Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

TORTURA INTRIGANTE(PARTE 01)

TORTURA INTRIGANTE(PARTE 01)
“Como ela é gostosa!” pensei eu ao rever Verônica, uma amiga da minha filha muito próxima de nossa família; ela sempre frequentou nossa casa e, depois de algum tempo, ela se distanciou por conta de alguns percalços da vida, retornando ao nosso convívio apenas muito recentemente. E essa menina-mulher era um tesão de infinita insinuação: loira, corpo de formas generosas e um rostinho angelical; aliás, suas formas, em especial o busto, eram algo de divino, cuja singeleza contrastava, e muito, com a sensualidade que exalava à flor da pele.

Eu sempre a vi como “uma das melhores amigas da minha filha”; porém, preciso confessar que, nesse reencontro, meus olhos passaram a vê-la de outra forma, uma forma intrigante e excitante ao mesmo tempo. Todavia, é preciso esclarecer que, num primeiro momento, isso ficou escondido em meus anseios de macho, impedido de revelar-se e trazer consequências indesejáveis.

Com seu retorno, Verônica passou a frequentar nossa casa com mais assiduidade que antes, passando finais de semana inteiros entre nós, dormindo no quarto da minha filha e partilhando refeições e diversões comuns. Preciso fazer, aqui, uma ressalva, esclarecendo que a mãe de Verônica, Alberta, também frequentava minhas lucubrações mentais, posto que, da mesma forma que a filha, porém com mais idade e experiência, também me causava uma excitação torturante e, de uma forma muito sui generis, ela e eu acabamos nos envolvendo também.

Tudo seguia um curso normal e absolutamente ingênuo, entre eu e Verônica, que conversávamos muito, riamos a valer e nos divertíamos sempre que possível. Jamais passou pela minha mente que essa garota poderia envolver-se comigo – homem de mais de cinquenta anos, casado e pai da sua melhor amiga – e não percebi qualquer sinal nesse sentido. Mas, acontecendo coisas que nunca imaginamos tornarem-se realidade, eu e Verônica passamos para um patamar acima em nosso relacionamento pueril e sem maldade.

E tudo aconteceu com um fato simplório e destituído de segundas intenções. Uma certa manhã de domingo, como de hábito, levantei-me cedo para fazer minha corrida habitual e, depois de um pequeno lanche, desci para a garagem de nossa casa, onde ficavam as roupas e demais apetrechos que costumo usar na prática desse esporte que muito aprecio.

Para minha surpresa, quando entrei na garagem, vi Verônica deitada no enorme sofá que fica na pequena sala de televisão que improvisamos no local há alguns anos; assim que a vi senti um arrepio percorrer minha espinha, ao mesmo tempo em que minha rola endureceu imediatamente. Verônica estava deitada languidamente, vestindo apenas uma calcinha do tipo fio dental. Ela estava de barriga para cima, e seus seios maravilhosos estavam em destaque com os mamilos pequenos coroados por aureolas rosadas e deliciosamente provocantes.

No primeiro momento, minha conduta interior exigia que eu desse meia-volta e abandonasse o local antes que ela acordasse e desse comigo ali, olhando-a gulosamente e de pau duro. E é bem verdade que tencionei fazer isso, não fosse o fato que a cabeça de baixo falava mais alto que a de cima, impondo que eu permanecesse a apreciasse aquela visão tentadora e inédita. Assim, permaneci onde estava, apreciando aquela paisagem divina.

Enquanto eu me quedava embasbacado, Verônica remexeu-se algumas vezes, até que, em dado momento, ficou de lado, exibindo sua bunda de nádegas bem torneadas. Aquela visão fez meu pau latejar e senti uma vontade incontrolável de me masturbar ali mesmo. Sem qualquer noção do perigo, abaixei meu calção, peguei a rola dura com uma das mãos e comecei a me masturbar violentamente. Minha respiração ficou mais curta e profunda e mal tive condições de sufocar os gemidos que teimavam em explodir na minha boca.

Meu corpo tremia, açoitado por arrepios que percorriam toda a superfície da minha pele, enquanto minha mão prosseguia em sua tarefa de aliviar meu tesão; com medo de ser flagrado por alguém, e especialmente por Verônica, corri ao banheiro que ficava ao lado do corredor de conduzia da garagem para a churrasqueira e sem me preocupar em fechar a porta, apoie-me com a outra mão na parede, intensificando minha deliciosa punheta.
No exato momento em que senti o orgasmo explodir em meu interior, a rola pulsou e eu ejaculei furiosamente; e foi apenas nesse instante que eu percebi que estava sendo observado …, Verônica havia acordado e estava no canto da porta do banheiro espionando meu prazer solitário; nossos olhares se cruzaram e eu vi nela uma excitação inquietante. Todavia, no estado em que me encontrava a única coisa a fazer era aproveitar o orgasmo esgueirado. Fechei os olhos, e por um momento, imaginei ela pegando na minha rola.

Quando tornei a abrir os olhos ela havia desaparecido sem deixar qualquer rastro. Limpei-me do jeito que foi possível, vesti meu traje e meu tênis e fui correr …, correr e esquecer da oportunidade perdida. Retornei próximo da hora do almoço; cansado e suado, entrei no box e tomei uma ducha refrescante. Sequei-me e vesti as roupas apropriadas para um domingo com a família: calção e camiseta regata.

Por um momento hesitei em subir para a cozinha, temendo que Verônica tivesse feito algum comentário com minha filha ou, ainda pior, com minha mulher; respirei fundo e procurei meu destino. Minha mulher sorriu para mim e disse que o almoço estava quase pronto; assenti com a cabeça e disse que apenas precisava fazer a barba e fui para o nosso quarto.

Dei de cara com Verônica e minha filha na sala de estar, assistindo televisão; assim que olhei para elas senti um frio na barriga e um tremor percorreu minha espinha. “Será que ela contou para minha filha sobre o flagrante da manhã?”, era o único pensamento que assombrava minha mente. Mas o olhar caloroso e alegre de Verônica, desde logo, sossegou minha alma …, ela parecia dizer que estava tudo bem e que eu não precisava me preocupar.

Almoçamos e depois ficamos assistindo alguns filmes pelo NETFLIX, deixando a tarde correr solta e morna. Quando a noite chegou tomamos um lanche rápido e minha esposa disse que precisava se deitar, pois no dia seguinte ela teria que acordar muito cedo. Fiquei mais algum tempo na sala me entretendo com uns vídeos no YOUTUBE e umas postagens no FACEBOOK. Senti o cansaço bater à minha porta e disse para as meninas que precisava me recolher também. Dei boa noite e subi as escadas em direção ao meu quarto.

Era madrugada alta quando acordei sentindo muita sede (maldita picanha salgada!). Desci as escadas até a cozinha, e somente quando estava lá, me dei conta de que vestia apenas minha camiseta de dormir. É bem verdade que ela mais parece um camisolão comprido, mas, mesmo assim, ponderei que não fora uma atitude aconselhável, já que havia uma pessoa que não era da família.

De qualquer modo, abri uma garrafa de água mineral gasosa e sorvi em apenas dois goles …, foi quando senti uma mão macia tocando minha rola por baixo da camiseta.

-Não se preocupe, tio – dizia Verônica que estava ali, ao meu lado, vestindo apenas sua calcinha fio dental – esse lance que aconteceu pela manhã fica sendo nosso segredinho pessoal, o.k.?

Senti o toque macio apertar meu pau que, imediatamente, ficou teso; engoli em seco pensando em todas as consequências que aquela situação poderia desencadear …, mas, mesmo assim, deixei que ela prosseguisse em sua carícia, apenas acenando com a cabeça, concordando com sua “proposta”.

Verônica ficou ali, por algum tempo, brincando com a rola e esfregando seus peitos em mim, tentando, de alguma forma, me tirar do sério. Eu me controlei ao máximo e quando já não resistia mais, ela largou a rola, sorriu para mim e me deu um beijo no rosto, correndo em direção da escada. Eu fiquei onde estava, atônito, chocado e excitado, tudo ao mesmo tempo, pensando em que situação eu havia me metido e se aquilo foi apenas o gesto de uma menina assanhada, ou se, por outro lado, isso haveria de ter consequências …, mal sabia eu que as consequências estavam por acontecer.

Acordei cedo na manhã seguinte e fui para o trabalho, já que tinha um dia cheio pela frente. Cheguei ao meu trabalho antes do horário normal e dei início às tarefas cotidianas que estavam pendentes desde a semana anterior. Mas, por mais que me concentrasse nas tarefas e compromissos, a imagem de Verônica brincando com minha rola em sua mão, causava-me uma excitação torturante, ao mesmo tempo em que me deixava muito intrigado: qual era a intenção daquela menina comigo? Isso me perseguiu por todo o dia …, até depois do almoço.
Eu estava voltando do restaurante onde habitualmente faço minhas refeições, quando esbarrei em Alberta, a mãe de Verônica; Alberta era advogada e, vez por outra, nos encontrávamos já que ela corria os fóruns, pesquisando processos e fazendo audiências. Ela sorriu para mim, me abraçou e beijou-me na face. Conversamos por algum tempo, trocando lembranças de encontros anteriores e rindo de algumas situações em que havíamos nos metido por conta do relacionamento muito próximo de nossas filhas.

Nos despedimos sem pressa e cada um seguiu o seu caminho; em nenhum momento passou por minha mente que aquele encontro não fora absolutamente casual, ou ainda que havia os dedinhos sapecas de Verônica. Tanto é verdade que, no decorrer da tarde, eu já havia me esquecido do encontro com Alberta, voltando a concentrar-me no volume de trabalho que pesava sobre minha mesa.

Por essa razão é que fui tomado de assalto com o surgimento de Alberta no corredor interno do meu escritório. Eu estava levando alguns papéis para serem assinados, quando a vi, sentada em um dos bancos da sala de espera, lendo alguma coisa em suas anotações. Cumprimentei-a com efusividade e perguntei se precisava de alguma ajuda. Alberta olhou para mim e fez sinal para que eu me aproximasse dela. Quase colei o ouvido em seus lábios para compreender o que estava dizendo.

-Preciso de algumas informações sobre um processo – sussurrou ela – será que você pode me ajudar, meu querido?

Eu mesmo não acreditei quando pus fé naquela frase, crendo que era isso mesmo que ela queria. Respondi que sim, mas que era preciso esperar um pouco, pois o expediente ainda corria solto. Ela concordou, dizendo que ficaria ali mesmo, a minha espera. Acenei com a cabeça e segui meu caminho.

Passava das sete e meia, quando dei conta de que Alberta ainda devia estar na sala, aguardando por mim. Assim que me sentei ao seu lado, ela me confidenciou que se tratava de algo sigiloso e perguntou se poderíamos conversar em particular. Pensei por alguns instantes e lembrei-me que a sala de um dos assistentes estava vaga já que o rapaz estava em período de provas. Imediatamente, convidei Alberta para que fossemos para lá.

Entramos. Eu fechei a porta e convidei-a a sentar-se enquanto pegava um café para nós. Voltei com duas xícaras colocando-as sobre a mesa. Como imaginava que o assunto requeria certa atenção, sentei-me na cadeira ao lado dela e depois de sorvermos alguns goles de café, perguntei-lhe do que se tratava. Alberta colocou sua mão sobre minha coxa e aproximou-se até que eu pudesse sentir seu perfume doce e inebriante.

-Você sabia que estou sem homem há muito tempo? – disse ela, apertando minha coxa, enquanto seus lábios chegavam perigosamente perto dos meus – tempo demais para uma mulher sadia e fogosa como eu …, você não acha?

Sempre achei Alberta uma mulher excitante e desejável, assim como sabia que, embora casada, ela e o marido viviam juntos apenas por uma questão financeira, morando, inclusive, em residências próprias. Alberta era uma morena de cabelos longos, corpo de formas generosas, porém não exageradas; tinha um rosto suave com olhos negros brilhantes e lábios finos que desenhavam um sorriso lindo e convidativo. Naquele dia ela estava trajando um conjunto de saia e casaco curtos, saltos altos e uma maquiagem suave que apenas realçava ainda mais sua beleza madura.

-E minha filha me disse que você tem algo que eu preciso muito – continuou ela sem esperar por qualquer manifestação da minha parte – algo que vai saciar esse meu tesão …

Fiquei aterrorizado com aquela frase; Verônica devia ter contado a ela sobre minha punheta fora de hora na manhã do dia anterior, e pelo jeito que os olhos de Alberta faiscavam, ela queria muito conferir o que sua filha havia visto e também conferido.

Alberta não perdeu tempo, deslizando sua mão até minha virilha e apertando o volume que já denunciava o meu estado de excitação. A sorte estava lançada e eu tinha duas opções: partir para cima dela, ou recuar ante o perigo da situação inusitada de fazer sexo no meu local de trabalho. Minha mente correu solta, e eu conferi o fato de que, pelo horário, todos já haviam ido embora e que é a ocasião que faz o ladrão!
Sem me preocupar com mais nada, peguei Alberta pelos cabelos e puxei-a para mim, até que seus lábios tocassem os meus e pudéssemos nos beijar ardorosamente; preciso confessar que adoro beijar e que, ultimamente isso tem sido muito difícil …, muito mesmo! Suguei aquela boca e aquela língua como um nômade que há muito tempo sofre de uma sede incomensurável. Acariciei os cabelos sedosos de Alberta, enquanto sentia sua mão quente apertando minha rola que pulsava dentro das calças.

Retribui a carícia, enfiando uma de minhas mãos por baixo da saia procurando pela gruta do desejo insaciável, e não demorou não apenas para encontrá-la como também sentir o quanto estava úmida com o tesão daquela fêmea deliciosa.

Depois de quase ficar sem ar, eu decidi que tinha que partir para o ataque sem piedade; fiz com que Alberta ficasse em pé e nos agarramos como dois animais em pleno cio; mas isso não durou muito tempo, pois eu queria vê-la nua e ao meu dispor. Com modos desajeitados, tirei o casaquinho dela e puxei as alças da blusa branca que ela vestia, revelando o lindo sutiã meia taça que mal encobria os seios fartos dela.

Senti o volume e fiquei impressionado com a firmeza do busto daquela mulher madura; puxei o sutiã para baixo, deixando aquelas belezas à mostra para meu deleite. Segurei um em cada mão e passei a chupar o mamilo largo e intumescido, e lambendo a aureola rosada que também ficou arrepiada com o contato com minha língua.

Alberta gemeu baixinho enquanto acariciava meus cabelos e amassava meu pau com sua mão, quase clamando, silenciosamente, para tê-lo em seu poder. Habilmente, desafivelei o cinto e desci o zíper da saia, fazendo com que ela descesse até o chão. Empurrei Alberta para longe apenas para apreciar seu corpo deliciosamente exuberante.

-Vem, seu macho safado – sussurrou ela em meu ouvido, quase suplicando – vem me foder gostoso que eu estou muito precisada!

Nos desvencilhamos apenas pelos instantes necessários para que ficássemos nus …, “que loucura!”, pensei eu ao ver ela e eu nus no meu local de trabalho; um alerta piscou em minha mente e eu corri até a porta, trancando a maçaneta e me certificando que a loucura podia prosseguir. Voltei para Alberta que tinha um olhar lânguido, quase pedinte.

Fiz com que ela se sentasse sobre a mesa e exigi que abrisse as pernas; Alberta obedeceu sem pronunciar uma palavra sequer; apenas me olhava cheia de tesão. Sentei-me na cadeira e mergulhei meu rosto entre as pernas dela, até que minha língua sentisse o sabor agridoce da boceta molhada de minha parceira.

Suguei e lambi a boceta de Alberta, deliciando-me com o sabor e com os gemidos de minha parceira, que não tardou em começar a gemer baixinho, sussurrando que aquilo estava muito bom e suplicando para que eu não parasse. Minha parceira estava realmente precisada, pois em poucos minutos ela segurou os gemidos, dizendo que estava gozando …, aliás, nem precisava, pois eu podia sentir o líquido escorrendo de sua boceta para meus lábios e para o tampo da mesa.

-Ai, safado! – sussurrou ela – vem me foder com essa rola maravilhosa …, me fode, seu safado gostoso!

Fiquei de pé imediatamente e puxei Alberta para mim, deixando-a praticamente deitada sobre a mesa de pernas abertas e boceta escancarada. Maliciosamente, esfreguei a glande inchada na entrada da vagina alagada de Alberta, incitando-a e deixando-a à beira da loucura. Alberta balançava a cabeça e apertava meus braços, puxando-me em sua direção …, eu sei o que ela queria …

Todavia, eu queria apreciar aquele momento de dominação da rola dura sobre uma mulher cheia de tesão, e, por isso, prossegui esfregando a rola na boceta, ao mesmo tempo em que apertava os peitos firmes da minha parceira. Fiz de tudo para deixá-la à beira da loucura total, um ápice de tesão que ela jamais havia experimentado, até que, finalmente, enfiei a cabeça da rola na vagina dela.

Alberta estava muito lubrificada, mas, mesmo assim, senti uma certa resistência na penetração, inclusive por conta dos gemidos esganiçados de minha parceira que se contorcia embaixo de mim, sentindo a penetração há muito desejada. Prossegui, enfiando a rola, centímetro por centímetro, e saboreando o jeito como Alberta se contorcia, gemia e tentava reter a vontade de gritar de tanto tesão.

Fiz a rola penetrar por completo, até sentir meus pelos pubianos roçarem o ventre lisinho de Alberta, certificando-me de que a boceta dela havia engolido meu pau inteiramente. Em seguida, passei a estocá-la, primeiro com movimentos longos e lentos, chegando mesmo a ameaçar tirar a rola de dentro dela, fazendo Alberta gemer e reclamar com breves suspiros e respirações arquejantes.

Depois de algum tempo, passei a estocar com mais violência, imprimindo velocidade aos movimentos de vai e vem, enquanto segurava as pernas dela, uma de cada lado, erguidas e esticadas. Alberta gozou …, gozou várias vezes, uma após a outra, remexendo-se e rebolando, enquanto pedia mais. Eu prossegui, sem titubeios, penetrando furiosamente a minha parceira e apreciando aquela foda como uma iguaria única e inédita.

Seguimos fodendo por tanto tempo que eu já havia perdido a noção, não sabendo que horas eram, muito menos se poderíamos ser flagrados pelos seguranças em suas rondas noturnas. Mas, lamentavelmente, pressenti que o fim estava muito próximo.

-Porra, gata! – disse eu com voz arquejante e quase sem folego – não aguento mais …, preciso gozar!

-Vem gozar, meu macho! – disse ela quase implorando – mas, vem gozar na minha boca, que eu quero sentir essa porra quente …

Tirei a rola para fora, ao mesmo tempo em que Alberta, praticamente, escorregou até o chão, ficando de joelhos na minha frente. E foi ela própria que se incumbiu de terminar o “serviço”, aplicando uma vigorosa punheta na minha rola. Em poucos minutos, senti meu corpo todo fremir e um enorme arrepio percorreu minha espinha, denunciando que o orgasmo estava chegando.

Mal consegui controlar a ejaculação que vibrou com tanta intensidade que chegou a me assustar; os jatos de esperma, projetaram-se na direção do rosto de Alberta, lambuzando até mesmo, seus cabelos. Alberta não perdeu tempo e abocanhou a rola, sugando o sêmen e engolindo sem qualquer cerimônia. Logo, havíamos terminado nossa aventura insana e estávamos prostrados nas cadeiras desconfortáveis do escritório.

E foi nesse momento, que percebi onde estava e como estava: no meu trabalho, além do horário, nu com uma mulher com quem havia acabado de foder. Alberta, com uma destreza surpreendente, limpou-se do jeito que foi possível e vestiu-se em perda de tempo. Eu bem que tentei acompanhá-la, porém, mesmo com a mente ordenando o corpo demorava a obedecer.

Aproximadamente meia hora depois, estávamos na garagem do prédio. Fiz com que Alberta entrasse no meu carro e segui pelas rampas, cumprimentando o segurança na portaria que dava acesso para a rua e assinando o livro de controle de saída após o horário. Percebi o olhar curioso e também malicioso do segurança enquanto eu preenchia o livro, observando minha acompanhante, porém sem fazer qualquer comentário.

Perguntei onde Alberta havia deixado o seu carro e ela me indicou um estacionamento ali perto. Quando estacionei na frente dele, ela saltou sobre mim e me deu um beijo apaixonado. Depois, sorriu marotamente, enquanto acariciava meu peito por sobre a camisa.

-Olha, bem que a Verô me disse que você valia a pena! – comentou ela, maliciosamente.

-Como assim! – exclamei eu pedindo explicações sobre aquela afirmação.

-Ora, meu querido! – continuou ela ainda mais safada – ela me contou da sua experiência solitária em sua casa …, e me disse que você precisava de alguém como eu.

Sobre este texto

Trovão

Autor:

Publicação:28 de junho de 2015 19:08

Gênero literário:Contos eróticos

Tema ou assunto:Maduras

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Ainda não há estatísticas de leitura deste texto, pois ele foi publicado em 28/06/2015.

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

Não há comentários até o momento. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*