Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

Beijos, mordidas, preliminares.

*Respira Be*

- Obrigada. É o que estou fazendo nesse exato momento Sasha querida!

Quando dou por mim, o carro para em frente ao tão temido Hotel. Pego minha mala e o motorista acende o cigarro que acabo de colocar entre os lábios.
Vou em direção à porta e entro no Hall do local, que mais parece uma casa abandonada do que nada. Um silêncio toma conta. Meu coração acelera.

* B, querida! Eu posso assumir daqui se quiser.*

- É todo seu Honey.

Fiquei fora de mim, meu corpo entrou em um estado de êxtase quando Honey tomou o controle. Agora a cada passo dado, não era mais eu. À não ser aos comandos que me eram cabiveis.
Ela joga o cigarro que acabei de acender no chão do lugar e pisa em cima, com meu salto preto, deixando-o ali no chão.
Se dirigi à recepcionista que está atenta a uma revista velha.

- Quarto 404?

- Subindo as escadas, segundo andar à direita. - Diz a mulher sem pestanejar, sua atenção voltada toda e à revista.

- Nem elevador tem nessa espelunca! - Honey Sussura baixo para si mesma.

Subindo as escadas ela chega no segundo andar e faz uma pausa quando vira à direita. Havia um enorme corredor. O quarto logo à frente.
Começamos a andar. O corredor era soturno e apavorante.

- Você tem sorte. Eu ando pelo corredor.

Deixando os quartos para trás eu vi em cada um deles, coisas assustadoras. Talvez fosse coisa de minha cabeça, mas pareciam tão reais.
Honey, por sua vez, agia normalmente, como se nada estivesse acontecendo.
Dei de ombros. Estava mais interessada em meu homem. Ele me chamou até aqui, e agora estava prestes a ficar cara a cara com o mesmo.
Será uma loucura. Sempre arrumamos algum jeito de sair da rotina. E agora ele me vêm com isso? Espero que vala muito à pena esse nosso 'joguinho'.

Saio de meus devaneios quando Honey bate por duas vezes na porta, firme e objetiva.
A voz de meu marido pedindo para entrar, me deu um arrepio tão bom. Só de ouvir sua voz, fiquei excitada na hora. Ele causava isso em mim, isso sempre me surpreendia. Como pode, depois de anos, ainda tremer na base, por assim dizer, quando ouço sua voz, sinto seu toque, seu cheiro...

Quando abri a porta e entrei no quarto, Jay estava glamurosamente gostoso em seu terno preto bem passado.

- Ual. - Murmura Honey baixinho, deixando a calcinha toda molhada.

- Meu amor. - Seu rosto ficou relaxado quando botou os olhos em mim. Ele estava com duas taças de champanhe nas mãos.

*Honey, sinto muito, mas a Be aqui agora vai jogar.*

Me recompondo em mim novamente sentindo a eletricidade peculiar percorrer pelo meu corpo.

- Jay... - Minha voz sai embargada. Eu não estava aguentando mais de tanta excitação. Queria voar em cima dele e saciar minha sede. Mas só o que consegui, foi ficar parada.

Ele veio em minha direção e me entregou uma das taças. Eu peguei.

- Você está muito gostosa.

Senti um frio na barriga ao ouvir isso. Meu sexo quente estava pronto para lhe receber. Eu queria isso, e ele também.

- Você não está jogando limpo, Jay.

- Eu nunca joguei! - Ele passa por trás de mim. Me fazendo respirar fundo e tentar manter o controle.

Jay faz uma pausa atrás de mim, e estou inerme a ele, completamente.

- Adoraria fuder você assim, de costas para mim.

- Faça o que quiser comigo.

* Eita! Ela aprendeu certinho.* - Sasha dá um pulinho de empolgação. Eu reviro os olhos ao imaginar isso.

Ouço ele tomando o champanhe e sua taça ser colocada em cima de algo. Eu bebo um gole e depois Jay pega a taça de minha mão e coloca no mesmo lugar que a sua.

Meu marido procura o zíper do vestido, nada chamativo e colado, preto. Me despe, me deixando como eu queria, ou quase isso. Só de calcinha.

Uma de suas mãos acaricia meus cabelos, até chegar a minha bunda, onde ele faz questão de dar um tapa, não muito forte, mas o suficiente para eu querer mais.
Me viro subitamente para ele, numa tentativa de lhe agarrar e sou impedida.

- Apressadinha você... Sra. Carter!- Jay me encosta na porta me deixando presa.

- Eu quero você, agora! - Foi uma ordem que, infelizmente, não foi atendida.

- Não me venha com esse seu tom autoritário, mocinha. Essa noite quem manda sou eu.

- Ah é? - Indago, tentando demonstrar que sou contra, mas estou totalmente e inteiramente à favor.

- Sim! Hoje quem dá as cartas, sou eu.

- Você sabe que eu gosto de ter o controle. E agora eu quero...

- Você não se contentou com ontem, ficando por cima e rebolando essa sua bucetinha apertada ao redor do meu pau, dentro do carro? Ou não se contentou hoje de manhã logo que acordamos, você cavalgando em mim insaciável... Quer ficar por cima de novo?

Eu balanço a cabeça em positivo, e vejo uma linha de sorriso aparecendo em seus lábios carnudos. Ele me encarou com os olhos semicerrados.

- Como você é egoísta, Sra. Carter. Preciso lhe punir de alguma forma.

- Me dê um tapa!

- Vire-se para a porta. - Fiz o que ele ordenou, encostando todo meu corpo na porta gélida.

Sinto suas mãos percorrerem minhas costas, uma delas agarra meu cabelo e o puxa para trás, a outra chega até minha cintura, ele me dá um tapa na bunda, dessa vez mais forte e me puxa para si. Jay morde minha orelha, me deixando inquieta. Ele me coloca na mesma posição novamente, fico parada dessa vez.

- Shh! Eu quero você assim.

- Jay... - Meu sussurro sai abafado.

Sua mão agarrou minha calcinha e com destreza, puxou, fazendo-a rasgar.
Estou presa à porta.

Ele pressiona contra meu corpo, sinto sua rigidez e ereção.
Nunca tive um fetiche por um corpo, como tenho pelo dele. Adoro sentir seu corpo em mim.
O desejo que me percorreu foi tamanha, que me fez soltar um gemido. Eu estremeci.
Jay afastou minhas pernas, eu dei um riso breve.

Meu homem me queria vulnerável, queria a certeza de que eu pertencia a ele e que eu era incapaz de resistir ao seu toque.

Ele soltou um grunhido baixo depois que afastou mais um pouco minhas pernas.
Jay começou a descer sua mão e parou naquele lugar. Me fez sentir um arrepio. Com isso, começou a esfregar meu clitóris com seu polegar, deliciosamente devagar.
Eu comecei a remexer meus quadris contra seus dedos. Arqueei o pescoço ao sentir aquela onda de prazer. Ele depositou beijos em meu pescoço, depois deu uma nova mordida gentil em minha orelha. Era demais para mim. Eu queria ele dentro de mim, cada centímetro dele. - E olha que eram muitos centímetros. - Mas o que ele queria era jogar... Beijos, Mordidas e Preliminares. E isso estava me enlouquecendo.

- Já estou molhadinha para você, me fode logo!

- Eu quero mais. Vire-se! - Ordenou com a voz severa. Meu dono. Eu pertencia a ele.

Fiz o que ele mandou, e encarei seus olhos negros. Ele ainda estava impecável, vestido por completo. Isso não é justo!

Jay me puxou para um sofá vermelho intenso que estava em frente à janela de vidro. Janela essa que vai do chão até o teto. Elas, claramente, estavam cobertas com as cortinas.

Ele me fez sentar no sofá. Fiquei atônita só de pensar no que ele pretendia fazer.

- Jay! - Protestei, olhando ele tirar a parte de cima do seu terno deslumbrante.

- Será que eu vou ter que tapar sua boca? - Ele pergunta, jogando o terno no chão.

- Tenho uma ideia de como. - Provoco mordendo os lábios.

Ele respira fundo e agacha-se diante da mim. Passa sua mão direita no meio de minhas pernas e começa a massagear, com seus dedos, delicados círculos repetidos.
Repentinamente ele enfia dois dedos dentro de mim, me fazendo gemer. Ele fixa seus olhos nos meus.

- Isso B, se entregue a mim. - Jay diz, sem tirar seus olhos de mim.

Gemo baixinho, fechando os olhos e sentindo àquela sensação.

Meu marido leva sua boca até meu sexo. Ele começa a chupar e lamber com intensidade minha intimidade. Minhas costas se curvam ao sentir seus lábios me devorarem. Agarrei sua cabeça com uma das mãos para guia-lo ao lugar exato.

- Tão macia e deliciosa para mim!

- Cale a boca e continue. - Depois que ouviu isso, Jay parou no mesmo instante. Meu corpo reagiu mal.

- Hey! - Resmungo, vendo que ele só estava apenas começando com àquele jogo.

- Se quiser faça sozinha...

- Você está brincando comigo Sr. Carter?

- Meu amor, isso é a última coisa que estou fazendo. - Mente descaradamente.

* Mostra para ele B, como se faz.* - Sasha resolve ressurgir das cinzas.

- Você quem manda chefão. - Me ajoelhei no sofá, ficando de costas para meu homem, de quadro, com a bunda virada para ele.
Afastei as pernas em sua frente e meus dedos foram de encontro à minha pele molhada de prazer. Comecei a esfregar meu clitóris, imitando seus movimentos anteriormente.
Fechei meus olhos me sentindo. Enfiei dois dedos dentro de mim e comecei a busca infatigável ao clímax.

Olho para Jay de esguelha, ele se encontra imóvel e inexpressivo. Começo a mover, indo e vindo avidamente.
Consigo ouvir um palavrão por cima de minha respiração entre cortada.

- Assim... - Murmuro provocando-o mais do que já estava.

- Safada...

- SUA safada! Todinha sua. - Digo para ele.

Jay avança em mim sequioso, segurando meus cabelos.

- Não consigo resistir à você. - Ele diz colando sua boca na minha. Depois beija meus ombros e minhas costas.

- Não resista.

Ágil, ele abriu o zíper de sua calça, deixando sua ereção grossa e grandiosa sair. Com uma mão ele segura seu membro e posiciona na entrada do meu sexo.
Jay começa a roçar sua ereção ali, me fazendo contrair minha buceta entorno da cabeça de seu pau.

- Me fode!

Dessa vez, a súplica foi atendida.
Ele me fode com força e bem fundo. Cada centímetro me preenchendo perfeitamente. Ele estava quente e duro.
Nos completamos.

Me posicionei com a bunda mais à trás, para que ele entrasse mais fundo.
Nos movimentamos em um ritmo afável, que foi esquentando e tomando um rumo acelerado em busca do clímax.
Ele dá estocadas com precisão me fazendo gemer mais e mais.
Fico sentindo-o dentro de mim. Estou quase lá.

- Goza para mim Be. - Pede ele, metendo forte, sem parar, até onde ele consegue. Seu membro duro e gostoso me deixa eufórica pelo orgasmo. Comecei a rebolar em seu pau, e ele fez questão de seguir meus movimentos.
O clímax enfim veio me fazendo gozar em volta de seu membro. Logo depois foi a vez dele, que se desmanchou, deitando seu corpo no meu.

Ficamos ali por minutos, um ouvindo a respiração do outro. Sentindo o amor, um do outro.

Mudo de posição, ainda com ele dentro de mim, deito em seu peito. Os dedos de Jay ficam massageando minha cabeça.

Amanhã será um novo jogo...

- Uma nova noite assombrada. - Cita Honey, com sua língua perversa.

Adormeço.

Sobre este texto

KehBe

Autor:

Publicação:7 de janeiro de 2016 00:26

Gênero literário:Contos eróticos

Tema ou assunto:Casal

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Ainda não há estatísticas de leitura deste texto, pois ele foi publicado em 07/01/2016.

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

  • Kamila
    Postado porKamilaem12 de abril de 2016 22:26

    Mto bom. Gostei mto.

  • Pauzao roxo
    Postado porPauzao roxoem18 de fevereiro de 2016 17:02

    Sou pauzao roxo 19cm grosso zap 7788713892 Adoro chupá sexo a tres sou um cara liberar

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*