Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

MINHA SOGRA DELICIOSA

Olá, este conto que vou relatar é verdadeiro e aconteceu entre mim e minha falecida sogra, que Deus a tenha... Meu nome fictício é LORD, e tudo ocorreu na festa de 01 ano de meu filho, em nossa casa, no Rio de Janeiro.
Como toda a festa que se preze, e ainda por ser a festa de 01 ano de meu filho, a bebida rolou muito, e estavam reunidos todos amigos e vizinhos. Minha sogra era uma mulher muito gostosa, corpo perfeito, seios médios e durinhos ( ela tinha 46 anos na época ), uma bundinha redondinha e deliciosa ... depois que ficou viúva, vinha sendo disputada por vários homens, pois corria a fama de ser uma ninfeta insaciável numa cama. Nesta festa mesmo, vários homens a perseguiram, tentando um momento de poderem ir mais além e levá-la para cama, mas neste dia, ela estava diretamente ligada a mim, me procurando em todos os momentos para estar ao meu lado. Eu sou filho de portugueses, tenho olhos verdes-mel, peludinho e com 1,70 cms, e já vinha sendo cobiçado por algumas de minhas vizinhas, pelo meu porte pessoal ( nem muito magro e nem mesmo gordo ), o que me valeram excelentes puladas de cerca onde residia, ao ponto de ir comer minhas vizinhas em suas casas na rua, e muitas vezes trazê-las para serem enrabadas em minha casa.
Voltando a festa, tanto eu como minha sogra bebemos muito, e minha mulher como não tinha organismo para bebidas, logo se entregou a um sono profundo em nosso quarto, quanto que eu, um casal de vizinhos e minha sogra, ficamos esticando a noite, conversando e bebendo na mesa na casa de minha sogra. Ficamos assim por uns 40 minutos, quando para a minha surpresa, minha sogra começou a acariciar minha perna, por baixo da mesa, a colocar sua mão sobre a minha por cima da mesa, e num determinado momento, começou a me acariciar a minha piroca, por cima de minha calça... me dando olhares de uma puta com desejo ... senti o clima e tratei logo de encurtar a conversa e começar a dispensar este casal vizinho... Quando os mesmos foram embora, minha sogra me deu o beijo mais gostos e molhado que eu já havia recebido em minha vida, da mesma forma que já tinha aberto o meu zíper e começado a acariciar meu pênis... quando tomamos um susto, pois o casal de vizinhos nos chamavam de novo a porta, pois ficaram sem a chave do portão para poder entrar em casa, e queriam “pular” o muro que separa as nossas casas ... sem problemas os acompanhamos até a lateral do terreno, e a esposa de meu vizinho havia percebido a minha piroca latejando dentro de minha calça, e o olhar cúmplice e safado de minha sogra, e me deu uma encostada na piroca com sua mão e disse que adoraria participar... isso enquanto seu marido já havia pulado para o outro lado do terreno. Para minha supresa, minha sogra disse que hoje não, eu seria somente dela, mas numa outra oportunidade iríamos fazer um encontro a três ... hummmmm ... então fomos ajudar a minha vizinha a subir no muro, e ela com uma saia pequena, logo deixou a sua calcinha a mostra ... não agüentei e enfiei meus dedos entre a calcinha e aquela buceta gordinha ... totalmente excitada ... ela se segurou para não gemer, e a danada ainda ficou em cima do muro, sem pular, fingindo puxar conversa, enquanto eu a masturbava, e minha sogra já colocando minha piroca para fora me chupava deliciosamente ... Já vendo que não ia dar para segurar muito, fiz minha vizinha passar logo para o outro lado, só que de sacanagem, tirei a sua calcinha e disse baixinho que ela teria de voltar para pega-la conosco. Ela riu e disse que sim ... enquanto isso minha sogra havia deixado a minha piroca e agora lambia meus dedos para sentir o gosto de minha vizinha ...
Voltamos para dentro de casa, minha sogra roçando minha mão em sua bunda deliciosa, e olhando se todos já haviam ido dormir, voltamos a nos beijar feito loucos na sala ... ela tirou logo a blusa e aqueles lindos leitos durinhos saltaram a minha frente, e estavam ali, prontos para serem chupados, enquanto ela delirava com um pano na boca, para que seus gemidos não acordassem a vizinhança inteira... logo eu tirei o resto de suas roupas e ela estava ali, a minha disposição, só de calcinha... continuamos a nos beijar e acariciar, e logo ela me puxou para dentro de seu quarto, onde continuamos nos beijando, e eu descobrindo o seu prazer com minhas mãos e minha boca ... num determinado momento ela já não mais agüentando me sentir chupando sua buceta rosada, pequenina, diferente do que eu imaginava, me pega pelo rosto e me diz que irá fazer uma coisa que desde quando eu namorei a sua filha ela quis fazer ... ainda mais quando ficou viúva, e estava com saudade de sentir um homem dentro dela de novo. Me fez jurar discrição, e que nunca falasse sobre isso para a minha esposa, ou qualquer outra pessoa... foi então que ela se abaixou na cama, se colocou de quatro bem na beira do colchão e abriu a bunda para que eu visse aquela coisa linda que era a bucetinha dela ... uma coisa indescritível ... apesar de que ela não estava se relacionando com ninguém, ali estava uma buceta linda, limpinha, rosadinha, com os pelos muito bem depilados e moldados com o famoso “bigodinho de Hitler” ... virou-se um pouco de lado e pediu para chupar minha piroca novamente, dizendo-se com ciúmes da filha que tinha esta piroca o quanto quizesse ... e confessou que nos viu fazer sexo por diversas vezes, com vontade de entrar em nosso quarto e participar...
Coloquei minha piroca toda melada de saliva por ela bem na entradinha daquela buceta, e senti a dificuldade de entrar, por estar fechadinha ... me agachei e chupei muito, coloquei minha língua bem dentro do buraco da buceta, e voltei novamente a colocar a cabeça de minha piroca, que já latejava feito brasa ... dei a primeira estocada e ela geme de dor, me lembrando a sua filha, quando eu a deflorei por ser virgem ... dei a segunda estocada e já entrou um bom bocado da piroca, e ela gemendo uma parte de dor, outra parte de prazer, foi quando iniciei um vai e vem frenético, batendo com força a sua bunda em minha virilha, e ela quase que arrancando o lençol da cama, a cada estovada mais profunda ... fiquei sentado a beira do colchão e ela veio por cima, sentando-se em minha piroca, dizendo que agora queria gozar feitom uma puta, uma cachorra, mas que queria que eu deixasse para gozar em sua boca, que era o que mais gostava de fazer ... ( mal sabe ela que era o que melhor sua filha fazia ... arrancando-me litros e litros de esperma, seja na casa, seja no corredor, nos campos de Quissamã, quando iamos para o meio do mato e eu comia o cuzinho dela e gozava em sua boca ... ) Mas voltando a minha sogra, coloquei-me deitado e ela veio por cima, engolindo minha piroca por inteiro em sua buceta, e pulava feito uma louca, volta e meia soltava uns gemidos que eu imaginei que iriam acordar a casa inteira, foi quando falei que ia gozar, e ela, num pulo, abocanhou minha piroca, e começou a sugar a chupar, quando eu gozei como nunca havia gozado com minha esposa ... meu esperma vazou pelos cantso de sua boca, caindo uma boa parte em seus seios ... e ela chupava e lambia, como uma cachorra no cio ... estava vendo o dia amanhecer, e aquela aventura já estava sendo perigosa, pois fatalmente alguém iria acordar e nos pegar ali, dentro daquela quarto, com um cheiro de sexo impregnado em todo o ambiente ... ela então fez o seu ultimo pedido.
Dizendo que seria um presente para mim , por ser um ótimo genro, e esposo da filha dela, apesar de que, daquele dia em diante, ela queria que eu a comesse ( palavras dela ), pelo menos uma ou duas vezes por semana ... E o presente foi a altura deste pedido ... ela colocou-se de quatro novamente na beira da cama... colocou um travesseiro no rosto e abriu o máximo que pode o seu cuzinho e pediu que eu tirasse a virgindade dela no cu... Meu sogro tinha nojo disso, e ela ficou com este trauma até aquela noite, mas queria que o cuzinho fosse meu, de mais ninguém ...
Peguei um creme de rosto que ela tinha e lubrifiquei bem o buraquinho intacto ... pedi que ela chupasse minha piroca, para garantir uma penetração firme ... coloquei a cabecinha da piroca na entradinha do cuzinho e comecei a empurrar, com calma , a cada tremida que ela dava de dor, uma parada para que o cuzinho se acostumasse... e em 01 minuto, minha piroca estava todinha dentro daquela bunda gostosa, fantástica, apertadinha ... quanto mais eu socava minha piroca naquele cuzinho, mais ela arrebitava a bunda e a jogava contra o meu corpo ... logo não agüentei e enchi o seu cuzinho de muito esperma, de forma que quando tirei, não sei se por causa das estocadas que dei, criou uma pressão naquela bundinha, e o esperma saiu como um jato, indo molhar o espelho do quarto ... Ela ficou desfalecida em gozo por alguns minutos, e eu fui me vestir ... mas tão logo coloquei a calça e a camisa, ela me pediu uma ultima mamada na minha piroca ... disse que iria deixar sua filha sem uma gota do meu esperma naquele dia... E me chupou, chupou, chupou, até que comecei a gozar dentro de sua boca, e ela tirou e começou a espalhar pelo rosto e pelos peitinhos durinhos ainda de prazer ...
Veio. Me deu novamente um beijo melado, e me lembrou que seriam de uma a duas vezes na semana, e que ainda tínhamos que comer a vizinha, mas que eu somente poderia fazê-lo junto com ela ... mas isso será detalhado em um outro conto...

Sobre este texto

LORD/RJ

Autor:

Publicação:8 de junho de 2015 16:30

Gênero literário:Contos eróticos

Tema ou assunto:Pulando a Cerca

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Ainda não há estatísticas de leitura deste texto, pois ele foi publicado em 08/06/2015.

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

Não há comentários até o momento. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*