Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

"memórias de um viado que ninguém desconfia que ele seja" Maturidade

Logo conheci outra mulher. Com ela eu não tinha ejaculação precoce, ao contrário, ela sempre gozava antes de mim. Casamos e estamos juntos tem mais de trinta anos.

Nós conversamos sobre nossas vidas sexuais, a dela tinha sido mais ativa que a minha, e eu lhe disse que já tinha transado com homem. Ela não deu importância

Logo veio a AIDS. Aí parei de vez com os travestis, por muitos anos.

Tivemos uma filha, mas minha mulher continuava ciumenta. Cismou que eu andava com uma outra mulher que dava em cima de mim. Mas por todo o tempo só fodi umas três vezes com uma colega de trabalho e algumas vezes com uma estudante. Era bem comportado.

Minha mulher achava, no entanto, que eu a estava "traindo", mas nunca desconfiou das duas com quem fodi. Ela estava chateada e um dia chegou tarde em casa. Desconfiei e ele me contou que tinha saído para trepar com um cara. Fiquei chateado e com ciúmes. Ela me abraçou, beijou e me levou para a cama. Acho que nunca comentei isto com ninguém. Pois foi uma boa foda, eu a chupei, ela com cheiro de pica na buceta e gozamos, ela me contando a foda. Acordei de madrugada danado com ciúmes e fodemos novamente.

Bem, ela foi amante do cara por uns meses. Eu a época viajava muito e ela aproveitava para foder. Chegou a dormir com o cara, deixou a filha com os pais e voltou pela manhã. Os pais se zangaram com ela, pelo que ela me contou. Mas depois de algum tempo o cara começou a querer mais, queria que ela me deixasse. E ela decidiu que gostava mesmo era de mim.

Com este episódio, me senti liberado. Descobri as garotas de programa das termas. A primeira vez me encantou. Fui com uma GP linda para a cabine, tiramos a roupa, ela chupou meu pau e fodemos pelos 40 minutos regulamentares. Passei a ir as termas sempre. E voltei aos travestis.

Toda semana eu saia com travecos, sempre comendo. Nesta época já sabíamos que a camisinha protegia bastante. Minha mulher tinha problemas com pílulas e fodíamos também com camisinha. Quer dizer, estávamos relativamente protegidos. Minha vida sexual continuava intensa. Minha mulher continuava com ciúmes, desconfiada. Eu tentei convence-la a fazermos suingue, mas ela não topou e, acho, nunca mais fodeu com outro. Trepávamos bastante. Ela gosta de foder pela manhã e eu achava delicioso depois de comer um travesti ou uma GP na véspera, transar com ela pela manhã.

Só deixamos de usar camisinha quando quisemos mais um filho. Outra menina.

Tivemos uma filha, mas minha mulher continuava ciumenta. Cismou que eu andava com uma outra mulher que dava em cima de mim. Mas por todo o tempo só fodi umas três vezes com uma colega de trabalho e algumas vezes com uma estudante. Era bem comportado.

Minha mulher achava, no entanto, que eu a estava "traindo", mas nunca desconfiou das duas com quem fodi. Ela estava chateada e um dia chegou tarde em casa. Desconfiei e ele me contou que tinha saído para trepar com um cara. Fiquei chateado e com ciúmes. Ela me abraçou, beijou e me levou para a cama. Acho que nunca comentei isto com ninguém. Pois foi uma boa foda, eu a chupei, ela com cheiro de pica na buceta e gozamos, ela me contando a foda. Acordei de madrugada danado com ciúmes e fodemos novamente.

Bem, ela foi amante do cara por uns meses. Eu a época viajava muito e ela aproveitava para foder. Chegou a dormir com o cara, deixou a filha com os pais e voltou pela manhã. Os pais se zangaram com ela, pelo que ela me contou. Mas depois de algum tempo o cara começou a querer mais, queria que ela me deixasse. E ela decidiu que gostava mesmo era de mim.

Com este episódio, me senti liberado. Descobri as garotas de programa das termas. A primeira vez me encantou. Fui com uma GP linda para a cabine, tiramos a roupa, ela chupou meu pau e fodemos pelos 40 minutos regulamentares. Passei a ir as termas sempre. E voltei aos travestis.

Toda semana eu saia com travecos, sempre comendo. Nesta época já sabíamos que a camisinha protegia bastante. Minha mulher tinha problemas com pílulas e fodíamos também com camisinha. Quer dizer, estávamos relativamente protegidos. Minha vida sexual continuava intensa. Minha mulher continuava com ciúmes, desconfiada. Eu tentei convence-la a fazermos suingue, mas ela não topou e, acho, nunca mais fodeu com outro. Trepávamos bastante. Ela gosta de foder pela manhã e eu achava delicioso depois de comer um travesti ou uma GP na véspera, transar com ela pela manhã.

Só deixamos de usar camisinha quando quisemos mais um filho. Outra menina.

Minha ex casou novamente, e, tanto quanto eu saiba, continuou discretamente dando muito. Eu sempre estive apaixonado pela minha mulher. Era pela outra mas passou, a única saudade que eu tinha era de ter uma esposa que desse e depois me contasse.

Era frequente que eu tocasse punheta imaginando minha mulher com outro. Ou lembrando as fodas com as GPs e os travestis. Com o tempo acho que fui aceitando melhor a ideia de ser bissexual ou coisa assim, pois passei a me masturbar mais ou fantasiando com travestis ou com a minha dando fora de casa, esta última parte fantasia pura.

Quando eu fodia sem camisinha as vezes dava para os travestis. Na verdade a minha primeira foda passiva autentica foi nesta época, traveco pediu para me comer e eu dei, gozando na punheta. Aí passei a dar mais do que comer. Quando voltei a eles, tinha receio de dar e comia mais do que era enrabado. Mas fui aprendendo aos poucos.

Os travestis me diziam que um terço dos bofes queriam dar e os outros comiam. Demorei a perceber que causava desejo aos homens, quase sempre o travesti ao tirar a roupa já estava de pau duro! Gostava disto, afinal sempre tive dificuldade em ganhar mulheres, uma espécie de timidez. Passava por ser galinha, mas qual o que. As mulheres pareciam não ter tesão em mim. Eu achava que era por ser baixo e gordinho, mesmo sendo mais ou menos musculoso. Minha mulher sempre mostrou tesão em mim e achava-me muito gostoso. Já com os travestis me sentia desejado, coisa que todos gostam.

Sobre este texto

Sergio

Autor:

Publicação:25 de agosto de 2015 13:39

Gênero literário:Crônica erótica

Tema ou assunto:Gays

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Ainda não há estatísticas de leitura deste texto, pois ele foi publicado em 25/08/2015.

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

Não há comentários até o momento. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*