Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

CARPE DIEM - MENINA SAPECA!

CARPE DIEM - MENINA SAPECA!
Nas semanas que se seguiram, eu e Ivone mantivemos um intenso contato por meio eletrônico; como eu não tinha Whatsapp, optei por utilizar um aplicativo chamado Telegram, que também pode ser acessado por PC ou notebook. Ivone gostou da ideia e passamos a nos comunicar através desse aplicativo sempre que tínhamos tempo disponível. Via de regra, falávamos sobre sexo, tesão, desejo e a vontade imensa de nos reencontrarmos para uma nova sessão de safadeza.

Aquilo funcionava como um afrodisíaco para mim (e creio que para Ivone também), alimentando não apenas desejos, como expectativas de um novo encontro. Nesse ínterim, propus a Ivone que também nos comunicássemos por Skype, o que ela aceitou imediatamente. Adicionei-a, então, aos meus contatos e, sempre que possível, nos víamos pelo aplicativo.

Certo dia, no final do expediente, ela me chamou pelo vídeo, dizendo que tinha uma surpresa para mim; assim que abri, tomei um susto: Ivone estava pelada! Fiquei pasmo com a visão daquela madura nua sentada no sofá da sala em frente ao seu notebook. Ela sorria para mim com ar de safadeza descontrolada.

-E aí – perguntou ela, com voz lânguida – Gostou da surpresa?

-Se gostei! – comentei – Adorei, gata …, um tesão!

Sem aviso, Ivone abriu as pernas e começou a se masturbar para mim …, e eu fui obrigado a assistir sem poder esboçar qualquer reação, já que estava no meu trabalho e mesmo protegido pela baia, não podia abusar da sorte. Ivone esfregava seu clítoris com o dedo médio, enquanto o mantinha preso entre os dedos indicador e anular; vez por outra, ela lambia o indicador da outra mão e melava a região a fim de diminuir o atrito, facilitando o resultado esperado.

Desde o primeiro orgasmo, Ivone gemia e olhava para mim, mordendo os lábios e exibindo um olhar repleto de desejo. E ela gozou várias vezes, divertindo-se com o fato de saber que eu não podia fazer mais nada a não ser observar …, observar e me deliciar.

-Ai, que bom! – balbuciou ela, quando, finalmente, deu-se por vencida ante o esforço – E você, meu gato safado? Gostou da minha surpresa?

-Gostei muito! – respondi – Pena que eu não estivesse aí, perto de você …

-Eu sei disso, gato – respondeu ela, em tom de lamentação - E quando você virá me ver? Estou precisada como você bem viu …

-Por mim, iria hoje mesmo, gostosa – respondi, incapaz de esconder meu tesão – Mas, no momento não é possível …

-Tudo bem, gato – conformou-se ela, com um suspiro – Estou esperando, está bem.

Nos despedimos e eu fui para casa com a sensação de arrependimento por não ter ousado um pouco mais naquele mesmo dia. Conformei-me, chupando a boceta da “patroa” naquela noite e fazendo-a gozar como louca!

Alguns dias depois, Ivone, mais uma vez, aplicou-me uma peça. Ela enviou uma mensagem de texto preocupante. “Ai, amor! Você precisa vir aqui o mais rápido que puder”. Ao ler a mensagem, desesperei-me, pensando no pior! Será que ela tinha sofrido um acidente? Foi assaltada? Milhares de possibilidades ruins passaram por minha mente em questão de segundos …, antes de sair correndo do escritório como um louco, fui ao banheiro e liguei para ela.

-Oi – disse ela depois de várias tentativas.

-O que aconteceu, gata? – perguntei incapaz de esconder o desespero em minha voz.
-Você precisa vir aqui, agora – disse ela com voz entrecortada.

-Porque – perguntei eu, ainda mais desesperado – O que está acontecendo?

-Sua putinha está fazendo uma sapequice imperdoável – respondeu ela entre um gemido e outro – Vem …, vem logo!

Sentindo meu pau latejar dentro das calças, e mal pude me controlar para informar ao meu chefe que precisava sair com urgência a fim de resolver um problema que exigia minha presença (e como exigia!). Ele me autorizou, supondo que minha alegação tivesse algo a ver com problemas familiares ou domésticos.

Peguei meu carro e corri para o apartamento de Ivone sem pensar em mais nada, apenas no que ela estava fazendo …, “O que aquela safadinha estava aprontando! Seja o que for, deve valer a pena!”, eram as coisas que passavam por minha mente e que não verbalizava, apenas para não perder tempo com besteiras inúteis. Assim que estacionei o carro na vaga de visitantes, ouvi o zelador dizer que eu podia subir. “Dona Ivone está a sua espera”, ele dizia enquanto acionava a abertura do portão principal.

Entrei no elevador e aguardei impaciente que ele chegasse ao andar onde ficava o apartamento de Ivone. Ao sair dele, vislumbrei a porta entreaberta como um convite para mim. Quando fechei a porta atrás de mim a visão que se descortinou foi algo, no mínimo, insólito. Ivone estava deitada no sofá da sala, pelada e de pernas abertas. E entre elas estava seu cachorrinho de estimação (cujo nome não me lembro, mas vou chamá-lo de “amendoim”), que, por sua vez, lambia avidamente a boceta de sua dona.

Fiquei sem ação ao ver aquilo: Ivone pelada sendo lambida por seu pet! E olha que o bichinho também parecia gostar muito daquilo. Ivone olhou languidamente para mim, sorriu e depois falou:

-Viu só, como a sua putinha é sapeca? Como pode isso! Você não pode me perdoar …, preciso ser castigada …, você não acha?

-Acho …, acho, sim – respondi, tentando controlar meu estado de estupefação com o que estava vendo.

Dei um grito para Amendoim que saiu correndo em direção da cozinha. Fui ao seu encalço apenas para fechar a porta, impedindo que ela retornasse. Voltei-me na direção de Ivone e caminhei até ela, despindo minhas roupas o mais rápido que podia. Já estava nu, quando cheguei perto do sofá e a peguei pelos cabelos, obrigando que ela se levantasse para que eu pudesse me sentar.

Coloquei-a, então, de bruços sobre meu colo e comecei a beliscar sua bunda. Ivone dava gritinhos e pedia para que parasse de fazer aquilo.

-Cala a boca, sua vadiazinha! – gritei, enquanto aplicava uma sequência de palmadas vigorosas em suas nádegas – Você precisa apanhar para aprender a não fazer mais coisas como essas, entendeu? Responde, putinha!

-Ai, sim senhor! – respondeu ela com alternando as palavras com gritinhos e gemidos – Pode me bater …, eu mereço …, Ai, assim, castiga bem gostoso …

Deliciando-me com a situação inusitada, segui desferindo várias palmadas nas nádegas roliças de minha parceira, até elas ficarem avermelhadas e quentes. Ivone seguia gemendo e pedindo mais. Após uma boa surra na bunda, mandei que ela ficasse de joelhos e segurei minha rola com uma das mãos, aproximando-a de sua boca.

-Lambe meu pau, sua putinha – ordenei com tom autoritário – Só lambe, entendeu? Nada de chupar, pois se fizer isso será castigada.



Ivone obedeceu e fez sua língua passear pelo meu pau duro, detendo-se na glande e nas bolas, causando-me enormes arrepios que percorriam toda a superfície da minha pele. Eu a segurava pelos cabelos e toda a vez que ela tentava abocanhar a rola eu os puxava com certa violência, deixando claro quem estava no comando da situação.

-Agora sim! – disse eu, ainda com tom de voz firme – Agora você pode chupar a rola, entendeu?

-Sim senhor – respondeu ela em tom obediente e submisso – Eu faço tudo o que meu senhor quiser, afinal, fui muito sapeca …

Ivone abocanhou a rola e chupou com sofreguidão, fazendo minha glande tocar em sua glote o mais vezes que lhe fosse possível. Eu estava extasiado de prazer e queria que aquilo não acabasse nunca mais. Ivone era uma mulher e tanto e tudo que ela fazia era para me agradar e nos dar prazer. Pouco depois, eu me sentei no sofá ainda segurando-a pelos cabelos.

-Agora, vem aqui, minha puta! – exigi com furor – Vem aqui e senta na minha rola …, primeiro de frente para mim …

Ivone obedeceu sem pestanejar e sentou-se na rola, deixando que ela escorregasse para dentro de sua boceta melada; ela começou a subir e a descer sobre meu pau, apoiando suas mãos em meus ombros e balançando seus seios deliciosos próximo de meu rosto. Por algum tempo, eu a segurei pela cintura, comandando os movimentos de sobe e desce, mas não tardei em deixar que ela prosseguisse, enquanto eu segurava seus peitos, alternando-os dentro de minha boca, sugando e mordiscando os bicos durinhos e lambendo as aureolas intumescidas.

-Ai, meu senhor! – balbuciou ela em descontrole – Acho que não vou aguentar por muito tempo …, acho que vou gozar!

-De jeito nenhum, puta safada! – gritei eu, enquanto dava tapinhas em seu rosto – Você só vai gozar quando eu quiser …, entendeu?

-Sim …, Sim senhor! – respondeu ela, hesitante e ofegante.

Continuamos fodendo até o momento em que ordenei que ela ficasse de quatro apoiada sobre um dos braços do sofá, e eu me preparando para enrabá-la. Lambi seu cu e dei umas cuspidelas, melando a região; segurei-a pelas nádegas e enterrei a rola com um único golpe. Ivone, gemeu alto, mas manteve-se firme, recebendo a grossura do meu pau duro.

Comecei a estocar com violência, fazendo minha parceira ora gemer, ora gritar, sufocando seus gritos como podia. Mas, repentinamente, senti algo acontecendo em minhas bolas …, olhei para trás e vi o Amendoim lambendo a região entre as bolas e a boceta de Ivone! De início fiquei assustado com aquilo, mas foi a própria Ivone que me tranquilizou: “Ele não vai te morder, não, gato, ele vai apenas me chupar!”, disse ela em tom jocoso.

Vendo-me em uma situação totalmente nova, deixei que o Amendoim fizesse o que aprendera e segui enrabando minha escravinha deliciosa. Não demorou muito para que Ivone explodisse em uma sequência quase interminável de orgasmos que se sucediam de uma forma tão eloquente que temi pelo risco da vizinhança ouvir o que acontecia naquele apartamento.

Enquanto eu estocava o cu dela com força, o cachorro tratava de sua boceta, lambendo com uma destreza animal (desculpe o trocadilho), sendo que, vez por outra, sua língua passeava pelas minhas bolas, causando deliciosos arrepios. Fodemos até não poder mais, e Ivone gozou tanto que já não tinha mais forças para fazer ou dizer alguma coisa.

-Agora, vem aqui, putinha – ordenei, enquanto sacava a rola do cu de Ivone e afastava Amendoim com uma das mãos – Vem aqui …, ajoelha e deixa eu esporrar em sua boca!

-Sim, meu senhor – respondeu Ivone posicionando-se como eu havia ordenado – Tudo o que o senhor quiser …, vai, Amendoim …, cai fora!

O animal obedeceu desaparecendo no corredor sem que eu soubesse como ela conseguira chegar até a sala (?). Segurei os cabelos de Ivone e comecei a me masturbar até atingir o clímax, explodindo em jatos quentes e viscosos de sêmen que se espalharam pelo rosto de minha parceira que tentava, por todos os meios, engolir toda aquela carga de porra recolhida.

Quando tudo acabou, eu desmontei sobre o sofá, sentindo que não restava um pingo de energia em meu corpo. Ivone veio deitar-se ao meu lado, me abraçando carinhosamente. Ficamos ali, apreciando o tempo e dormitando um pouco. Depois conversamos e eu disse que desconhecia aquela habilidade de seu bichinho de estimação.

-Quando não se tem tudo na vida – disse ela com ar filosófico – Temos que improvisar com aquilo de que dispomos …, você não concorda com isso?

-Você é demais, gata! – comentei entre uma risada e outra.

-Queria te pedir mais uma coisa, posso? – perguntou ela com tom encabulado.

-Claro que pode! – respondi, ansioso pelo que estava por vir.

-Você deixa eu lamber seu cu? – perguntou ela, enquanto seus dedinhos brincavam com a rola amolecida.

-Nossa! – exclamei surpreso – Que pedido mais curioso, hein!

-Eu sei, mas, você deixa? – tornou ela a perguntar. Não respondi, apenas acenei com a cabeça e fiquei de quatro sobre o sofá.

Ivone, então, colocou-se atrás de mim e começou chupando as bolas e seguindo na direção do meu orifício. Quando ela começou a me chupar, senti uma onda de arrepios tomarem conta do meu corpo, ao mesmo tempo em que meu pau recobrava sua energia de modo súbito e surpreendente. E enquanto ela chupava meu cu, Ivone também segurou o pau, masturbando-o com violência, enquanto o puxava, dolorosamente, para trás.

Eu sentia um misto de dor, prazer, medo e curiosidade que pulsavam em cada poro do meu corpo. Ivone prosseguiu em sua “tarefa”, intensificando as lambidas no cu, com a masturbação cada vez mais vigorosa. E no momento em que ela endureceu a língua e simulou uma penetração, senti um espasmo vibrar em minha espinha dorsal, seguindo-se um pulsar violento da rola, cuja glande pareceu inchar até o ponto de explodir, epilogando em um gozo cuja intensidade não podia ser descrita com palavras.

Enquanto ejaculava, sentia também uma dor contundente provocada pela mão de Ivone puxando a rola para trás, como se quisesse enfiá-la no meu próprio cu! Mesmo assim, foi uma gozada homérica e sem precedentes …, pelo menos, para mim. Ivone libertou minha rola melada e assim que me deitei no sofá, ela se incumbiu de lambê-la cuidadosamente, retirando o sêmen que ainda teimava em escorrer.

Depois de um merecido descanso, decidimos que era chegada a hora da despedida. Quando ela me perguntou se eu não queria tomar uma ducha, olhei para ela, e depois de um sorriso respondi:

-Não, meu amor …, vou levar seu cheiro e seu gosto comigo.

Ivone ficou sem palavras, mas seu olhar terno e brilhante valia mais que mil palavras. Nos despedimos na porta do apartamento e depois de me beijar, Ivone sussurrou em meu ouvido:

-Vá, mas, por favor, volte …, me sinto muito bem depois que te conheci …, me sinto mulher outra vez. Não respondi …, mas, sorri deixando claro que voltaria sempre que pudesse e que ela quisesse.

Sobre este texto

Trovão

Autor:

Publicação:25 de setembro de 2016 22:08

Gênero literário:Contos eróticos

Tema ou assunto:Maduras

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Ainda não há estatísticas de leitura deste texto, pois ele foi publicado em 25/09/2016.

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

Não há comentários até o momento. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*