Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

Três Pares de Lábios

Talvez fosse sorte o que aconteceu naquela tarde... Estar a sós pela primeira vez com a garota que sempre sonhei possuir. Não seria pessimismo acreditar que algo acabaria frustrando nossos planos. Mas nem sequer planejamos nada. Não escondi meu contentamento quando soube que seus irmãos não estariam em casa, e ela, tampouco, eu imagino. Sobraria somente uma ajudante, que teria que sair em algum momento.
Feliz aniversário! Para ela, este seria sim, muito feliz. Restava o irmãozinho menor, estava na escola. Não era totalmente seguro aquilo, mas a masturbei, embora ainda tivéssemos companhia na casa... Eu começava com carícias na coxa, mordidas, ela amava ser mordida... Desabotoei o short, abri, expondo a calcinha que usava, cor clara, diria até inocente demais para a ocasião, mas a cor não importava, queria sentir o sabor daquela garota. Lambi.
Ouvi um primeiro gemido, suave, comportado, mas era de puro prazer. Eu sentia saudade daquele gosto, daquele cheiro, de sentir daquele clitóris sob a minha língua. Não poderia matá-la agora, eu queria muito mais, mas não podia. Isso me excitou, a expectativa, o risco, a insanidade daquele ato...
Levei minha mão até a vagina, molhada, tenra, tentadora, um convite às minhas futuras fantasias, mas naquele momento, era real. Eu a masturbava, e explodia de desejo e contentamento,e queria que ela gemesse, e mais, e mais alto, e que se entregasse. Amava ser um pervertido.
E mordia seu pescoço enquanto isso, e acariciava o seio macio sob o sutiã. Gemia cada vez mais, como eu queria que fosse. Que tudo fosse prazer. Tremia. Seu corpo parecia implorar por mais, e mais, e mais... Derreteu-se em meus braços, tinha alcançado o ápice. Ela ficava linda depois de um orgasmo.
Retribuiu. Mandou que eu me deitasse, enquanto beijava-me o pênis. Depois, lambeu-o, devagar, cobriu-o de saliva. Eu delirava. Chupava-me, com carinho, o acolhia em sua boca, sem se importar... Em seguida me masturbava. Eu não poderia ter um orgasmo ali, seria arriscar demais. Havia o banheiro. Deitei-me no chão frio, mas isso não importava, sentia mais calor do que nunca. Ela trancou a porta, prosseguiu... ora lambia, beijava, chupava. E suas mãos deslizavam sobre ele, molhado pela saliva, aumentando ainda mais o prazer. Nunca havia sido tão bom. Eu me controlava para não fazer nada além, para não gemer tão alto, embora eu quisesse. Foi um orgasmo épico, divino, o que eu tive em seguida. Aquilo tinha ficado evidente, suponho.
Limpei-me, depois que ela saiu do banheiro. Cada segundo a mais, juntos lá dentro, seria um risco. Voltamos para o quarto, preenchendo o tempo com beijinhos, lambidinhas, declarações. Nos amamos, tudo aquilo fora mais do que somente masturbação, ânsia por prazer... era doação, afeto.
A ajudante avisou, ela iria finalmente buscar o meu cunhadinho na escola.

Sozinhos finalmente.

Ela voltaria em alguns minutos, seria um pecado desperdiçá-los. Tantas vezes nós dois já havíamos reclamado, pela falta de qualquer oportunidade te termos um ao outro. Chegamos a fazer loucuras piores por causa disso. Mas não, não foram minutos desperdiçados.
Eu a beijei, e pedi que se deitasse... era irresistível, precisava afogar todo aquele desejo, e tinha que ser naquele instante. Tirei o short que ela usava. Estava lá, a calcinha, já molhada. Aquilo me atraía ainda mais. Lambi por cima do tecido, e as coxas nuas, brancas, deliciosamente lindas. Aquele sabor me viciava, e não resisti por muito tempo. Tirei a sua calcinha.
Lá estava ela... encharcada, tentadora, linda. Controlei meu primeiro impulso, voltei às coxas, mas logo me aproximei dela. Lambi cada lábio, chupando de leve. Macios, cativantes, infernais. Fui aos menores, mas de uma vez, lambendo até o clitóris. Amava o gosto da minha garota, o cheiro, o som daqueles gemidos, que se tornavam mais altos, cada vez que minha língua a tocava.
Eu ainda queria um pouco mais... os seios. Pedi que terminasse de se despir. Eu a queria toda pra mim. Sentou-se na cama, retirou a camisa e o sutiã, e se deitou em seguida. Eram seios lindos, femininos, macios. Eu me apaixonei por eles, logo que os vi. Tiveram o mesmo tratamento que o restante do seu corpo. Beijinhos de inicio, depois lambidas, pelos mamilos. Os chupei, mordi. Os seus gemidos me deixavam em êxtase.
Desci, lambendo-lhe devagar, voltando ao clitóris... a vagina estava ainda mais molhada. Eu estava sedento, me afoguei. A chupava, enquanto acariciava-lhe o seio direito. Queria que gritasse de prazer a cada lambida. Ela se derretia, se contorcia, ofegante. Estava amando, assim como eu. Envolveu-me com as pernas, queria mais.
Atendia cada pedido dela, embora minha língua já doesse... suávamos, nossas respirações alteradas, envolvidos totalmente naquele contato. Era um momento ímpar. Os gemidos ficavam mais altos. Tremia, estava prestes a atingir o clímax.
- A garota que eu sempre desejei, nua, bêbada, gemendo de prazer, a um instante de um orgasmo, me abraçando com as pernas. O cheiro do sexo, o gosto, a maciez daquela pele sob a minha língua. Ela, toda pra mim, só pra mim. Divino.
E veio o orgasmo, gritava, em êxtase. Me apertou com mais força. Não sei ao certo o que eu senti, também havia perdido os sentidos, eu era só dela, e só isso importava. E faria qualquer coisa para que aquele momento fosse inesquecível...
Num ultimo gemido, relaxou, caiu sobre a cama. Olhei para ela de novo, ficava radiante depois de um orgasmo. Era linda, o rosto, os seios, as pernas... nunca havia visto algum defeito. Os lábios, pedindo por beijo... eu os beijei, todos.
Pediu que eu lambesse as costas. Ela estava salgada. Não pude. Meu cunhadinho acabava de chegar ao portão de casa... já havia se passado meia hora, eu não fazia idéia. Desci para abrir a porta, enquanto minha amada se vestia. Não pude ver seu corpo novamente, como desejava, mas estava feliz. Subi ao quarto e a abracei. Passamos o resto da tarde com beijinhos. Sabia que ela tinha amado tudo aquilo, que amava estar comigo, que me amava.
Tivera um feliz aniversário...

Sobre este texto

el_guirino

Autor:

Publicação:9 de outubro de 2012 16:08

Gênero literário:Depoimento erótico

Tema ou assunto:Casal

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Este texto foi lido 370 vezes desde sua publicação em 09/10/2012. Dados do Google Analytics

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

  • Nutellah
    Postado porNutellahem22 de novembro de 2013 04:00

    Adorei ! Espero que ele escreva cada vez mais! ♥

  • Mileninha
    Postado porMileninhaem3 de março de 2013 02:27

    Adoro caras assim românticos, mas que conseguem deixar uma garota como eu molhadinha. Gozei junto com a sua namorada, lendo sua história

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*