agora saciada pela fantasia que tanto me consumia: dar de quatro ao meu DONO e SENHOR, que queria tanto, tanto e consegui.

Instantes depois Ele veio com um cinto de couro bem grosso, olhou-me bem sério, e perguntou se eu sabia o que estava prestes a acontecer, como que hipnotizada fiz que sim com a cabeça. Sentia-me pronta e excitada com aquilo tudo, e também medo claro. De início Ele sentou na poltrona e mandou que eu viesse ao seu colo, deitou-me de bruços e veio a primeira palmada, pegou em cheio bem no meio da bunda. E continuou a me dar palmadas com suas mãos firmes, nas primeiras palmadas era o prazer tão imaginado antes. Após alguns tapas, meu DONO mandou-me contar e aplicou as carícias (segundo Ele, rsrsrsrs) para mostrar a mim quem é que manda, tentei me proteger com as mãos após o quinto tapa, mas meu SENHOR segurou com firmeza meus braços, eu chorava e gemia de prazer e dor, e dizia ao mesmo tempo todo que o obedeceria e seria fiel. Ele apenas me disse: sua bunda é boa para ser usada, crie fantasias vadia e aproveite as carícias que lhe dou. Minha bunda branquinha agora estava vermelha e quente, minha buceta estava inchada de tanto prazer e minava o pré-gozo. Eu queria gritar agradecendo meu DONO por tudo, parecia que quanto mais eu mostrava que estava gostando, mais Ele batia e assim foi até o fim da primeira parte da surra. Sentia prazer e dor, não conseguia deixar de mostrar meu tesão imenso, Ele percebia que eu estava por completo entregue para ser usada. Eu não queria, mas qualquer tentativa de escapar era inútil. Só me restava prender a respiração e morder a língua para suportar a dor e não chorar, porque nada me salvaria das palmadas e eram deliciosas. Ouvia o som: Plaft, Plaft, Plaft, Plaft, Plaft, Plaft,Plaft...

Ele parou, mas ficou um bom tempo observando minha bundinha toda vermelha, com marcas de dedos e ardendo muito. Ele sabia de tudo sobre o que passava comigo, incrível como isso acontecia, a nenhum homem me entreguei como a Ele. Meu DONO mandou-me levantar e que deitasse de bruços na cama, com dois travesseiros na barriga, pra que minha bunda ficasse bem empinada. Fiz o que mandou e logo depois que eu estava na posição indicada, meu DONO começou a me surrar com o cinto, e o tesão de antes virou dor, minha bunda agora estava em brasas, e segundo Ele ainda mais linda do que antes. Depois de algumas cintadas e de sentir minha bunda queimar Ele parou. Meu SENHOR sabia que não estava acostumada e não bateu muito, nós dois sabíamos que ainda teríamos muito tempo para ser adestrada pelo meu DONO e SENHOR. Notei que quando a surra acabou eu me sentia relaxada, tranqüila, com aquele gosto de quero mais, rsrsrsrsrs...

Depois de minutos Ele começou a fazer carinhos em mim. Em outras partes do meu corpo fora a minha bunda. Eu estava tão relaxada, como nunca fiquei em toda minha existência. Recuperamos as forças e partimos para o 2 tempo. Dessa vez Ele me deu uma ordem, meu DONO queria fazer anal, fazia tempo que não era penetrada dessa forma, desde que meu DONO proibiu-me de ter contato pela bundinha com o meu namorado, tinha medo de sentir dor, mas pensei já tinha dado a melhor transa da minha vida e meu DONO merecia tudo que eu lhe pudesse fazer, além de ser minha obrigação como sua escrava, então não pensei duas vezes e concordei claro, eu era d’Ele. Nada respondi, apenas virei a bundinha e colocando-me a sua disposição, Ele com sua saliva quente lubrificou meu botão, eu já estava explodindo de prazer pela deliciosa chupada, quando Ele se levantou e colocou seu pau no meu rabinho e foi roçando a entrada. Eu deitei a cabeça no travesseiro e meu DONO continuou a passar o seu pau delicioso de encontro a mim, bem na portinha. Meu SENHOR sabia como dominar uma cadela e quando me dei conta Ele tinha encaixado a cabeça do seu pau enorme na entrada do meu cuzinho e nem deu tempo de falar alguma coisa, pois logo Ele se apossava do que de direito já lhe pertencia. A cabeça continuou a entrar, a penetração era difícil, pois meu cuzinho embora não fosse mais virgem, era e é apertado e ainda mais que fazia tempo que não trepava dessa forma. Mas, aos poucos, a pica foi entrando, e ao entrar senti dor, mas seu pau vindo por trás foi uma experiência excitante, Ele agora cavalgava em meu quadril com vigor, metia e tirava com tanta força que eu gemia e pedia: Ai vai, está me rasgando toda. Sem querer, num ato de defesa segurei seu pau com as bandas de minha bunda e comecei a comandar a penetração devagarzinho em meu cuzinho. Aí foi bom, realmente uma delicia, aos poucos fui sentindo seu pau calmamente me invadindo ate que já estava tudo dentro de mim, a dor era alta, contudo o prazer era dobrado. Ele ficou um tempo parado dentro de mim e depois foi bombando bem devagar, aumentando a velocidade aos poucos. Senti seu pau crescendo e invadindo com estocadas fortes, arregaçando meu cuzinho e enquanto bombava Ele ia sussurrando no meu ouvido: To gostando putinha lee, então rebola na minha vara, diz pra mim que sou seu macho que você adora minha pica, fala putinha. Ele queria ver enquanto me penetrava minha cara de dor e de prazer. Quando ele começou a me comer assim, eu perdi a razão, comecei a gemer alto, meu DONO me chamava de puta, vadia, olhando na minha cara, com um riso sacana. O suor do seu peito escorria e caia em mim, me deixando molhada e muito excitada. Depois de tanto meter e tirar aconteceu o que mais esperava: acabei gozando deliciosamente no pau de meu DONO, isso mesmo gozei pelo cuzinho. Seu pau ainda ficou um tempo dentro do meu buraquinho, enquanto amolecia. Nesse meio tempo, ainda podia sentir o meu cuzinho piscando e pressionando o pau de meu Senhor amado. Maravilhosas sensações, eu ainda chorei um pouco por emoção pura e simples. Eu expliquei que era a primeira vez que sentia tanto prazer anal, mas que iria querer toda vez que eu estivesse servindo-o. Perguntei se Ele também tido sentido prazer. Ela falou que sim. Era estranho, pois ao mesmo tempo em que a dor acontecia em minhas entranhas o prazer tomou-me por todo o corpo. Mas uma coisa tem que ser relatada, sobre as mãos D’Ele, me deixava completamente excitada, Ele simplesmente tem as mais belas mãos que já pude ver em um Homem, e conforme as admirava mais eu o queria para mim. Quando o pau dele saiu inteiramente de dentro de mim, meu DONO tirou a camisinha (como fizemos anal, tinha que usar para não sujar) e derramou o que ainda restava de seu leite quente em minhas tetas. Uauuuuu, foi muito gostoso. Falo a vocês que um dos momentos mais maravilhosos de todo nosso encontro foi quando Ele se deitou sobre mim e disse: adorei a foda, vou querer sempre ter você, és a minha cadela amada.

Logo meu DONO começou a fazer-me carinhos, fiquei de quatro mais uma vez e chupei seu pau com tanta vontade que quase gozei. Deitei com as pernas abertas e disse: Agora meu DONO, por favor, mete este pau na minha bucetinha, suplico, vem mete. Aquele convite o deixou louco para fuder minha xoxotinha. Seu pau estava latejando de tesão. Enfiou todinho, eu gemia e rebolava tanto que parecia uma cadelinha no cio. De repente Ele me levantou da cama e disse que eu deveria sentar no seu pau. Em cima dele ajeitei seu pau com carinho e sentei gostoso. Senti seu pau entrando na minha grutinha molhadinha e me mexia e gemia, mexia e gemia, eu alternava uma cavalgada leve e suave com movimentos rápidos, às vezes parava e com os músculos da minha vagina massageava seu pau em chamas, mantendo ele encaixado. Meu DONO passou a chupar minhas tetas, sua língua massageava meus mamilos causando um tesão delicioso, eu continuava rebolando e Ele sugando, mais uma vez Ele começou a gemer mais alto e dizer que ia gozar. Seu pau extremamente duro entrava e saía sem parar de minha bucetinha molhada. Gritos de dor, de prazer, Ele me chamava de puta, vagabunda, safada, vadia. Empinava-me mais, pedia mais, queria mais e Ele também. Puxava meus cabelos, segurava com força. Eu rebolava, dançava com o cacete na minha buceta. Ele bombava forte, gemia, arranhava minhas costas, apertava minhas tetas. Respiração ofegante. Uma onda de prazer me estremeceu, de dentro pra fora, até as pernas tremerem. Espasmos, um gozo próximo. Não agüentei e gozei muito junto com Ele encharcando minha buceta com o seu mel, um gozo demorado e indefinível de explicar em palavras o prazer intenso que tivemos. Minhas pernas ficaram tão tremulas que demorei a me recompor, rsrsrsrs... Caí de lado e meu DONO continuou me acariciando, me bolinando, fazendo com que meu corpo todo tremesse desajeitadamente. Ele estava massageando meu clitóris e passou a apertá-lo. Deu-me um único beliscão, forte, que me fez urrar de dor e prazer. Era algo indefinível o que sentia. Só quem passou pela mão D’Ele sabe do que estou falando. Mas, não parou aí não, pegou o chinelo e usou-me várias vezes, deu-me umas vinte chineladas pelo menos, minha bunda ficou marcada dos dois lados, vergões levantaram, mas querem saber: AMEI, AMEI, AMEI...

Depois de gozar gostoso, descansamos agarradinhos como em conchinha, eu sentia todo seu corpo junto ao meu, como sonhei com isso. Ficamos assim por volta de uma hora aproximadamente. Ele levantou-se e olhou para mim e, sem falar nada acendeu uma vela daquelas esféricas, que conforme vão queimando o pavio fica bem pequenininho, ela faz uma cavidade dentro, no topo e fica cheia de parafina derretida. Quando a quantidade de parafina era suficiente, DONO me beijou e começou a pingar a cera quente nas minhas tetas. O que aparentava ser uma tortura era uma delicia. Que sensação. A cada gota que caia eu me contorcia num misto de ansiedade, dor e orgasmo. E ele deixava aquele liquido quente da vela escorrer pelas tetas. E desceu pela minha barriga. Voltava às tetas. Descia pela barriga. Aquela vela quente pingando doía muito, mas ao mesmo tempo me enchia de tesão. Cobriu os meus mamilos de cera. Foi pingando pelos lados, dando a volta completa em cada teta, chegando a descer cera quente pelas costelas e até pelo meu pescoço. Cada pingo que caía eu gemia e DONO se divertia mais. Pensei que ia desmaiar pela dor, mas estava com tesão, estava louca, louca de tesão. Que coisa saborosa, a dor proporcionava um prazer indescritível, não imaginava que teria essa reação, somente quem provar dessa pratica saberá o que digo, eu já tinha visto em vários vídeos e fotos o uso de velas, mão nunca associei prazer a ela, mas é deliciosa, não sei se é porque meu DONO e SENHOR saber fazer, mas que é demais é... Meu DONO se vestiu e saiu um pouco do quarto, meia hora depois Ele retornou e se deitou ao meu lado. Ficou fazendo carinho nas minhas tetas e ajudou-me a tirar toda a cera que estava grudada em mim. Tudo o que estava acontecendo me deixava tão excitada que o líquido escorria por minhas pernas, nunca havia sentido nada parecido com aqueles momentos que meu SENHOR me dava. Ele mandou-me tomar um banho e eu pensei: por hoje acho que acabou, agora iremos dormir, mas enganei-me: meu DONO me queria mais vezes, ai que delicia.

Ao voltar para a cama DONO me abraçou, sussurrou no meu ouvido que me queria, você é minha, você é minha putinha, cadela, vou deixar você viciada no seu DONO, você vai implorar para eu te querer, vou USAR VOCE COMO NUNCA FOI USADA!!!! Para mim essas palavras foram a glória definitiva, era tudo que eu queria ouvir. Depois disso ele me soltou e vi, no espelho com calma, meu corpo marcado pelas cintadas e a cera quente, deliciosas marcas por sinal, eu não me importei, afinal eu era D’Ele mesmo, só posso lhes garantir que o nosso encontro foi longo e perfeitamente diferente, de tudo que eu já tinha vivenciado ou sequer imaginado até então! Ficamos deitados bem abraçadinhos por uns minutos e eu fiz um pedido aos seus ouvidos: Meu DONO não me abandone, farei tudo que quiser - nada lhe será negado, apenas me deixe ficar com o Senhor, nunca me importarei se tem uma ou mais escravas fora a mim, quero é o Senhor, suplico-lhe que me aceite da forma que quiser. Ele apenas sorriu, deu-me duas palmadas bem gostosas e dormimos...

E depois daquela noite eu descobri que eu gostava mesmo era de apanhar e ser tratada como uma cadela vadia, mas tudo isso somente por Ele e só Ele sabe me fazer sentir assim! Hoje as nossas sessões incluem algemas, prendedores, mordaça, e o que mais gosto, quando meu DONO me pega por trás e mete seu cacete grande e grosso em minha buceta, e me chama de sua cadela, puta, isso me dá um prazer indescritível! Descobri que adoro ser usada por Ele. Muitas vezes nós mulheres deixamos de aproveitar nossa sexualidade de lado por sermos recatadas ou sentimentais. Sou uma mulher séria, honesta, trabalhadeira, cumpridora correta de minhas responsabilidades e dama na sociedade, mas uma puta e das mais devassas, somente com Ele claro, sei aproveitar o que meu DONO me oferta, e pergunto para que perder tempo precioso tendo recato? Nunca imaginei que isso um dia fosse acontecer comigo, pois fui criada de modo bem conservador e torno a dizer que nunca, mas nunca mesmo tinha traído meu namorado, mas com DOM GRISALHO não resisti, confesso que foi bom demais, uma sensação muito boa de dever cumprido, por ter sentido e também ter proporcionado prazer ao meu DONO amado e, o que Ele desejar, farei com a maior boa vontade, pois em tudo é merecedor de minha parte.

Descobri, com o tempo, muitas coisas que não imaginava que dessem o prazer que eu tive e tenho, pois meus limites sempre foram respeitados pelo meu DONO. Na verdade com o avanço no meu aprendizado como escrava meu SENHOR sempre perguntou se gostaria de ser testada em práticas que antes dizia não querer, conforme fui me entrosando com Ele, fui sabendo, fui conhecendo e me interessando por coisas bem gostosas e, dessa forma meus limites foram sendo ampliados. Mas isso só foi possível, por eu ter dado sorte de servir a Dom GRISALHO, que cumpriu exatamente o que desde o início me falou, em muitas das nossas conversas Ele me explicava o que queria de mim para Servi-lo e eu achava que não o faria, mas com o passar dos tempos fiz tudo que me pedia e ainda mais, com muito gosto. Para mim um DOM tem de ser um homem que se faça obedecer, eu procuro fazer isso, às vezes nem penso direito no que é, apenas faço e pronto, sou uma escrava, Ele manda, eu cumpro. Tenho respeito, consideração e confiança Nele, desde o nosso início colocou-me o que queria de mim e eu aceitei, incondicionalmente. Meu DONO é autoritário, enérgico e disciplinador, não aceita perguntas ou desobediência descabidas.

Meu DONO, meu SENHOR não tem idéia completa do que Ele faz comigo, na sua presença sinto uma mistura de dor e excitação, uma sensação maravilhosa de prazer, eu não agüento de vontade de ser DOMINADA. Quando Ele me telefonou chamando-me, não pensei duas vezes, apenas corri para atender o meu verdadeiro e único DONO, sinceramente não esperava que um dia como hoje, viesse a acontecer tantas coisas gostosas comigo, é indescritível. Sou uma mulher muito feliz!!! Os encontros passaram a ser mais freqüentes, pois eu e meu DONO nos acertamos de vez. Meu maior sonho é ser escrava de DOM GRISALHO em tempo integral, na forma de 24x7. Se Ele decidir que devemos morar juntos largarei tudo que aqui faço e o seguirei. Já assinei um contrato de servidão, entregando-me como escrava, dando-lhe amplos poderes sobre mim. Eu já não sei viver sem o seu DONO e SENHOR, passo a maior parte do dia só pensando N’Ele, eu que nunca dediquei com vontade a ninguém, agora estou muito, mas muito apaixonada, amo aquele homem com todas as minhas forças. Rezo todos os dias para que Ele fique comigo, que nunca me dispensasse. Eu estou feliz e satisfeita, a felicidade de ter encontrado meu DONO, tenho alegria plena de uma alma submissa, de quem nasceu pra servir, especialmente a um homem como o meu DOM GRISALHO. Eu agora tenho DONO. Meu SENHOR não conquistou somente meu corpo, mas também minha alma e minha mente, eu agora sou Sua por completo pra realizar seus desejos plenamente. Este relato é verdadeiro...

.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.

Se desejar entrar em contato com dúvidas, informar-se sobre o BDSM e/ou receber outros contos de minha autoria, entre em contato e_mail: [email protected] - ficarei satisfeito por poder mostrar-lhe meus trabalhos e, quem sabe sermos amigos.

Sobre este texto

DOM GRISALHO

Autor:

Publicação:24 de março de 2015 17:54

Gênero literário:Contos eróticos

Tema ou assunto:BDSM

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Este texto foi lido 263 vezes desde sua publicação em 24/03/2015. Dados do Google Analytics

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

Não há comentários até o momento. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*