Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

Breve história de amor e sexo na chuva, na lama sem uma casinha de sapé

__Quero gozar!- disse ela.
__Onde?
__Lá fora.- indica ela com o dedo
__Esta chovendo.
__Não faz mal. Quero gozar na chuva.- explica melosa
__Você é louca?
__Não, só te amo!- fala com carinho.
__Por que não fazemos amor aqui na varanda?
__Quero na chuva.- insiste passando a mão nos seios sobre a camisola.
__Vai se resfriar.
__Não faz mal. - diz levantando a roupa expondo seus jovens e belos seios.
__E se eu me resfriar?
__Vai, não. - sacode a cabeça.
__Quer mesmo?
__Quero! - confirma e lhe estende a mão.
__Não vai tirar a calcinha?
__Você tira. - conclui
__Está bem.
__Aqui não. Lá. - mostra a grama molhada.
__Doidinha.
__Gostosão. -devolveu a palavra carinhosa
De mãos dadas desceram dois degraus, recebendo gotas de chuva na cabeça. Avançaram mais um pouco e a tormenta que caia passou a molha-los. Seguiram pela grama molhada até um lugar que ela, a jovem indicou.Ela o enlaçou pelo pescoço e olhando para seus olhos que mal podia abrir devido a água que sobre ele caía
passou a se esfregar na virilidade que estava se manifestando na frente da cueca, que aos poucos foi grudando no corpo como uma segunda pela. Estava com muita vontade de fazer amor e queria que fosse ali, sob aquele aguaceiro. Puxou ele para si e se beijaram apaixonadamente. Passou a esfregar os bicos dos seios sobre o peito cabeludo dele com vontade de instiga-lo cada vez mais. Uma de suas mãos mergulhou dentro da cueca e alcançou o cálido falo que pulsava e se tornava mais duro a medida que ela o apertava.
__Como é gostoso sentir esse teu pau em minha mão. Me faz ficar sufocada em um mar de desejos. - balbuciou ela com a voz sumida.
__É teu!
__Posso chupa-lo? - quis saber o que era óbvio.
__Adorarei senti-lo nessa boquinha.
__Gosto de vê-lo assim tão duro e grosso. Me faz lembrar da primeira vez que você o enfiou em mim. Você se lembra? - perguntou ajoelhada na relva com o membro prensado á face.
__Como poderia esquecer. Você estava tão linda e provocante. Eu esperava a muito tempo por aquela oportunidade de foder.
__Podia ter-me comido logo no primeiro dia,seu bobo. Estava com a bocetinha molhadinha quando trocamos o segundo beijo. Sabia que eu estava torcendo para que você ao menos tocasse meus peitos, minhas coxas? - quis saber, ao mesmo tempo que dava um beijo na glande.
__Eu te achava muito ingênua, frágil.
__E eu te achava o cara mais tesudo que eu já tinha conhecido. - confessou, chupando a ponta da pica.
__Sabia que eu procurava um jeito de roçar com o braço em seus peitos e gravar a sensação do toque para me masturbar em casa?
__Bobo! Poderia, se fosse mais ousado, me chupar, que eu deixaria, sabia? - abriu a boca e tomou a cabeça da pica além dos lábios, que se fechou em torno dela, enquanto descia totalmente a cueca até que a tirou fora.
__Que boca que você tem, amor.
__..... - não conseguia falar nada, apenas brincava com a língua ao redor da glande, puxando e soltando o ar pelas narinas dilatadas.
__Adoro quando você faz isso com a cabeça da minha pica. Me dá um comichão no corpo todo. Sente como ele pulsa. Esta gostoso, amor?
__ ..... - ela preferia só balançar a cabeça afirmativamente, á retirar a glande da boca. Foi abocanhando mais parte do sexo do rapaz, ficando com parte dele preso entre seus dentes. Fez um movimento com a cabeça atritando o pênis em seus lábios e depois abriu a boca e o deixou sair, recebendo a friagem da chuva. Levantou-e e indicou com o dedo indicador, para a calcinha.
__Não vai tirar minha calcinha? - quis saber. - Oh, oh! Com a mão não. Com a boca. Quero ela colada na minha xoxota puxando até meus pés.
O rapaz se ajoelhou e levou a boca até peça e com os dentes cerrados sobre o tecido, foi puxando-a para baixo até chega-la aos pés da jovem.Ficou cara a cara com a vulva ensopada de água, beijou-a demoradamente e depois passou a língua sobre ela. A jovem separou as coxas e teve os lábios vaginal separados
recebendo a carícia mais profundamente no sexo que estava escaldante.Lambeu e reteve na língua o caldo que da intimidade de sua jovem paixão, escorria. Ela foi se agachando, agachando até que sentou na grama e de deixou cair para trás. Abriu as pernas e chamou o companheiro, que com o pau duro a invadiu. Ela gritou, quando a rola entrou mansinho em sua boceta, indo fundo, depois se abraçou ao homem e em seu ouvido sussurrou:
__Agora que essa rola gostosa está dentro da minha xoxota, rola comigo na grama até lá embaixo? - pediu ela lambendo a orelha dele.
Dando uma guinada de corpo, ele a trouxe para cima dele e começaram a rolar na grama molhada, deixando seus corpos sujos da gramínea. Só que a jovem não deixou de excita-lo no fim da jornada, onde se iniciava a parte de terra.Ela queria mais:
__Na lama. Vamos trepar na lama como dois porquinhos. -ressaltou levando a mão até o barro, o trazendo para esfregar em si e no companheiro que continuava a se agitar dentro da xoxota da moça.
Ele entrou no clima e foram parar no meio do lamaçal e ali, com ela de costas no barro, se firmou nas pontas dos pés e nas mãos, para começar a martelar com fúria lasciva, o pau dentro da boceta ardente. Estavam entregues á natureza, com a chuva molhando seu corpos e a lama os deixando mais agitados naquele ato de puro amor. Ela apertava os mamilos dele e punha a língua para fora, passando-a pelos lábios em pura provocação. Elevando as pernas até as costas do amante, ela as cruzou, forçando as suas investidas. Estavam sujos, imundos, mas com o que dizer da travessura de uma mulher que quer sexo fora das convenções?
A explosão do orgasmo atingiu os dois ao mesmo tempo. Ela recebeu em seu interior, a lava que o vulcão peniano expelia em sua erupção de prazer. Ele tirou o pau da boceta dela e a mesma se apossou da pica a abocanhando para se deliciar com o produto daquele farra de amor.
Um relâmpago iluminou o terreiro, mostrando os corpos molhados do casal que pelo caminho de volta a casa se beijavam apaixonadamente.
No gramado, sobre a grama molhado, ficou uma cueca e uma calcinha esquecida.


Sobre este texto

Erótico

Autor:

Publicação:24 de março de 2015 18:29

Gênero literário:Contos eróticos

Tema ou assunto:Jovens

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Este texto foi lido 345 vezes desde sua publicação em 24/03/2015. Dados do Google Analytics

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

Não há comentários até o momento. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*