Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

Fogo e paixão combina muito com tesão

Marina sabia que estava se arriscando a perder tudo que conseguira, mas tinha em seu âmago a necessidade de tentar mais uma vez. Enquanto bebericava o seu drinque, ela observava o casal que mais a frente se divertia no palco do karaokê.
Núbia e Ester se divertiam cantando músicas de axé, sentindo, ambas, verdadeiras estrelas da música baiana.
Núbia tinha 25 anos, era morena, cabelos longos, sorriso bonito, e corpo bem feito. Tinha uma estatura mediana e era muito bonita.
Ester parecia ser irmã gêmea da atriz Claudia Raia, o que a deixava mais atraente que a outra. Seu porte robusto, chamava a atenção de muitos, mas que no entanto nada conseguiam, principalmente os homens. Ela tinha um caso estável com Núbia e as duas pareciam se darem muito bem.Núbia era irmã de Marina, uma jovem de 22 anos, que como a irmã tinha o dna da beleza. Sempre apoiara a sexualidade da irmã e com isso formavam as três o trio parada dura, onde ninguém entrava sem ser convidado. Mas estava acontecendo algo que as três não esperavam. Marina estava perdidamente apaixonada por Ester, que tinha uma desconfiança e só uma certeza, se sentia atraída pela cunhada. Não deixavam transparecer o desejo que sentiam para não ferir os sentimentos de Núbia.Mas a situação estava ficando insustentável e os hormônios estavam falando mais alto. Do palco Ester percebia os olhares furtivos de Marina na mesa ao fundo e sentia que o seu corpo absorvia a energia que vinha de lá. Terminada a música voltaram para a mesa onde terminaram suas bebidas. Marina consultou o relógio e disse que já estava ficando muito tarde que iria embora.Sua irmã porém disse que deveria ficar e se divertir com elas e que depois poderia ir dormir em sua casa. Ia recusar quando sentiu um toque sob a mesa e entendeu que seria de Ester. Seu olhares se cruzaram e ela viu que não havia uma chance maior de estar com o seu amor um pouco mais. Ficaram por uma hora e o álcool foi fazendo efeito em Núbia que sempre fora fraca neste quesito. Resolveram ir embora e de táxi chegaram na casa onde o casal vivia. Entraram e Núbia que estava quase apagada não aguentou e ali na sala mesmo apagou sobre o sofá.Ester fora até o quarto e pegara um cobertos e travesseiro para melhor acomodar a companheira.Feito isso perguntou para Mariana se ela aceitava mais um drinque ou se queria tomar um banho, já que ela ia fazer isso. Com o coração aos pulos Marina olhou para a irmã e com um certo sentimento de culpa disse que iria tomar banho pois se sentia cansada. Ambas caminharam para o banheiro. Ester abriu um armário de onde tirou duas toalhas entregando uma para Marina e outra ela colocou ao lado da porta do box em um cabide. Começou a se despir e aos poucos foi revelando a beleza de um corpo jovem e bem cuidado. Só de calcinha e sutiã se olhou no amplo espelho que ficava em uma das paredes e levou as mãos as alças da peça superior as descendo pelos braços, depois virou a mesma para a frente do seu peito e soltou os colchetes se livrando do acessório mamário.Dois belos seios surgiram. Marina de onde estava, podia ver as belezas nuas e se contraiu, como se tivesse levado um soco no estômago. Mordeu os lábios e apertou com força a toalha nas mãos. Ficou como que hipnotizada olhando a imagem que o espelho lhe oferecia. Suspirou de forma que Ester ouviu e olhando -a pelo espelho questionou:
__O que foi? Nunca viu uma mulher semi núa?
__Linda como você, não. -disse Marina observando que Ester metia os polegares nas laterais da calcinha e a descia até os pés, oferecendo o espetáculo da curvatura do seu tronco, propiciar a visão de suas nádegas fartas e tom escuro do seu rego. Aquilo fora demais para Marina que jogara a toalha no chão e se aproximando de Ester a enlaçou pela cintura. Cheirou seu cabelo e em seu ouvido despejou palavras:
__Você é muito gostosa. Você me alucina. Por que você foi entrar em minha vida depois de ser da minha irmã? Eu te desejo muito, desde o primeiro momento que te vi.
__Fala mais. Eu quero ouvir mais. Me aperta e fala mais. - pediu Ester de olhos fechados saboreando o contato com o corpo ainda vestido de Marina.
__Falar o quê? Que você me rouba o sono, que causa angustia saber que você esta todas as noites com outra pessoa. Que o meu maior desejo e poder usufruir dos seus seios e sentir essas delicias em minha boca? Que te quero mais que tudo na vida, apesar de seres a mulher de minha irmã?Que te amo? Que não sei mais viver sem você.
Ester se virou de frente para Marina e olhando-a dentro dos olhos confessou que sentia um grande amor por ela. Se beijaram com uma fúria declarada. Sabendo que não poderiam ser uma da outra como desejavam estavam procurando se darem naquele momento. Ester foi arrancando peça por peça do corpo de Marina e assim que ficou com a outra em igualdade de condições se abraçaram, seios contra seios e boca sobre boca. As línguas se enroscaram a saliva escorria pelos cantos das bocas descendo até os queixos e dali para o pescoço até alcançar os seios espremidos. Quando se afastaram um pouco Ester levou as mãos sob os seios e os ofertou a Marina.
___Você não os queria? Pois tome-os, são seus. Me sugue a alma através deles. Me faça gozar como eu sempre desejei faze-lo com você. Isso...assim. Morde meus bicos, morde que eu gosto. Ui...delicioso...ai...ai...coloca uma mão lá embaixo, em você, e me da para chupar seus dedos e sentir o teu gosto, já.Vem me dá os seus dedos, deixar eu sentir como é você, meu amor.
Marina atendeu o pedido da amante, fazendo com que a mesma sentisse o seu sabor sexual. Vibrava por ter o seios da jovem mulher em sua boca. Marina se ajoelhou e levou a boca até a vulva de Ester, que afastou um pouco as pernas e permitiu a que a língua atingisse o meio dos seus lábios vaginal. Foi a vez de Marina saborear o sabor do sexo da outra. Ester acariciava os cabelos de Marina e executava movimentos, como se a estivesse fodendo sua boca. Em dado momento ela parou com os movimentos e pedindo a Marina que se levantasse, pegou sua mão e arrastou para fora do banheiro e pouco depois em seu quarto a jogou sobre a cama e ficou sobre seu corpo. Acariciou seu rosto e passou a distribuir muitos beijos. As coxas de Marina se separaram e ela pode sentir no sexo a pela da coxa da outra a se esfregar provocando uma delicioso atrito. Arranhou as costas da amante e foi descendo até suas nádegas que apertou. Sentia-se embriagada com a saliva, que ainda rescendia aos drinques tomados, e sentia o seu grelo pulsar transmitindo uma eletricidade que a deixava com o corpo sensível. Os bicos dos seus seios estavam doloridos e um desejo maior tomava conta do seu ser. Murmurou aos ouvidos de Ester o desejo de ser possuída por ela. Ester levou a mão até o sexo da amante e seus dedos tocaram o ponto que mais estava excitado.Marina sentiu uma onda de calor e uma comichão se estender por todo seu corpo que já estava suado. A massagem que Ester aplicava em seu clitóris a deixava alucinada. Voltaram a se beijar e no auge de um gozo rolaram pelo leito quase caindo do mesmo. Um dedo procurou sua entrada vaginal e nela se introduziu fazendo com que Marina gritasse sem poder se controlar. Se olharam ofegante e sem dizer nada ela se virou de bruços. Ester olhou para o belo rabo que tinha á frente abaixando a cabeça foi depositar beijos nas bochechas que distilavam um turbilhão de excitação. Com carinho separou as nádegas e viu, naquele rego úmido, o ponto crucial de entrega daquela bela mulher que estava sob seu domínio. Percorreu o rego com a ponta da língua até aquela pequena depressão raiada onde se concentrava um ponto de prazer. Marina empinou um pouco a bunda para facilitar mais a introdução lingual e foi sentindo aquele apêndice morno lhe invadindo o reto.Sacolejou a bunda e empinou um pouco mais, como que querendo puxar para dentro de si aquilo que lhe estava dando tanto prazer. Ester, enquanto a possuía tocava uma siririca, querendo ter um gozo junto com sua paixão. Os corpos estremecidos, estavam colados um no outro e as bocas unidas davam a boa vinda ao orgasmo delicioso que as acalmou.
Marina e Ester acabaram dormindo uma nos braços da outra, esquecendo de Núbia que acordou quando o café da manhã já estava pronto.

Sobre este texto

Erótico

Autor:

Publicação:18 de fevereiro de 2015 12:19

Gênero literário:Contos eróticos

Tema ou assunto:Lésbicas

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Este texto foi lido 438 vezes desde sua publicação em 18/02/2015. Dados do Google Analytics

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

Não há comentários até o momento. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*