Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

Amar é desejar com ternura

Flávia se retocava diante do belo espelho que refletia seu rosto, que irradiava felicidade, ansiedade e porque não, um certo receio de tudo ir por água abaixo de uma forma tão simplória. Juntou os lábios para corrigir o batom que acabara de passar e sorriu. Ajeitou os cabelos que lhe caiam sobre os ombros se olhou mais uma vez, empinou o busto e se levantou da banqueta forrada com veludo vermelho.Ficou de costas e olhou seu perfil e depois analisou a roupa que estava vestindo se achando sóbria. O que o espelho lhe devolvia era o corpo de uma mulher madura, que preservara o viço de uma vida de tranquilidade e bons costumes associada a uma carga de sensualidade. Era bonita, ouvia isso de seu marido e agregava a isso o que achava de si mesma, sempre que na intimidade solitária que passava a maior parte das vezes,e podia se despir e ver, em cada ponto do corpo algo mais que atraia comentários deixando-a cheia de vaidade.Olhava as vezes para o ventre achatado e ficava alisando-o querendo que naquele momento estivesse com uma forma arredondada onde carregaria um ser que lhe daria muita alegria. Desde criança sonhava em um dia ser mãe. Queria dar a seu filho ou filha todo o amor e carinho que tinha recebido dos pais e passar para ele o que de melhor pudesse existir em termos de poder dar aos outros o amor que recebia. Quis o destino, que ela não viesse a realizar seu grande sonho pois jamais poderia ser mãe devido á uma má formação congênita que impedia o desenvolvimento do útero, o que impossibilitava levar a termo uma gravidez. Olhou-se por mais uma vez no espelho e pegando o telefone teclou alguns números chamando um táxi.Pegou uma bolsa olhou ao redor e saiu. Na sala encontrou Rubi, a empregada, que a olhou e sorrindo á elogiou. Flávia sorriu. Gostava de Rubi, achando-a uma serviçal muito prestativa e que sempre se dedicara a ela sem exigir nada, muito pelo contrário, ficava as vezes sem folga só para não deixa-la sozinha nos finais de semana. Claro que ela recompensava com um bom salário e presente que adorava lhe comprar, mas percebia que não era isso que a moça queria, mas sim deixa-la confortável e não só. Era agradecida a isso. Por isso quando era elogiada pela jovem sabia que estava deslumbrante. Teve ocasião que trocou toda roupa por que ela lhe dissera que não ficava bem naquele traje e outra vez que insistira em sair do jeito que se vestira, contrario á opinião de Rubi, fizera feio. Rubi se tornara sua conselheira de modas e com isso ela fazia muito sucesso onde quer que fosse pois seu bom gosto era destaque, graças a observação da sua empregada. O som de uma buzina a alertou que o táxi chegara. Flávia se aproximou de Rubi que lhe abriu a porta e lhe deu um beijo rosto saindo a seguir. Rubi passou a mão com suavidade no lugar que fora beijado pela patroa e suspirou olhando-a entrar no carro cujo motorista a esperava do lado de fora com a porta traseira aberta. Não podia entender como aquela bela mulher era praticamente esquecida pelo marido que preferia trabalhar até mais tarde todos os dias e nos finais de semana se refugiar em clubes passando o dia inteiro nesses locais. deixando de ficar ao lado de uma pessoa tão boa de coração quanto bonita.
O carro percorreu várias avenidas e ruas dentro da cidade até que parou na entrada de uma garagem em um luxuoso edifício. Após se identificar á cabine de segurança, que entrou um contato com o apartamento onde Flávia pretendia ir e receber licença para entrar, o portão foi liberado para o acesso do carro que desceu uma rampa e pouco depois de manobrar se posicionando para o regresso,a bela mulher pagou o taxista e teve a porta aberta por ele, que agradeceu e antes de acionar no painel do elevador o andar desejado, Flávia viu o carro sumir rampa acima. O elevador de alta velocidade parou no andar indicado e as portas se abriram e Flávia o deixou e caminhou para uma das portas daquele belo corredor iluminado com lampadas de leds. Parou diante da porta e acionou a campainha aguardando. Não esperou mais que uns 15 segundos e teve a entrada franquiada por uma mulher tão bela quanto ela, que sorrindo a abraçou efusiasti camente.
Lorena era uma mulher de cabelos curtos aloirados, tinha uma estatura elevada, e seus 40 anos era possível se comprovar apenas que também fora privilegiada pela ação do tempo.Era solteira e tinha uma condição sócio econômica muito boa. Ela se gabava de ser livre para fazer o que quisesse sem precisar prestar contas a ninguém. Frequentava altas rodas da sociedade e promovia encontros que eram muito comentados. Seu apartamento, muito bem decorado, deixava as visitas num clima que remetia a grandes orgias , que aliás ela gostava de promover só para ver como o comportamentos das mulheres e homens que diziam terem a moral elevada, deixavam cair por terra essa marca com o avançar das horas e o consumo alto de boas bebidas. Gostava de passear entre os casais que copulavam sem a menor cerimônia no meio da sala, nos quartos até no banheiro.Tinha até um número enorme de fotos que guardava como troféu ou até como moeda de troca.
Não pode deixar de comentar o bom gosto com que Flávia estava vestida ou sua jovialidade facial. Gostava dela como se fosse sua irmã e foi assim de forma bombástica que ela fez a amiga tomar ciência de uma "travessura" que iria fazer.
___Vou engravidar.
Flávia sentiu que algo faltava aos seus pés e se não estivesse sentada tinha
ido ao desmoronado sobre o fofo carpete. Uma vertigem a entonteceu e ela procurou apoio, assustando Lorena que se apressou em socorre-la. Ficou sem reação, quando a lucides voltou e ao encarar a amiga só conseguiu perguntar:
___Por quê ?
___Porque o quê?
___Porque essa loucura agora?
___ Não é loucura. Tenho que aproveitar que ainda tenho idade para isso sem correr muitos risco. Não quero ficar só.
___Já tem um pretendente?
___ Não. Vou fazer uma produção independente. Não quero arriscar nada fixo.
___ Mas como vai ser? Inseminação artificial?
___ Quase isso. Vou ter relação com um cara até ficar grávida, mediante pagamento e anonimato.
___Como vai achar a pessoa certa e se ela tem boa saúde?
___Já foi tudo bem calculado. Tenho uma amiga, que frequenta as minha noitadas, que tem uma clinica de reprodução humana e ela vai escolher o doador de acordo com o que eu quero e lá mesmo eu terei relações com essa pessoa sempre no meu período fértil até engravidar. Sei o que esta pensando.O anonimato ficara por conta de mascaras que tanto ele quanto eu estaremos usando. Não é o máximo?
Flávia não estava satisfeita com o que ouviu. Nunca pensou que se comportaria daquela forma diante da amiga.
___ O que aconteceu Flávia? Parece que você não gostou de saber deste meu projeto.
___Me preocupa essa exposição a que você se expõe. Não quero vê-la se arrepender. Eu gosto muito de você amiga.
A emoção emanada daquelas palavras deixaram Lorena sensibilizada. Abraçou-se a Flávia e agradeceu pela sincera preocupação. Flávia acariciou as costas da amiga e procurou se afastar o mais rápido possível pois temia se trair no que estava sentindo e sentia toda vez que se abraçavam. Era por isso que ali estava para sanar qualquer dúvida a respeito do que sentia. Lorena ficou preocupada ao ver a outra se afastar e se sentar. Achava a amiga muito estranha e vindo se sentar ao seu lado tomou suas mãos á dela e questionou:
__ Você esta passando por um conflito muito grande; o que esta acontecendo? Eu posso te ajudar de alguma forma?
Flávia se desvencilhou das mãos de Lorena e se pondo de pé caminhou até a grande vidraça que permitia se ver boa parte da cidade que estava começando a movimentar sua vida noturna.Viu que o reflexo no vidro mostrava de forma difusa a aproximação da amiga que se postou atrás dela e colocou as mãos em seus ombros.
___Te ofendi em alguma coisa? Se foi isso te peço perdão.
Flávia fechou os olhos respirou fundo e disse soltando o ar:
___Te amo!
Ela sentiu que as mãos apertaram seus ombros e aos pouco foi sendo forçada a se virar e ficar de frente á Lorena que até então, não havia dito nada diante daquela confissão. Estavam se encarando.
___Desde quando você sente isso por mim?
___Faz tempo. Eu só não conseguia admitir tal coisa. Achava impossível estar apaixonada por uma mulher, ainda mais ela sendo a minha melhor amiga. Você nunca me deu brecha alguma de que poderia se interessar por mim, apesar de ser ousada, mas eu fui me envolvendo com a sua maneira de ser e isso foi mexendo com algo dentro de mim.
___Não é por causa da indiferença com que seu marido a trata, que você pensar estar enamorada de mim? Você pode estar apenas carente e busca um porto seguro onde se refugiar.
___Eu me preservo para você Lo. Podia sair por ai, até participar de suas festas e arranjar quantos homens quisesse e até mulheres, você sabe disso. Mas nada disso me interessou desde o momento que senti que precisava de você, que queria ter você só para mim.
___ Não sei o que possa te dizer, diante de tanta certeza, que quero ficar com você.
O coração de Flávia dava a impressão de querer explodir de alegria com aquela aceitação por parte de Lorena.
___Você tem certeza disso? Não esta fazendo isso só por pena?
___Eu? Pena de você? Tolinha, não percebeste nada durante todo esse tempo? Não achou nunca estranho eu não ter me casado, ou não aparecer com namorados a tiracolo? Sou lésbica, sempre fui. Procurei ocultar esse fato uma porque não via motivo algum para me expor e porque também havia me apaixonado pela minha melhor amiga, que eu tratava como irmã - você. Sempre te amei, platonicamente, mas sempre á amei. Sofria por te ver sempre maltratada pelo seu marido e eu temia me declarar por não saber qual sua opinião sobre o amor entre mulheres. Eu te amo muito minha querida e estou radiante diante de tua confissão. Eu te quero junto a mim.
Flávia ouvia tudo aquilo e não acreditava que perdera tanto tempo em dúvidas deixando de ser feliz a mais tempo. Abraçou a amiga e chorou. Lorena ergueu-lhe o rosto e a beijou delicadamente. Era um beijo suave, cheio de amor e ternura onde procurava expressar todo o sentimento reprimido por longo tempo.Lambeu as lágrimas que escorriam pela bela face da agora amante e voltou a beija-la.Depois de se satisfazerem na boca uma da outra, optaram por sentarem-se na poltrona e lá continuaram a se beijar. A mão de Lorena se insinuou dentro do decote de Flávia e tocou um seio e procurou o mamilo. Suspirando forte Flávia se entregou a caricia. Parecia que estava sonhando e se fosse isso não queria mais acordar.Lorena deixou a boca dela lentamente e foi colar os lábios sobre a parte que estava desnuda do seio. Aquele contato com a sua pele, deixou Flávia
feliz, Apertou a cabeça da amante ali e ficou sentindo sua respiração que a aquecia naquela parte do corpo.Lorena ergueu a cabeça e olhando para Flávia perguntou:
___Você não quer ir comigo me ajudar a ter esse filho?
___Adorarei participar deste momento de muita magia em sua vida.
__Nossa meu amor, nossa.
Flávia franqueou as coxas quando Lorena a deitou no sofá e foi tocar-lhe o sexo com a mão sobre e calcinha. Afastou uma lateral da mesma e viu aparecer os lábios vaginal. Debruçou-se sobre eles e os beijou demoradamente, o que causou um frisson em todo o corpo de Flávia. Afastou mais a calcinha e teve todo o sexo a sua disposição. Passou a língua sobre ele até ficar só no grelo.Levou-a
ao seu primeiro gozo, que foi recompensador, pois a deixou super feliz e aliviada da tensão que vinha tendo de a muito.Era maravilhoso gozar na boca daquela mulher que ela amava mais do que nunca, esquecendo até de que era uma mulher casada. Abaixou as pernas languidamente para que Lorena lhe arrancasse a peça fora do seu corpo. Quando se viu sem ela tornou a puxa-la entre suas cosa e ofereceu o sexo úmido á boca sequiosa da amante. Com um gemido de prazer sentiu a boca tomar conta de seu sexo. Lorena se mostrou escolada na arte de dar prazer a uma mulher e nela depositou todo seu conhecimento e desejo. Sentia necessidade sexual também, mas queria desfrutar daquele corpo que por tanto tempo desejara. Brincou com a ponta do dedo no clitóris que se mostrou lisinho delicioso de se tocar. Por um momento se ergueu um pouco e ficou nos joelhos que suportava o seu corpo entre as pernas e Flávia e olhando para o sexo que exalava um cheiro embriagador o acariciou com a palma da mão, deixando-a toda molhada. Apertou nos dedos aquela intimidade e depois direcionou-os para dentro do canal vaginal. Retirou os dedos molhados de seiva feminina e os levou a boca chupando. Passou os dedos nos lábios e foi de encontro a boca de Flávia.Esta por sua vez começou a despir a amante e aos pouco foi vendo a bela forma que tinha aquele corpo de mulher madura. Observou os seios livres e teve a sensação de que os conhecia de momentos íntimos que só naquele momento estava tendo. Suspirando levou a boca até eles, beijando sugando e mordiscando suavemente a pele que o recobria. Lorena aproveitou a posição para desnuda-la também e assim ficar tão nua quanto ela.Montada sobre a amiga Flávia colocou suas pernas entre as dela e com os sexos unidos passaram a se esfregar. O atrito das partes íntimas causava calafrios de prazer e Flávia abraçada a perna esticada da amante executava o movimento que mais unia as partes. Beijava a perna, o joelho e o que dava da coxa, esfregava os seios também na pele e os bicos ficavam cada
vez mais salientes. Naquela tesoura dupla ficaram até outro gozo aflorar de forma avassaladora no maior e melhor orgasmo de suas vida.
Flávia aninhada entre os braços de seu amada, sorria agradecida. Sabia que sua vida tinha ganhado outro sentido. Não se sentia mais só. Tinha agora o grande amor de sua vida.


Sobre este texto

Erótico

Autor:

Publicação:2 de fevereiro de 2015 15:18

Gênero literário:Contos eróticos

Tema ou assunto:Lésbicas

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Este texto foi lido 395 vezes desde sua publicação em 02/02/2015. Dados do Google Analytics

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

Não há comentários até o momento. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*