Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

O 9º encontro


O dia era uma terça feira. A data 24 de março de 2015.
Combinamos para nos encontrarmos, afinal já completava praticamente um mês desde o nosso último encontro. Cinco ou quatro dias antes da data prevista, havíamos combinado que o nono encontro seria nesta data, tudo bem! Ele me propôs o convite e eu como sempre não pensei duas vezes para aceitar, pois estava louca de desejo tanto quanto ele. O tesão era tanto que não vi ou me importei com os obstáculos que pudessem atrapalhar o nosso encontro. E não eram poucos! Mas ignorei. Foi a gota d’agua! Os dias que antecederam essa data, após minha confirmação de que íamos fazer amor no dia
combinado, só serviram para aumentar a ansiedade dele. Deste então, sempre que falávamos por telefone ou whatsapp, o que não foram poucas vezes, ele questionava;
- Está combinado pra terça né?
- Está meu amor! Está tudo certo, a menos que aconteça algum imprevisto, eu respondia.
Tanto ele insistia que eu meio aborrecida pela repetição falei:
- Meu amor, já combinamos! Por que faz sempre a mesma pergunta?
Ele Respondeu: - Não controlo a minha ansiedade, estou me consumindo de desejo e tesão, o meu corpo fica trêmulo quando estou perto de você, estou quase cometendo uma loucura e te agarrando aqui mesmo no trabalho!
- Meu amor, é perigoso!
- Eu sei! Quem manda ser gostosa e deliciosa? Quero te chupar todinha e sugar o seu doce melzinho! Adoro o seu mel!
Ele estava tão ansioso que resolvi mandar-lhe uma foto só de lingerie (não sei se foi uma boa coisa), ele adorou! Ficou louco de tesão! Ainda não satisfeito, pediu uma foto da flor, (é assim que ele se refere ao meu sexo), sem calcinha. Mandei imediatamente!
Pensei: acho que agora ele vai se acalmar um pouco. Ledo engano! Só serviu para acender mais aquela chama! Enviou-me uma mensagem dizendo;
- Que coisa mais linda! Tô doido de tesão, minha rola tá dura como um pau! E me enviou uma foto do membro, provando o que falava e sentia.
Que coisa linda! Despertou-me um enorme desejo e tesão, provocando a fabricação do esperado mel que brota da sua desejosa flor.
- Manda outra foto meu amor, pediu piedosamente.
- Dessa vez, bem abertinha para eu ver o doce mel escorrendo.
Mandei. Ficou alucinado! Que loucura gostosa!
- Acho que vou lamber o celular, disse ele.
- Que coisa mais deliciosa! Tô vendo o seu melzinho, quero lamber tudo!
Cá pra nós, nem é preciso ver sua foto com o negocio duro, pois seu desejo, sua tara e descaramento me deixam louca de tesão! Fico rapidamente molhadinha, prontinha pra fazermos horas e horas de amor. Como é gostoso! Nunca havia sentido por outro homem um desejo tão avassalador como o que sinto por ele. Em nosso sétimo encontro ficamos seis horas nos amando. Paramos para tomar banho e voltamos a nos amar! Foi incrível com sempre! Mas cada encontro nosso acontece algo inusitado!
Mesmo depois de seis horas, só saímos porque não sabíamos que desculpa íamos dar para as pessoas que estavam a nossa espera. Ele é casado e eu sou comprometida. se não fosse isso, teríamos ficado as doze horas do período.
Bem, finalmente chegou o dia tão esperado! Combinamos que íamos chegar ao local de sempre, bem cedo, por volta das seis e trinta. É isso mesmo, bem de manhã! Por ser um amor proibido! Nada podia dar errado!
A noite que antecedeu o dia marcado foi uma eternidade! Acordei varias vezes! As cinco e trinta já estava de pé. Porém como ocorreram alguns empecilhos, atrasei muito a sair.
O meu namorado me ligou querendo saber se eu não ia à academia aquele dia, pois
costumávamos nos ver praticamente todos os dias nesse horário.
- Hoje eu não vou querido! tenho que sair pra resolver uns problemas.
- Ah! Então eu te levo! Gelei! Ele não podia me levar.
- Imediatamente respondi: não precisa meu bem, estou indo com meu filho.
- Tudo bem, então vou te buscar.
- Não será necessário, meu filho vai esperar.
Se o convenci ou não, eu não sei. Pareceu aceitar as desculpas sem questionamentos!
Enquanto isso, o meu Nego, é assim que o chamo! Não parava de me ligar:
- Cadê você deusa linda? Estou lhe esperando! Posso sair de casa?
Como não sabia mais o que fazer, falei pra ele ir. Eu já estava indo também, só que estava ainda em casa! O local não era tão longe, se fosse de carro, chegaria a uns quinze ou vinte minutos, mas fui de ônibus, me atrasei bastante!
Nesse percurso de tempo, meu Nego me ligou varias vezes! Só que a ansiedade dele não me irritava nenhum pouco, pelo contrario, me deixava com mais tesão!
Ufa! Cheguei ao ponto de parada. De longe já o vi. Que delicia de homem! Ele estava com o celular na mão ligando pra mim. Não atendi de propósito, e fui caminhando em sua direção. Olhou para trás e me viu, sorriu e guardou o aparelho.
- Tudo bem? Você demorou! O que houve?
- Aconteceram imprevistos! Cumprimentamo-nos com um discreto beijinho, diferente dos calorosos beijos que estavam por vir.
Fomos em direção à recepção. Pedimos a suíte 36, mas estava ocupada, que pena! Foi
nessa suíte que tudo desabrochou desenfreadamente.
- A 14 está disponível? Perguntou ele.
- Não! Respondeu a atendente. Só tenho a 15.
Tudo bem pode ser esta. Afinal já passamos por todas mesmo!
Chegamos ao quarto. Ele falou: - já sei, lavar as mãos! Sabia que eu ia pedir para lavar as
mãos, é um habito meu. Lavamo-nos e começamos uns abraços gostosos!
- Você tá linda! Disse ele, não dá vontade de tirar sua roupa!
- Hoje vamos só namorar, disse, sorrindo!
- Só porque é linda, acha que vou querer te amar?!
- Tudo bem! Respondi rindo. Namoramos então...
Ele estava belo! Usava um discreto e charmoso esporte fino. Livrou-se dos sapatos pretos, me jogou na cama e caiu sobre o meu corpo.
- Trouxe a camisinha meu bem? Perguntou.
- Sim! Está ao lado do travesseiro, respondi. Mas não será preciso, não vamos fazer amor, não é mesmo?
- Verdade! Tinha esquecido, respondeu com um sorriso safado! Abraçamo-nos e nos beijamos por um bom tempo. Eu ouvia e sentia as batidas aceleradas do seu coração, aquilo me deixava louca de desejo. Livrou-se da minha calça jeans e em seguida, da dele, exibindo a cueca branca que eu havia lhe dado de presente.
- Estou usando pela primeira vez, como prometi, falou rindo.
- Como ficou linda, vida minha! Respondi.
Jogou-se em cima de mim, levantou minha blusa e beijou o colo dos meus seios. Senti calafrios enquanto ele deslizava sua macia e quente língua pelo meu corpo, até que chegou à sua desejosa flor, lambendo por cima da calcinha rendada de cor branca, que já estava ensopada pelo doce caldo que fluía, como ele diz! (sempre uso a cor branca, é a sua preferência). Puxou-a para o lado e foi enfiando a língua bem devagar. Não demorou e arrancou a peça com fervor, parecia que ia me devorar. Descrever o que eu sentia é quase impossível! Ele sabia o que eu estava sentindo, estava alucinada de desejo e excitação, e quem não estaria? Com o homem que se ama!
O que ele costuma chamar de mel escorria em abundancia e ele chupava e se maravilhava como se estivesse provando da melhor fruta. Até que não suportou mais, se livrou da linda cueca branca e me penetrou com força e desejo.
Quase senti dor, mas o tesão era tanto que prevaleceu o desejo e o prazer.
- Que delicia meu amor! Como te amo, sussurrei ao seu ouvido.
Você não colocou a camisinha?
- Depois meu amor, deixa eu te saborear assim! Quero sentir o seu calor, o seu caldo...
Virou-me de costas e continuou com aqueles movimentos frenéticos de vai e vem, eu gemia sutilmente, e ele sussurrava:
- Geme meu amor, assim eu fico mais louco de tesão.
- Ai meu amor como te amo, te quero, te desejo...
Ele, depois de tanto resistir, falou sussurrando:
- Eu também te amo minha deusa linda! Eu te quero!
Ele Sempre resiste em falar que me ama, disse que fica muito exposto, vulnerável talvez, não entendo muito! Só sei que adoro quando ele diz que me ama.
Depois de uma hora e meia nos amando, ele colocou a camisinha, estava
ficando perigoso, não estava mais aguentando, queria gozar.
Depois de colocar, continuou com movimentos rápidos, estava gostoso demais! Até que ele jorrou seu liquido quente, olhando pra mim e repetindo baixinho, eu te amo! Foi um dos momentos mais lindos e prazeroso que eu vivi durante esses sete meses que estamos juntos.
Permaneceu alguns minutos com aquela coisa gostosa dentro de mim. Continuamos nos beijando, até que o negócio foi saindo naturalmente. Tomamos um banho delicioso e voltamos para a cama. Ficamos grudadinhos trocamos declarações de amor e perguntamos quase que ao mesmo tempo: é a ultima vez? É o nosso ultimo encontro?
Não obtivemos resposta! A razão nos alerta dizendo que é necessário que paremos. O coração nos diz que não. Temos que nos amar! É a mistura de amor e sofrimento juntos!
Lembramo-nos dos riscos que nos cercam. Prometi a mim mesma que eu não ia chorar, mesmo que fosse uma despedida. Já chorei em nossos encontros anteriores sempre que mencionamos esse malvado e doloroso tema: separação. Não foi fácil, mas resisti.
Bom, deixamos o assunto pra lá, não chegamos a conclusão nenhuma. Afinal, a hora corria, tínhamos que deixar a suíte às onze horas, e ainda íamos trabalhar, o relógio marcava dez horas. Recomeçamos os calorosos beijos e abraços. Ele acariciava a minha flor que já estava lambuzada do jeito que ele gosta e deseja! Eu sentia seu membro duro e pulsante querendo me penetrar, mais ainda não! Sentei na cama e comecei a chupar aquela coisa dura, tesuda! Iniciando pela cabecinha, chupando lentamente, ele ia ao delírio! Depois fui por cima dele, só que dessa vez ele pediu que eu ficasse bem próxima ao seu rosto. Posicionei-me de cócoras sobre sua boca, para que ele sugasse todo o mel que escorria da flor do desejo proibido. Não resisti! Sentei sobre a rola que pulsava constantemente e fui fazendo leves movimentos. Ainda com todo seu membro dentro de mim desta vez, eu por cima, paramos e permanecemos nos olhando transbordando de tesão e desejo, nos comendo com os olhos, uma cena inesquecível!
Durante este tempo parados, aproveitamos e trocamos declarações de amor, repetindo o quanto nos queremos e nos amamos e desejamo-nos. Um momento lindo e inusitado! É assim que ele sempre se refere sobre nossa história. Inusitada!
Continuei com os movimentos, porém logo me jogou sobre a cama e veio por cima do meu corpo com a maior gulodice, sem camisinha é claro! Até que lhe perguntei meio safada:
- Você não vai querer premio hoje, meu amor?! Instantaneamente respondeu;
- Claro que quero! Coloque-se nessa posição: Ele se referia à posição em que eu ficava deitada com as pernas dobradas. O famoso “frango assado”! E o premio, se referia a minha bunda. Tentamos, mas não foi muito confortável! Ele queria essa posição, porque dava pra me comer me olhando nos olhos e me beijando ao mesmo tempo. Como a gente se beija...
Vamos virar? Fica melhor meu amor, ele concordou. Ficamos de conchinha, minha bunda grudadinha nele, uma coisa de louco!! Ele foi penetrando lentamente, era uma mistura de dor e prazer ao mesmo tempo. Enfiou todo seu membro dentro enquanto acariciava as pétalas da minha flor( é assim que ele fala), no mesmo instante enfiava a língua quente no meu ouvido e mordia a minha orelha. A loucura mais gostosa que já vivi!
Uma verdadeira explosão de prazer! Até que ele falou baixinho:
- Ai meu amor, ai, ai - acho que vou gozar, pode?
- Pode sim meu bem, respondi. Imediatamente senti aquele liquido quente enchendo a minha bunda. Foi o sexo anal mais gostoso que já fiz! Apesar de já haver feito nos outros encontros, com ele mesmo.
Foi ele que me despertou o gosto e o prazer por este tipo de sexo. Não havia feito antes com ninguém. Ele foi o primeiro e o único a ter explorado todo meu corpo.
Permanecemos coladinhos como de costume. Até que falei:
- Nossa meu amor, está vencendo a hora! Tomamos banho bem rápido, nos abraçamos e nos beijamos e o telefone do quartou tocou. Era a recepção avisando que o horário estava expirando .
Olhamos um para o outro e concordamos rindo:
- Três horas é tão pouco não é, meu amor?!
- É como se fossem dez minutos apenas, concluiu ele.
Outras histórias virão!
Fim

Sobre este texto

Fada diabinha

Autor:

Publicação:1 de abril de 2015 15:53

Gênero literário:Contos eróticos

Tema ou assunto:Casal

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Ainda não há estatísticas de leitura deste texto, pois ele foi publicado em 01/04/2015.

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

  • Patricia
    Postado porPatriciaem23 de abril de 2015 19:27

    Li os outro textos e achei comovente, bela historia de amor. adorei

  • Rosiane
    Postado porRosianeem8 de abril de 2015 19:55

    Muito bonito sua historia! um pouco triste por se tratar de um amor proibido! mas vale a pena correr todos os riscos se tratando de amor.
    Se amem!!

  • Manoela Amorim veras
    Postado porFada diabinhaem1 de abril de 2015 19:48
    Fada diabinha é uma autora no História Erótica

    mais um relato de nossa louca historia de amor proibido!

  • Jesuina
    Postado porJesuinaem1 de abril de 2015 18:47

    Amei! adorei seu conto.

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*