Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

Comendo o bundão da Marli na sala de tecidos

Como estou de férias entro neste site para ler os contos mais fantásticos e tesudos a fim de liberar a fantasia e realizar a foda mais merecedora de quem gosta de sexo como eu. Conforme vou lendo vou entrando no clima e colocando em ordem as lembranças das aventuras já experiênciadas por mim. Uma delas lembrei e decidi colocar neste site.

Eu trabalhava numa industria de tinturaria textil no laboratório de desenvolvimento de cores. Este laboratório era composto por cinco pessoas: Lincol, Luiz Mario, Ronaldo, Aparecido e eu. Infelizmento só cueca. Devido a demanda de serviço ser muito alta iniciaram uma nova seleção para encontrar alguém que pudesse vir para o laboratório nos ajudar nos serviços atrasados.

Na semana seguinte então viria a Marli que já trabalhava na firma. Galera essa garota tinha um bundão que parava a sessão por onde passava. Ela nada boba usava umas calças coladas só para deixar a peãozada babando e comentdo com os olhos. Eu confesso que muitas punhetas batia em homenagem a ela. Ela era baixinha, seios grandes, coxas grossas e dona de um rabo maravilhoso. Quando Marli entrou no laboratório quase tive um troço e para minha alegria eu quem iria ensinar o serviço.

Passou-se a semana, o mês e ela já estava mais familiarizada conosco e com o serviço. A partir daí as intimidades já começavam. Falávamos besteiras e ela nem aí, até participava falando mais do que nós. Em uma das conversas jogada fora foi sobre sexo e o Ronaldo logo perguntou para a Marli se ela já fez sexo anal. Ela respondeu que não e que nunca faria. A conversa então parou por aí.

Marli sabia da minha tara por ela pois diretamente comia o rabão dela com olhos. Ela então passou a me provocar. Deixava cair alguma amostra e virava o rabo para meu lado e dizia:

- Vem cá D. vem!

Quando me aproximava ela recuava rindo da situação. E foram longos meses me acabando na punheta pensando no meu cacete atolado naquele rabo delicioso. Teria que comer aquela bunda custe o que custar. Até que a sorte resolveu sorrir para mim. Nós tínhamos uma sala onde guardavamos amostras da produção e que ficava isolada da sessão. Meu chefe pediu então que eu fosse pegar algumas amostras pois tinha dado um problema na produção. Pensei que iria sozinho mas para minha felicidade a Marli me acompanharia para conhecer a sala. Meu coração saltava pela boca.

Chegando na sala acho que ela percebeu a fria que se meteu pois pediu que deixasse a porta aberta. Nesta sala tinha tecido até o forro ficando quase difícil de se movimentar lá dentro. Cada um com a amostra padrão na mão começamos a procurar. Eu não tirava os olhos naquele rabo e a safada sacava tudo. Tinha um corredor de tecidos bem estreito que só dava para passar uma pessoa eu entrei nele e fiquei procurando e logo vem a Marli para me mostrar um tecido. Olhei e parecia com o padrão mas para confirmar achei melhor pegar outra amostra que estava em cima da mesa. A Marli ao invés de sair primeiro ficou parada então me comprimindo passei por trás dela. Galera que delícia. Encostei meu cacete no rabo dela. Como era macio. Peguei a amostra e voltei para o lugar desta vez com a pica bem dura e esfreguei bem gostoso naquele rabo. Marli então dá uma inclinada no bundão e encoxo bem gostoso. Com essa deixa fui fechar a porta e voltei para a encoxada. A safada fazia de conta que não estava percebendo, porém gemia bem baixinho.

-Ummmmmmmmmm...que folga é essa heim!

- Você acha que sou de ferro é fica rebolando esse bundão pra mim e não quer que fique de pau duro!

- Eu não provoco ninguém você fica de pau duro porque quer!

- Ah então ficava olhando para meu pau duro né!

- E como não perceber? Um volumão nada discreto na minha frente e acha que não olharia!

Tirei o pau para fora e coloquei bem no meio de sua bunda e fiquei esfregando. Como a situação já estava sobre controle levei minha mão em sua bucetinha por cima da calça.

- Hãhã...para D. é perigoso!

- Fechei a porta fica tranquila!

Aos poucos Marli foi se convencendo que não sairía dali sem levar rola.

- Você é tarado heim!

- Pela sua bunda sim não aguento mais bater punheta em sua homenagem!

- Sério!

- Que tal ser caridosa e me ajudar a não castigar mais meu pau?

- O que você quer?

- Sua bunda gostosa!

- Eu não faço anal!

- Mas eu não aguento mais de vontade de comer seu rabo Marli!

- Para compensar faço um boquete para você e só!

Saímos do corredor estreito e subimos no amontoado de tecido. Tirei a calça e deitei. Marli veio por cima e chupou meu pau. Que gulosa.

- Isso Marli chupa essa pica...aaaaaaaaa...hummmmmmmmm...

- Até que você tem um pintão gostoso!

Ela chupava e eu tentava tirar sua roupa. Resistiu até quanto deu mas quando entrou no clima já estava com o bundão à mostra para meu delírio. Passei a chupá-la até ouvir o que estava louco para ouvir:

- Me come vai. Foda-se tudo!

Mais que depressa coloquei meu cacete em sua bucetinha úmida e fui empurrando até o saco. Como era delicioso bombar aquela xoxotinha tão desejada claro que meu desejo maior era o bundão. Depois de comer bem gostoso sua buceta a coloquei de bruços e passei beijar e mordiscar sua bunda.

- Ai Marli que bunda linda. Dá o cú pra mim vai!

- Nããããããoo!

- Não aguento mais!

O seu não já não convencia tanto assim e arrisquei encostar a cabeçinha no cuzinho.

- O que você está fazendo D.?

- Só esfregando meu pau!

Meu tesão era tanto que a babinha do meu pau lubrificava o cuzinho dela. Pelos gemidos percebia que Marli já estava gostando das esfregadas. Aproveitando da situação comecei a forçar a entrada.

- Nããããoooo!

- Só a cabeça Marli vai!

- Tudo bem então vai logo cacete!

Em plena alegria comecei a empurrar a cabeçorra no anelzinho tão desejado. Entrando a cabeça parei um pouco para Marli acostumar. E perguntei:

- E então está doendo?

- É claro que está!

- Quer que eu tire?

- Não agora que começou continue!

Enfiei mais um pouco e comecei a movimentar lentamente para não assustá-la.

- Aaaaiii que delicia Marli. Que cú gostoso da porra!

- Ai ai ai...dói D. pára!

Vocês acham que atendi o pedido dela? É lógico que não. Tanto tempo desejando aquela bunda e vou parar agora!

- Relaxa Marli daqui a pouco você estará pedindo mais pica nesse cú gostoso!

Galera que bunda fantástica. Conforme bombava sua nádegas balançavam ao rítmo do entra e sai. O único som na sala era os nossos gemidos e o plaft plaft no bundão dela. Para minha alegria Marli já não reclamava mais.

- Ai D. parou de doer agora vai até o fim seu puto do caralho!

- Beleza deixa comigo sua putinha!

- Hummmmmmmm...que gostoso tomar no cúúúúúú...

- Eu sabia que você iria gostar. Agora é só relaxar e curtir minha pica fudendo esse rabo tão desejado.

- Aaaiiiii... eu sacava sua tara pelo meu rabo safado agora ele é seu!

- Estava louco para comer sua bunda desde que te vi passando pela produção!

- E agora está comendo né safadinho!

- Dá uma rebolada dá!

- Será que consigo?

Marli então passou a rebolar e gostando da situação deu um gemido alto e gozou bem gostoso com meu pau atolado no cú. Depois de bombar gostoso no cuzão dela por uns 20 minutos não aguentando mais atolei a rola até o fundo e soltei minha porra.

- Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhh...de-lííííí-cia...

- Uuuuiiii...que gostoso D.!

- Gostou né!

- Ai não sabia que era bom dar o cú assim!

Fiquei ainda com o pau dentro do cuzão já arrombado da Marli por alguns minutos para acreditar que não foi um sonho. Quando tirei o pau, veio em seguida uma gala de porra que escorria pela suas pernas.

- Nooossa o que é isso quanta porra saíndo do meu cúúú!

- É normal gata vou te limpar!

Peguei um pedaço de tecido e passei a limpar o cuzinho dela. Feita a limpeza e parando de escorrer porra nos trocamos e saímos logo para não reclamarem nossa demora. No laboratório ninguém disse nada graças ao monte de serviço a ser feito. Marli foi continuar seu serviço e eu levar as amostras requisitadas.

Depois de algum tempo Marli me confessou que ficava imaginando como seria dar o cuzinho desde aquela pergunta do Ronaldo e ela percebendo que eu não parava de olhar para seu rabo resolveu tentar comigo.

Transamos só mais umas três vezes com bastante anal e depois tomamos rumos diferentes. Não trabalho mais nesta indústria. Quanto a Marli nunca mais a vi.

É isso galera. Tenho muitas aventuras que aos poucos vou deixando aqui no site. Espero que gostaram.

Gostaria de conhecer mulheres que gostem de sexo e gostem principalmente de dar o cuzinho para trocarmos e-mail e principalmente experiências.

Beijos

[email protected]

Sobre este texto

TARADO POR BUNDAS

Autor:

Publicação:4 de maio de 2012 10:49

Gênero literário:Contos eróticos

Tema ou assunto:Jovens

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Este texto foi lido 1.085 vezes desde sua publicação em 04/05/2012. Dados do Google Analytics

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

Não há comentários até o momento. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*