Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

Ninfetinha da loja de celulares

Recentemente alguns estagiários antigos de onde eu trabalho foram efetivados e remanejados e novos processos seletivos foram sendo abertos e em um desses eu acabei ganhando de presente a Carol, minha nova estagiária.
Terceiro ano do ensino médio, 18 anos, bem simpática longos cabelos castanhos que descem por suas costas, um quadril bem largo e um belo de um rabão.
Carol era uma menina bem legal, novinha, bonita adorava dizer que tinha um namorado desde os 13 e com certeza não era só em mim que despertava os instintos mais safados, mas era bem profissional, com o tempo fomos ficando mais amigos e ela sempre estava comigo e com minha equipe.
Certo dia ao invés de irmos ao restaurante onde almoçávamos normalmente preferimos ir ao shopping para um lanche rápido, após comer, Carol disse que não voltaria comigo e com o resto do pessoal pois iria pegar algo com uma amiga que trabalhava ali perto.

-Podem ir na frente galera.
- Nada disso moça sou responsável por você, vai que alguém te pega por ai. –Respondi sem nenhuma maldade.
Ainda saboreando o sundae que havia comprado pós-almoço fui subindo as escadas rolantes e papeando amenidades com Carol até o segundo piso do shopping.
Chegamos a uma loja de celulares, eu fiquei na porta esperando enquanto Carol entrou e pegou uma sacola e junto trouxe outra garota, o uniforme dela não favorecia muito suas curvas, mas mesmo assim tinha seus atrativos, era baixinha tipo mignon bem simpática apesar do aparelho dentário, longos cabelos negros e pele clarinha, não tinha muito bumbum, mas em compensação o volume em sua camiseta indicava que tinha um belo par de seios que estavam empinadinhos.
-Mad, essa é a Beatriz. Beatriz, esse é o Mad – Carol me apresentou sua amiga com todo aquele fervor adolescente.
-Muito prazer. – Disse Beatriz, bem solta e desinibida.
-O prazer é todo meu Bia. –Respondi.
Ficamos papeando ali por uns 5 minutos, mas o trabalho chamava e apesar das N ideias que estava tendo em fazer com aquelas duas e de já estar excitado tinha que voltar ao trabalho, me despedi de Bia e voltamos.
-Bem gatinha sua amiga viu, tem mais alguma assim aqui pelo shopping?
-Bobo, ela é minha amiga desde pequena, fui pegar uns livros emprestados.
-Nossa, é bonitinha, mas lê crepúsculo. – Ironizei.
-Ah para Mad. – Respondeu Carol sorrindo e me dando um leve empurrão.
Poucos dias se passaram e mais uma vez acabamos indo comer no shopping, só que dessa vez apenas eu e Carol e acabei entrando no assunto.
-E ai, hoje vamos ver aquela sua amiga gostosinha novamente?
-Nossa Mad, isso é jeito de falar, falei de você pra ela, e pior que ela te achou bonitinho também, aiai mulher tem cada gosto viu.
-Olha o respeito estagiária, quer ser demitida. – Respondi rindo.
-É sério, ela depois perguntou mesmo de você falou que você é gatinho e charmoso, perguntou se era solteiro e quantos anos tinha.
-Muito obrigado por só me falar agora, vai ter que compensar e dar um jeito de eu levar um papo com ela.
-Não seja por isso “chefe” quando acabarmos aqui podemos ir lá.
E assim foi, subimos e ficamos em um papo descontraído, Carol se afastou um pouco nos deixando mais a vontade, Beatriz se mostrou bem legal e acabamos trocando telefones antes que eu partisse.
-E ai, conquistou? – Perguntou Carol.
-Não sei, rss, mas acho que conheço uma estagiária que merece um aumento.
Demos risada e voltamos ao trabalho.
Na sexta-feira dessa semana liguei para Beatriz e marcamos algo, inicialmente um barzinho onde Carol também foi com seu namorado, mas vi que ela ficou balançada, depois saímos mais uma vez, agora só eu e Bia um cineminha básico já que ela tinha que estar em casa antes da meia noite, a levei e deixando ela na esquina de sua rua rolou nosso primeiro beijo que não foi nada tímido, já na terceira vez fomos a uma balada onde ficamos nos amassos apesar da minha mão boba ter insistido bastante, e depois de quase um mês podemos dizer que eu estava “ficando” com a Bia.
Depois de um tempo decidi fazer um churrasco no sitio que os meus pais tem no interior, é extremamente no meio do mato, longe de tudo e ainda tem piscina, fica a uns dez minutos de caminhada de uma cachoeira bem legal.
Dessa vez convidei só a alguns amigos do trabalho e mais alguém que eles quisessem levar namoradas, família e tal e também chamei Beatriz e meus planos era que nesse fim de semana ela não me escapasse.
Então chegou o dia, eu, Beatriz, Carol, seu tão falado e mal humorado namorado e mais cinco amigos do trabalho que também levaram seus respectivos parceiros todos prontos para passar o fim de semana longe do caos da cidade.
-Nossa Mad que legal, não sabia que aqui no fim do mundo tinha um lugar tão bonito como esse. –Disse Carol.
-Você anda muito folgada estagiária. –Respondi sob o olhar desaprovador do namorado dela.
Arrumamos as coisas e começamos o churrasco, musica, cerveja, carne, vegetais e muita bagunça, todos se divertindo a valer.
Beatriz com seu rabo de cavalo estava usando um biquíni de oncinha que cobria seu belo par de seios de médio para grandes bem firmes e clarinhos, já na parte de baixo preferiu ficar com um short preto, alias não só ela, Carol também ficou de short e camiseta e as mulheres dos meus amigos que foram também ficaram bem recatadas.
-Grawwww. – Rosnei pra Bia quando ela veio se juntar a mim na piscina.
-Gostou?
-Adorei, isso quer dizer que hoje você esta selvagem gatinha manhosa? – Perguntei lhe roubando um celinho.
-Quem sabe, quem sabe seu safado. – Ela me respondeu e após me beijou, um beijo doce com sabor de gloss de morango que logo me deixou aceso.
-Delicia. – Ela sussurrou quando a peguei com firmeza na nuca e dei mais combustível ao beijo.
Durante a tarde alguém perguntou onde ficava a cachoeira e então todos os casais seguiram para lá, alguns de nós já meio bêbados fazendo bastante barulho durante o caminho.

-Cuidado pessoal, se ficarem gritando uma jaguatirica pode pegar vocês.
-Ai Mad, não fala isso. –Disse Beatriz se agarrando em mim com um medo meio forçado, já eu me aproveitei e dei uma buzinadinha na sua bundinha o que lhe arrancou um sorriso maroto.
Chegamos à cachoeira, dai em diante foram mergulhos, pulos quedas e essas coisas, eu particularmente puxei Beatriz para um cantinho e me encostei-me a uma pedra e ficamos lá curtindo abraçadinhos.
Um pouco atrás de nós Carol tinha uma desavença discreta com seu namorado que não queria que ela tirasse a camiseta para entrar na água, discussão essa que terminou com Carol jogando sua camiseta para longe mostrando seu biquininho vermelho que escondia seus seios pequeninos e se lançando na água.
-Presta atenção aqui, senão vou ficar com ciúmes. –Disse Bia, puxando meu rosto para mais um beijo.
-Nada de ciúmes, tudo o que eu preciso e quero agora é você. –Respondi apertando com firmeza suas coxas sob a agua.
O pessoal já estava meio louco e não prestavam muita atenção em nada a não ser em si mesmos e em que faziam, então aproveitei para ir fundo ali com a Bia.
-Me diz, curtiu o passeio na natureza? – Perguntei enquanto mordia de leve seu pescoço.
-RSSS, é bem legal, quer se comportar, por favor?
-Você quer mesmo que eu me comporte?
-Rsss... Não, mas sou tímida. –Respondeu ela baixinho.
O papo acabou quando solicitei a língua dela a se cruzar com a minha mais uma vez.
Arrastei ela para mais longe, já quase nem ouvíamos a bagunça dos outros e ali estava disposto a avançar na brincadeira.
-Rss, precisava trazer tão longe? – Beatriz perguntou.
-Privacidade neném, eu sinceramente não ligo, mas como você é tímida. – Respondi e já parti pra mais um beijo. Ela agora correspondeu à altura, segurou meu rosto e nossas línguas agora dançavam com mais ardor.
Saboreava seus lábios, por vezes mordia e chupava com certa força seu pescoço, coloquei suas costas contra outra pedra perto da borda da cachoeira e botei minhas mãos para trabalharem em sincronia com minha língua, enquanto a beijava massageava ambos seios.
-Hhmm. – sussurrou timidamente, porém também demonstrou atitude, firmando uma de suas mãos no meu bumbum enquanto a outra deslizava pela minha bermuda logo onde meu membro já ereto se preparava pra atuar.
-Hmm resolveu ser safadinha agora?
Ela apenas sorriu, eu ergui sua coxa, ela passou as mãos ao redor do meu pescoço e nos jogamos em mais um beijo bem melado e safado, agora minha mão direita acariciava seu seio direito por dentro do biquíni; tateando, tateando bem devagar, sua pele era deliciosa de se sentir, meus dedos descobriram que o biscoitinho do seu seio era pequeno, porém o biquinho já estava bem saltado e era uma delicia tê-los entre meus dedos e seu estado já me deu uma ideia de como ela estaria lá em baixo. Coloquei minha língua em seu queixo e fui descendo, seu colo, sua barriguinha deliciosa onde lambi varias e varias vezes sentindo aquele cheiro que fica após saliva encontrar a pele, dando uma atenção especial a seu piercing de golfinho no umbigo, ela gemia e me chamava de safado e isso me estimulava muito.
Fiquei de joelhos diante dela e abaixei seu short, vi a parte de baixo do biquíni de oncinha, mas não tive muita dó dele quando o desatei e a correnteza o arrastou.

-Meu biquíni seu loco!
-Relaxa gata depois te compro outro.
Por baixo d’agua abocanhei aquela cetinha, cabeludinha, porém saborosa.
-Aiiiin, ai não Mad.
Ignorei seu pedido e dei varias lambidas na sua portinha, voltei a ficar de pé e após um selinho leve, desnudei o seio que ainda se encontrava sob a proteção do biquíni e mergulhei naquele seio clarinho porém de um mamilo escuro e saltado.
-Ahhhhhhhhh paara.

Inicialmente me foquei no mamilo, ele tinha me encantado passava a língua bem molhada ao redor dele e depois puxava de leve com os dentes e depois os soltava, fiz isso varias vezes e sempre que fazia arrancava um gemidinho safado de Beatriz.
-Tá gostoso gata?
-Tá.
Fui para o outro seio e ela então começou a acariciar sua xaninha.
-Deixa que faço pra você.
Deslizei os dedos da minha mão esquerda novamente na sua portinha e a massageei, sentia o fluxo daquele meladinho morno entre meus dedos o que me deixava louco de tesão, tentava enfiar todo seu seio na boca de uma vez, roçava os dentes de leve nele e ia fechando a boca até que só restasse o mamilo que por fim recebia uma bela de uma chupada que o deixou todo melado.
Ahnnnnnnnnhhhhhhhhhhhh. – Ela gemia gostoso.
Continuei a me esbanjar em seus seios, mas agora meu dedo do meio já passeava dentro da sua grutinha que por sua vez estava bem molhada e quente, entrando e saindo bem rápido coloquei meu polegar para auxiliar fazendo movimentos circulares bem de leve sobre seu grelinho o que só a deixou mais quente.

-Delicia Mad, meu deus, como você é gostoso.
Voltei a me ajoelhar e agora coloquei minha língua para trabalhar dentro dela enquanto meu nariz roçava nos seus pelinhos, porém não dei descanso aos dedos, agora o indicador e o do meio dividiam espaço com minha língua e com minhas fortes sugadas.
-Acaricie seus seios enquanto eu faço gata, faz que nem você faz quando tá sozinha. Rss.
-Eu não faço essas coisas seu safado. - Ela respondeu, mas também me obedeceu e começou a se acariciar enquanto eu a chupava.
-Dá mais tesão não dá?
-Dá sim, seu safado.
Nesse embalo não demorou muito para eu receber aquela enchente de prazer na minha boca enquanto ela soltava um grito desfalecente.
-Ohhhhhhhhhhhhhh Mad, maravilha.
Ela gozou deliciosamente e eu suguei tudo que veio, peguei seu corpo ainda mole e a virei de costas.
-Gata apoia bem as mãos na pedra pra não se machucar.
-Ok.
Apertei bem sua bundinha e depois abaixei minha bermuda, encostei-me a ela de leve e com a minha mão fui introduzindo meu membro pra lá de duro naquela cetinha pequena.
-Aiiii Mad, ohhhhhhhhhhhh, tá tão quente.
Afastei seu rabo de cavalo e beijei seu pescocinho, peguei firme em sua cintura e dei a primeira estocada, ela gritou.
-Ahhhhh.
Bem coladinho ao corpo dela comecei a meter, devagar, porém forte e ela gemia conforme meu movimento.

-Delícia. - Sussurrava no ouvido dela.
A excitação foi aumentando e a velocidade dos movimentos também, já estava em um ritmo rápido e ela não se calava “gemia conforme a musica”, estava praticamente na ponta dos pés para fazer com que a penetração fosse forte e prazerosa e sentia como se estivesse hasteando minha bandeira em um mar de gozo, pois por dentro aquela bocetinha estava muito, muito molhada.
-Vaiiii Mad, não pare.

Como sempre o barulho de corpos se chocando em velocidade me hipnotizava e só me fazia querer mais, metia insano, soltei os cabelos dela e após isso agarrei um seio em cada mão e mandava ver mais forte.
-Isso Mad, muito tesão, assim vou gozar de novo.
Soltei dos seios e ergui sua perna esquerda enquanto metia, só parava quando meu pau todo melado deslizava para fora, mas logo o botava para dentro novamente.
-Madd, madd ahhhhhhhhh.
Ela gozou mais uma vez, decidi dar um tempo para ela respirar e tirei meu cacete de dentro, só foi eu tirar e uma pequena correnteza de seu gozo foi escorrendo por suas coxas, visão essa que me enchia de satisfação.
-Nossa Mad, duas assim, eu nunca tinha feito.
-É porque você nunca tinha feito com um homem de verdade gata.
-Ah, para seu bobo.
Aproximei novamente de seu pescocinho e fiquei dando beijinhos, também passando por sua orelha e nuca.
-Que tal a gente fazer algo que acho que você nunca fez gata?
-O Que gato?
Na mesma posição que ela estava peguei novamente meu membro ereto e fui roçando na porta do seu cuzinho.
-Ahh Mad, eu tenho medo, já fizemos errado de começar sem camisinha.
-Relaxa gata, vai dar tudo certo.
Meu pau estava meio melado e meio molhado da água da cachoeira, o mais difícil foi à cabecinha, tive que forçar muito e depois de muito luta ela entrou.
-Mad, para dói!!
Uma leve chuva começou a cair, ainda assim ainda ouvi o resto do pessoal fazendo bagunça do outro lado da pedra, continuei forçando, um pouco mais até que entrou, aquele cuzinho ardente apertando a cabeça do meu pau estava difícil de segurar, olhei pra baixo e não estava ainda nem na metade, e agora Beatriz já gritava e ameaçava sair dali em desaprovação, então puxei pra fora de uma vez, o que a deixou alguns segundos sem ar e sem palavras.
Chateada ela saiu da cachoeira, não achei que tinha exagerado, mas mesmo assim fui atrás para me desculpar, depois de algumas palavras ao pé do ouvido e alguns beijinhos voltamos às boas.
-Olha como estou. – Falei para ela mostrando meu pau ainda ereto.
Ela apoiou as mãos na em uma pedra e empinou a bundinha pra mim.
-Pode vir, mas nada de cú.
Aceitei bem o convite, segurei em sua bundinha e mandei ver na sua cetinha que se mantinha molhada.
-Vai, vai, vai vaiiii Mad.
Metia forte, sem me conter, o pau entrando e saindo com velocidade e Beatriz suando e se acabando em gemidos.
A chuva nos refrescava, quando nossos olhares se cruzavam sorríamos, na empolgação dei vários tapas em sua bundinha e ela parecia adorar.
A chuva ficava mais forte e meu gozo já estava chegando, sentei na pedra onde Beatriz se apoiava e pedi para ela finalizar o serviço.
Toda solícita, ela se debruçou diante de mim, inicialmente mandou uma punhetinha bem apertada.
-Nossa Mad, o seu é o mais bonito que já vi, bem forte.
-Como já te disse gata, você até hoje nunca teve um homem de verdade.
-Vou chupar.
Meio desajeitada ela enfiou a cabecinha na boca, lambeu de leve beijou, e voltou a introduzir, foi chupando meio nervosa, às vezes rolava um dente roçando, mas em pouquíssimo tempo já estava fazendo bem gostoso, colocou a mão nas minhas bolas, apertou e continuou seu belo trabalho de boca e língua.
-Olha pra mim gata, não precisa ter medo.
Agora não só olhava pra mim como também ficava circulando minha cabecinha com a língua enquanto o fazia.
Ela voltou a sugar, então segurei sua cabeça e com a outra mão comecei a me masturbar com minha cabecinha ainda dentro de sua boca, o gozo veio quente e rápido.
-Segura. – E ele segurou na boca, com uma cara estranha como se fosse a primeira vez que alguém tivesse pedido isso a ela.
-Agora me mostra. – E ela abriu a boca com uma cara safada, me mostrando toda a porra branca que encobria sua língua e se espalhava por sua boca.
-Agora engole. – E ela não se fez de rogada.
-Amargo, rss.
Dei-lhe mais um beijo e disse:
- Relaxa, não precisa ter nojo.
A chuva agora ela forte, mal dava pra ouvir um falando com o outro, corri até a beirada da cachoeira e peguei a parte de seu biquíni que tinha escapado, ela arrumou o short e a parte de cima e voltamos para onde estavam os outros, todos já tinham saído da água e estavam usando as toalhas sobre as cabeças para se protegerem da chuva, menos Carol e seu namorado que ainda na água vinham em nossa direção.
-Já ia buscar o casal, vamos logo merda, tá chovendo forte.
Foi estranho encarar o pessoal que fazia aquela cara de quem tentava fingir que não sabia o que estava rolando, mas o constrangimento valeu a pena. E mais um fim de semana gostoso passou e na segunda feira tudo voltaria a seu normal.
Prestigie todos os autores deixando seu comentário nos contos.
É muito bom ter feedback dos nosso leitores =)


Sobre este texto

Mad Guy

Autor:

Publicação:7 de julho de 2014 21:29

Gênero literário:Depoimento erótico

Tema ou assunto:Casal

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Ainda não há estatísticas de leitura deste texto, pois ele foi publicado em 07/07/2014.

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

Não há comentários até o momento. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*