Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

Farrinha com as soltinhas no carnaval

Primeiramente olá a todos.
Hoje vou relatar alguns acontecimentos do finzinho do carnaval de 2009, espero que gostem.

Pois bem, no carnaval daquele ano eu e mais dois amigos fomos para Votuporanga para curtir, eu, David e Bruno chegamos lá no sábado pela manhã e ficamos em uma casa que pertencia à família do Bruno.
Curtimos todos os dias lá, de carnaval de rua a alguns camarotes, todos os dias rolava uma pegação nas ruas com as mais “soltinhas”, mas sexo que é bom nada.
Na quarta-feira de cinzas no comecinho da tarde decidimos parar em um bar para dar uma descansada, já que estávamos curtindo o carnaval desde à tarde do dia anterior sem parar, sentamos e pedimos refrigerantes e coisas para comermos, estávamos tão chapados de cerveja e de algumas outras substâncias que a única coisa que a gente não queria ver na frente era álcool.
Depois de algum tempo no bar um carro cinza colou do lado do nosso e 3 garotas bem sorridentes desceram dele chamando minha atenção e dos rapazes.
Elas sentaram-se em uma mesa um pouco a nossa frente e pelas gargalhadas e pelo que tomavam deu pra sacar que estavam bem animadinhas e a fim de aprontar.
- Caraca, seu eu pego o rabinho daquela de roxo eu arregaço. Disse o David.
- uhauhahu chega lá e diz isso pra elas pô. Respondi meio zonzo.
Não sei se elas notaram os papos da nossa mesa, mas elas sempre olhavam para nós com uns sorrisinhos meio marotos nas faces.
- E ai Mad, o que você acha? Disse o Bruno.
-Chegar junto? Demorou, mas se rolar a mais gostosa é minha hehe. Respondi e fui em direção a mesa das garotas e no caminho ouvi o Bruno dizer “Eu tô de olho é na baixinha”.
Sempre fui meio tímido, mas dessa vez o álcool tomou conta desse problema para mim, me apresentei e mesmo meio bêbado fui muito bem recebido com beijinhos no rosto pelas gatas que estavam ali e logo descobri seus nomes.
A baixinha a quem o Bruno se referiu era uma gracinha do tipo mignon, se chamava Luciana 20 anos, camisetinha branca que escondia seus poucos seios, mas um shortinho jeans que valorizava suas coxas branquinhas e roliças, cabelo chanelzinho preto e um belo sorriso.
Do lado dela uma bela morena jambo com um sorriso que misturava inocência e safadeza ao mesmo tempo, Beatriz, 19 anos cabelos longos e amarrados, peitinhos médios bundinha normal e muito simpática, e para terminar de camisetinha roxa e short bem apertado Fernanda, 20 anos com uma cintura bem gostosa que chamou nossa atenção quando ela entrou no bar somada a sua bundinha larga, seios fartos , coxas grossas , uma cara de desconfiada e com seus cabelos pretos também estilo chanel só que com todas as mechas pintadas de loiro.
Elas foram muito receptivas e em poucos minutos já estávamos conversando descontraidamente, descobri que elas vivam no litoral norte de SP, uma distância boa, mas perto de onde eu vivia, faziam faculdade juntas e tiraram a semana para fazer uma “trip” de carro, passando por varias cidades e curtindo um pouco do carnaval em cada uma delas, como não teriam aula na semana mesmo estavam saindo de Votuporanga para passar por mais duas cidades que não vou lembrar agora antes de voltarem para a vida normal.
Estava tão descontraído conversando com a garota que tinha esquecido os meus queridos amigos na mesa de trás, mas logo corrigi esse erro e após falar com um dos garçons do barzinho juntamos as mesas e em pouco tempo a conversa em grupo se tornou uma conversa de 3 pares, lógico envolvendo muito xaveco e indiretinhas paras nossas novas “amigas”.
Papo vai papo vem conversinhas no pé dou ouvido até que meu super chapado amigo David propõe praticamente berrando para quem quisesse ouvir que todos fossemos para a casa já que tinha um pequeno estoque de cerveja e outras coisas lá.
-Por mim tudo bem. Disse o Bruno.
-Então garotas a fim de conhecer? Perguntei já com um pouco de certeza que elas iam, pois pela cara da Fernanda tava bem claro que elas estavam a fim de aprontar também, a Luciana parecia já ter caído na lábia do Bruno, só não estava certo do David, bebasso xavecando a Beatriz.
-Bom eu estou com a chave do carro e vou quem não quiser vai ter que pegar carona. Disse a Luciana para as amigas.
Todos riram e nos separamos nos dois carros, não sem antes eu já dar um beijo na Fernanda.
Chegamos na casa e fomos direto para a sala, o Bruno se prontificou a ir pegar a cerveja nos freezers que ficavam na garagem e eu pedi para me esperarem enquanto ia tomar banho, jogar uma água gelada nas costas pra ver se o efeito do álcool passava e tirar a inhaca também.
Quando voltei o Bruno e Luciana já estavam trocando beijos no sofá, e pra minha surpresa a Beatriz estava bem inclinada a fazer o mesmo com o David, então só me restou me sentar ao lado da Fernanda e começar a minha parte.
Ela estava com uma latinha de cerveja, peguei outra e começamos a conversar futilidades comigo sempre jogando algo mais picante no assunto.
Passei a mão pela cintura dela e começamos a dar uns amassos, ela segurava meu rosto e sua dedicação no ato só me dava certeza que aquela ali eu já tinha ganho.
O Bruno e a Luciana se levantaram do sofá e foram para o fim do corredor onde ficavam os quartos, estávamos no primeiro andar já que era um sobrado e no térreo ficavam apenas a cozinha, a garagem e um quartinho para coisas velhas, o David pelo que eu pude ver também estava se arranjando, já que em uma olhada que eu dei de relance pude ver uma de suas mãos na bundinha da Beatriz.
-Quer deixar eles a sós Mad? Me perguntou Fernanda.
Respondi que sim com a cabeça e puxei-a para uma varandinha que tinha ligação com a sala, onde tinha uma pequena mesa algumas cadeiras e uma pequena poltrona encostada ao parapeito, poltrona essa que usei para me sentar e colocar a Fernanda no meu colinho.
Com ela sentada sobre mim enchia minhas mãos apertando sua bunda, com seus braços ao redor do meu pescoço o beijo era gostoso, ela estava cheirosa e seus lábios muito molhados e macios, assim como sua pele.
-Safadinho, já ta bem desperto hein? Falava ela enquanto suas mãos roçavam meu pau por debaixo da bermuda, já estava sem camisa e ela se pôs a lamber meu corpo enquanto acariciava meu membro, eu saboreava seu pescoço hora mordia de leve hora dava chupadinhas revezando sempre com um beijo molhado naqueles lábios.
Ela se segurava nos meus ombros enquanto eu segurava e massageava ambos os seios, ela soltava gemidinhos tímidos que eu logo abafava beijando sua boca, em pouco tempo minha mão esquerda já estava de baixo da sua blusa a acariciar o seio do mesmo lado enquanto eu tentava enfiar a mão direita dentro do seu short e sentir melhor sua bundinha gostosa, ela por sua vez já tinha feito meu pau saltar para fora do short e se empenhava em fazer sua mão ficar esfregando nele de forma circular, subindo e descendo.
Eu a levantei tirei seu shorts e a coloquei de bruços na poltrona, estava com uma calinha fio dental preta, eu sorri e disse.
-Quase nada hein. Ela sorriu e me disse apenas.
-Anda logo.
-Rss danada.
Afastei a calcinha e coloquei dois dedinhos dentro de sua bucetinha, estava levemente úmida então me postei atrás dela e junto com os movimentos da minha mão coloquei minha língua para trabalhar naquela bucetinha de lábios escuros e deliciosos.
Lambia bem rápido os grandes lábios da Fernanda enquanto soltava gemidos não mais tão tímidos, retirei bem devagar sua calcinha e alisava suas pernas e coxas a virei de frente e com as pernas bem abertas me comecei a sugar novamente aquela bocetinha linda, pra cima e pra baixo, movimentos circulares, chupadelas, fiz de tudo até aquela grutinha gostosa começar a escorrer o mais saboroso dos mels que misturado com minha saliva virava uma substância mais densa e espumosa.
-Isso gato hmmmm, assim mesmo.
Coloquei dois dedinhos dentro só que agora socando forte forçando seu grelinho fazendo com que de gemidos ela partisse logo para os gritos.
-isso safadinha grita, me deixa com tesão.
-É? Então continua, ta muito bom ahhhhhhnw.
Continuei a por meus dedos para trabalhar quando fui interrompido por batidas na porta da varanda e uma bela surpresa.
-Érr, não queria atrapalhar, mas posso me juntar a vocês?
Era a Beatriz com seu sorriso maroto, apenas com sua camiseta e de calcinha ambas azuis.
-Eu tava com seu amigo, mas do nada ele apagou e começou a dormir, e sabe já to acesa RSS,
A Fernanda a chamou com a mão, tirando qualquer duvida minha do que ela iria achar de sexo a 3, mas antes de ir com tudo fui ver o David e confirmei que ele tinha apenas caído no sono apesar de não ter largado sua garrafa de vodka.
Quando voltei para a varanda estava uma de cada braço da poltrona.
-Aqui no meio, já rsss. Dizia Beatriz enquanto batia sua mão na poltrona.
Me sentei entre as duas passando um braço ao redor da cintura de cada, partimos para um delicioso beijo triplo com as duas gemendo baixinho e deslizando suas mãos pelo meu tronco.
As duas continuaram o beijo só entre elas bem coladas a minha face só me deixando mais excitado, Fernanda voltou a me punhetar de leve e bem devagar enquanto a Bia (rss) tirou seu sutiã e colocou uma das minhas mãos para acariciar suas tetinhas.
-Gosta safado?
A cara daquela garota me deixava louco, apertava e tentava sentir com toda minha mão seus peitinhos, beliscava e girava seus biquinhos , usei a outra mão para ficar apertando um dos da Fernanda que eram maiores e também bem macios, uma mão em um seio de cada, a Fernanda tocando uma pra mim e a Beatriz alisando a ponta da minha cabecinha, estava no paraíso.
A Fernanda se ajoelhou diante de mim e a Beatriz resolveu fazer a mesma coisa, tiraram meu short que já estava pela metade e uma de cada lado começaram a tocar flauta com meu pau ereto.
A Fernanda pressionava com o polegar a ponta da minha cabecinha enquanto a Bia apertava minhas bolas ambas se dedicaram por muito tempo a ficarem subindo e descendo com suas bocas nas laterais do meu membro.
-Delícia, sua putinhas.
-Sou moça de família ta rsss. Respondeu-me a Beatriz
Após isso a Fernanda começou o boquete propriamente dito, beijou de leve a glande e depois começou seus movimentos com a cabeça, chupando meu pau com certa pressão, Beatriz subiu novamente para o meu lado do sofá e após dobrar sua camiseta para deixar suas tetas à mostra comecei a chupar uma bem devagar, massageando a mesma pela parte de baixo.
-hmmmmmmm.
Fernanda continuava com sua língua deliciosa envolvendo meu pau e suas chupadas maravilhosas, eu agora beijava Beatriz enquanto meu dedo do meio fazia um passeio a sua cetinha encharcada dentro da calcinha.
A Fernanda se levantou e pediu licença para a Bia, pegou no bolso de seu short uma dessas camisinhas que o povo dá na época de carnaval e usando sua boca gentilmente colocou no meu pau.
-Habilidosa hein gata.
-Nada, Você vai ver habilidade agora.
Colocou carinhosamente seus braços ao redor do meu pescoço e lentamente foi se encaixando no meu membro, apertei com firmeza sua bunda gostosa, quase cravando minhas unhas nela, ela começou a cavalgar e depois de uns 3 movimentos mais suaves colocou a curtir meu pau intensamente.
-Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh ahhhhhhh uhhhhhhhhhhhhh vai, goza.
A Bia ficou um tempo em pé do nosso lado mas logo puxou uma cadeira lançou longe sua calcinha e ficou vendo a diversão de sua amiga sempre dizendo que “Era a próxima”.
Fernanda se dedicava a fazer os movimentos enquanto eu só curtia a penetração, decidi levantar sua blusa e deixar seus seios a mostra, ela largou do meu pescoço para soltar o sutiã e deixar aquelas delícias livres para mim, grande e firmes, meu tipo favorito, então não pude me conter depois de um tempo segurando ambos, sentido sua textura e maciez cai de boca no direito enquanto voltava a segurar sua cintura e mamava intensamente; sugava, mordia lambia durante alguns minutos meu mundo se resumia a aquele seio e essa diversão só parou quando decidi dar os cuidados da minha boca para o outro.
Fernanda subia e descia cada vez mais agressiva na minha benga.
Ahhhhhhhhhhhh, vai lindo.
Sentia suas unhas me apertando ao ponto de me machucar, o barulho do choque de sua bunda gostosa contra minhas coxas era extasiante e seus gritos cada vez mais altos só me deixam mais louco.
-Vira vádia.
Coloquei ela de 4 com as mãos apoiadas no parapeito, peguei firmemente em sua cintura com uma mão e encaixei só a pontinha do pau na bucetinha dela, coloquei essa mão também em sua cintura e fui com tudo.
-AHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHIII
-Sentiu safada? Disse com um sorriso no rosto, ela não respondeu, apenas gemia então comecei com meus movimentos do jeito mais brusco que era possível, metia com vontade, tava a fim de zoar aquela putinha e ela pelo jeito estava bem longe de achar isso ruim.
-Vai amor,ahhhh delicia unnnh aunnnn me faz gozar delicia.
Ouvir seus gemidinhos constantes só me dava mais vontade e força, continuei com meu pra frente e pra trás insano, também gemia e em alguns momentos acho que até a machuquei de tanta força com que apertava sua cintura.
-Ahh safada, isso hmmm.
Meu pau em um ritmo frenético saia quase todo e deslizava novamente pra dentro daquela cetinha linda, dei vários tapas em sua bundinha que só a fazia olhar pra trás e sorrir e botando cada vez mais força não demorou muito para que eu ouvisse seu gemido final e ela caísse em gozo.
WAhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh.
Seu corpo amoleceu e eu a peguei em meus braços, a virei e apertando suas coxas lhe dei um beijo intenso antes de lhe deixar cair lentamente na poltrona.
Ainda estava muito no embalo então me virei para Beatriz.



-Agora sim é sua vez, Ela apenas sorriu, fui em sua direção com minha benga ereta e apontando pra ela, que por sua vez não conseguia tirar os olhos.
-Vem Gato, ela disse enquanto tirava o resto de sua roupa ficando peladinha pra mim.
Acariciei seu rosto e prontamente dei minha língua para ela chupar. Nos beijamos enquanto eu a abraçava e a deitava lentamente sobre a mesa que ali estava. Fiquei a admirando aquele belo coro moreno nu deitado diante de mim e coloquei uma de minhas mãos para acariciá-lo todo e fiquei impressionado em ver que ela depilou “toda” a xaninha, nem um pelinho, detalhe esse que só me estimulou a ir chupá-la.
-Ahhhh, safado.
Não fui muito carinhoso dessa vez e já saí metendo o bocão com tudo, abrindo sua cetinha com os dedos e chupando forte o seu grelinho, mas parece que minha falta de delicadeza não incomodou nem um pouco a Beatriz que gemia enquanto fazia caricias em meus cabelos.
Esticava seus grandes lábios enquanto os prendia em meus lábios e coloquei um dedo pra ficar rodando sobre a portinha do seu cuzinho, coisa que só a deixava mais excitada pelo jeito que ela gemia, me ergui e me postei entre suas pernas, agarrando-a e debruçando meu corpo, após encaixar bem meu pau na sua cetinha ela virou os olhos de prazer então comecei, bem forte logo de cara os meus movimentos naquela bocetinha, sem ao menos trocar a camisinha.
Agarrei-me em suas tetinhas e bem colados continuei a meter, bem forte e já urrava de tesão e ela estava bem receptiva a isso, enquanto uma de suas mãos apertava minha nuca à outra fazia os mais diferentes movimentos sobre seu grelinho rosado.
O sorriso dela me encantava e só me dava mais tesão, a vontade de meter não parava, porém de repente uma forte chuva começou a cair ali.
-O tempo ficou feio, borá entrar logo. Indagou Fernanda.
-Vamos entrar, não precisamos parar não é? Eu disse e como um cavalheiro deu a mão em convite para a Bia se levantar da mesa, ainda sorrindo e me hipnotizando, fomos para um dos quartos no fim do corredor, no caminho olhei o David que ainda estava dormindo e pude ouvir alguns gemidos mais ousados vindos do quarto onde o Bruno estava com a Luciana.
Chegamos ao quarto onde eu costumava ficar, as poucas peças de roupa que ainda estavam presas no corpo foram ficando pelo corredor e deitamos eu e Beatriz na cama enquanto Fernanda se sentou bem aberta em uma cadeira que estava diante de uma escrivaninha dali.
-Continua Gata.
Beatriz Não demorou muito e logo montou no meu pau para uma cavalgada extasiante.
Cavalgadas é um dos meus fracos, e isso Beatriz sabia fazer, movimentos ritmados, hora intensos e hora fracos, rebolava, chacoalhava a cintura no meu pau, me deixando louquinho, começou a subir e sentar numa gana imensa, e eu só fiquei deitado curtindo toda aquela agitação.
Nisso Fernanda veio e pra literalmente me foder mais ainda sentou com sua boceta na minha cara.
-Gosta safadão rssss?
Sequer respondi, agarrei sua bunda carnuda e coloquei minha língua pra trabalhar rapidamente na sua cetinha.
Fernanda acariciava e chupava as belas tetinhas de Beatriz enquanto eu lambia todos os cantos possíveis de sua xaninha, Beatriz por sua vez se entregava aos encantos de sua amiga, mas sem nunca parar seu balanço no meu pau.
-AHHHHHHHHHHHHHHHHhh suga essa porra, dizia em tom alto Fernanda.
UHHHHH. Gostoso retrucava Beatriz.
Eu nem ligava, meu único foco era sugar a boceta da Fernanda e tentar não gozar para satisfazer Beatriz, continuei chupando e sugando Fernanda, enquanto Beatriz inclina e deita o corpo um pouco pro lado fazendo com que sua bocetinha se envolvesse minha cabecinha enquanto ela cavalgava mais intensamente, foi meu clímax, já sentia que não ia segurar por mais tempo, meu rosto já estava lambuzado, metia a boca toda em Fernanda enquanto a apertava sem dó com minhas mãos.
-Machuca safado.
Beatriz continuou na mesma posição, só que agora mais devagar fazia sua boceta comer todo meu pau, depois levantava novamente e ficou nessa por varias vezes até voltar novamente a velocidade intensa.
-Ah não agüento gata, vou gozar.
Beatriz continuou a cavalgar só que agora sem se sentar totalmente apoiada nos pés sobre a cama fazendo o movimento ficar mais intenso.
-Ai gatas, ta quase.
Após me ouvir Beatriz se levantou da minha benga, porém pra minha surpresa momentânea prontamente a Fernanda se pôs a tocar uma punheta pra mim após tirar minha camisinha, não resisti muito e logo esporrei um jato farto de goza quente em sua face.
-Gozei, murmurei com a boceta da Fê ainda encostada em meus lábios.
-Eu vi, rss disse ela olhando pra traz lambendo e tirando com a mão os excessos de porra do seu rosto causando muitos risos para os três.
Após isso nos deitamos um ao lado do outro por alguns minutos para nos recuperarmos.
-Apertado aqui hein, rss disse Beatriz.
-De solteiro né Bia, o Bruno ficou com a maior.
-Então um vai ter que sair, rss pros outros se divertir, e vai ser você Mad. Disse a Fernanda com um sorriso mal-intencionado no rosto.
-Como eu?
-Vai saí. Disse Fernanda apontando para a cadeira com rodas que estava ela estava sentada anteriormente, não entendi bem, mas levantei.
-Agora começa nosso show, disse Fernanda enquanto começou acariciar os seios da Beatriz.

Elas começaram a se alisar e se lamber, pela sintonia que rolava ali dava pra sacar que não era a primeira vez que aquilo acontecia, tascou um beijo delicioso na minha, pegando com firmeza seu cabelo, já a Bia apertava ambos os seios de sua amiga que suspirava de tesão, eu ia me levantar, mas após a Bia indicar meu ato para a Fernanda eu só ouvi um “sentadinho ai moço”.
Elas continuaram, agora com a Bia deitada sobre a Fernanda, presas em um beijo que me enchia de tesão, uma sobre a outra, abraçadas com os seios da Beatriz sobre e forçando os mais fartos da Fernanda, mãos passavam por todas as partes do corpo e meu pau já se animava com a cena, Beatriz começou a por seus dedos pra trabalhar dedilhando a xaninha de sua amiga que esticou seus braços sobre a cama e se abriu toda se entregando ao prazer intenso.
-Humm gostosa.
O beijo delas continuou só que agora com movimentos constantes da mão da Beatriz sobre a grutinha deliciosa de sua amiga, começou a lamber um dos seios dela enquanto a masturbava, cena que só me deixou com mais tesão, Fernanda parecia mais decidida e era excitante ver seu rosto e seus gemidos de prazer enquanto Beatriz que parecia ser mais submissa a levava a loucura com seus dedos e língua.
Fernanda mesmo deitada também começou a fazer carinhos na sua amiga e o que se seguiu após isso foram duas morenas lindas se dedando e gemendo muito enquanto eu já estava me acabando no punheta.
-Vai gostosa acaba comigo.
AHHHHHHHHH ahhhh
-Não para safada me suga toda.
Fernanda começou a lamber os seios de beatriz revezando com lambidas em seus lábios e as duas intensificaram mais ainda seus movimentos com as mãos.
Mais rápido AHHHHHHHHHHHHHHHHHHhhhhhhhhhhh.
Beatriz não resistiu e logo gozou e caiu ao lado de Fernanda que sentou na cama com seus dedos lambuzados.
Vira. Disse ela a amiga.
Beatriz virou na cama e A Fernanda sentou sobre sua cara ficando de frente pra mim e roçando sua xoxota na cara da amiga que logo se pôs a chupá-la.
AAihhh. Chupa forte
Fernanda me encarava com as mais diferentes caras de prazer, alisando e apertando os seios, esticando os mamilos pra me atiçar enquanto eu ia Beatriz meter a língua intensamente na sua amiga que movia e tremia a cada línguada.
Fernanda ficou mais louca e começou a quicar sobre a face de sua amiga, pensei se a Bia não ia ser nocauteada por isso as ela continuou firme a chupar e até se agarrou em sua amiga enquanto fazia o ato, eu não resisti e já com o poste suspenso fui em direção das duas, a Fê não se fez de rogada e enquanto era sugada pela amiga começou a mamar no meu cacete, os três em um frenesi louco por um longo tempo, Beatriz chupando Fernanda que me chupava.
Aproximei-me mais e dessa vez coloquei meu pau que roçava de leve na cetinha da Fernanda na boca da Beatriz, enquanto isso Fernanda novamente sentada recebia minhas chupadas e mordidas em sues seios.
-Deliciaaaaaaahhh. Gemia ela agora como uma garota totalmente submissa.
Eu forçava minha rola com tudo na boca da Bia que estava com a barriga pra cima e recebendo meu pau todo na boca sendo que às vezes ela virava o rosto pra tirá-lo de dentro e não sufocar, eu abraçava Fernanda enquanto mamava, hora a beijava e apertava sua bundinha, mas meu foco era chupar aqueles seios deliciosos por mais tempo possível, ela se levantou de cima da Bia e eu logo deitei por cima, fazendo um 69 só que com eu por cima.
Minha pica entrou com tudo na boca da Bia, ergui o quadril para que ela pudesse chupar como quisesse enquanto me saboreava na sua danadinha
Chupava enfiando o dedo bem fundo, mas logo virei meu corpo e o dela e agora por cima comecei a meter nela de bruços.
-huuuuuuu, safada. Eu urrava enquanto a castigava sem dó.
Metia bem rápido, logo Fernanda se colocou ao meu lado me prendendo em um beijo safado enquanto eu penetrava sua amiga, coloquei minha mão no seu reguinho e assim simultaneamente dava prazer as duas, voltei a mamar na Fernanda que agora forçava minha cabeça contra seus seios, minha mão também não parou de esfregar seu grelo e Beatriz agora movia sozinha seu quadril em direção ao meu pau num ritmo bem forte, Fernanda começou alisar a bocetinha de Beatriz enquanto eu metia logo nossa morena com sorriso maroto não resistiu e após um gritinho pouco discreto gozou novamente.
Beijava Fernanda e a agarrando pelas coxas levantei e a lancei contra a parede, lambia e chupava todo seu corpo com movimentos intensos que a pegaram de surpresa pelo gritinho que ela deu. A coloquei na cadeira e empurrei até a parede para as rodinhas no correrem, ergui suas pernas juntas e coloquei sobre meu ombro deixando sua cetinha de um jeito apertadinho para receber minha rola.
-Tá pronta putinha?
Ela respondeu apenas colocando o dedinho na boca em sinal de provocação, encaixei minha rola nela e comecei a meter, no primeiro minuto bem lento, tirando e colocando tudo de um jeito bem gostoso, mas logo comecei a socar num embalo mais intenso.
-Ahhhhhhhhh ahhhhhhhhhhhhh ahhhhh, vai. Gemia ela como nunca naquela tarde.
Eu suspirava forte e me apoiei nos braços da cadeira e forçando meu peso contra o corpo dela intensifiquei mais a metida.
Ainn para eu to toda torta.
Nem me dei o trabalho de ouvir, continuei a socar e os gemidos só aumentavam da parte dela e com isso eu só colocava mais velocidade.
Chegou ao ponto de ambos estarem gemendo alto, ela passou dos gemidos e logo foi aos gritos, gozando e após eu tirar meu pau de dentro ainda me presenteou com um jatinho de sua ejaculação.
-Uau fazia tempo que eu ahh não chegava nisso.
Me voltei pra Beatriz na cama, ela sorria e com cara de mau a virei a pus de 4 e voltei a meter enquanto apertava suas tetinhas.
Vai continuar rindo safada?
.ahhhhhhhhhhhhhh vou ahhh vou sim, me fode.
Socava sem dó, tava louco de tesão e os dois muito lubrificados facilitava pra caramba meu ato.
Ela se inclinou e se apoiou com as mãos na cama, eu agarrei sua cintura e continuei a mandar fogo, mas queria mais e logo mudei pro seu cuzinho.
-Ai nãooooooooooo.
Ela gritou quando sentiu meu pau aos poucos entrando em seu buraquinho.
-Aiiiiii
Continuei colocando, Fernanda ri e Beatriz reclamava, mas aos poucos notei que suas reclamações iam parando.
Ela deixou todo o tronco cair sobre a cama e fazia cara de sofrimento quando eu comecei a arrombá-la.
Aiiiiiii quente ahhh ta me rasgando.
Metia força pra dentro dela que chegou até a chorar, mas estava gostando, pois depois de um tempo começou a tocar uma siririca enquanto eu bombava seu rabinho.
Chega vaii ahh para.
Não que eu estivesse atendendo as suas suplicas, mas logo o gozo veio e depois de encharcar aquele buraquinho com minha porra eu tirei de dentro e fiquei vendo um pouco da minha porra transbordar daquele buraquinho.
Ahh então o senhor gosta de judiar de menininhas? Disse a Fernanda.
E você ai. Respondi e me postei a seus pés e fui com tudo chupar sua boceta.
-Ummmmmmmmmmmmmmm. Ela gemeu, sentada na cadeira e forçando minha cabeça com as duas mãos na sua boceta abrindo e erguendo as pernas em um primeiro momento, suguei, chupei beijei , fiz de tudo naquela cetinha por um longo tempo.
Voltamos os dois pra cama e começamos juntos a chupar os seios da Bia e acariciar sua cetinha.
-Meus pedidos de desculpas.
Aceitas, mas não parem, ta gostoso respondeu a Bia que sem que nos esforçássemos muito gozou novamente.
Fui pro chão Com a Fernanda que dessa vez foi quem cavalgou o meu pau, só que agora de costas pra mim.
-Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh awunnnnnnnnnnnnnnnhh vai.
Unmmmmm não para vadia.
Os movimentos eram deliciosos e eu dava vários tapas e apertões naquela bunda gostosa.
Ela parou de cavalar sentando, abriu bem minhas pernas e com os joelhos apoiados no chão encaixou meu pau nela, esticou o corpo e mandou ver o quadril contra o meu corpo, nossa fui à loucura como há muito tempo não ia.
-Vai ahh linda, me enlouquece.
Ahhh, gostoso, tesão, me fode, mais ahhhhhhhhhi
O movimento era gostoso e eu dava vários tapas com a mão cheia naquela bunda gostosa, ela aumentou a velocidade e eu estava quase gozando, porém ela foi mais rápida e depois de tanto gemer se esparramou no chão e gozou.
-Ain gato gozei.
-Rss que bom sinal que ta gostando. O meu ainda ta aceso quer continuar?
-huahua o insaciável, Disse Beatriz.
-Agora não você acabou comigo. Respondeu Fernanda
-Meu pau ainda ta duro, depois de gozar tanto vocês como boas mulheres deveriam deixar fazer o que quiser com o corpo de vocês agora.
-UHAHUAUAHUAHAUAUHA de onde você tirou isso cara.
-auauauh ta bom. O que você quer? Perguntou Fernanda.

Logo me ergue e fiquei diante dela.
Bem que você poderia deixar eu foder esses seus peitos né? Foi a primeira coisa que pensei quando te vi.
-Que romântico né Fê? Disse Beatriz.
Tá bem. Disse Fernanda ficando de joelhos e apertando meu pau entre seus seios.
-Que delícia, macios, gostosos.
Inicialmente só fiquei parado, acariciando seus cabelos e deixando-a fazer os movimentos, apertava bem e vez ou outra roçava a língua na minha glande.
-Tá gostoso?
-Demais.
Nisso a Beatriz se coloca atrás dela e começa a masturbá-la.
Não ahwnnnnnn. Disse Fernanda, mas sua amiga pareceu não ligar.
Continuei agora Fernanda só apertava os seios, os movimentos estavam por minha conta, e depois de um tempo fodendo naquelas tetas gostosas e vendo ela enlouquecer com os toques da Beatriz gozei, dessa vez não saiu muito, mas deu pra melar legal o busto da Fernanda.
-Como pode ser tão delicioso gozar assim?
Ambas riram, ficamos um tempo esticados no chão, Beatriz lambeu o excesso de porra do meu pau e pouco depois nós três adormecemos.
No dia seguinte logo cedo acordei ouvindo uns barulhos. Estava sozinho no quarto e minhas roupas sobre a cama; saí do quarto após me vestir e dei de cara com David que só me resmungou:
-Nem digo nada.
Desci pra cozinha e lá estavam Bruno, Fernanda e Luciana.
-Olha a bela adormecida. Disse meu amigo.
-Bom dia gato. Disse Fernanda.
Luciana apenas acenou e disse:
-Acordamos bem cedo, pois temos que ir, só estamos esperando a Bia sair do banho.
-Ah legal. Respondi.
Puxei a Fernanda de canto e conversamos sobre a noite anterior, conversa essa que terminou num beijo e umas mãos bobas, mas logo paramos quando as outras garotas vieram nossa direção.
-Então é isso. Disse David com cara de emburrado.
Trocamos contatos com as garotas e nos despedimos, sem antes a Fê sussurrar no meu ouvido a palavra “inesquecível”.
Caraca, muito nego pilantra aqui. Indagou David.
Eu fiquei quieto e o Bruno falou: “Pois é, nego pilantra que dorme na foda uhahuahu”
Arrumamos a casa e voltamos pra nossa cidade no início da tarde com o Bruno dirigindo enquanto fazia piadas com o revoltado David.


Pretigiem todos os autores deixando seu comentários nos contos.
É muito bom ter feedback dos nosso leitores =)

Sobre este texto

Mad Guy

Autor:

Publicação:20 de maio de 2013 20:21

Gênero literário:Depoimento erótico

Tema ou assunto:Jovens

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Ainda não há estatísticas de leitura deste texto, pois ele foi publicado em 20/05/2013.

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

Não há comentários até o momento. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*