Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

Delírios de uma mulher ousada

A busca da mulher pela liberdade de ser o quer ser e não o que querem que ela seja, trouxe-lhe ao longo tempo, uma série de aflições e embates conflitantes
entre ela e o homem. Ela não podia dizer que sentia prazer ou onde queria ser tocada para o sentir. Estava proibida que desejar, querer, manipular ou subjulgar
o seu companheiro, porque isso o tornava menos interessante para alimentar o seu ego. Uma mulher clássica, inibida e cheia de tabus. Mas aquela mulher morreu, hoje temos uma nova estirpe feminina que tudo quer que tudo pode.
Lila, é uma dessas mulheres. Era ousada, bem informada e capaz de conduzir um relacionamento com mão de ferro. Mulher que tinha tudo o que desejava, sentia-se solitária naquela casa enorme, que ela conseguira, como parte de um acordo de partilha numa separação consensual. As vezes para quebrar a monotonia, promovia festas que se arrastam madrugada adentro, o que não era muito bem aceitável pelo vizinhos. Mas isso também a estava saturando. Queria alguma coisa nova. Depois de muito pensar, andar pela casa, olhar cada canto, teve uma ideia. Em um site ela procurou e encontrou o que queria. Chamou sua empregada, que vivia com ela desde que se casara e passou o recado de que uma pessoa iria chegar e que ela a conduzisse até onde ela estivesse. Entrou no quarto e foi procurar uma roupa mais confortável, que lhe proporcionasse mais mobilidade. Como estava quente, se meteu em um short curto e uma camisa fina, onde se destacava os belos seios de mamilos marrons. Se olhou no espelho e gostou do que estava vendo. Seus 42 anos, não a deixavam menos jovem que uma mulher de 30 e isso para ela era um orgulho. Foi para a ampla sala de estar e se espichando em um sofá, ficou a imaginar como agiria para conseguir o seu intento. Se bem quê, olhando para suas longas e belas pernas, ela achou que já eram um atrativo a mais. Estava com tesão e tinha que apagar aquele fogo que a consumia.O som da campainha a alertou de que a sua expectativa estava chegando ao fim. Quando Rosa, a empregada, deixou passar a figura daquele homem, que devia ter 1,95m, com uma bela envergadura, com aquela tez morena, ela sentiu que o coração tinha ido para a boca.
__Senhora, este é o rapaz que a senhora estava esperando. - anunciou a empregada, se retirando a seguir.
__Boa tarde senhora. Meu nome é José. Fui mandado para fazer o orçamento que a senhora pediu a nossa empresa.- se apresentou o rapaz estendendo a mão. Seu olhos não deixaram de notar a visibilidade dos seios por sobre o tecido da camisa da mulher.
__Sou Lila a proprietária. -disse, ligeiramente empolgada coma presença daquele belo exemplar. Tinha que olhar para cima, devido a sua estatura ser bem menos que a dele. Se imaginou sendo possuída por aquele gigante, que calculou ter uma bela vara a sua disposição. - Gostaria de fazer umas reformas e por isso solicitei os préstimos da empresa que você trabalha.
__Mais precisamente o que a senhora quer que façamos? - perguntou o rapaz olhando ao redor.
__Na verdade eu não sei ao certo. Cansei de tudo como esta e queria mudar algumas coisa. O que você sugere?
__Olha, sua casa é muito bonita. Mesmo lá de fora, nota-se que é uma das mais bela da rua e talvez do bairro. Mas se esta cansada do visual interno, podemos mudar pouca coisa para torna-la bem diferente. É só cria o que esta faltando e dar uma nova trajetória para o que já existe. Será um pouco demorado.
__Não tem importância. Venha ver as demais dependências. - saiu a frente do rapaz que lançou um olhar de cobiça no traseiro dela, que o short curto deixava a mostra. Ela sentia o olhar dele e se regozijava com o fato de o estar excitando. Notara seu olhar em seus seios quando chegou.Estava indo bem, pensou. - Aqui é a sala de jogos, mas quero que seja outra coisa. Não sou muito adepta de jogatinas. Você vê no que pode me surpreender. Mais adiante, que se comunica por aquela porta ali tem um lavabo. Vamos agora para a copa e cozinha, que talvez seja um dos poucos lugares que me agrada e por isso não convém modificar nada. Quero agora que você veja e de sua opinião sobre meu quarto. - mais uma vez a sua frente ela exagerava no rebolado, pois assim sabia que estava chamando a atenção do rapaz. Abriu a porta e o fez entrar no imenso e bem decorado quarto.
__Não creio haver necessidade de mexer em nada aqui, senhora. Este quarto faz jus a uma rainha.- comentou com sinceridade, olhando tudo com redobrada atenção.
__Obrigada pelo elogio. Não sou merecedora dele. - disse agradecida.
__Pode acreditar no que estou dizendo. Nunca tinha visto um aposento tão fascinante em todas essa andanças.
__Então você acha que não devo mudar nada? - perguntou ela se jogando sobre a ampla cama, caindo de bruços.
__A senhora não deve mexer em nada,minha opinião se valer alguma coisa.- ponderou olhando diretamente em sua bunda que estava mais saliente que antes.
__Claro, que vale. Venha, sente-se aqui e observe bem. - disse ela batendo a palma da mão no lugar que queria que ele sentasse. Sorriu para ele e fez uma pergunta bem direta:
___O que você acha de tudo isso que vê aqui?- fez um semi circulo com o braço descansando a mão sobre a bunda.
José percebeu o que ela queria dizer com o gesto e foi enfático.
__Um quarto magnifico. De muito bom gosto, como já disse. Digno da dona que o tem. afirmou olhando-a diretamente nos olhos e depois em sua bunda.
__Gosta? - perguntou diante do seu olhar.
__Do quarto? Claro é lindo. - disse disfarçando.
Lila sorriu e esticando a mão a pousou sobre uma perna dele, bem perto da braguilha da calça, notando que ele ficou na expectativa.
__Ou você se faz de bobo ou esta me confundindo.
___Não entendi.
__Acredito que entendeu sim mas esta se fazendo de inocente.Olha, que tal um drinque para relaxarmos.
__Temos que relaxar? Eu estou bem. - e dizendo isso pousou a mão na bunda dela. - Você não me parece tensa.- continuou com a mão no mesmo lugar, só que agora apertava as nádegas chegando um dedo a se insinuar pelo fundo do short, encontrando o tecido da calcinha.
Lila olhou para ele e tocou entre suas pernas.
__Sabia que sua mão é gostosa e que eu estou ficando molhadinha?
__Posso secar essa umidade se você quiser.
__Não tenho nenhuma toalha por aqui. - brincou ela rindo.
__Eu tenho uma bem aquecida, pronta para o serviço. - disse pondo para fora sua língua.
__Nunca ninguém me enxugou com esse tipo de toalha -riu, sentindo uma comichão diante da ideia que ele apresentava como real.
__Sempre tem uma primeira vêz. Não gostaria de experimentar?
Lila, não disse nada, apenas se virou ficando de costa na cama e se apoiando a planta dos pés ergueu o corpo, já desabotoando o short e ao desce-lo pelas pernas trouxe junto a calcinha. Jogou tudo sobre o outro lado da cama e abrindo as pernas, lhe mostrou o sexo que estava sedento de um carinho profundo. Passou a mão sobre ele e com os dedos se abriu toda, mostrando sua cor rosada onde se podia visualizar o brilho da umidade e o clitóris. José se livrara dos sapatos e estava descendo a calça sem tirar os olhos da anatomia da bela mulher que se oferecia despudoradamente a um estranho em sua alcova. Seu pau estava super duro e ele ansioso por sentir o sabor íntimo daquela mulher. Estava tremulo com a exposição que ela fazia.
Lila já se livrava da camisa e o presenteava com a beleza do par de seios que mantinham o viço da juventude que a bom tempo se fora.
Passou as mãos sobre os seios e os apertou um de encontro ao outro e tentou passar a língua nos mamilos. Com muito esforço conseguiu o objetivo. Parou quando o rapaz mostrou-lhe o enorme pau, cuja cabeça brilhava. Lambeu os lábios e se erguendo veio de gatinhas até ele chegando junto da vara a cheirou em toda sua extensão até chegar nos testículos. Meteu na boca e o chupou com energia provocando uma gostosa dor, que fez José gemer. Depois pegou o pau e o passou nos seios e depois a boca foi descendo lentamente sobre ele
que foi sumindo dentro da mesma. Não cabia tudo, mas a metade entrou até a cabeça encostar no inicio da garganta. Com dois dedos puxou a pele para baixo e iniciou uma movimentação da cabeça, fazendo-a subir e descer com o pau preso entre os lábios. Aproveitando a posição que a mulher estava, o homem procurou alcançar sua bunda a procura do cu. Encostou um dedo nele, sentindo-o pulsante e receptivo ao toque. A dedada veio em seguida e Lila acusou de bom agrado a invasão em seu buraco traseiro.Chupando a pica grossa e longa, ela desejou recebe-la no lugar do dedo e aquela imaginação a levou ao gozo. Tirou a boca da rola e se endireitando esperou o dedo sair do seu cu para poder se deixar cair de costa na cama e abrir novamente as pernas. Desta vez foi José que se aproximou entre elas e junto da xoxota que exalava um calor e odor que o deixa alucinado. Beijou cada ponto da genitália e lambeu do clitóris até o cuzinho dela, que facilitava tudo levantando as pernas que abraçava e facilitava as investidas da boca. José aplicou no sexo dela pequenas mordidas que a deixaram sem saber se pedia para continuar ou parar. Era terrivelmente torturante aquele tipo de manipulação oral. Expeliu o suco de sua intimidade, que a boca solveu, até nada mais restou.
__Querido quero sua pica dentro de mim. Vem e mata essa vontade.Olha como esta a minha bocetinha. Você não está com dó dela? Vem me foder.
Lila separou as pernas e José ficou entre ela, com o pau roçando a vulva aberta. A mão de Lila foi até ela e a encaminhou para o furo da sua boceta e fez pressão, puxando-a para entrar. Quando sentiu que a cabeça estava dentro, indo para o fundo do seu canal ela retirou a mão e abraçou o homem. Este chupava seus seios e mordia os bicos tesos e belos. Passava a ponta da língua sobre as pigmentadas auréolas e sugava como se quisesse arrancar dos dois montes deliciosos esguichos de leite.
___Que pica deliciosa. Estou cheinha de carne na boceta. Vai amor acelera e me faz gozar na sua rola. Puta que pariu como você fode gostoso. Quero que você me foda todos dias da reforma. Você promete que vai reservar um tempinho para sua xoxotinha carente? Se você prometer que vai me comer todos os dias eu te dou uma coisa que todos os homens gosta e que eu bem pouco dei...te dou o meu cuzinho.
__Claro que prometo. Só não te fodo se você não quiser. Você é gostosa demais.Nunca fodi uma puta como você.
__Sou puta? Fala que sou puta outra vez...diz bem gostoso.
__Puta!Puta! Você é uma puta, gostosa mas puta.
Lila o empurrou e se virou de bruços levando as mãos até a bunda separou suas nádegas mostrando um cu que piscava querendo a rola que dura se aproximava do mesmo.A cabeça pressionou resvalando e descendo se encaixou na boceta. Lila a tirou da xana e a encostou nas pregas anais fazendo força como se estivesse em um vaso sanitário, tentando assim receber o invasor dentro de si. José teve paciência e foi conseguindo o grande objetivo, começando a enfiar uma boa parte da glande. Lila agora se segurava na guarda da cama e mordia a ponta do lençol diante da dor da penetração anal.Seus músculos queriam expulsar o invasor, mas a pressão que o homem fazia de cima para baixo e ela de baixo para cima, estava permitindo o avanço do membro. Assim que a cabeça passou o resto de parte do pau foi junto. Lila deu uma reboladinha para acabar com a dor e depois ficou quietinha apenas sentindo o pau dentro do seu reto, indo e vindo. Procurou por baixo levar a mão até o grelo, passando a dedilha-lo incessantemente. O gozo vinha e chamava outro exaurindo as energia da audaciosa mulher. Cadenciado o pau entrava e saia do cu que já estava relaxado. José estava prestes a ejacular e quando começou a inchar e pulsar cada vez mais intensamente, anunciou o gozo. Lila, pediu que ele desse para ela chupar o pau antes de expelir a porra. Ele saiu de dentro dela e a mesma se levantou e de joelhos aproximou a boca da pica a tomando já sentindo os primeiros jatos de porra que foram bater no fundo da garganta dela. Era uma enxurrada de esperma que ela engolia se arrepiando toda. Quando parou de pulsar já não existia mais porra no canal. José estava com as mãos á cabeça e de olhos fechadas se deixava esvair na boca de Lila. Ela, orgulhosa e super satisfeita da loucura que cometera, sorriu para o rapaz. Sem preconceito se beijaram e a seguir ela se encaminhou para o banheiro, onde se banharam numa hidro.
A reforma na casa estava indo lentamente, mas estava indo. O importante é que sempre sobrava um tempinho para que fosse ser revisto os detalhes das modificações na casa. Demoravam discutindo algum detalhe, sempre com a porta do quarto trancada. Por que seria?
( Dedico com todo o meu carinho este conto, para a leitora online Helga, Espero que tenha gostado e obrigado por me seguir)

Sobre este texto

Erótico

Autor:

Publicação:14 de março de 2015 16:25

Gênero literário:Contos eróticos

Tema ou assunto:Maduras

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Este texto foi lido 744 vezes desde sua publicação em 14/03/2015. Dados do Google Analytics

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

  • Antonia de maceio
    Postado porAntonia de maceioem2 de abril de 2015 06:18

    Oi Erótico, estou adorando seu textos. Leio na cama antes de dormi. Tem mesmo 67 anos? beijo

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*