Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

A história de uma bela mulher!

Por que ninguém acredita que nasceu para receber e dar prazer, independente da opção sexual. Somos dotados de um poder que nos impulsiona a dar a cada um que conhecemos o que de melhor se pode oferecer nos momentos mais apreciados daquele instante em que nossos hormônios estão todos alterados. Tem pessoas que adora, uma taça de sorvete de sua preferencia, outros contam com o fato de poder ir a um pic-nic em meio a matas e que tenho uma queda d'água para com seu burburinho e aquele brilho que reflete os raios de sol. Tem aqueles que preferem uma boa balada, onde os pares mal se tocam, mas se realizam ao som de música eletrônica , ou então em uma balada com forró pé de serra ou sertanejo universitário. Cada um tem seu prazer para aproveitar, realizado da melhor forma possível.
Mas nada se compara ao fato de todos nós querermos obter o melhor e maior de todos os prazeres que supera os grandes perfumes, o melhor chocolate ou a bebida de mais fino buquê, nada disso se compara ao que devemos ou queremos alcançar que é, o orgasmo. Orgasmo é o momento supremo a todos nós!

Agachada em meio ao canteiros de cravos, rosas, hortênsias, margaridas e algumas outras espécies de flores, eu revolvia a terra adubando tudo com carinho que merecia o local. Com um lenço
na cabeça onde meus cabelos estavam escondidos, o short curto, a bota e a camiseta amarrada acima do umbigo, me deixava com uma aparência de camponesa, onde eu me jogava na textura da terra para me realizar e saldar a minha felicidade. A chegada de Rute com uma bandeja onde havia uma jarra com suco geladinho, me desviou a atenção do que fazia.
__Trouxe um refresco para que você aplaque um pouco esse calor que esta terrível.
__Veio em boa hora amor! Você é um anjo!
Rute, era minha esposa, não gosto de dizer, minha mulher, mas minha esposa, que eu amava muito. A tinha conhecido em uma das muitas baladas que frequentei e num dado momento fomos apresentadas por amigas em comum. Fora um amor a primeira vista, e na mesma noite lhe disse que desejava conhece-la melhor. Ela se mostrou receptiva e no final a levei para casa e na despedida me aproximei dela e a mesma me acolheu e nos beijamos. Não fora um beijo, dos que a gente sente uma aperto na boceta, mas deu para sentir a emoção que a mesma teve. Moça , que era muito bonita, com seu corpo violão, me deixou bem balançada a ponto de querer encontra-la afim de poder ter alguma coisa com ela.
No encontro seguinte, em um club onde tínhamos o nosso direito respeitado, tive o grande prazer de me encontrar com Rute. Estava linda, e depois fiquei sabendo que tinha se produzido para mim, isso me deixou sem saber o que dizer. Demonstrava que ela não estava insensível ao que eu pretendia. Aproximei dela que estava a conversar com outras do nosso grupo LGBT, e a puxei para o lado.
__Sabia que você esta encantadora?
__Obrigada. Foi para você que me produzi.
__Sinto-me lisonjeada e gostaria de saber se tenho chance?
__Depende de que chance você se refere.
__Estou interessado em você desde a primeira vez que te vi. Sonhei com o momento de tornar a vê-la.
__Confesso que também não te esqueci. Achei até que você não compareceria ao encontro.
__Como poderia não vir ao encontro de uma deusa como você?
__Assim você me encabula!
__Na cama você também fica encabulada na cama?
__Não sei, mas você pode verificar.
__Verdade?
A conversa estava bem encaminhada e eu com o tesão a flor da pele, pronta para saber o que ela tinha para me oferecer, por isso a convidei para irmos para outro lugar. As amigas, quando viram que estávamos saindo começaram a dizer piadinhas, indiretas, sabendo o que íamos fazer. Caímos na quietude da noite e caminhamos por ruas e viaduto até que chegamos onde eu queria. Na portaria todos me conheciam pois sempre levava lá as minhas, por assim dizer, vitimas, já que o nosso gênero, ali, era muito bem recebido, inclusive a garota que nos recepcionara era minha velha conhecida. Tivemos um caso no passado, numa noite tenebrosa que resultara numa das melhores noite de minha vida ao lado de uma mulher. Seu olhar, enquanto o livro de controle era assinado e o número de rg colocado, se mostrava saudosista, com certeza relembrando o nosso tórrido encontro. Me passou a chave da suíte, como se fosse uma homenagem a tudo aquilo que vivemos uma madrugada, onde seu gemidos ecoaram em sinfonia com o temporal que desabava. Rute adorou o quarto quando entramos. O cheiro de jasmim, parecia bailar no ar e nos refrescava. A cama, redonda, o painel, sobre o qual havia uma cartela de preservativo e um pequeno tudo de lubrificante lacrado, sabonetes e sobre a cama, duas toalhas de banho e de rosto. Numa das paredes o aparelho de Tv com circuito fechado, onde se exibia filmes pornôs, especialmente lésbicos. Sentamos sobre a cama e eu acariciei seu rosto belo, vendo que ela usava pouca maquiagem para deixa-la linda como era. Rute sorria, entre acanhada e ansiosa. Pousou a mão em minha perna e fez menção de subi-la além do que o vestido mostrava, mas parou. Me aproximei mais dela e antes de a beijar...
__Porquê parou? Explore o que deseja, sua bobinha. Se me deseja, não se furte em buscar tudo o que quer. Sou toda sua.
__Pensei que você...
__Não tem que pensar minha querida, tem que agir. Não sou a autoritária, não quero me fazer de macho. Se fosse para ser assim, você estaria procurando um macho com quem se relacionar e não uma fêmea, não acha?
Como resposta ela subiu mais a mão e tocou em meu sexo sobre a calcinha. Para mim, foi uma delicioso toque, que me arrepiou toda, mas para ela representava muito mais, apesar de ainda não ter visto a minha xoxota, ela a estava sentindo através do tênue tecido. Juntou com dois dedos os meus lábios vaginais e suspirou, como se estivesse acabado de participar de uma maratona e chegado em primeiro lugar. Seu folego estava difícil de se puxar, o que indicava o alto grau de excitação que vivia naquele momento. Para minha surpresa estava gostando da investida de Rute. Era a primeira vez que me sentia uma mulher que gostava de outra mulher, sem me mostrar masculinizada em minha ações. Era bom ser assediada, ainda mais por uma linda mulher. O beijo enalteceu mais o que ela estava fazendo em mim, e quando sua língua passou a trabalhar de encontro a minha, me deixei levar pelo clima que ela mesma criara. Os dedos puxaram a minha calcinha de lado e se perderam entre os lábios, que estavam bem molhados, procurando a entrada do meu portal do prazer, tirando-me o folego a medida que ia se perdendo dentro de minha vagina sequiosa. Me deixei cair em seus braços e com prazer ela puxou a parte superior do meu vestido tendo a visão dos meus seios túrgidos, cujos bicos apontavam em sua direção, pedindo um carinho especial.
__Queria te dar um banho de champanhe e te enxugar com minha boca e beber em tua taça carnuda.
Antes que ela pensasse no que tinha falado, eu havia pulado do seu colo e já estava no interfone fazendo um pedido. Ela veio por trás de mim, e assim que coloquei o fone no lugar, ela se apossou dos meus seios passando a chupa-lo com aquela boca gostosa e me causando os mais deliciosos suspiros. Conseguiu me desnudar e passou a contemplar meu corpo, demonstrando que o que via a agradava e muito. Batidas na porta nos separaram e eu sabendo quem era, me levantei sem a mínima preocupação em me vestir, e fui abri-la me deparando com Leonor, a recepcionista com quem tivera um caso, com o nosso pedido, quer dizer, com o meu pedido. Olhou-me de cima abaixo a seguir me passou o balde com gelo e a garrafa da bebida em meio a eles. Puxei um pouco a porta para que Rute não visse e dei um beijo de agradecimento, entrando a seguir.
__O que foi aquilo?
Rute tinha percebido que ao fechar um pouco a porta, eu não desejava que ela visse algo e eu não escondi.
__Nada além de um beijo de agradecimento.
__Desde a portaria que eu desconfiei que algo havia acontecido entre vocês duas. Devo me preocupar?
__Se devesse eu não estaria aqui com você ou teria deixado ver o que eu tinha feito.Não quero te enganar nunca minha princesa.Preciso ter em você uma companheira que possa me dar todo respaldo que precisar, sem falsidade e sem frescura de domínio.
__Querida, você vai ter em mim, a pessoa que velará por teu sono. Que quando estiveres com desejos, eu os realizarei, custe o que custar. Meu maior objetivo será sempre te fazer a putinha mais satisfeita do mundo.
Tocou em meu sexo introduzindo o indicador dentro de minha vagina e o polegar deixou que pousasse sobre meu clitóris. Arregalei os olhos para ela, pois descarga que me atingiu fora muito forte. Era uma forma diferente de me provocar prazer que ela estava empregando e eu confesso que me perdia entre os orgasmos sucessivos que me levavam a separar mais as coxas e desejar que ela beliscasse minha boceta com força, só para saber se era real ou imaginário o que eu estava sentindo. Para me dar uma parcela maior de impotência diante do prazer estabelecido, ela se curvou sobre meus globos carnudos, cujos bicos duros apontavam para ela como um convite explicito. O contato dos lábios com os mamilos, com a ponta da língua volteando na base deste onde o mesmo entra no bojo. Ela ali encontrou um pequeno circulo, que as mais experiente lésbicas, nunca tinham encontrado e que me levou a loucura, quase suplantando os dedos dentro da boceta. Quando ela esboçou um movimento de se retirar daquele ponto eu gritei escandalosamente que não o fizesse e logo em seguida, me agarrei a ela, elevando as pernas abertas tremendo como se estivesse sendo eletrocutada.Fiquei ofegante, estirada sobre a cama, sem forças para fazer mais nada, quando ela foi até o balde com gelo e de lá retirou a garrafa de champanhe. Era estranho ver aquela mulher linda, ainda vestida, se preparando para me dar um banho daquele líquido adocicado e efervescente.
Rute, despejou o líquido em uma taça que não era de cristal, óbvio, e depois tomou um grande gole esvaziando-a, mas não engolindo. Subiu sobre a cama e veio até mim, onde me beijou e passou a bebida para a minha boca. Que delicia, sentir aquela participação mútua de duas fêmeas que se conheciam, a tão pouco tempo, mas que se entregavam a um jogo erótico sem pudor. Buscou nova dose e foi soltando-a sobre meus seios, ventre, púbis e por fim, abrindo e elevando minhas pernas, se ateve em minha vulva aberta,onde meteu a língua e foi deixando ali a bebida, que mesclava entre morna e fria a misturando com o meu líquido intimo que estava alagando o meu canal do prazer. Rute lambia tudo e bebia com sofreguidão a bebida que a boceta deixava escorrer com as contrações. Eu já não estava conseguindo me controlar, mas não esperava que ainda viria algo que mexeria de vez com todo o meu intimo.O líquido que ela aparava na boca, quando minha boceta se contraia e o expelia, Rute o solvia, mas deixava que algum filete escorresse e se perdesse logo abaixo, no rego, entre minhas nádegas. Quando separou minhas nádegas e desceu a língua em todo o rego passando sobre o meu cuzinho, gritei.
__Hummm! Meu amorzinho tem tesão no cuzinho. Sinta a linguada que vou dar nele agora...assimmmm...que preguinhas lindas...vou dar um super beijo nelas...hummm, delicia.
__Uiii! Você quer acabar comigo sua selvagem...mas chupa mais, que vou gozar!
__Só chupar, sua safada? Vai regular esse buraquinho para mim.
__O que você pretende fazer...Ui...esse dedo...esse dedo, esta entrando no meu cu. Sua vaca, eu te esfolo quando parar de gozar, e tiver forças para te pegar. Vou lhe dar o troco, meu amor!
__Estarei a tua espera meu tesão!
Rute passou a ser a minha outra parte desta louca vida de altos e baixos.
__Trouxe um refresco para que você aplaque um pouco, esse calor que esta terrível.
__Veio em boa hora amor! Você é uma anjo!

Sobre este texto

Phedra

Autor:

Publicação:1 de fevereiro de 2016 21:56

Gênero literário:Depoimento erótico

Tema ou assunto:Lésbicas

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Ainda não há estatísticas de leitura deste texto, pois ele foi publicado em 01/02/2016.

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

Não há comentários até o momento. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*