Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

"memórias de um viado que ninguém desconfia que ele seja"..Infancia.

Eu tinha uns seis anos e estava a brincar com outros meninos numa garagem quando apareceram dois outros meninos, já mais velhos, talvez com 10 anos. Eles começaram a brincar de me fazer sentar no colo deles, shorts arriados e também e botar o pirú em minha boca. Não entendia nada, mas gostei da brincadeira. Dos outros meninos acho que só um também participou, os outros ficaram olhando meio sem graça. Depois percebi que algo errado tinha acontecido. Um dia uns deles brigou comigo e disse que ia contar para minha mãe. Ela ouviu e perguntou a ele o que tinha acontecido. Minha mãe me perguntou se ele tinha botado em minha bunda e eu confirmei. E vi que aquilo era muito malvisto.

Mudamos e fiz muitas amizades novas. Depois, acho que já com 8 ou 9 anos, comecei a brincar de meia com um garoto. Já sabia que quem dava era viado, coisa que eu não queria ser. Mas dizíamos uma ao outro que quem dava e comia não era viado...

Logo havia um clube com mais alguns participando. Chegamos a fazer uma espécie de suruba, um trenzinho com uns cinco. Todos entendendo que para comer tinha que dar...

O primeiro, o R, era meu amigo mais próximo e sempre fazíamos meia. Para garantir que ninguém fosse viado, o tempo de botar era igual. Que levava contava até 100 e mandava o outro parar. Bem, botar era apenas encostar o piruzinho no cu do outro, pau de garoto não chega a entrar. Não chupávamos e eu "roubava", contava até 100 bem devagar...

Teve um outro que não era do 'clube", mas que um dia arriou meu short e eu disse que só deixava se ele deixasse também. Fizemos umas duas vezes somente. Ele era um pouco mais velho e muito bonito, parecia com o Tony Curtis, galã da época. Acho que tinha eu uma queda por ele, mas ele mudou e nunca mais tocamos no assunto.

Um certo momento ninguém mais quis brincar. Estávamos virando adolescentes, comecei a tocar punheta pensando sempre em meninas. Mas meu pai tinha uns livros de psicologia, um era sobre "aberrações", de um psicanalista. A época homossexualismo era doença. E eu tocava punheta vendo as histórias, tanto hétero como homo. E morria de medo que outros achassem que eu era viado.

Sobre este texto

Sergio

Autor:

Publicação:25 de agosto de 2015 13:30

Gênero literário:Crônica erótica

Tema ou assunto:Gays

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Ainda não há estatísticas de leitura deste texto, pois ele foi publicado em 25/08/2015.

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

Não há comentários até o momento. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*