Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

Introspecção

Começa numa tarde ensolarada e tem seu ponto culminante na madrugada chuvosa - praticamente uma tempestade. Mas não tamanha e tanta, quanto das palavras que foram proferidas via tecnologia: internet. Malditas palavras, sentimentos, dor, momento. Um passado tão ignóbil que só mal me causava - parece que insiste em persistir.
O som do ar me acompanhava: ar condicionado. Resfriando meus dedos, congelando minhas emoções. Mas o ar continuou em meus ouvidos, durante a caminhada beira-mar - porém mais acalentados, aquecidos.
Sentada na areia marinha acompanhada pelo meu amigo inseparável, de todo e qualquer momento: o vinho. Só consigo pensar no seu corpo. Em cada linha, cada fio de cabelo espalhado por suas pernas, que seguem um percurso vertical até partes mais arredondadas, curvilíneas.
Não haviam letras que pudessem traduzir, dizer, explicar - simplesmente o nada. Apenas pensamentos ecoavam ao léu das minhas memórias. Seguia a reta do calçadão sem ao menos observar o caminho, pensando apenas no fim e onde o encontraria. O efeito do álcool se iniciava, e as miragens o seguiam, tornando seu corpo mais real, mais palpável.
Senti suas pernas entrelaçando-se com as minhas, por entre as minhas. Senti seu abdômen roçando meus seios, minha barriga. Arranhando-me, eriçando-me, excitando-me. As horas passam, as pessoas desaparecem do convívio social. O mar: enfim abstinente de indivíduos; minha vez de encontrá-lo.
Mergulho no mar calmo, sereno e negro da madrugada semanal. O som das pequenas marés acalmam minha mente e alma, de alguma forma me libertam. Acalmam-me ao ponto de relaxarem meus músculos e ordenar minhas batidas cardíacas.
Você esta lá mas... não está comigo. Está com seu copo de vinho em meio as suas dúvidas. Eu não sinto frio, eu não sinto medo, eu sou o medo, eu sou o frio. Com meus sentimentos congelados, prestes a se partirem a qualquer pequeno deslize, queda, escorrego.
Lembro-me dos seus poros em destaque logo depois. O arrepio, o riso, o suor.

Sobre este texto

Lótus

Autor:

Publicação:17 de dezembro de 2011 13:15

Gênero literário:Crônica erótica

Tema ou assunto:Casal

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Este texto foi lido 27 vezes desde sua publicação em 17/12/2011. Dados do Google Analytics

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

Não há comentários até o momento. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*