Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

Panela velha não só faz comida boa.

O casal chegou em casa de onde tinha acabado de participar de um evento social. Sandra era uma mulher, que apesar dos seus 54 anos, mantinha o todo o viço de uma beleza que se mantinha nos belos olhos azuis, que brilhavam de forma intensa sempre que ela sorria ou ficava em expectativa de alguma coisa boa. Continuava elegante apesar de se sentir um pouco fora de seu tempo. Como ela, Jorge, seu companheiro de longa data, com seus 60 anos, demonstrava, uma vitalidade e um charme que o levava a despertar suspiros em muitas meninotas. Adorava sua mulher e não se envolvia nos lances de vida que o perseguia.
Sandra, entrou no banheiro e diante do espelho começou a limpar a maquiagem que tinha no rosto. Não havia muito o que tirar, mas conseguiu retirar algo com um lenço úmido.Estava só de sutiã e calcinha, que deixava ver que o seu corpo apanhava do tempo, mas era o corpo de uma mulher madura, que procurava manter um pouco do que sentia dentro da sua emotividade de mulher.
Havia retirado o sutiã e curvada abaixava a calcinha, quando a porta se abriu e Jorge surgiu. Ficou parado diante da visão daquele corpo que a muitos anos atrás, era o seus ponto de regozijo. Sandra, notando que uma lufada de ar frio caíra sobre si,voltou a cabeça em direção a porta. Sentiu um certo constrangimento com a nudez exposta e procurou se cobrir com a toalha. Jorge fingiu não ter percebido como ela ficara envergonhada e deu uma desculpa para estar ali e logo saiu. Sandra caiu em um choro compulsivo. Sentia vergonha do seu corpo.
De costas para o marido, ela ainda estava se sentindo péssima. Não costumava deixar se ver nua por ele. Jorge, não estava dormindo e se sentiu excitado em pensar que tinha visto o corpo nu de sua amada mulher. Afastou um pouco a coberta e abaixando o pijama, deparou com o pênis endurecido. Alisou, sentindo uma emoção muito forte por saber que o motivo, estava ali do seu lado. Virou para o lado dela e a fez sentir sua dureza. Sandra se assustou e quando percebeu o que ele estava tentando, se encolheu, quase caindo da cama. Mas Jorge estava disposto a faze-la ver que ele a desejava ainda.
__Porque você me evita, querida? - perguntou colocando a mão em seu ombro.
__O que você quer de mim? - quis saber ela já com as lágrimas descendo.
__Quero você, amor. Desejo você?
__Como pode me dizer isso? Sou uma velha. Não tenho o menor atrativo que possa o incentivar.
Ele pegou seu braço o forçando em sua direção e alcançando sua mão a levou até o pau. Sandra, tentou se livra daquele tipo de observação.
__Você acha que estou assim por quê? - perguntou, puxando sua mão novamente para o pau que pulsou nos dedos da esposa.
__Quer que eu acredite que é por mim, pelo meu corpo? Faz-me rir. Isso deve ser por pensar em alguém da festa que participamos, não por mim.
__Por que você acha que não pode ser por sua causa? O que a impede de me provocar uma ereção?
__Quer que eu seja mesma sincera?- disse abrindo a camisola e exibindo o corpo com sutiã e calcinha__O que lhe desperta desejo neste corpo que esta todo morto?
Jorge, a puxou para si e olhando em seu olhos disse comovido.
__Você é a mulher deliciosa com quem eu me casei a trinta anos atrás, que me causava um desejo enorme e ainda o faz. Apenas não quer admitir isso. Eu te desejo, meu amor e vou te desejar sempre. Volte a ser aquela minha amante adorada. -disse se debruçando sobre ela. Prendeu seus braços com uma mão e braço para que ela não o empurrasse e com a outra mão afastou o bojo do sutiã, permitindo que um seio ficasse a descoberto. Beijou o mamilo, que foi reagindo, se impondo sobre o topo do seio. Passou a língua sobre ele e depois o chupou.
Sandra, que estava ainda incomodada com a situação de se ver presa naquela imobilização que seu marido aplicava, sentiu uma formigação no seio acariciado que irradiava para o bico inteiro.Quis se debater, mas o marido a prensava sob seu corpo, impedindo que ela pudesse se movimentar.Tomara na boca o máximo daquele peito e olhando para o rosto da mulher que o olhava entre lágrimas. Balbuciou virando o rosto para o lado:
__Por favor, me solte e me deixe em paz. Você esta me ofendendo, me pegando a força. Não sou mais uma colegial.
__Mas continua gostosa e eu te quero.
__Mentira.
__Você me quer também, eu sinto no teu seio. Se não fosse assim teu bico não estaria duro. Olhe para mim. Olhe! Isso! Eu te amo e te quero. Estou de pau duro por você. Te desejo. Quero poder me enfiar dentro de tua boceta até os nossos pêlos se emaranharem.Deixa eu te foder.
__Que palavras feias você esta dizendo- recriminou ela.
__Quais palavras? Boceta? Foder?
__São palavras que nunca ouvi saindo da tua boca.
__Talvez esse tenha sido o meu grande erro, mas tenho certeza de que posso reparar esse engano. Quero poder chupar a tua boceta e depois foder a tua xoxota com todo o tesão que estou com ele.
Sandra, o olhava e sentia na voz do marido que ele estava sendo sincero, que a desejava mesmo e no fundo ela estava bem propensa a se deixar seduzir. Olhando-o fixamente disse:
__Se é verdade tudo que disse, me solte.
Jorge olhou bem dentro dos olhos da mulher e aos pouco foi a soltando e caindo do lado ficou de papo para o ar com o pau aos pinote.Viu com surpresa, a esposa erguer as pernas e retirar a calcinha por elas e depois se desfazer o sutiã. Olhou para o marido e sorriu. Jorge foi até a boca da mulher e depositou um beijo bem gostoso, para em seguida ir descendo até os seios que chupou deliciosamente até se saciar ao ouvir os gemidos da sua esposa. Desceu pelo ventre e logo chegou aos pentelhos, que ainda eram fartos e sedosos. Cheirou com deleite e depois com os dedos afastou os pêlos tendo acesso ao inicio da formação dos lábios vaginal da mulher. Separou os lábios e descobriu o clitóris, onde depositou beijos, sentindo ela reagir com pequenos tremores de corpo e o afastamento das coxas. Lambeu toda extensão daquele genital. Sandra se agarrou aos panos da cama e mordendo os lábios, começou a sentir que algo se movimentava dentro dela como se fosse uma onda raivosa. A muito tempo não tinha uma sensação como aquela. Sentiu-se uma garota em sua primeira relação atrás de um muro qualquer. Quanto o marido meteu a língua dentro da sua vagina, ela não aguentou e entre gemidos viu chegar deliciosa desconforto interno que se projetou em forma de um gozo espetacular. Olhou para o marido que estava entretido em chupa-la e o admirou. Levou uma das mãos e afagou com doçura a cabeça do marido. Desejava ver seu rosto e saber se ele via no dela o que possivelmente a mesma veria no dele - tesão. Quando Jorge deixou de chupar aquela carne especial e olhou para a esposa, os dois viram que algo muito especial estava ou tinha acontecido. Foi até ela e olhando em seus olhos, que brilhavam de amor e emoção, ficou entre suas pernas abertas e surpreso sentiu a mão dela pegar em seu pau e o encaminhar para a boceta empapada de saliva e de secreção lubrificante, que ela nunca pensou que voltaria a produzir. Abriu a boca em um espasmo de prazer, quando a cabeça da pica do marido, começou a entrar. Se agarrou as costas do marido e recebeu suas primeiras estocadas. Voltou ao passado e teve a impressão de que aquela estava sendo a sua primeira vez com um homem. O arranhava a cada orgasmo que tinha e se beijavam como jovens colegiais. Viu no rosto marido o prazer que estava tendo por estar dentro do seu canal. O cheiro que chegava até suas narinas a deixava mais excitada. Sabia que era cheiro de sexo, de amor, de prazer, exalado pelo confronto das partes. Estava feliz e com isso começou a chorar copiosamente. Não deixou o marido ver, seus rosto molhado, por isso se agarrou a ele e procurou sentir toda a rola que a devassava mostrando que ela ainda tinha muita lenha para queimar. Com um grito que não pode evitar, ela se fez ouvir quando o marido começou a soltar seu esperma dentro daquela cona gostosa. Sandra fizera um juramento para si mesma de que não mais se pouparia para dar ao seu marido, motivos para que ele sempre a quisesse possuir. Não estava velha como havia pensado, mas se achou na descoberta do marido, uma jovem senhora, mais madura e muito mais gostosa, ao menos para ele!

Sobre este texto

Phedra

Autor:

Publicação:16 de janeiro de 2016 17:20

Gênero literário:Contos eróticos

Tema ou assunto:Maduras

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Ainda não há estatísticas de leitura deste texto, pois ele foi publicado em 16/01/2016.

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

  • Ávido
    Postado porÁvidoem21 de agosto de 2016 10:37

    Tenho o maior tesão pela minha coroa de 60 anos. Somos casados há mais de 30 anos.

  • Lvcas
    Postado porLvcasem21 de junho de 2016 17:07

    Francamente, além de sensual, deliciosamente romântico. Para ser sincero, o conto erótico mais belo e romântico que eu já li. Aceite meus cumprimentos, por favor.

  • Marcos
    Postado porMarcosem22 de fevereiro de 2016 16:10

    Tenho 62 anos, minha esposa 52, ela tb. se acha velha, mas é uma tremenda de uma gostosa, adora chupa-la, e ela goza na minha lingua. è cobiçada por muitos machos, mas ela é dura na queda, tranzamos pelo menos uma vez por semana. Este conto foi sensacional. nóta 100

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*