Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

Fim de Semana em São Paulo

Arrumei uma webcam e fui me aventurar no Netmeeting, na esperança de
encontrar alguém da minha cidade para poder passar algumas horas de
descontração. As tentativas são muitas, para uma poucas horas de conversa uma vez ou outra. Mas persistia tentando. Até que um dia consegui contato com uma certa Fabiana (nome fictício) de são Paulo. Começamos a conversar, e, depois de algum tempo de descontração, resolvi tentar mudar o rumo da conversa para ver se ela fazia algo mais do que só bater papo alí no Netmeeting. Ela estava com uma camisola de alcinha fina e um decote maravilhoso que deixavam aparecer a marca de biquini deliciosa e que me deixa louco de ver. Perguntei se ela não preferia
mostrar o rosto a ficar focalizando os seios com um decote daquele tamanho, correndo o risco de tentativas mais arriscadas dos homens com quem conversava:
"E se o cara tiver imaginação fértil?", perguntei a ela. "Bom para ele.", respondeu rapidamente.
"Você entraria no jogo?"
"Depende.", respondeu rapidamente mais uma vez.
"E se eu quisesse passar a mão pelo seu ombro para
fazer essa alcinha cair?", resolvi arriscar.
Dessa vez ela esperou um pouco e então respondeu: "Assim?", e, passando a mão pelo ombro, fez uma das alças cair...
Fiquei de pau duro na mesma hora só de imaginar ver o que tinha embaixo
daquele decote sensual.
"Agora o outra.", disse. E ela passou a mão pelo outro ombro. A camisola deslizou lentamente pelo seu peito, uma vez que era de seda, fazendo aparecer um par de seios lindos com marquinha de biquini perfeita.
Fiquei maluco de ver que ela não fez nada para escondê-los.
Cconversamos muitas vezes depois pelo MSN, batendo papo e nos exibindo um para o outro pela webcam.
Certa vez, perguntei a ela se sairia comigo se tivesse a oportunidade de
ir a São Paulo vê-la. Ela ficou receosà, uma vez que estava casada. Limitou-se a responder - "não sei".
O tesão e a intimidade entre mim e ela eram enormes.
Um dia disse-me que seu marido, médico, ia viajar para um congresso e ela passaria aquele final de semana sozinha. Era a oportunidade que eu precisava para fazer a minha tentativa: "Adoraria passar este final de semana aí com você. Poder acariciar esse seu corpinho delicioso. Beijar essa boquinha linda.", arrisquei.
Ele hesitou: "Não sei se devo. Estou tentada, mas não sei se devo. Nunca fiz isso." No dia seguinte, me deu a resposta. "Tudo bem. Pode vir." Fiquei de pau duro imediatamente, só de pensar que, em algumas horas, estaria acariciando aquele corpinho delicioso.
Fabiana estava com 35, curvas perfeitas, coxas roliças, bunda redondinha, e seios maravilhosos.
Mal podia esperar para pegar o avião para São Paulo. Ela conhecia meu rosto; eu, só a sua boca.
Combinamos que ela estaria com um cartaz escrito o meu nome, e que eu a cumprimentaria apertando a mão e falando uma senha: "Você mente muito. Isso é feio.", pois, nas primeiras conversas que tivemos,
ela contou algumas mentiras, as quais foi desmentindo nas conversas posteriores.
Tudo combinado, peguei o avião para São paulo, com um frio na barriga, a
imaginação a mil, e o pau duro de tesão. Uma vez no aeroporto, no desembarque, pude ver algumas pessoas, entre elas, mulheres, que seguravam cartaz com nome escrito. Gelei. E agora. Para quem falo a senha? Olhava para elas na esperança de que uma delas fizesse algum sinal que me tirasse daquela enrascada.
Felizemente, Fabiana, percebendo a situação, pescou o meu olhar na multidão e fez um sinal com a mão, dando um sorriso sem graça em seguida. Reconheci o sorriso que via pela webcam e fui na direção dela revelar a senha. No caminho para o hotel, comentamos o ocorrido e eu não conseguia tirar os olhos da camisetinha colada que ela revelou estar por baixo de uma blusa, sem sutiã, ligeiramente transparente, com os bicos dos seios querendo rasgar o tecido de tão tesos que estavam. Coloquei minha mão sobre sua perna e comentei da camiseta. Ela também colocou a mão sobre a minha perna e disse: "Eu sei que gosta de camisetinhas assim, queria fazer uma surpresa pra você."
"Adorel a surpresa. Veja como você me deixou.", e pegando a mão dela, coloquei em meu pau para ela sentir como estava duro. Ela o acariciou e o apertou carinhosamente, sorrindo.
No quarto do hotel, nos olhamos, rimos daquela situação, nos abraçamos,
e nos beijamos ardentemente. Eu apertava o corpo dela contra o meu, segurava suas ancas com as mãos bem abertas e apertava o sexo dela contra o meu.
Acariciava seus seios, massageava os biquinhos por cima da camiseta e mordia-os de leve. Deitei-a na cama e levantei sua camiseta para poder beijar e passar minha língua por aquela barriguinha linda. Subi mais um pouco e cheguei aos seios. beije-os, passei a língua por eles, acariciei-os e suguei seus mamilos. Ela apertava minha cabeça como quem diz: "não pára... não pára". Mas foi ela quem me interrompeu com a respiração ofegante. "Pára Nando, pára!. Deixa eu ir levar os meus filhos para a casa dos avós deles. Mais tarde nos encontramos e
matamos esse tesão louco." Ela abriu o ziper de sua calça, pegou minha mão e enfiou dentro de sua calcinha: "olha só o que você fez comigo. Estou toda molhada." Aproveitando a oportunidade, massageei seu grelinho enxarcado, enfiando o dedo de leve em sua bucetinha: "huuumm que delícia.", disse levando o dedo à boca para provar de seus sucos. Nos beijamos mais uma vez e ela se foi.
Mais tarde nos encontramos novamente, desta vez, para passarmos algumas
horas nos enroscando um ao outro. Fabiana estava com um vestido de alça fina que ia até um pouco acima dos joelhos, a marquinha de biquini foi reforçada com algumas horas na piscina, cabelos longos, soltos, e um sorriso aberto no rosto.
Por onde passava, chamava atenção. Beijei-a carinhosamente no rosto e, passando as mãos pelas suas costas, deixei a esquerda deslizar para acariciar sua bundinha. Percebi que faltava alguma coisa ali debaixo; ela estava sem calcinha.
Somemente aquele vestidinho tampava aquele corpinho que eu tanto desejava.
Fomos para um motel.
No quarto, sorrimos um para o outro e rimos daquela aventura maluca que
estávamos vivendo. Beijamos-nos ardendemente apertando nossos corpos um contra o outro. Eu acariciava a bundinha redonda dela sobre o vestido enquanto sussurrava em seu ouvido: "Você é muito safada, sabia?". Ela sorriu e, balançando a cabeça disse baixinho: "Sabia." Afastei-me um pouco e, Olhando-a nos olhos passei as mãos pelos seus ombros para fazer com que as alças caíssem e o vestido deslizasse pelo seu corpo: "Que maravilha.", disse, apreciando aquele corpinho lindo. Então, fui para trás de Fabiana e abracei-a pelas costas, acariciando sua barriguinha e dando beijos molhados em sua nuca. Ela, empinou a bundinha e ficou
pressionando meu pau. subi minhas mãos até seus seios e os acariciei carinhosamente, apertando os mamilos duros de tesão. Ela continuava rebolando e pressinando meu pau com sua bundinha.
Levei-a para cama e a deitei. Depois, literalmente, montei em cima dela
para beijar sua boca. Passei para seu pescoço, dando beijinhos molhando e lambidinhas na nuca, depois fui sugar aqueles seios lindos. Sugava um e acariciava o outro. Passava a mão pela sua barriguinha, mas não parava de sugar os seios. Ela, enquanto isso, acariciava meu pau ainda dentro da calça.
Finalmente, desci minha mão e olhei para ela enquanto acariciava sua bucetlnha quente e molhada de tesão: "Huuuum, gue delícla, molhadlnha. Acho que vou cair de boca nela." sussurrei em seu ouvido. "Ai, me chupa gostoso, como você falou que sabe fazer.", ela respondeu ofegante de prazer.", atendi prontamente, e abri suas pernas para mergulhar de cabeça. Beijei o interior de suas coxas e fui em direção à sua grutinha. Beijei-a e comecei a passar a língua vagarosamente pelo seu grelinho. Abri caminho com as mãos e continuei a passar a língua. Enfiei o dedo em sua bucetinha e continuei a lamber e sugar seu grelinho enquanto ouvia
os gemidos de prazer dela. Fiquei ali durante a1guns minutos enquanto sentia ela tremer de prazer, prender a minha cabeça entre as pernas dela, sugando os sucos que saiam de sua grutinha. Então, Fabiana pediu para eu parar para que ela pudesse dar um pouco de atenção a mim. Fiquei de pé na beirada da cama, e ela, sentando, abriu a minha calça e tirou meu pau para fora, beijou a cabecinha, e colocou-o na boca mediatamente. Eu acariciava a sua cabeça e seus seios, enquanto ela sugava meu pau, duro, de maneira fantástia. Após algum tempo sentindo aquela boqulnha maravilhosa me sugando, sugeri que fizéssemos um 69.
Falei a ela: "Venha aqul, gatinha, senta com essa bunda deliciosa na minha cara para eu te chupar também." Ela parou de me sugar, eu deitei na cama, e ela veio por cima de mim sentando de pernas abertas em meu rosto para que eu a chupasse ao mesmo tempo. Aproveitei para enfiar um dedo no cuzinho dela para ver a reação. Fabiana soltou um gemido e disse: "Isso, enfia o dedo no meu cuzinho?".
Ouvindo aquilo, enfiei o dedo até o fundo. Ela mexia o quadril gostoso em cima de mim, e chupava meu pau maravilhosamente bem. Entao, Fabiana se virou para mim e sussurrou em meu ouvido: "Agora eu guero te cavalgar." E começo a subir e descer em meu pau, enquanto eu acariclava seus seios. Como aquela potranca cavalgava bem. Sentia cada centímetro do meu pau entrando e saíndo dela. Então, ela se debruçou e veio me dar um beijo na boca. Depois, sussurrou em meu ouvido o quanto estava gostando daquela trepada. Aproveitei para, mais uma vez, enfiar o dedo no cuzinho dela, aproveitando aquela bundinha empinada. "Você gosta
quando eu enfio o dedo no seu cuzinho?". Ela balancou a cabeça afirmativamente e completou dizendo: "Quero que você coloque esse pau gostoso nele também. Você põe?".
"Lógico que sim.", respondi sem pestanejar. Agora Fabiana estava
cavalgando de costas para mim, subindo e descendo gostoso; enquanto eu mantinha o meu polegar dentro do cuzinho dela. Então deitei-a na cama e fui por cima dela enterrar meu pau mais uma vez naquela bucetinha enxarcada. Pedi que ela me desse uma chave de perna. Depois de algum tempo ali, ela finalmente pediu que eu colocasse no cuzinho dela. perguntei de novo para ouvir ela pedir mais uma vez:
"O que você quer que eu faça?", "Põe esse pau gostoso dentro do meu cuzinho."
Imediatamente, peguei o lubrificante e comecei a massageá-la, lambuzando tudo, enfiando o dedo. Depois lambuzei meu pau, coloquei as pernas dela pra cima segurando com meus braços e comecei a penetrar o cuzinho de Fabiana que gemia gostoso à medida que eu entrava: "Isso, rasga meu cuzinho com esse pau gostoso."
Eu entrava e saia devagar, sentindo cada centimetro dele entrando e saindo do cuzinho dela enquanto via a cara de satisfação e de safada dela. Aumentei o ritmo e perguntei: "Tá gostoso?". Ela limitou-se a dizer "hum hum", balançando a cabeça e mordendo os lábios. Fiquei naquele ritmo durante um tempo, massageando o grelinho dela com meu polegar, enfiando-o dentro da bucetinha molhada dela.
Já não agüentava mais de tanto tesão, mas não poderia perder a chance de vê-la de quatro na minha frente. Saí do cuzinho, e, deitando sobre ela, sussurrei em seu ouvido: \"Fica de quatro pra mim, delícia?\". Fabiana balançou a cabeça afirmativamente, levantou o tronco, deu-me um beijo na boca e completou: "Sou sua. Fico do jeito que você quiser." Então, virando de costas para mim, ficou de quatro e arrebitou aquela bundinha linda pra mim: "Vem. Me come de quatro.", disse massageando o grelinho. Aproveitei para chupá-la mais uma vez e então estoquei fundo na bucetinha dela de novo. Dava tapinhas na bunda dela, enfiava meu polegar no cuzinho dela, segurava-a pelos cabelos. Fabiana foi ficando louca, e eu junto com ela. Aumentei o ritmo e percebi que ela ia gozar, pois
estremeceu toda. puxei-a pelo cabelo para levantar o tronco e sussurrei ao seu ouvido: "Goza gostoso, delícia!!". Foi ela cair de quatro de novo para começar a gozar, estremecendo toda, encostando a cabeça na cama, mordendo e apertando o lençol. Então foi a minha vez: "Vem cá delícia, deixa eu gozar nesse seu rostinho lindo." Fabiana assentou na cama, abriu a boca sorrindo e olhou para mim com a cara mais safada que já vi. "Vem, lambuza meu rosto com essa porra quente e gostosa." Atendi imediatamente ao pedidio dela. Gozei gostoso soltando vários jatos de porra em seu rosto. Fabiana passava a mão e levava um pouco à boca para experimeitar. Ao final, caí na cama ofegante e ela deitou por cima de
mim beijando o meu peito. Ficamos alí alguns minutos acariciando um ao outro e rindo como dois bobos; depois, tomamos um banho juntos. colocamos as roupas, nos abraçamos forte, nos beijamos carinhosamente e fomos embora.
No quarto do hotel, ficamos conversando mais algum tempo e ela então se
foi. Eu, peguei meu avião de volta para BH satisfeitíssimo do meu final de semana em São Paulo.
...Quando cheguei em casa, entrei no MSN e lá estava ela me esperando. Fui logo ligando a câmera e perguntando para ela: "E aí, foi bom para você?", soltando uma gargalhada logo em seguida. Fabiana respondeu: "Foi o melhor final de semana que já passei com um estranho."

Sobre este texto

Kome-Kieto

Autor:

Publicação:25 de julho de 2011 03:06

Gênero literário:Contos eróticos

Tema ou assunto:Pulando a Cerca

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Este texto foi lido 234 vezes desde sua publicação em 25/07/2011. Dados do Google Analytics

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

Não há comentários até o momento. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*