Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

Os prazeres de Sabrina

Sabrina, sempre fora uma mulher que adorava sexo. Começara a transar com pouco idade, não se importando com o que pudesse falar dela. Cresceu uma jovem bela e com o corpo todo bem definido, para chamar a atenção. Apesar de sempre trepar, ela, a lá Lovelace, não conseguia atingir um gozo explosivo. Não conseguia encontrar um cara que a levasse as alturas, sempre faltava alguma coisa e ela se via frustrada. Se enamorou de Gustavo e com ele, ela começara a experimentar uma nova forma de prazer, mas ainda não era o que desejava. Se casaram e passaram a viver de buscas, para que ela se sentisse satisfeita no antes,durante e depois de uma trepada. Amando por demais a esposa que lhe correspondia em todos os quesitos, Gustavo, uma bela noite após transarem e não acontecer nada, propusera incrementar mais a transa entre eles. Queria colocar mais um na cama com o casal. Sabrina, achou a ideia louca, absurda, um descalabro. Era pura traição.
__Não, amor! Não ser´a uma traição por que eu irei buscar o cara ideal para trepar com você e depois eu estarei junto. Será algo consentido, sem culpa, só para o nosso prazer, em especial ao seu. Talvez esteja ai,a solução da tua falta de motivação para ter um gozo espetacular. Quero te dar essa felicidade. Vamos tentar? Não precisa ser alguém que conheçamos para que não fique constrangida. Sairemos a caça de alguém que eu indique e você aprove.
Convencida de que poderia assim ter o seu prazer finalmente conseguido da forma que sempre desejara, ela concordou.
Na noite seguinte, saíram a caça. Ao passarem por uma praça, ela sacudiu o braço do marido indicando a seguir um homem que estava sentado em banco tomando um cerveja.
__Gostou dele? Vá para o carro que vou conversar com ele. Olhe, coloque esta máscara, assim não será reconhecida.
Agradeceu ao marido pela preocupação em preserva-la e foi para o carro.
Gustavo conversou com o homem que achou muito estranho o real propósito dele, achando até que fosse uma nova forma de assalto, mas quando se inteirou mais do que se tratava e diante de um dinheiro oferecido, ele topou. Quando foi apresentado a Sabrina, o homem sentiu que apesar da mascara, ela era uma senhora mulher, onde o destaque estava em suas belas coxas, que ela fizera questão de deixar a mostra. Os dois ficaram no banco de trás e Gustavo disse que iria dar umas circuladas para que os dois se conhecessem melhor e quando achassem que podiam ir para o motel, ela passaria para o banco da frente e iriam.
Pelo espelho retrovisor, Gustavo viu quando sua esposa se deixara beijar pelo estranho. Achou o beijo, muito demorado e parecendo que estava acendendo um estopim entre ambos. Diminuiu a velocidade do carro até que encontrou um lugar para estacionar e se voltar para trás afim de ver os dois. Sentiu prazer em ver que a mão do homem, acariciava as coxas da sua mulher, enquanto a beijava. Seu pau começava a endurecer e um desejo estranho começou a tomar conta de si. Levou a mão para o vestido de sua mulher e puxou a frente do mesmo para baixo. Já que não tinha alças o mesmo deixou nu, os seios dela. O homem diante daquele panorama, deixou de beija-la, para cair de boca nos seios opulentos. Uma das mãos, já estava em contato com a calcinha dela, afastando para o lado e mergulhando dedos dentro da boceta dela. Sabrina, soltou um gritinho e olhou para seu marido. Tentou abrir a calça do homem, mas a posição em que estavam impedia que tal fato se concretizasse. Porém vendo aquela dificuldade, Gustavo se prontificou a faze-lo e graças a ele a calça fora aberta. O homem, puxou para fora o seu membro e dando um jeito, fez com que Sabrina o encontrasse. Sabrina deu um jeito de afastar o homem para poder ver o que tinha na mão e se extasiou. Era o pau mais grosso que já tinha pegado em toda sua vida. Alisou, apertou os ovos e ia se debruçar sobre o homem para o chupar, quando ficou sem ação. Olhou para o marido e esse balançou a cabeça consentindo que ela o tomasse na boca. Sabrina, abocanhou aquela senhora vara e chupou muito, deixando a saliva escorrer sobre ele, para depois lamber e na cabeça dar algumas mordidinhas. Tomou os ovos na boca o lambuzando de saliva e depois sugando cada um dos ovos com pressão, pois sabia que isso era excitante para os homens. Gustavo ansioso queria saber se podiam tocar para o motel, mas teve a surpresa de ver o rumo da coisa mudarem, quando sua esposa pediu:
__Amor, deixa ele me comer aqui no carro. Será mais excitante.
Ele vendo o olhar meloso que ela lhe lançara, concordou. Sabrina, deixou o pau e começou a retirar o vestido do corpo. A pouca luminosidade , dava uma sensualidade maior ao corpo dela, que deixou o estranho alucinado. Ele também tirou a roupa e quando Sabrina se estirou no banco, colocando uma das pernas no encosto da frente, junto do rosto do marido, o homem se agachou a foi direto com a boca na boceta dela. Gustavo não tinha visto sua esposa daquela forma. Estava urrando como se estivesse ferida e forçava a cabeça do homem de encontro a sua xoxota. Gustavo alisava a coxa que estava a sua disposição, desejando estar no lugar do cara.Estava de pau duro e queria enfiar o mesmo na sua esposa, naquele momento. O homem se levantou e procurou encaixar o grosso pau na boceta toda molhada que pulsava o desejando. Sabrina, gemeu muito coma fincada brusca que o cara lhe deu ao enfiar o pau. Sentira uma dor uma queimação, mas logo sentiu o que não conseguia, um tremendo gozo. O som, do pau, em sua incursão na boceta dela, parecia uma sinfonia. O estranho não poupou estocadas, chupadas nos seios dela e até mordidas em sua boca. Estavam metendo, a mais de meia hora, sem que ele gozasse, mas ela estava com o banco sob sua bunda todo melado de gozo que escorria, descia pelo seu rego e ficava no estofado do carro. Gustavo ouviu, o que apavorou Sabrina, o homem perguntar se ele poderia comer o cu dela. Queria. Ela queria, mas...
__Amor, ele quer... - começou ela, mas ele cortou dizendo.
__Dá pra ele amor. Isso vai te fazer feliz e a mim também.
__Mas... é muito grosso. Não vou aguentar.
__Aguenta sim. Você vai ser cuidado, não vai cara? - perguntou com medo também, mas em êxtase.
__Claro senhor. Não pretendo estragar nada nesta bela mulher - disse o cara desarmando qualquer negatividade por parte dela.
Procuraram uma posição, mas a ideia de Gustavo fora bem aceita. Abriram a porta do carro e ela, sobre o paletó do marido, se ajoelhou na calçada a meio fio, se curvando, ficando apoiada no banco do carro. Também do lado de fora, Gustava emprestava sua ajuda, vigiando para ver se não aparecia alguém para estragar a festa. O homem se mostrou gentil, mas não impedia Sabrina de gemer forte, quando a cabeça começou a penetrar em seu ânus. Suava, as bicas, sentia que estava sendo partida ao meio. Mas ao mesmo tempo, sentia que gozava. Estava tendo um gozo compulsivo. Quando metade da pica estava alojada dentro do seu rabo, ela pediu para que o homem, começasse a se movimentar, pois assim doeria menos. Gustavo esta observando a rua e a penetração que o cu da sua esposa sofria e não podia deixar de se masturbar diante de tal cena. Em pouco tempo, o pau já rompia em toda sua petulância as pregas daquele cu e alegremente ia e vinha. Sabrina em determinado momento passou a dar murros no banco e gritar que estava gozando muito. O homem acelerou, o carro balançava e Gustavo chegava ao seu gozo, que os gritos de sua mulher provocara. A descarga de esperma, que o estranho jorrou nos intestinos daquele deliciosa mulher, jorrava farta, pelo cu aberto, escorrendo pelo rego, passando pela boceta e indo molhar a delicada moita de pelos, escorrendo para o ventre.
O estranho se fora, Sabrina estava aninhada nos braços de seu marido, rumando para casa. Estava radiante, pois atingira o que sempre procurara...um super gozo. Olhando, agora sem a mascara, nos olhos do marido, ela deixou ele perceber que tinham encontrado a solução dos seus problemas. Naquela noite, quase de madrugada, quando o pau de Gustavo entrava e saia da boceta da mulher ela estava mais que satisfeita, a ponto de dizer manhosamente para ele:
__Amor! Come o meu cu!

Sobre este texto

Erótico

Autor:

Publicação:18 de setembro de 2015 16:38

Gênero literário:Contos eróticos

Tema ou assunto:Encontro a Três

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Ainda não há estatísticas de leitura deste texto, pois ele foi publicado em 18/09/2015.

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

Não há comentários até o momento. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*