Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

O namorado da minha amiga 2 – A revelação.

O namorado da minha amiga 2 – A revelação.
_ Eu sabia! Alguém gritou
Era Dener
_ Sabia que você era viado o “diferente” da Lorena tem nome VIADO!
Não tinha reação estava travado. Dener saiu esbravejando fiquei nervoso sem saber o que fazer Péricles me abraçou e pediu desculpas.
Na segunda feira quase não fui a aula para evitar encontrar Dener. Encontrei Lorena que de inicio seria e com jeito de brava me perguntou o que aconteceu na noite anterior, gelei meio gaguejando disse que nada só jogamos, bebemos um pouco e... Antes que eu terminasse Lorena saltou uma gargalhada e repetiu com tom de ironia.
_ Um pouco? Dener esta jogado na cama morrendo de dor de cabeça e colocando tudo para fora.
Disse que ele realmente tinha bebido alem do normal que nem eu entendi e perguntei se ele havia comentado algo mais ela me disse que não, pois estava passando mal cuidou um pouco do namorado e veio para aula por insistência dele. Nos dias que se sucederam Dener voltou bem mais serio e seco comigo eu o ignorei e Lorena querendo saber o que havia acontecido ambos respondíamos que nada. Depois de um dia com duas provas e de algo ruim no trabalho Dener estava muito nervoso e Lorena em uma DR entre os dois pergunta o que estava acontecendo com ele porque ele andava diferente, nervoso, eu estava conversando com alguns amigos um pouco afastado mas Dener olhava para ela e para mim com uma cara fechada de raiva, então se levantou segurou em seus ombros e disse olhando em seus olhos
_ Ele não é seu irmão Lorena! O Luiz infelizmente não vai voltar e você esta querendo colocar o André no lugar dele, mas ele não é seu irmão, são pessoas diferentes!
Lorena começou a chorar e disse que Dener estava estranho que era para ele parar de falar aquelas coisas que ela não gostava, ficamos preocupados e fomos ajudar Lorena as meninas levaram ela e Dener me puxou dizendo:
_ Você não, você fica!
Lorena disse não e segurou minha mão me puxando, Dener puxou minha mão das dela, e disse que só iria conversar umas coisas comigo não iria fazer nada, fiquei tenso, mas procurei disfarçar e disse a Lorena que eu ficaria bem para ela não se preocupar e ir com as garotas. Dener me levou a uma sala vazia da faculdade e disse que não havia contado nada para Lorena em respeito a ela, que Lorena tinha perdido um irmão que era muito apegada a ele e ela estava o associando a mim, não era a primeira vez que ela fazia isso foi muito complicado quando aconteceu e quando ela estava melhorando eu apareci e ele não permitiria que eu a fizesse sofrer. Disse que não estava entendendo, que eu nem sabia desta historia, pois Lorena não gostava de falar sobre o irmão embora às vezes soltasse algumas coisas sobre ele durante nossas conversas, que eu nunca a faria sofrer e o fato de eu ser homo não tinha nada haver com a Lorena.
_ Afaste se da minha namorada e de mim!
Disse Dener apontando o dedo para mim, depois de uns dois dias sem ir à aula e sem atender as tentativas de contato de Lorena conversei com ela dizendo ser melhor nos afastarmos um pouco para não prejudicar o namoro dela e depois com as coisas mais calmas voltaríamos a nos comunicar melhor. Lorena chorou resistiu um pouco, mas concordou que um tempo seria razoável naquele momento, pois Dener estava nervoso com a situação no trabalho, estavam cobrando dele as notas, pois a empresa devido a um programa de incentivo ao trabalhador dava meia bolsa a ele e como suas notas estavam ruins estavam ameaçando retirar a bolsa e como não poderiam rebaixa lo de cargo demissão deveria dar força a ele para focar nos estudos.
Cheguei em casa arrasado e Péricles percebendo minha cara de desanimo veio me consolar, carinhoso me encheu de beijos e abraços, tirou minha roupa e me fez uma massagem, conversando sobre amenidades, tentando me relaxar, me fazer sorrir, acariciou meu peito, e começou a me fazer um delicioso boquete com meu pau meia bomba. Enquanto chupava passava a mão em meu peito, minha barriga, minhas axilas, suas mãos grandes, macias e quentes foram me excitando me fazendo esquecer os problemas, meus dilemas, meu pau ascendeu sua mamada ficou ainda mais gostosa mais intensa, ate que gozei em sua boca, Péricles que não gostava de engolir cuspiu fora, deitou meio de lado, colocou seu pau na portinha do meu cu e ficamos assim, quentinhos, abraçadinhos, com Péricles acariciando meu peito, e eu sentindo seu calor em minhas costas, dormimos assim.
O tempo passou, nas aulas que tínhamos juntos eu ignorava Dener e ele a mim, claro que observa lo se espreguiçar ou quando ele estava incrivelmente atraente era quase que impossível, mas ele também por diversas vezes peguei-o me olhando de uma forma diferente não só nas aulas, mas quando estava jogando sinuca, muitas vezes o via olhando minha bunda, quando estava jogando e geralmente sem camisa, tanto um quanto o outro nos olhávamos mas disfarçávamos, as vezes ouvia ele falando sobre seu carro, problemas que não sabia como resolver, os outros também não sabiam pois não tinham carro ou ficavam fazendo piada me dava uma vontade de dizer o que ele devia fazer mas nada falava. Lorena também às vezes conversava com suas amigas perto de mim a respeito do carro meio que pedindo ajuda, mas eu fingia não perceber, quando me pedia mais explicitamente eu dizia para ela dizer ao namorado levar na mecânica.
Meu namoro com Péricles estava em paz, mas sentia que faltava algo apenas não sabia o que era, as transas eram gostosas e cheias de tesão, mas confesso que as vezes me imaginava transando com Dener, por diversas vezes quase chamei Péricles de Dener o que seria trágico. Péricles era um ótimo rapaz um excelente namorado não merecia sofrer.
Estávamos nos aproximando do termino do semestre Dener estava com dificuldades nas matérias, Lorena ajudava nas que conseguia, mas tinha algumas que ela não dominava e outras que não conhecia, pois não tinha aulas delas presenciei varias discussões dos dois por estar por perto ela pedindo para que ele procurasse ajuda, mas ele dizia que seus amigos estavam na mesma situação os alunos que tinham notas melhores não tinham tempo, não sabiam ensinar ou ele não queria pedir ajuda, Lorena dizia que se ele continuasse com aquele orgulho idiota ele seria reprovado na matéria, iria perder a bolsa e o emprego e ficaria ainda mais nervoso. A minha vontade era de ir lá e oferecer ajuda, pois aquelas matérias eu compreendia, mas ele era quem deveria me pedir. Lorena ate me pediu por favor para ajuda lo porem disse que só o faria se ele me pedisse pessoalmente.
A faculdade iria passar por uma reforma e fez um trato com os alunos, daria uma semana sem aula, mas com todos os matérias de estudo, apostilas e vídeos no site da escola, na próxima semana explicações em sala de aula, exercícios e simulados e depois uma semana de testes e provas finais. Como a maioria faltava poucos pontos para passar resolveram fazer uma de semana de descaso em um hotel fazenda dos pais de um aluno da faculdade, o lugar era lindo e sairia bem abaixo do preço para que todos pudessem participar. A maior parte como alem da faculdade trabalhava so ficaria o fim de semana assim como Dener e eu Lorena e outros ficariam o resto da semana, por não trabalharem, já estarem de férias ou negociarem folga em seus trabalhos.
Chegando no hotel fazenda me encantei era mais bonito que no site e comentários, aproveitei o maximo já que ficaria apenas o fim de semana, fui em todas as piscinas, fiquei o dia todo de sunga, não gosto de calção molhado, joguei futebol, vôlei, peteca e Dener sempre me observando de canto de olho juro que nem liguei desencanei dele mesmo, ta confesso que dei umas olhadas também só um pouquinho afinal um peito daqueles, umas coxas daquelas e ... bem não importa, o importante é que fiquei na minha e aproveitei na sinuca houve uma hora em que eu estava na sauna não vi quando ele entrou estava deitado aproveitando pois estava sozinho. Me assustei pois ele tossiu me virei mas não disse nada, fiz o impossível para não ficar encarando sai quando não agüentei mais nem foi o calor da sauna mas meu calor, velo ali pertinho me olhando, com seu corpo suado, escorrendo suor, aquelas pernas peludas, quase roçando em mim, aquele cheiro nossa, sai ou iria acabar fazendo o que não devia, percebi que ele também estava incomodado e um volume em meio a suas pernas.
No domingo pela manha ouvi Lorena conversando com as amigas que Dener estava recebendo mais pressão e isso estava abalando o namoro, pois ele estava muito nervoso, não estava mais conversando direito com ela, nem aceitando seu apoio, as amigas disseram que o único que poderia ajuda lo seria eu, pois alem de saber a matéria sabia explicar de forma que ele aprenderia mais rápido uma vez que não tinha muito tempo, ela disse que iria conversar com ele pela ultima vez.
O dia estava chuvoso e logo após o almoço Dener me procurou com Lorena atrás me pediu quase sem olhar em meus olhos para ajuda lo, pois muita coisa estava em jogo, seu trabalho, a faculdade e que se eu não quisesse entenderia, respondi que o ajudaria a estudar quando ele pudesse me perguntou se eu iria embora naquele dia eu disse que sim então disse que poderíamos estudar segunda feira após meu trabalho confirmei. Como estava chovendo quem iria embora resolveu antecipar a volta, pois estrada de barro no escuro chovendo é complicado, fui com amigos e Dener atrás em seu carro sozinho, porem seu carro parou fui ver o que era, vi e disse que o concerto seria rápido e eles disseram que iriam na frente qualquer coisa pelo celular chamaria um reboque. Consertei o carro, era coisa simples, mas me molhei todo entrei no carro e tirei a camisa, Dener me deu uma olhada, mas nada disse. Chegando na ponte uma surpresa a ponte havia caído, quando olhei em meu celular uma mensagem eram os garotos dizendo que assim que passaram a ponte caiu por nada que eles não foram arrastados pela ponte, tentamos voltar mas a estrada estava interrompida por pedras, terra e barro devido um deslizamento, estava escurecendo, lembrei que havíamos passado por uma casinha na estrada Dener concordou em irmos para la, a casa estava abandonada mas era melhor que ficar dentro do carro encolhidos. Acendemos o fogão eu estava com o short molhado então tirei ficando apenas de cueca, Dener também estava todo molhado disse para ele tirar aquela roupa ou iria resfriar e colocar uma seca, ele disse que como iria ficar só o fim de semana trouxe apenas uma troca de roupa, e havia deixado na mala de Lorena, a minha bagagem tinha ficado no carro que foi embora.
Dener começou a tossir então insisti para que ele tirasse a roupa e viesse para perto do fogo ele fez. Perguntei se ele queria estudar, ele pegou umas apostilas que estavam no carro o resto estava na mala com Lorena ou em casa, perguntei o que ele tinha mais dificuldade percebi que era interpretação, comecei mudando os termos para coisas mais conhecidas mais do seu cotidiano, sinuca, cerveja, futebol e ele foi entendendo melhor e relaxando também. A fome bateu Dener foi no carro e trouxe um saco de bolacha recheada e um vinho, disse que o vinho tinha comprado para fazer uma surpresa para Lorena, mas havia esquecido no porta malas. Como não havia copos tomamos no bico mesmo, ate me surpreendi quando ele me ofereceu lembrei que não havia copos ele disse:
_ Bebe no bico de boa!
Já com meia garrafa ele me pediu desculpas, que não deveria ter me ofendido daquela forma nem pedido para eu me afastar da Lorena, pedi para ele parar com aquela conversa e voltarmos para os estudos, parei de beber mas ele continuou, continuei as explicações, ele as vezes ria, concordava e me olhava de uma forma diferente, foi se ajeitando, fingindo olhar melhor na apostila chegando cada vez mais perto de mim, ate seu corpo começar a esbarrar no meu, aquele hálito de vinho quente em minha orelha, nuca , estava me excitando eu me controlando, seu corpo me tocava vez ou outra, meu corpo se arrepiou ele me perguntou porque disse que pelo frio, ele disse que iria me esquentar disse para ele parar com a brincadeira ele me abraçou, disse que ele estava bêbado, ele me perguntou porque eu disse que por ele ter tomado a garrafa de vinho quase sozinho Dener disse:
_ Não é isso, porque você meche comigo?
_ O que? Eu não fiz nada.
_ Fez e faz e continua fazendo, me olha de um jeito, fica me provocando.
_ Eu? Quando eu fico te provoquei?
_ Se mostrando para mim, se insinuando, essa bunda empinada para meu lado, jogando sem camisa.
_ Não faço isso para te provocar, não empino a bunda para você, faço para jogar sinuca, para jogar melhor e tiro a camisa porque estou no time sem camisa, espera ai não te devo explicações não, você tem namorada e eu tenho o meu namorado.
_ È eu vi, aquele cara te agarrando no beco.
_ Aquele cara tem nome e você sabe muito bem, é Péricles e da licença, que eu vou dormir.
Fui para uma cama rústica que havia na casa, Dener foi atrás me perguntando o que eu havia visto em Péricles, respondi que isso não era da conta dele. Me perguntou se eu gostava tanto do meu namorado porque eu ficava olhando ele com olhos de desejo, disse que não sabia o que ele estava falando e me virei na cama. Ele veio e por cima de mim disse então diz isso olhando nos meus olhos, quando me virei ele estava por cima de mim, ficamos olhando um nos olhos do outro ele veio abaixando e nos beijamos. A partir daí esqueci tudo quem eu ou ele era me entreguei, beijei seus lábios como nunca havia feito com ninguém antes com uma vontade um desejo intenso e Dener correspondeu, alisava seu corpo sentindo cada detalhe, viramos e eu fiquei por cima, sentindo o cheiro de cada pedacinho de se corpo e beijando, lambendo sentindo seu sabor, suas axilas que tanto me torturavam, seu peito forte, seus mamilos que chupei e ate mordisquei ficaram acesos. Dener gemia e não impedia nenhum carinho meu fui descendo deslizando meus lábios ate chegar em seu cacete, tirei da sua cueca a única peça que ainda estava vestindo, estava meia bomba, porem em poucos segundos estava pulsando e dura com o contado da minha boca que subia e descia naquele mastro de carne, chupava forte e o masturbando sua respiração ficou mais ofegante, seus gemidos mais intensos, tirei minha cueca, abri meu cu com os dedos e passei saliva subi em cima de Denis e encaixei meu cu em seu pau e aos poucos fui engolindo cada centímetro. Dener assumiu e começou a socar em meu cu segurando minha cintura, quando ele diminuía a velocidade eu subia e descia de sua vara, nos dois gemíamos,a chuva caia forte la fora, era só nos dois não existia mais ninguém, Dener me tirou de cima, me curvou pedindo para que eu me apoiasse em algo segurou novamente em minha cintura e metia forte agora de pe em meu rabo, eu delirava com suas estocadas ate que senti seu pau inchar em meu cu ele ira gozar dentro de mim, o cara com que eu sonhei desde que conheci que tanto quis estava ali comigo gozamos praticamente juntos, suados, exaustos caímos na cama e dormimos acordamos abraçados nus, encontramos algumas frutas perto da casa vimos algumas mensagens e ligações perdidas de Lorena dizendo que iriam colocar uma ponte provisória ate o final da tarde em uma parte mais estreita do rio ficamos o dia todo e mal nos falamos.
Quando chegamos na porta da minha casa, Dener começou a falar eu o interrompi e disse que foi o vinho, não falaríamos sobre o que aconteceu ninguém nunca ficaria sabendo ele era o namorado da minha melhor amiga e eu tinha um namorado incrível e não queria perde lo, Dener concordou eu entrei e ele foi embora.
Péricles me recebeu com um abraço, pedi um tempo para descansar tomei banho dormi e no outro dia o procurei transamos como nunca tínhamos feito antes, Péricles me perguntou o que havia acontecido disse que era saudade. No outro dia Dener me procurou para estudarmos o que começou com um clima meio estranho, Dener me olhava de uma forma diferente disse que se ele não prestasse atenção eu iria embora, ele me olhou nos olhos me beijou e transamos novamente. Isso se repetiu por toda a semana, na semana seguinte não nos encontramos a não ser na faculdade na outra foram as provas suas notas foram boas e ele garantiu sua bolsa de estudos, Lorena me agradeceu muito e queria fazer algo para comemorarmos, durante o jantar, Dener se aproximou de mim em um momento em que estávamos a sos e me chamou para fora eu tentei resistir, mas fui convencido, disse que teria que ir para uma cidade vizinha por dois dias mas disse a Lorena que ficaria por uma semana, perguntei qual o motivo da mentira ele disse que queria se encontrar comigo precisávamos resolver o que tínhamos começado que ele precisava seguir em frente mas estava confuso não queria magoar ninguém porem queria ser feliz precisava entender o que estava acontecendo, pedi para pensar, três dias depois liguei e concordei, eu disse que iria para a casa da minha mãe nas férias Dener foi para sua viajem e depois nos encontramos.
Dener e eu em um hotel, longe dos olhos de qualquer um que conhecíamos, Dener me beijava, me acariciava descobriu meu corpo e eu o dele, disse que nunca tinha sentido nenhuma atração por homem algum, mas desde que me viu na primeira vez na escola sentiu algo diferente em mim, no começo não era nada alem de uma sensação estranha depois começou a pensar sempre em mim a fixação de Lorena em mim só piorou as coisas achou melhor não se aproximar de mim o que foi em vão, percebia meus olhares, e com o tempo passou a querer sentir que eu o olha se, passou a querer ser admirado e não entendia o porque daquilo, com nossa aproximação me ver como um homem que gostava de esportes, sinuca, entendia de “carro coisas de homem” achou que aquilo era só uma amizade nada mais porem seus pensamentos começaram a lhe pregar peças e por varias vezes imaginou me beijando e aquilo o perturbava. Confessei meu interesse por ele desde o inicio, minhas fantasias e desejos, nossos beijos eram intensos, ele me fodia deliciosamente bem, seu cheiro era como perfume para mim. Transamos e conversamos muito, discutimos muito sobre a situação e por mais intensa que fosse nossa relação percebemos que era algo apenas de carne, tesão, Dener viu que a atração que sentia por mim era diferente do carinho do desejo e do amor que sentia por Lorena, seu desejo de proteje la, ter filhos envelhecer junto era com ela, vi em seus olhos o desejo que sentia por mim e percebi que era diferente do desejo e principalmente do doce olhar de carinho e amor com que Péricles me olhava, transamos muito nas ultimas horas que nos restaram e por fim descidimos voltar e deixar ali tudo aquilo nos dedicaríamos a quem nos amavam e percebemos a falta que nos faziam e o amor que tínhamos por eles.
Dias depois Lorena me confessou que Dener estava mais carinhoso, amoroso e dedicado alem de muito mais intenso na cama, descidi revelar a ela minha opção sexual ela disse que já sabia, mas preferia não comentar, me falou sobre seu irmão e que realmente no começo era como se eu preenchesse o vazio deixado pro ele porem depois aos poucos foi vendo como eu era diferente minhas qualidades meus defeitos e que eu era outra pessoa, mas que gostava muito de mim como eu era. Dener pediu a mão de Lorena em casamento eu fui padrinho, Dener e eu nos tornamos grandes amigos e nunca mais rolou nada entre nos sexualmente falando. Péricles me pediu para morarmos juntos esperamos eu me formar, passei em um concurso publico e nos mudamos para outra cidade compramos uma casa e assinamos uma união estável. Nunca mais tive olhos para outro homem, Péricles me completa, me diverte, me da carinho, me chama atenção, passei a olhar finalmente para ele e percebi o quanto eu estava desperdiçando o homem que estava ao meu lado realmente me apaixonei por ele vivemos felizes e apaixonados.

Autor: mrpr2

Sobre este texto

mrpr2

Autor:

Publicação:20 de dezembro de 2013 12:45

Gênero literário:Contos eróticos

Tema ou assunto:Gays

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Ainda não há estatísticas de leitura deste texto, pois ele foi publicado em 20/12/2013.

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

Não há comentários até o momento. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*