Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

Tesão em Vegas

Tenho 50 anos. Há 5 anos tive um acidente de carro que me deixou quase que totalmente broxa. Meu pinto endurece muito pouco, apesar de que gozo normalmente. Bem, minha esposa tem de se contentar com siriricas, com chupadas na buceta, mamadas... Será que se contenta? Há algum tempo eu lhe disse que isso não era justo, e que eu iria arrumar um macho para ela, que pudesse fude-la de verdade. Ela relutou durante muito tempo, mas depois começou a gostar da idéia, e quando fazíamos nossas brincadeiras eu falava nisso, lhe disse para imaginar um caralho cabeçudo dentro dela, e outro cara chupando seus peitos. Ela gozava muito e dormiamos satisfeitos. Um dia fomos para Las Vegas. Sua irmã, também casada, 32 anos, um tesãozinho, alguém que eu sempre quis comer quando podia, foi junto. Depois de alguns dias naquele ambiente em que vamos muitas garotinhas deliciosas tentando conseguir um macho com dinheiro e muitos caras afim de conseguir uns trocados com alguma buceta ansiosa... Uma noite sua irmã foi assistir ao Love, pela segunda vez. Como já o tinhamos visto, preferimos andar um pouco. E minha mulher viu um cara que a deixou visivelmente com tesão. Resolvi entrar na brincadeira e falei com ela: —quer esse? E ela, em um misto de tesão e vergonha, disse que sim. Mandei que subisse ao apto no hotel-cassino, e fui falar com o cara , Combinamos o preço e subimos. Chegando lá minha esposa, meio taquicardica, nos esperava. Não conversamos muito. Eu lhe disse que era seu presente e ela: —verdade mesmo? Posso fazer o que quiser? — Sim, é seu... Em 1 segundo os dois, ela e o garoto bonito, com uns 18 anos, corpo malhado, estavam se beijando e se esfregando. Logo ela começou a alisar o cacete dele, que estava proeminente na calça fina. Em seguida enfiou a mão em sua calça e apareceu a cabeçona por cima do cinto. Ela então se ajoelhou, tirou aquele cacete de uns 25 cm para fora e mamou como louca, enquanto punhetava o cara. Se deliciava. Depois de algum tempo, já ambos nus, ela se deitou enquanto o menino chupava seus beijos e sua buceta. Em seguida fizeram um 69 demorado, em que ela gozou muito. Ele não. Acho que por ser profissional. Em seguida o cara colocou a cabeça de seu cacete na entrada da bucetinha dela, e ela me pediu que pegasse no pinto do cara e o enfiasse, talvez para criar cumplicidade. Achei esquisito mas fiz. Toquei inclusive uma leve punheta para ele, e foi interessante pegar novamente em um cacete rijo. Ele então enfiando, de inicio devagar e depois de uma só vez. E eu fiquei ali, segurando o pinto dele e sentindo que o meu endurecia um pouco. De verdade que me deu até vontade de chupá-lo, e só não o fiz porque minha minha mulher não falou nada, pois se ela o fizesse ficaria feliz de enfiar aquela cabeçorra na boca. Nunca fui viado, mas naquela hora eu toparia. E ficaram naquela vai-vem em que ambos gemiam muito e deram uma gozada fabulosa quase que juntos. Ele foi tomar um banho enquanto fiquei conversando com minha mulher que me agradecia muito, dizendo que me amava, que eu era o melhor marido do mundo, mas que queria mais. O cara chegou e em seguida começaram novamente, se chupando, enfiando os dedos em todos os buracos, ela com os bicos do peito sempre durinhos, aquela areola rosinha, gostosa, seu clitoris saliente (ele é um pouquinho grande, de uns 2 cm ) e o sujeito meio doido pelo que pegou. Ficaram nisso mais de 1 hora, e nos esquecemos totalmente de tudo. De repente a porta se abre e entra minha cunhadinha, linda, olhando assustada para os dois e para mim, sem saber o que dizer ou o que fazer... Minha mulher e seu amante pararam e eu disse: —deixa comigo. Chamei minha cunhadinha e lhe expliquei tudo, o porquê de estarmos fazendo isso. Não teve nenhum problema. Minha esposa já havia lhe dito mais o menos o que ocorria conosco. Disse que seu marido também era um chato, que lhe regulava tudo, inclusive dinheiro, e que nós estávamos certos. Que ela também sempre teve vontade de ter um amante, pois já não gostava mais do marido, e queria sacaneá-lo, pois acreditava que ele a chifrava sempre. Perguntei se ela queria entrar também na brincadeira. Disse que iria ver primeiro, mas logo foi tirando a roupa e se encostando em mim, que estava de roupas, só com o zíper da calça aberto, pois ficava mexendo em meu pinto enquanto observava o show. Comecei a lhe acarinhar o rosto e lhe dei um longo beijo na boca, o que vi que foi apreciado por minha mulher. Em seguida tirei sua blusa e vi aqueles peitos maravilhosos que sempre desejei. Chupei muito, enquanto acariciava sua bucetinha que outrora desejei como a de ninguém. Aí me abaixei e dei umas lambidas em seu clitóris que também era grandinho. Acho que é de família. E enfiei minha língua em sua buceta, enquanto mexia em seus peitos. E tomei com gosto seu suco que descia. Em seguida a empurrei levemente para a cama e lhe disse: —vá lá! E ela foi direto para a piroca do cara, enquanto minha mulher acariciava sua bundinha e chupava seus peitinho, como se isso já tivesse sido feito por ela, algumas vezes...Em seguida o garoto começou a cavalgá-la como doido, pois parece que também havia gostado do pitéu extra. Em seguida minha mulher e minha cunhada faziam um 69 e ele veio com aquele pintão e sem muita cerimônia enfiou no cu de minha cunhada que gemeu um pouco mas depois gozou muito. Depois de ainda um bom tempo de sacanagem acabou a festa. Minha mulher ainda levou uma pirocada na buceta e minha cunhadinha também, e o cara foi embora, eu o paguei e combinamos outra festa outro dia.
Fomos os 3 tomar banho. Estávamos em um apto com 2 camas de casal. Convidei a Raquel, minha cunhada a dormir conosco na mesma cama. Os 3 pelados. As duas conversaram muito sobre a aventura, sobre o quanto gozaram. Aí eu comecei a mamar nos peitos da Raquel, que se animou e me disse que sempre queria dar para mim. Eu lhe disse: — perdeu a chance! Agora não dá mais. Mesmo assim as duas vieram mamar em meu pinto, que respondeu bem. E depois, enquanto as duas se chupavam eu também chupei uma e outra, nos peitos, nas bucetas, e combinamos que sempre teríamos aventuras assim, sozinhos e com outros caras, e que eu me encarregaria de consegui-los. Gozamos bastante e dormimos. Ficamos ainda mais 3 dias em Vegas. Não chamamos mais ninguém, mas nos divertimos bastante e pretendemos continuar assim.

Sobre este texto

GErinho

Autor:

Publicação:8 de novembro de 2014 01:39

Gênero literário:Contos eróticos

Tema ou assunto:Fetiches

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Ainda não há estatísticas de leitura deste texto, pois ele foi publicado em 08/11/2014.

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

  • Mario Anselmo
    Postado porMario Anselmoem9 de novembro de 2014 17:51

    tesão de conto. Gostei e gozei com 2 punhetas.

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*