Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

Surpreendido pelos sentimentos – Volta surpresa!

Surpreendido pelos sentimentos – Volta surpresa!
No conto anterior estava contando que eu estava cavalgando em Arnaldo sentindo muito prazer quando a porta do quarto se abre violentamente e Aurélio entra gritando:
_ Como vocês puderam fazer isso comigo pelas mi‏nhas costa?
Parecia real, mas neste momento acordo assustado suando, agitado bebo água e volto me deitar para refletir sobre minha vida e meus sentimentos.

Uma semana depois à volta ao trabalho me rende surpresas, Arnaldo cabisbaixo diz que rompeu com sua namorada devido aos ciúmes dela. Conversei com ele e disse que já estive na situação dele, pois seu irmão é muito ciumento, ele concordou e mudamos de assunto, mas aquela revelação mudou algo em mim como se acendesse uma esperança dentro de mim.
Os dias foram passando e Arnaldo parecia mais leve, feliz como eu nunca tinha o visto antes. Estávamos chegando de volta do almoço Cláudio e eu quando Flávia nos chama dizendo:
_ Vamos nos atrasar para a reunião, pois foi antecipada!
O elevador e estava cheio, dissemos que esperaríamos, mas ansiosa Flávia disse que iríamos naquele mesmo e nos empurrou elevador adentro. E quem estava logo atrás de mim? Arnaldo e logo comecei a sentir algo duro em minha bunda. Arnaldo tinha se excitado uma pena que foi algo de instantes minha vontade era que o elevador parasse e ficássemos por horas assim. O elevador se abriu e Flavia nos puxando Arnaldo veio falar comigo, mas Flávia disse que só depois da reunião. Sinceramente nem prestei atenção na reunião, era como se eu não estivesse lá, só pensava em como seria Arnaldo e eu sozinhos dentro de um elevador parado, ele com seu cacete duro eu iria abrir seu zíper e chupar seu cacete descer minha calça e dar bem gostoso em varias posições. Nossa só de pensar fiquei excitado e quando a reunião acabou esperei que os outros saíssem fingindo ler o relatório para disfarçar o volume.
Quando sai da sala levei um susto quase trombei com Arnaldo que me esperava na porta. Me pediu desculpas pelo que houve no elevador foi involuntário acreditava ser falta de sexo disse com um sorriso encabulado. Eu disse que estava tudo bem que eu entendia afinal eu também estava subindo pelas paredes sem sexo também e ele concordou:
_ Estou vendo! rsrs
Disse apontando para meu volume e soltando uma gargalhada. Bati nele de brincadeira com o relatório e disse que ele teve sorte
_ Já pensou se tivesse sido outro homem? Um hetero? Ou pior ainda uma mulher casada ?
_ Ainda bem que foi homo carente rsrs. Devo me preocupar de estar sozinho aqui neste elevador com você nesta situação?
_ O tarado do elevador aqui é você rsrs.
Os dias se passaram Arnaldo já não saia de minha cabeça e ele dava sinais de que também estava afim de algo mais que amizade então resolvi no dia seguinte seria o tudo ou nada vou me declarar a Arnaldo.
O dia não passava as horas pareciam não passar finalmente a hora de ir embora Arnaldo estava saindo na recepção sai correndo o chamando para conversar quando ele se vira para mim e vou pedir para conversar com ele do outro lado da rua eu vejo Aurélio.
_ Aurélio?
_ Não Arnaldo o que foi? Saudade do meu irmão? Você ta pálido esta passando mal, parece que viu um fantasma?
_ Não, do outro lado da rua, estou louco ou aquele é seu irmão?
Nos aproximamos de Aurélio nos cumprimentamos cordialmente. Aurélio disse que não sabia que nos conhecíamos seu irmão e eu disse que foi depois da viajem dele e que Arnaldo estava trabalhando comigo fomos para o estacionamento chegando lá Arnaldo perguntou a Aurélio:
_ Agora que estamos sozinhos não vai cumprimentar direito seu namorado irmão?
Aurélio olhou espantado para Arnaldo e depois para mim, então eu disse que quando nos conhecemos eu confundi Arnaldo pensando que ele já tinha voltado, mas omiti o beijo dizendo que acabei falando demais . Arnaldo me encobriu dizendo para o irmão ficar tranquilo pois nada aconteceu ele desfez o mal entendido logo que de inicio levou um choque mas que ao me conhecer melhor percebeu que eu era um ótimo rapaz e que ele tinha sorte em me ter como namorado.
Os dois se abraçaram e Arnaldo disse que iria embora para deixar nos a sós para matarmos a saudade com mais privacidade e depois conversaríamos sobre a viajem.
Eu estava em um turbilhão de emoções não sabia se ia atrás de Arnaldo terminava ali mesmo com Aurélio ou abraçava Aurélio e esquecia Arnaldo afinal não havia acontecido nada entre nós.
Automaticamente entrei no carro Aurélio deu a volta e bateu no vidro
_ Vai deixar seu namorado aqui?
_ Desculpa estou atordoado podia ter dito que voltaria.
_ Eu que peço desculpas tanto tempo sem nem me comunicar com você mas é que toda vez que nos falávamos me dava um aperto no peito uma vontade de pegar o primeiro avião e voltar para os teus braços.
Aquelas palavras aquele olhar seu gesto passando a mão delicadamente em meu rosto tudo isso me balançou creio que ele queria um beijo ficou me olhando com ternura, mas arranquei com o carro. Chegamos no meu AP. Aurélio com as malas já foi direto para meu quarto fiz menção de dizer algo mas as palavras não saíram entalaram na garganta. Aurelio apenas deixou as malas no quarto pegou a toalha e veio para a sala me abraçou e me beijou.
_ Eu estava com tanta saudade sua. Vou tomar banho você vem?
Seu beijo estava sei lá diferente não era como antes, mas acho que ele era o mesmo foi eu quem mudou.
_ Pode ir na frente que já vou.
O que eu vou fazer da minha vida agora? Pensei eu sentando no sofá tentando pensar e encontrar um caminho.
Peguei o telefone e liguei do outro lado atendeu dizendo alo fiquei mudo na linha e desliguei. bebi água e fui para o banheiro Aurélio estava se ensaboando mal aguardou eu tirar a roupa e me puxou para debaixo do chuveiro me envolvendo em seu abraço apertado me beijando. Eu estava confuso, mas muito carente cedi me entreguei ao beijo ao toque suas mãos percorriam meu corpo como se tentando reconhecer cada centímetro. Aurélio me virou de costas para ele me sarrando esfregando seu cacete em minha bunda acariciando meu peito beijando e mordendo minha nuca minhas costas. Me inclinou empinando minha bunda abri mais as pernas me apoiei na parede e Aurélio encaixou seu cacete na porta do meu cu e cravou enterrando ate a metade de seu pau tirou deixando apenas a cabeça e voltou a enfiar com uma mão em minha barriga me trazia para junto do seu corpo ao mesmo tempo que metia com seu quadril e mordiscava minha orelha eu gemia sentindo seu cacete me invadindo a água caindo e escorrendo em meu corpo que ia e vinha de encontro ao corpo de Aurélio seus gemidos e sussurros em meus ouvidos. Aurélio acelerou as estocadas segurando em minha cintura trazendo minha bunda que recebia seu cacete e encontrava com seus pelos pubianos molhados. A respiração de Aurélio e suas estocadas se intensificaram e ele me encheu o rabo de porra me abraçou e disse em meu ouvido que nunca mais iria me deixar terminamos nosso banho e fomos para o quarto adormecem os de conchinha. Acordei com Aurélio grudado em mim talvez eu estava apenas carente sentindo falta de alguém ao meu lado quando estamos assim enxergamos interesse onde não existe confundidos educação cordialidade amizade com desejo flerte Arnaldo era hetero tinha terminado a pouco com a namorada e provavelmente voltaria como Aurélio e eu já fizemos além disso ele era meu cunhado irmão do meu namorado e não seria nada mais alem disso.
Me levantei fiz um jantar do gosto de Aurélio fui elogiado dizendo que estava louco de vontade de comer da minha comida ficamos abraçados assistindo TV. E transamos antes de dormir desta vez depois de fazermos 69 eu penetrei Aurélio e depois ele me comeu desta vez por cima de mim deixando seu corpo quente pesar sobre o meu estava com saudade em sentir esta sensação.
Acordei cedo deixei Aurélio dormindo foi como se eu estivesse vendo uma cena do passado ver Aurélio deitado em minha cama.
Só me lembrei de Arnaldo quando entrei em nossa sala ate a hora do almoço nada dele chegar pensei diversas vezes em ligar mas começava a digitar seu número e apagava na hora do almoço Aurélio me liga para almoçarmos no restaurante perto do meu trabalho disse que o irmão passou mal foi ao médico disse que não era nada grave mas ficaria uma semana afastado de uma certa forma foi bom pois me ajudaria a me concentrar em Aurélio.



Continua ...

Autor: Mrpr2

Sobre este texto

mrpr2

Autor:

Publicação:13 de agosto de 2014 17:05

Gênero literário:Contos eróticos

Tema ou assunto:Gays

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Ainda não há estatísticas de leitura deste texto, pois ele foi publicado em 13/08/2014.

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

Não há comentários até o momento. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*