Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

O massacre da negrinha crente

Segundona eu de folga em merecido descanso, pernas pro ar esperando minha mulher uma loira do tipo cavalona de 1.78 de altura 34 anos coxas tesudas um belo traseiro e uma xana muito grande que seria minha sobremesa ao terminar nosso almoço, conversávamos banalidades e bebíamos vinho gelado para tentar amenizar o calor quando a campainha de nossa casa tocou, disse que ela continuasse e que eu atenderia ao abrir a porta me deparei com uma agradabilíssima surpresa, uma ninfeta de seus 18 aninhos negra de 1.60 de altura seios pequenos e redondinhos de bicos rebeldes por baixo da blusa e do sutiã, pernas lindinhas semi escondidas por debaixo de uma saia que vinha até um pouco acima do joelho e o melhor de tudo ; uma bundinha pra lá de arrebitada, apesar dos seus 18 anos (idade que depois eu descobriria) ela aparenteva uns três anos a menos pois era baixa e mingnon imediatamente meu pau sentiu o tesão de menina que estava na minha frente e deu sinal de vida crescendo em minha bermuda, a lindinha era muito educada e começou a me explicar que estava vendendo ingressos para a festa de caridade de sua igreja , aproveitei a deixa e disse que ela não poderia ser da igreja, abrindo um sorriso inocente ela me perguntou por quê e eu safadamente respondi que ela era uma tentação ela sorriu e a convidei para entrar, pude então observar melhor aquela ninfeta de pele linda e escura, sua bunda era daquelas que pareciam pedir para serem alisadas , e quando passou por mim percebi que era muito cheirosa também mandei que se sentasse e perguntei seu nome, com a doçura de sempre ela me respondeu que se chamava Anne, fui até a cozinha e lhe trouxe um copo de suco de laranja e lhe apresentei minha esposa Dulce, que foi muito gentil e pediu desculpas pois tínhamos bebido um pouco para aproveitarmos nossa folga mútua, coisa que a muito tempo não acontecia, Anne disse que não se importava e Dulce então voltou à cozinha nos deixando a sós no sofa, dei mais um gole em meu vinho geladérrimo e lhe pedi que falasse mais sobre a campanha de sua igreja mas devo confessar que meus olhos não saiam de suas coxas cobertas por aquela saia preta e de pano mole,Anne me explicava que a campanha ia ajudar fulanos e coisa e tal e minha mente só pensava em ver os bicos do peito daquela crentezinha, sempre tive tara em mulheres negras, eu já tinha bebido dois copos desde que ela chegara e como estava bebendo com minha mulher desde as 11:00 da manhã eu já sentia aquele aumento da libido que o álcool proporciona, foi então que Dulce veio da cozinha trazendo a jarra de suco para oferecer mais um pouco a nossa convidada, porém como estava muito calor Dulce tinha tirado a blusa e ficado apenas com um top rosa que mal cobria seus seios que eram grandes e possuiam bicos enormes, aquilo me deixou deveras tesudo e percebi que Anne estava prestando atenção no colo dos seios de minha mulher que tinha se abaixado perto dela para encher-lhe o copo de suco aquilo me deixou pirado, quando Dulce saiu em direção a cozinha rebolando aquele traseiro gostoso e enorme coberto apenas por um mini shortinho que mal disfarçava a divisão da xana presa em uma calcinha minúscula disparei:

Minha mulher tem belos seios não???

Anne ficou meio sem jeito mas com uma pequena mordida no lábio inferior respondeu tímida:

-São grandes.

Sorri e disse que além de grandes eram bonitos .Anne voltou a conversa da festa e da venda dos convites tentando fugir do clima erótico que se formou eu então perguntei-lhe algumas trivialidades sobre a festa queria manter aquela ninfeta ao alcance da minha visão mais um pouco, pedi licença e fui até a cozinha me achegando por tráz de minha mulher que suava preparando mais uma de suas delícias culinária, cheguei por trás dela e a beijei no pescoço fazendo-a se arrepiar ela virou-se eu a beijei na boca e disse que ela estava muito gostosa cozinhando, ela riu-se e me disse que estava era meio bêbada , tonta, eu estava tesudo e sentir os bicos do seio de minha mulher no meu tórax me deixava voráz passei a mão em sua xana por cima do short e Dulce estremeceu, beijei seu pescoço e descia minha lingua em direção aos seus seios quando ela me interrompeu:

-Pare seu louco, temos visitas.

Não lhe dei ouvidos e com gana pus seu seio direito em minha boca e mamei como um louco passava a língua em volta do bico e Dulce apertava minhas costas murmurando, enfiei minha mão dentro de seu short e me deparei com o melado descendo de sua xota, como era safada e gostosa minha esposa, tive impulso de abaixar-lhe o short mas ela disse para que eu parasse me comportasse e fosse até a sala dar a resposta sobre os biscoitos a Denise, totalmente a contra gosto e com a pica dura demais dentro da bermuda retornei ao sofá sentando-me ao lado da ninfetinha , meu tesão depois daquele rala com minha mulher inundava o ambiente, não sei se foi o vinho, a boca bem feita daquela menina negra ou o melado de minha mulher que ainda deixava um cheiro doce em meus dedos mas a verdade é que sem medo da minha ousadia pus minha mão sobre a coxa de Anne pude sentir o tremor em seu corpo ela educadamente tirou minha mão e disse que estava ali pela venda dos convites para a festa de sua igreja e que achava melhor ir embora, ao fazer menção de se levantar eu a puxei pelo braço como era apenas uma menina e eu um homem de 1.83 89 kilos a menina quase que caiu de volta no sofá bem próximo a mim, ela me olhou e pude ver o medo em seus olhos aquilo me excitou mais ainda e então a beijei nos lábios ela correspondeu por alguns instantes mas logo voltara a si e só falava em ir embora, eu então disse que compraria 15 convites para a festa, Anne sorriu se ajeitou e disse que niguém na sua igreja vendera 15 convites em um só dia, eu ainda tesudo lhe disse que ela seria a primeira porém:

-Porém o quê senhor???? Me perguntou.

-Não precisa me chamar de senhor meu nome é Andre, e nem sou tão mais velho que vc tenho 29 e você??

-Eu tenho 18. Mas o senhor... desculpe , você, não me disse qual é o porém.

-Eu compro 15 convites mas quero ver sua calcinha disparei sem pudor.
Anne disse que não, que era moça direita de família e que aquilo não era venda e sim prostituição, eu estava tesudo e mexia no pau por cima da bermuda percebi que Anne olhava disfarçadamente pro volume do meu cacete, forcei uma decisão:

-E então ??? Vai perder essa oportunidade de vender tantos convites ???

Anne abaixou a cabeça e começou a falar meio que envergonhada:

-Tá bom eu mostro mas só um pouquinho, mas e sua mulher??? E ninguém pode saber por quê eu sou da igreja.

Lhe disse que minha mulher estava as voltas com o almoço e não apareceria, e que eu não contaria pra ninguém.

Anne então abaixou a lateral de sua saia e pude ver uma calcinha preta de lacinho do lado e pequenina por sinal, sorri fitando aquela cena e lhe disse que não ia gastar 120 reais apenas por aquilo, queria ver por baixo da sua saia, e mais; lhe disse que se aceitasse eu compraria não 15 mas 30 convites

-Mesmo....? Pro.. promete?? Balbuciou.

-Sim, por quê mentiria???

Anne então totalmente envergonhada começou a subir devagar sua saia, nossa suas coxas eram muito bonitas aquela pele negra pedia pra ser beijada, ela levantou aos poucos mais e mais e então pude ver a calcinha que era realmente pequena mal cobria sua xotinha de ninfeta que era bem carnuda, eu mordia os lábios e esfregava o caralho por sobre a bermuda apreciando aquela menina tesão se exibindo por dinheiro não pude me conter e coloquei minha mão entre suas pernas alisando sua xota por cima da renda da calcinha, Anne estremeceu e mordendo os lábios com força tentava em vão tirar minha mão do meio de suas perninhas meus dedos alisavam toda a sua xota por cima daquela calcinha , eu podia sentir seu grelo tremer por sobre o tecido o cheiro do melado da ninfeta começou a subir até minhas narinas e então pra minha surpresa minha mulher adentrou a sala e nos pegou naquela situação totalmente sem explicação, com toda a raiva de mulher traida Dulce começou a me estapear enquanto eu tentava explicar , ela me empurrou e pegou Anne pelos cabelos começou a dar tapas na cara da menina que a essa altura já chorava e tentava se defender, nesse entrevero todo os seios de minha mulher sairam totalmente pra fora do top, mas isso não a impedia de xingar e bater na cara de Anne... eu tentava tirar Dulce de cima da garota que gritava e chorava, em um desses sacolejos em meio a confusão minha mulher caiu sobre a ninfeta no sofá e seu seio foi diretamente na direção da boca de Anne que em um piscar de olhos se viu com minha mulher debruçada sobre ela com o bico em sua boquinha, o toque da boca daquela ninfetinha fez o rosto de minha mulher mudar, ela se levantou de cima da menina e começou a dizer que ela era piranha e que iria embora sem roupa, dizendo isso rasgou sua saia deixando-a só de calcinha virou-se para mim e aos berros gritou:

-Não era isso que você queria ver seu puto ??? Essa putinha crente de calcinha??? Olha bem ... tá gostando ????

Enquanto xingava Anne que só chorava minha mulher rasgou-lhe a blusa também , agora entre a completa nudez e Anne existia apenas uma pequena calcinha e um sutiã, depois disso tudo minha mulher levantou a negrinha pelo cabelo encaracolado e a levava em direção a porta dizendo:

-Sua vadia crente tu vai pra rua assim que é pra todo mundo saber que tu não presta.

Anne se abraçava à minha esposa e por varias vezes seu rosto tocava os seios de Dulce ainda descobertos por toda aquela confusão , eu fui até as duas tentar apaziguar aquilo tudo mas minha mulher estava descontrolada não parava de puxar o cabelo da menina e nem de gritar que ela era safada em dado momento minha esposa a jogou no chão ela caiu de bruços chorando minha esposa se pôs encostada na porta e eu ali de pé olhando tudo aquilo sem saber o que dizer tentei me aproximar de Dulce que me repudiou, sentou-se no chão ao lado de Anne e começou a lhe fazer carinho no pescoço.

-Você é uma cadela negra isso é o que você merece sua putinha juvenil,quantos anos você tem ???

Anne chorava e soluçava, diante da falta de resposta da ninfeta minha esposa puxou ela pelos cabelos e escarrou duas vezes em sua cara - responde cadela preta-minha mulher gritava descontrolada, entre soluços Anne respondeu :

-18 senhora !!
Minha esposa deu um tapa forte em sua bunda e a colocou sentada no chão segurando forte a negra pelos cabelos !!!

-Tire o sutiã vadia , AGORA !! Gritou minha mulher

-Por favor senhora eu tenho vergonha !!!

Eu olhava e experimentava uma vontade de ajudar aquela negrinha linda mais o meu tesão animal diante da dominação da minha loira sobre aquela ninfeta me paralisava eu apenas observava alisando meu pau por cima da bermuda !!

-Vergonha? Você não teve vergonha de se oferecer ao meu marido sua cadela -mais um tapa forte na cara da ninfeta seguido de uma escarrada, o rosto de Anne já estava melado dos escarros de minha mulher.
Minha mulher puxou a ninfeta pelos cabelos que neste momento já tinham virado a coleira da cachorra preta da minha mulher colocou a cabeça dela entre os seus seios e então acho eu que o roçar das lágrimas e do rosto em seus seios lhe excitaram e ela puxou a cabeça daquela linda ninfeta negra semi nua guiando sua boca até o bico que então pude perceber estavam retesados não sei se por medo de apanhar mais ou de ser posta pra rua naquele estado a negrinha começou a chupar o bico do peito de minha mulher, ela sugava e Dulce gemia e esfregava-os em seu rosto a mão de minha mulher passeava pelas costas daquela pretinha gostosa e confesso nesse momento meu cacete parecia querer estourar, Anne se arrepiava com os toques daquela mulher madura em sua bunda e coxas Dulce forçou a cabeça de Anne para baixo escorrendo por entre sua barriga enquanto se deitava no chão da sala, ao se deparar com aquela xota enorme coberta pelo short a ninfeta não sabia o que fazer mas tomada completamente pelo tesão minha querida e safada esposa pôs o short e a calcinha para o lado e com um movimento brusco colocou a cabeça da negrinha entre suas pernas, ela tentava virar o rosto e não ter aquela xota na boca mas minha mulher era outra pessoa a violência com a qual ela esfregava o rosto daquela ninfeta em sua xana quase a sufocava -chupe sua égua, chupe minha bucetona sua negra imunda-sem escolha timidamente Anne pôs a lingua na gruta melada de minha loira mexia a língua timidamente na xota melada e suada de minha mulher mesmo sem experiência aquela ninfeta estava fazendo minha mulher gemer com uma chupada, Dulce acariciava seu pescoço e apertava a cara de Anne cada vez mais contra sua xota pude perceber os pêlos loirinhos do braço de minha mulher se eriçarem e com um gemido profundo ela soltou seu gozo eu sabia que Dulce gozava muito líquido e estava louco para ver o que a ninfeta faria ao sentir escorrendo por sua cara aquele mel de xota, minha mulher gemia alto e ordenava -lamba meu mel sua negra , sinta na lingua o mel da xota sua putinha -timidamente ela colocou sua língua pra fora com a boquinha fechada e passava na grutinha quente sentindo o gozo da minha esposa malvada, essa por sua vez se contorcia no chão com a xereca escorrendo em êxtase, Anne fitava-a com o rosto ainda sem entender direito o que estava acontecendo, meio que bamba ainda de prazer Dulce foi para cima da ninfeta e até com uma certa violência a colocou deitada no chão e com uma maestria de quem sabe ser vagabunda pôs a pequena calcinha preta da ninfeta de lado e começou a sugar a crentezinha que delirava e gemia eu sentia meu pau querer rasgar minha sunga não aguentando mais coloquei-o pra fora e comecei a me masturbar, vendo isso a ninfeta não conseguia tirar os olhos do meu caralho duro e cheio de nervos sendo chupada por minha esposa a vadiazinha revirou os olhos e com uma mordida agressiva em seus lábios gozou, minha esposa urrava:

-Goza piranha virgem, deixa esse cabaço gozar sua vadiazinha.

Eu não podendo me controlar mais fui para cima de minha mulher que me empurrou dizendo que não queria eu forçava sua cabeça contra meu pau e sua negação me deixava mais tesudo ainda o cacete precisava gozar e com o caralho batendo na cara e seu homem lhe puxando pelos cabelos minha safadinha não resistiu e abocanhou com gosto minha pica fazendo um vai e vem frenético eu sentia sua língua rodar tocando toda a cabeça da piroca sua baba tomava meu cacete de vez em quando ela tirava de dentro da boca e cuspia na cabeça alisando-a com a mão, aquilo me fazia rosnar como um cão no cio eu precisava de sua xereca:

-Te quero minha linda!!! Exclamei cheio de desejo.

Dulce fez manha e eu sem me importar com suas vontades fui para cima dela ali mesmo no chão, na frente da ninfeta que olhava com os olhos brilhando de tesão, penetrei em Dulce com tamanha força que ela cravou suas unhas em minhas costas me fazendo gritar de dor e prazer eu me mexia dentro de minha mulher com um tesão louco no pau, o saco formigava enquanto a safada sussurava putarias em meus ouvidos- vai cachorro enche essa racha de porra, cobre tua égua cavalo-beijei sua boca e gozei loucamente em sua xana sentindo minha porra quente jorrar em sua buceta minha esposa gemia de prazer e lambia meu pescoço aquela xota quente e inundada pelo meu gozo não deixava meu pau amolecer então virei-a e a pus de quatro vendo aquele traseiro que sempre me enlouqueceu não pude resistir e coloquei a cabeçorra pulsante em seu cuzinho rosinha e lindo Dulce gemeu gostosamente e com uma boa puta disse:

-Enfia vai cavalo!!!!

Coloquei até o fundo sentindo como era bom aquele rabo e a visão daquela bunda gostosa, aqueles tetões balançando , minha mulher puxou a ninfeta para si e a beijou na boca aquela cena da troca de línguas de minha mulher e aquela negrinha linda me enlouqueceu eu fodia forte o rabo de minha mulher , meu pau entrava e sai fazendo ela gemer alto no chão de nossa sala meus movimentos eram intensos e minha estaca empalava poderosamente aquela loira cavala ,eu estava enlouquecido e com um grito desesperado de prazer gozei no fundo do seu rabo minha porra grossa ,ela empinava e rebolava enquanto sentia as golfadas de leite no fundo do rabo 1 2 3 golfadas de leite grosso seguidas Dulce rebolava como que querendo sugar com seu cu cada gota, meu pau foi amolecendo e por sua vez saindo aos poucos do rabão de minha esposa que voluptuosamente se levantou dizendo:

-Sua putinha você vai ter o que merece sua escrota, vai aprender a não se meter com o marido dos outros mesmo que ele seja um cachorro como o meu .

Dizendo isso Dulce a empurrou deitada rasgou seu sutiã e colocou aquele traseiro enorme em sua cara , a ninfetinha estava com a cara na xana da safada da minha esposa e pude então ver minha porra sair de dentro do cu de Dulce que com puxões de cabelo "obrigava" a putinha a abrir a boca sentindo porra de homem pela primeira vez ela ordenava que Anne engolisse e assim ela o fez , Dulce se levantou com o short todo desgrenhado pela foda e rumou em direção ao banheiro e pra minha surpresa e tesão disse:

-Quando eu voltar quero beber sua porra vinda direto de uma xerequinha preta e virgem.


Parti pra cima da ninfetinha que assustada fez menção de se levantar, mas eu fui rápido e beijei seu umbigo me pondo de quatro sobre ela, lambia sua barriga subindo até os seios e coloquei-os pra fora com muito carinho abrindo seu sutiã, pude ver que os bicos eram pequeninos mas apetitosos suguei seu seio esquerdo dando pequenas mordidas na pontinha daquele mamilozinho gostoso, a negrinha se arrepiava, dizia que aquilo era pecado e não podia prosseguir dei então uma profunda sugada em seu peitinho o que a fez se contorcer, minha mão entrou por dentro de sua calcinha e comecei a tamborilar seu grelinho que estava durinho, Anne fingia me empurrar, fingia não querer , eu tentava calar sua falsa negação com beijos naquela boca lindinha, desci minha lingua do seio até o meio das suas pernas e mordi delicadamente sua xana como se quisesse devorá-la, ela me olhava com um brilho gostoso nos olhos, tirei sua calcinha enquanto roçava meu rosto em suas coxas uma a uma sentindo seus arrepios de virgem safada naquela pele negra, cheirei sua calcinha e a peguei no colo pondo-a no sofá de pernas abertas de joelhos eu carinhosamente abocanhei sua xota cheirosa, ela não se controlou e soltou um murmúrio de tesão louco eu lambia sua xana dava mordidas carinhosas e com calma passava a língua dentro da xaninha a ponto de sentir aquele hímen pronto para ser estourado, ela revirava os olhos, eu fiquei de pé e apontei o cacete para ela balançando-o, a peguei pela mão e fiz com que segurasse ele latejava em sua mão e ela olhava fixamente para ele com a boca entreaberta , com um movimento de quadril e segurando firme ela pelo pescoço coloquei metade da minha vara em sua boca macia disse que sugasse como fez com as tetas de minha mulher ela começou a mamar literalmente em minha piroca que pulsava, ela arriscava algumas lambidas e eu enlouquecia dizia que sua boca era gostosa, que ela era um tesãozinho já não podendo me conter mais me deitei sobre ela no sofá e me aninhei em seus seios dando mais algumas lambidas nos bicos apontei meu caralho naquela grutinha que parecia uma cachoeira de tão melada ela fez cara de choro e disse:

-Eu não posso , minha igreja.. eu nã..não de..devo ..será que.. que ....

Coloquei so a cabeça em sua xota e ela arremessou sua cabeça para tráz abrindo a boca em um gesto que misturava dor e prazer, busquei seu rosto e a beijei profundamente na boca e com um tesão desvairado deslizei minha rola dura para dentro de sua xotinha pude sentir o hímen se romper e o líquido vermelho de sua virgindade deslizar por entre o pau alcançando o saco que a essa altura fervia, minha esposa saiu do banho e se aproximava enquanto eu fazia um dos mais gostosos papai e mamãe de minha vida com aquela negrinha gostosa a xota de Anne era apertadíssima e eu delirava em suas entranhas minha mulher cheirava a xampu e hidratante vestia apenas uma calcinha azul-bebê minuscúla, ela estava ao meu lado assistindo ao meu entra e sai naquela xota quente pequenina apertada e muito gostosa, senti as mãozinhas macias de minha mulher acariciar minhas bolas e aumentei o ritmo na xoxota da ninfetinha crente que gemia com a outra mão Dulce começou a dar pequenos beliscões na tetinha da ninfeta que gozou em meu pau mordendo meu braço , a xaninha apertava em contrações meu cacete e novamente veio mais um gozo daquela negrinha- DELÍCIAAAAA- seu grito era de prazer intenso quando minha mulher abocanhou toda sua tetinha sua xana começou a morder meu pau no ritmo das sugadas de minha loira em seus biquinhos não aguentando de tanto tesão jorrei porra quente na xota da putinha preta eu gemia e apertava o outro seio daquela ninfeta tentação enquanto davas mais algumas estocadas ainda gozando naquela buceta maravilhosa retirei meu cacete e Dulce colocou a boca na xota de Anne pude ver o meu caldo e algum sangue do cabaçinho da ninfeta escorrer para a boca da minha esposa que sugava e engolia tudo, um tanto caíra no sofá e minha esposa lambia a fim de nada desperdiçar eu podia ver que tudo que jorrei na negrinha ainda estava na boca de minha loira que sentou como que se fosse cavalgar em cima da negra e abriu com violência a boca da ninfetinha abaixou seu corpo e abriu a boca derramando tudo que joguei no útero daquela crente safada em sua boca
-Engole cadela . Dizendo isso ela escarrou novamente misturando sangue de cabaço minha porra sua baba e escarro em um coquetel profano na boca da negrinha , Anne engoliu tudo agora entregue ao pecado lambeu os lábios e queixo da minha mulher limpando-os do resto de gozo.Ao terminar minha esposa se pôs de pé em minha frente mordeu o lábio e em um gesto que me pegou de surpresa me puxou pelo cabelo e disse me olhando sériamente :

-Queria beber sua porra vindo da xereca dessa éguinha preta mas não mandei que fizesse amor com ela.

Dizia isso e de pé esfregava sua xota loira coberta apenas pela minúscula calcinha em minha cara.

-Agora come ela como o que ela é realmente, uma cadela preta e suja no cio.

Fiquei louco, como um animal enfiei uma das tetas daquela ninfetinha exausta na boca e sugava com furor, seus gemidos eram de tesão mas também da dor que meus chupões lhe proporcionavam na tetinha, minha mulher me punhetava mas meu pau demorava a endurecer de novo
Sentei-me no sofá e minha mulher de joelhos começou a lamber a piroca do saco até a cabeça repetidas vezes sua língua úmida passeava em volta da cabeçona do meu pau que endurecia mais uma vez (deusa loira quem resiste aos seus encantos pensei) ela agora sugava a cabeça inchada e punhetava o pau ao mesmo tempo que com a outra mão alisava meu saco meu pau agora estava de novo no auge de seus 21 centimetros com a cabeça inchada e latejando as veias pareciam querer explodir, a ninfeta assisitia a tudo alisando timidamente sua barriga, minha mulher a pegou sem aviso pelos cabelos e com toda a violência possível virou Anne de bruços e sem pedir licença enfiou a língua no cu da pretinha que mordeu o sofá de nervoso, eu assistia a tudo alisando meu cacete como era bom ver a bunda empinada e negra sendo aberta e a língua penetrar no cu da pretinha, Dulce enfiava metade de sua língua nervosa no rabo negro da ninfeta e me olhava pedindo que eu passasse a mão na bunda da negrinha, eu alisava aquele rabo empinado e podia perceber a xota se contorcendo enquanto o cu levava linguadas e a bunda era alisada minha mulher parou e me puxou pelos cabelos me fazendo tomar seu lugar no anelzinho da ninfeta que a essa altura lambia o sofá de tanto tesão eu enfiava não metade mas tudo o que podia no rabo delicioso daquela ninfetinha que instintivamente empinava a bundinha contra minha língua, como era bom o gosto daquele cuzinho de ninfeta puta, minha mulher colocou-a de quatro no sofá e se pôs sentada no braço do sofá em sua frente com as pernas escancaradas, eu continuava a lamber o anelzinho de Anne que agora piscava na nova posição minha mulher colocou a alça de sua calcinha na boca da negrinha e ordenou que ela puxasse até rasgá-la, com toda a força a ninfeta arrancou com os dentes a calcinha de minha esposa, Dulce pegou Anne pelo pescoço e começou a esfregar a cara daquela ninfeta gostosa em sua xereca com brutalidade ela soltava urros de prazer sentindo a língua daquela menina no grelo -chupa cadela sente o gosto da buceta na língua, engole meu caldo sua imunda- ela mexia os quadris na cara da negrinha sufocando-a.

-Enraba essa vagabunda preta sem dó!!! Gritou louca de tesão minha loira.

Eu era totalmente controlado por Dulce e suas ordens vadias naquele momento e assim o fiz com minha pica totalmente dura e babando encaixei a cabeça do pau no anel negro da ninfeta minha esposa então se mostrou mais do que malvada, uma verdadeira perversa, sem se importar com a dor da negra e sem pena segurando-a pela cintura forçou seu corpinho lindo contra meu pau que entrou todo de uma vez naquele cuzinho, 21 centimetros rasgaram o orifício anal daquela crentezinha, senti a dor no grito de minha putinha negra:

-Aiiii MEU DEEEEUS.........!!!!

Mas eu já não podia controlar-me mais e como um tarado estuprador eu arrebentava as pregas daquele cu delicioso enquanto assistia minha mulher dar tapas muito fortes no rosto de Anne, eu enfiava e enfiava e então pude perceber que minha mulher se masturbava com a mão esquerda enquanto a direita esbofeteava a cara da ninfetinha vi o líquido de minha mulher escorrer da xota e enlouqueci de vez segurei minha égua negra no cio pela cintura e a estocava sem dó, cada botada fazia ela gemer alto ,seus olhos escorriam em lágrimas de uma dor profunda meu pau saia e entrava repetidas vezes arebentando cada prega daquele rabo negro e apertado eu beirava o sadismo, ela já não aguentava mais estava com a cabeça pousada sobre a xana de minha mulher entregue à dor e exaustão , eu socava violentamente sem parar, queria arrebentar aquelas entranhas da ninfeta minha mulher com violência enfiava a mão até a garganta de Anne que babava e engulhava em seus dedos , a ninfeta com muito esforço se livrou do fisting que minha mulher fazia em sua garganta e olhou pra trás suplicante : -Goza por favor...n n não aguen..tooo mais por favoor...ela balbuciava-acelerei as estocadas e como um insano gozei, como gozei porra naquele rabo... parecia que eu não gozava a dias pela quantidade de leite quente que eu derramava no cu daquela putinha eu sentia várias golfadas de porra lavarem o cu daquela negra , esperei os jatos de leite cessarem e retirei meu pau daquele rabo destruído eu estava ofegante e suado minha esposa começou a sugar o caldo grosso da minha porra que descia do anel arrombado e sem pregas da putinha ao retirar tudo o que pôde da minha porra Dulce pegou a ninfetinha pelo pescoço e apertando seu rosto com força a beijou carinhosamente derramando tudo que escorreu do meu saco para seu cu e de seu cu para a boca de minha mulher em sua boquinha -devolva pra mim negra- Anne completamente submissa assim o fez e devolveu tudo para a boca de Dulce que engoliu tudo, porra com gosto de rabo negro agora escorria pela sua garganta quando pensei que tudo tinha acabado minha mulher arrastou a ninfetinha pro chão e de pé começou a mijar em sua cara -abra a boca negra puta-Anne se recusava tentava virar o rosto mas era inutil segurando-a pelo maxilar minha mulher a fez abrir a boca e derramou seu mijo todo dentro da boquinha da puta, o mijo escorria pelas tetinha e corpo, agora a ninfeta estava coberta de mijo descabaçada na xota e cu sentada em nossa sala servindo de privada para a maldade de minha loira , minha mulher me pegou pelo braço me pondo de pé à frente da negrinha e ordenou :

-Mije nesse lixo, derrama sobre ela o mijo dessa piroca .

Tudo aquilo era novo mas não pensei duas vezes comecei a bater o pau mole na cara de Anne e não demorou para que eu começasse a mijar, minha mulher guiava o meu mijo molhando cabelo e rosto da negrinha, terminei de sujar aquela putinha e sentei exausto no sofá, Anne deixou seu corpo cair no chão da sala ela estava suja, arrombada e massacrada, minha mulher veio até mim sentou-se ao meu lado e pediu para que eu a beijasse romanticamente.... atendi seu pedido, minha língua sentia o gosto de cu e xana de uma puta preta misturado com nossos gozos na boca de Dulce que ao terminar de me beijar me bateu na cara e se levantou esbravejando:

-Você é um safado ... eu me dedico a nós e você se entrega a primeira vadiazinha que bate a porta??? Escroto....quer saber ???
Espero que você faça minha última vontade como sua esposa .... quero o divórcio..... não nasci para ser traída eu mereço um homem que deseje só a mim, vou fazer as malas.
Disse isso e foi em direção ao quarto me deixando ali atônito..... VAI ENTENDER AS MULHERES !!!!

Sobre este texto

Lorde Hernfrieth

Autor:

Publicação:3 de agosto de 2014 09:22

Gênero literário:Contos eróticos

Tema ou assunto:Encontro a Três

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Ainda não há estatísticas de leitura deste texto, pois ele foi publicado em 03/08/2014.

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

  • micky
    Postado pormickyem21 de agosto de 2016 21:10

    Achei seu conto incrivelmente ridículo. Eu sou negra sou ninfeta,gosto de uma sibmissao (Mas nunca fui tratada assim e nem quero, principalmente na minha primeira vez na qual to com um homem branco que mês rainha) tenho apenas dezoito aninhos mal feitos. E achei completamente sem sentido seu conto. Espero que tenha sido so um conto msmo. Pois se eu fosse essas garota teria denunciado vc e sua esposa gorda uma enorme porca por estupro e preconceito racial.Abri esse conto com um tesão enorme que na hora acabou. No caso o único lixo aqui e vc com seu desrespeito. Se tiver nota abaixo e zero vc merece.

  • yvanov
    Postado poryvanovem2 de maio de 2016 20:30

    Amigo, realmente vc foi muito repetitivo, no começo da leitura estava imaginando que rolaria entre vc sua mulher e a garota crente , uma gostosa suruba, mas o q rolou foram seus xingamentos preconceituosos a menina q até então era uma inocente, nem se comparando de longe a puta da sua mulher, q maltratou a menina, escandalosamente, e vc aprovando negligentemente o sadismo da sua puta !! seu conto seria maravilhoso , se no final vcs se entendessem , curtindo muito a menina q vc descabaçou, e vivessem felizes para sempre !! De um à dez, te dou a nota 4 !!

  • malcowm
    Postado pormalcowmem22 de dezembro de 2015 15:59

    Ô meu amigo, sei que ""conto é conto "" mas vc abusou da fantasia, ficou repetitivo, e o mais importante , seu conto teria que ser publicado em um site de contos de masoquistas, uma ninfetinha como a q vc descreveu ´teria q ser saboreada no maior carinho e delicadeza possíveis e imagináveis !! Alem do mais vc deveria ter acrescentado que sua mulher obrigou a menina a enfiar no seu CU ,um consôlo dos maiores q existem no mercado pornô, par vc não fazer mais a covardia que fez com a jovem !!E q vc dali por diante se tornou um viado dos mais atuantes e escrôtos da sua cidade !!

  • Fabby Lima
    Postado porFabby Limaem3 de agosto de 2014 11:42

    Como você é imbatível em seus textos!!! Parabéns!!!

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*