Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

O lubrificante

As vêzes nos deparamos com situações dignas de filmes pornôs ou de mera ficção. Estava em uma Sex shop, vendo alguma coisa para apimentar mais uma transa e aproveitar para comprar um lubrificante para as delicias de um sexo anal. Estava no setor dos consolos e observava a riqueza de detalhes que cada um tinha e me dei conta de que embaixo de tudo aquilo estavam os lubrificantes. Me curvei um pouco para escolher um diferente dos tradicionais e ao dar um passo para a esquerda, esbarrei em alguém. Prontamente me desculpei deparando com uma bela mulher. Era loura e tinha cabelos que iam até os ombros, podia ter uns 50 anos, olhos muito azuis, um narizinho delicado, lábios finos ligeiramente avermelhados um belo exemplar da fauna feminina. Sorriu de forma até que jocosa dizendo que aceitaria o meu pedido de desculpa se eu lhe desse uma informação. Concordei e ela me perguntou indicando com o dedo, qual era o melhor lubrificante para se usar. Meio que pego de surpresa, uma por ela estar ali e outra pelo que desejava informação, peguei o mais popular e que era garantia de não haver erro. Ela disse que o produto não era para ela e sim para sua filha que era recém casada e estava correndo do marido em certos atos do sexo, como o diabo foge da cruz. Ela temia que o sexo anal que ele tanto insinuava seria muito doloroso. Ela tinha alertado a filha para o dia que o marido quereria experimentar e ela tinha que estar preparada com um bom gél. Ela mesma nunca tivera medo da modalidade e já o tinha feito até a lá Um tango em Paris, referindo-se a famosa cena da manteiga entre os personagens.
__Olha para dizer a verdade, já fiz com cuspe, vaselina e até sabonete liquido. Você acredita? Arde um pouco, pois é sabão, mas não é que fica até mais gostoso-disse rindo de forma muito cativante. Eu estava ficando de pau duro e ela percebeu pois deu uma olhadinha de leve no volume que começava a se forma na calça e sorrindo continuou - O sexo anal pode ser doloroso ou não. É preciso relaxar e pensar que esta tendo um dos momentos mais intimo de uma mulher, que para mim é beijar e fazer um sexo anal.É intimo demais. Meu genro não é um cara que se preocupa em ser gentil com a espôsa, é muito afobado. Ela não é submetida a uma preparação prévia para receber sem trauma a investida em seu lugar, que os puritanos dizer estar ali para expulsar algo e não para receber.Eu sempre achei que o corpo tem varias formas de permitir o uso dele. É uma fonte de prazer imensa, você não acha?
Admirado de tanta liberdade de expressão eu me rendi aos encantos daquela mulher que dava um aula de entendimento em termos de sexo.Sai com essa:
___Confesso que gostaria de te-la conhecido a muito tempo atrás.
___E porquê?- quis saber lançando um belo sorriso que perolou seu belo rosto.
___Preciso dizer? - enfrentei-a sorrindo também.
___Eu acho que precisa sim.
___Você aceitaria sairmos daqui para tomar alguma coisa e conversarmos melhor sobre o assunto? - questionei-a, já contando com sua resposta negativa.
__Porquê não. Vamos lá.- me surpreendeu ela.
Com nossas compras pagas, fomos para meu carro e pouco depois estávamos sentados em uma deliciosa lanchonete tomando um suco natural. Ela me encarou
e com sarcasmos quis saber:
__E então não vai me responder porque desejava ter me conhecido muito tempo atrás?
__É difícil encontrar uma mulher que seja bonita e inteligente como você, sendo tão direta nos diálogos ainda mais com um desconhecido, sobre temas considerados tabús.
___ Não nos apresentamos até agora, sou Diana. - disse estendendo a mão que era macia, de dedos longos. Notei que na outra mão um dos dedos ostentava uma aliança.
___Alfredo para te servir da melhor maneira. - galanteei beijando sua mão estendida.
___Hum, galanteador á moda antiga. Gostei. Já não se faz mais homens assim.
___Existem muitos pode acreditar. Mas como ia dizendo Diana, hoje em dia a mulher esta muito cheia de medos e de auto suficiência pelo fato de se sentir em condições de igualdade no mercado de trabalho.Diante disso e graças ás feministas de plantão, que veem no sexo anal uma certa dominação masculina no
campo do prazer, incentivam as mulheres a não ceder ou pelo menos tentar. Aposto até que elas o praticam e gostam.
__É mas você não pode desconsiderar o fato que muitos homens não sabem como levar uma mulher a ter interesse no sexo anal. São brutos, sujos mesmo, promovendo humilhação e não prazer á mulher e não prazer. Porquê não dar á mulher o máximo de amor, carinho, a satisfação de ser possuída. Porque ele não se permite que a mulher lhe toque no seu rabo, só ele no dela?
___Deve de ser pela cultura que homem que permite isso é gay. Elas mesmos criaram esse mito. Eu não ligo para esse, que pode ser um prazer para ambos.
___Você fala isso, mas aposto que não me deixaria enfiar o dedo em seu cú. Deixaria - desafiou
___Deixa em ver seus dedos.-brinquei pegando em sua mão - Diana, eu sou um cara resolvido. Para mim tudo é válido. E tem mais você é uma tremenda de uma gatona que vale a pena investir em você. Te dar o máximo de tudo. - disse me surpreendendo quando ela se levantou pegou a bolsa e foi até o caixa onde pagou a conta. De volta me encontrou com uma cara de não ter entendido nada.
___Te ofendi em alguma coisa que falei? -perguntei
___ Cara, quero ir para um lugar onde possa comprovar tudo isso que você falou. Saímos direto para um motel. Mal entramos no quarto nos beijamos e eu enfiei a mão em seu decote, onde seios opulentos eram aprisionados. Tirei um deles para fora e vi surgir um dos mais tentadores mamilos. Debrucei sobre ele tomando-o entre os lábios, sugando como um bebê, arrancando gemidos de Diana que se contorcia acariciando meu pau sob a calça. Agachando á minha frente ela desceu o zíper da minha calça e tirou o meu pau para fora. Levou a boca até ele e começou a me chupar com avidez. Chegara a hora minha de me contorcer diante da deliciosa chupeta que a bela Diana fazia.. Levou a pica o mais profundo que pode e enquanto me chupava levou um mão para a minha bunda e meteu dedos entre as nádegas procurando meu cú. Parecia me testar. Meu pau dava pinote em sua boca e ela após uma super chupada, me virou de costas para ela e pedindo que eu me inclinasse separou minhas nádegas e cuspindo em meu rego foi cutucar o meu buraco.Senti o dedo ir me penetrando e me atingindo uma zona que só minha esposa conseguia atingir. Deixei-me cair sobre a cama e de bunda para cima fui invadido por mais dedos e linguadas. Uma das mãos dela segurava o meu pau me masturbando. Ela parecia alucinada o que dava a entender que ela adorava fazer aquilo mas nunca encontra alguém disposto a ceder, sua conversar para me convencer e sua ansiedade diante do ato, deixava isso bem claro.Levantando-se ela foi até a bolsa de um tirou o gél que compra no sex shop e no caminho veio tirando a calcinha que jogou sobre minha cabeça. Peguei e cheirei ali onde a buceta ficava e senti a mesma molhada e cheirosa. Ela pediu que eu me virasse e ajudou a retirar por completo a minha calça e cueca. Deu-me o gél e depois de se despir por completo exibindo um corpo magnifico veio se por em um 69. Aquela mulher tinha a buceta adocicada e eu a chupei por inteira até chegar ao cú mimoso.Era uma bela vadia aquela coroa gostosa e ela se entregava com a alma e o corpo. Cheguei a imaginar como seria a filha dela quanto a beleza externa.Minha lingua invadia seu cú quase que por inteira pois Diana permitia isso relaxando os esfincter e com isso o deixava mais frouxo. Diana me chupava e metia o dedo em meu cú tirando e chupando e enfiando novamente, um , dois,ás vezes até três dedos dentro de mim.Ficamos brincando muito e nos molhando, pois ela comentava que algo salgadinho saia de dentro do meu pau. Eu sabia que isso era o prenuncio de que logo eu não iria aguentar mais. Por isso mesmo desfiz a posição e colocando-a de quatro peguei o gél, abri suas nádegas e lubrifiquei o seu cúzinho que piscava, enfiando os dedos e deixando-a pronta para a tarefa que viria. Com a cabeça da pica preparada a encostei no buraco de Diana que ansiosa forçou a bunda de encontro ao pau e foi se penetrando sem muito esforço deixando-me atolado dentro dela. Comecei a me movimentar e sentir a maciez do canal em que estava preso e a visão daquelas nádegas se mexendo ás estocadas que dava nelas me enlouquecia. Ver o pau entrando e saindo daquele rabo primoroso de mulher e suas palavras chulas estava me levando ao clímax. Ela gemia muito pedindo:
__Soca tudo em meu cú...vai fundo paixão...me arromba...Eu vou gozar...não para estou feliz de te conhecer... queria que você comesse minha filha e entupisse o rabo dela com sua linguiça deliciosa...Oh, meu amor estou gozando de novo. Você me mata, te amo, te amo,te amo.
Com firmeza a segurei e em mais duas estocadas firmes despejei um aluvião de porra dentro daquele cú maravilhoso. Diana nunca vou te esquecer.

Sobre este texto

Erótico

Autor:

Publicação:21 de dezembro de 2014 15:19

Gênero literário:Contos eróticos

Tema ou assunto:Maduras

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Este texto foi lido 247 vezes desde sua publicação em 21/12/2014. Dados do Google Analytics

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

Não há comentários até o momento. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*