Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

Amor no Velho Oeste.

A manhã ensolarada parecia calma numa cidadezinha nos arredores de Montana, Ben o xerife do local, tomava seu desjejum tranquilamente, e o único som que se ouviam era o chiado do bacon na chapa.
Nesse instante com os pensamentos voando no passado, ele foi surpreendido, por gritos e correrias, isso não era normal àquela hora da manhã, então foram ouvidos dois tiros, sacou sua arma e voou pra rua, mais tiros foram ouvidos e ele viu um de seus homens correndo, em sua direção, uma diligencia q passava na estrada à aproximadamente meia hora dali, havia sido atacada por ladrões, o cocheiro então disparou os cavalos em direção da cidade e a troca de tiros foi inevitável, com o fim de um dos meliantes e a prisão do outro. Ben se aproximou do cocheiro, que abria a portinhola e pode ver com nitidez duas mulheres que fizeram com que ele suspirasse. Uma jovem senhora, alta, esbelta, cabelos claros abaixo dos ombros, olhos de um azul que parecia o céu de Montana, agora um pouco vermelho de tanto chorar, e uma mais nova que parecia ser sua ajudante, também com cara assustada, era morena, cabelos pretos presos num coque, sua pele lembrava a de uma índia, vestia uma calça preta nada comum pra uma moça e a camisa xadrez bem masculina lhe davam um ar de desafio...
O xerife tratou de levá-las até a delegacia e depois de ouvir toda história do assalto e da fuga alucinada do cocheiro, soube que se tratava da Srª. Lilibeth uma senhora conhecida na cidade mais próxima por ser casada com o banqueiro local e sua dama de companhia Caroline. Liberou-as pra seguirem viagem, mas a senhora não quis partir, o medo era grande, então o xerife fez uma ligação pra delegacia da cidade vizinha contando o ocorrido e pedindo para que buscassem as senhoras, depois de duas horas de espera em que as senhoras ficaram instaladas no único hotel do vilarejo, veio a notícia que só no dia seguinte elas seguiriam viagem, devidamente seguras, enquanto isso o próprio Ben se encarregaria disso.
Ele deixou um de seus homens na porta do hotel a disposição das senhoras pro caso de quererem sair, mas logo Ben foi avisado que Lilibeth gostaria de dar uma volta na cidade e preferia a companhia do xerife. Por ser a senhora uma pessoa influente Ben resolveu atende-la afinal não seria nenhum sacrifício.
Juntou-se a elas depois do almoço e soube que as duas cavalgavam muito bem, escolheram cavalos e saíram pra um passeio, Ben seguia contando a história da cidade, antes tomada por garimpeiros gananciosos e hoje calma e pacata vivendo da caça e pesca. Não podia deixar de perceber os olhares trocados por ambas e deixou-se fantasiar, levou-as a um pequeno lago que era formado por uma cachoeira pequena, mas muito bonita, desmontaram amarraram os cavalos e elas resolveram mergulhar, o xerife não estava com roupa própria pro banho e imaginou que as mesmas também não estivessem, qual não foi a sua surpresa quando viu Caroline, ajudando Lilibeth desamarrar as fitas do vestido... Ben não podia acreditar no que via, os seios da senhora eram redondos e fartos, e ela sorriu pra ele como se fosse à coisa mais natural do mundo, o xerife deu meia volta e se escondeu entre os arbustos, ainda ouviu risos e piadinhas das duas... De onde estava ele não cabia em si, a tentação de olhar era imensa, mas ele era cavalheiro antes de tudo, não se atreveria a olhar.Os gritinhos das duas, as risadas altas de Lilibeth, o deixaram de pau duro, sentia seu membro latejando, então num instante ele não ouviu mais nada, os sons pararam, curioso ele levantou e teve uma visão inesquecível, Lilibeth deitada, o sol batendo naquele corpo alvo e Caroline entre suas pernas, os cabelos pretos eram longos, e Lili os segurava, enquanto era devorada pela dama de companhia. Ben não agüentou aquilo muito tempo, se aproximou e Caroline levantou a cabeça, olhando fundo em seus olhos, estendeu a mão e o convidou a participar daquele paraíso. As roupas do xerife foram parar na beira do lago rapidamente, aproximou-se de Lili, mas os olhos dele não deixavam o corpo de Caroline, desejou aquela mestiça, como nunca desejara ninguém. Lili sentou e tomou o rosto de Carol entre as mãos, beijando-lhe os lábios, os olhos encontraram os de Ben, que não agüentando mais o tormento, entrou na brincadeira, beijou Carol também, ao mesmo tempo em que sentia a língua de Lili querendo entrar, passou a beijar as duas, as línguas se encontrando, num ballet delicioso, enquanto a mão de Ben passeava pelo corpo jovem de Carol, os seios firmes e pequenos cabiam em suas mãos, pareciam prontos para serem chupados, os bicos ficaram duros assim que ele passou a língua áspera, um gemido escapou dos lábios dela, Lili abraçou-a por trás fazendo com que a menina sentasse no seu colo, abriu-lhe as pernas e ofereceu à Ben, que passou a chupá-la, Lili apertava os seios dela, e lhe beijava a nuca, enquanto as mãos da menina seguravam a cabeça de Ben apertando-a contra sua vagina molhada, a língua de Ben corria do clitóris até a entrada do seu anus, ele encontrou dificuldade para introduzir o dedo então passou a acaricia-la e perguntar no seu ouvido se era isso realmente que ela queria Carol disse que a virgindade era um peso, ela queria perder aquilo de uma vez, Ben nem acreditou no que ouviu aquela mulher ali aberta a vagina rosinha, macia e molhada pronta pra ser comida, e ainda tinha a senhora Lili... Resolveu fazer com que fosse inesquecível pra ela, beijou sua boca, seus seios enquanto os dedos brincavam com o clitóris, o pênis latejava, as mãos da senhora passeavam pelos seios e barriga de Carol ela servia de cama pra menina, então ele arqueou o corpo, encostando a cabeça do pênis naquela vagina apertadinha, fez força encontrou resistência, mas a garota gemeu e pediu que a penetrasse de uma vez, ele deixou o cuidado de lado e forçou passagem, a vagina era tão apertada que ele sentiu dor, mas o tesão era tanto nos olhos das duas que ele meteu com força, o grito que ela deu foi abafado pela boca de Lili que se apoderou dela com vontade, chupando-lhe a língua, a menina não demorou a relaxar e Ben aproveitou pra iniciar os movimentos, o que não era nada fácil naquela xaninha apertada mas ele tentou ser o mais gentil possível, aquela garota era deliciosa, seus gemidos eram fortes, ela virava a cabeça e beijava Lili com sofreguidão, enquanto suas mãos apertavam as costas de Ben, ela arqueou o corpo jogando as pernas ao redor da cintura dele, nessa hora o xerife não agüentou, os movimentos se intensificaram e ele gozou fundo naquela gostosa, o tesão era tão grande que seu pênis continuou duro, saiu de dentro dela, deitou na grama, então Lili ajoelhou-se entre suas pernas e passou a chupa-lo bebendo o restinho do seu sémem, ela chupava toda extensão do seu pênis, enquanto as mãos acariciavam suas pernas. Não demorou para que Carol se recuperasse e viesse brincar com eles, começou beijando a boca de Ben, mas aquela gata era insaciável, e sentando-se de costas no seu peito ofereceu a visão da sua bunda empinada e grande e da xaninha vermelha e encharcada , ele não pensou duas vezes, passou a chupa-la toda, passando a língua firme, abriu sua bundinha e chupou tudo ao mesmo tempo, seu cheiro era delicioso, a visão do anus piscando de prazer, o deixava louco, então enquanto a língua penetrava, passeava, ele molhou bem um dedo e penetrou na vagina, fez movimentos e ela empinava mais ainda, ele não pensou duas vezes, penetrou no seu cuzinho apertado, a dupla penetração e a chupada fez com que ele ouvisse gritinhos que deixavam-no louco, Lili levantou e sentou no seu pau, que deslizou gostoso naquela bucetinha quente e molhada, passou a cavalga-lo como louca, enquanto beijava a boca de Carol, as duas se abraçaram forte e entre beijos e gritos, chegaram ao orgasmo, não demorou para que Ben gozasse também, sentia-se um ser de sorte, comendo aquelas duas gostosas. Os três entraram no rio e se banharam, ficaram longo tempo brincando, beijos e abraços a três foram trocados, o xerife e suas mulheres marcaram de se encontrar uma vez ou outra, se não fosse difícil pra ambos, estariam sempre dispostos a se amarem.
Em breve novas aventuras no velho oeste.

Sobre este texto

Lia

Autor:

Publicação:13 de novembro de 2011 13:51

Gênero literário:Contos eróticos

Tema ou assunto:Encontro a Três

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Ainda não há estatísticas de leitura deste texto, pois ele foi publicado em 13/11/2011.

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

Não há comentários até o momento. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*