Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

Raquel, a Intrépida - Episódio 1

Raquel Austen Hans, 28 anos, secretária executiva de Hans & Brothers, companhia de comercio internacional de renome. Casada com Peter Hans há três anos. Mulher de grande personalidade, exigiu do marido que continuasse trabalhando na empresa mesmo depois do casamento. Peter o CEO da cia, cinquenta anos mais velho que ela apaixonado pela jovem e bela esposa nada lhe nega. Assim ela continuou secretariando Robert Hans, o irmão mais novo, que caí de amores pela cunhada e secretária, com quem, ocasionalmente, recebe favores sexuais. Para a fogosa Raquel, isso é apenas um meio de cobrir a ausência do marido, que na cama não mais funciona.

000

A jovem Raquel.

Aos 18 anos a bela universitária, com cabelos cor de fogo, principal centro de rede do time de vôlei do seu clube, a todos impressionava com seu porte físico e potência do saque. Com 1,83 m e um belo par de coxas e seios era a paixão da torcida, principalmente dos homens. Vaidosa e até um pouco exibicionista, nunca escondeu seus dotes físicos. Entretanto, encontros sexuais só manteve com Richard o massagista do time e com Beatriz, a Bia, a lindíssima colega de quarto no campus universitário e, eventualmente com um ou outro colega universitário.

Nesta sua época de universitária e jogadora, teve o seu primeiro e traumático encontro com a feia face que habita o coração humano.

Dezembro, recesso na universidade e no time de vôlei, todo mundo saindo de férias, Raquel depois de uma tórrida noite de amor com Bia, embarcou no seu carro, que a todos chamavam atenção por sua cor rosa choque e pegou estrada. Três semanas com os pais seria algo reconfortante para poder enfrentar o agitado ano novo que estava chegando, Ela teria, como sempre, de conciliar os estudos com os jogos do campeonato estadual, no primeiro semestre do ano.

Na rodovia, alguns quilômetros adiante, observou pelo retrovisor, uma insistente camionete azul que a seguia há muito tempo. Talvez fossem para o mesmo destino, quem sabe! Quase uma hora depois, ainda avistava o veículo a uns 200 metros. Incomodada com isso, parou no primeiro restaurante de estrada, não só para reabastecimento, como para comer alguma coisa e deixar a camionete sumir na estrada.

No salão, sentada junto à janela, pode ver a tal camionete estacionar quase ao lado do seu carro e dela descer três rapazes. Ao entrarem no restaurante observou que eram jovens e bem-apessoados e Raquel os achou até bonitos. Foram diretamente ao balcão, fazer os pedidos.

No meio do seu lanche, ela os viu se aproximarem de sua mesa e em pé, a olharem com interesse, um deles exclamou:

- Minha nossa! Você é a Raquel, a meio de rede do time de vôlei?

Ela apenas balançou a cabeça, confirmando. Um outro, o mais espevitado dos três, logo o secundou:

- Você é linda demais, garota!

Sem ao menos pedir licença foram logo puxando as cadeiras e se sentando ao lado dela.

- Vocês são muito abusados! Não lhes dei licença para usarem a minha mesa.

- Somos fãs de você e queremos pedir o teu autógrafo, é só isso.

Tudo bem! Por acaso estão me seguindo, eu observo a muito tempo a camionete de vocês na minha retaguarda.

- Nada disso, Raquel; a gente está indo para Campo Belo, a nossa cidade.

- Que merda! Me desculpem, mas eu estava com o cu bem apertadinho, imaginando besteiras. Eu vou bem mais adiante de Campo Belo.

- Na verdade, estamos indo para um pouco antes da cidade, para a lagoa Vermelha, para pescar. Eu tenho uma bela choupana a beira da lagoa. Não queres ir conosco e ficar uns dias por lá?

- Espertinhos! Tenho certeza que estão pensado é em pescar a minha perereca. Agradeço, vocês são lindos, mas vou seguir para a casa dos meus pais.

Ficaram batendo papo por quase uma hora e Raquel deu o autógrafo pedido com especial dedicatória e se dispor a seguir viajem, premiando cada um deles com um provocante beijo molhado, os deixando excitado. Esperta e safadinha a garota observou isso e rindo foi saindo.

- Agora eu tenho certeza que vocês, ficarão sonhando comigo sozinha lá na tal choupana. Até a próxima...lindões. Façam a gentileza de pagarem a minha conta.

Ficaram observando pela janela, a jovem embarcar no seu carro e o comentário deles foi:

- Como é safadinha...nos deixou com cara de tacho!

- Mas é gostosa pra caralho! Eu a foderia por inteiro!

- Ela disse que estava com o cu apertado... me deu vontade de responder que o meu pau poderia deixá-lo bem arrombado.

- Na cama deve ser um furação! Eu pescaria não só a perereca dela como o seu baiacu.

- Me deixou com o pau duro.

000

Cantarolando, contente com ela e com a vida, dirigindo dentro dos limites de velocidade da rodovia, Raquel não teve tempo de se desviar da camionete azul que a fechou. Foi obrigada a sair da estrada e com perícia conseguiu frear a poucos metros do matagal a frente.

Saiu do carro, bufando de raiva, pronta a xingar os rapazes, que manobrando, desciam a leve rampa em sua direção. A dez metros estacionaram e com horror pode ver descerem do veículo, três enormes e mau encarados homens.

- Perdeu ... perdeu, ruiva boazuda, venha cá que queremos te dar um trato!

Isabel, reagiu de imediato e sem perder um só segundo, disparou pelo mato a dentro. Sabia que tipo de “trato” eles queriam dela e não esperou para conferir. Com seu porte atlético e seus 183 de pura explosão, logo se distanciou dos homens que a seguiam em igual correria.

Entretanto, com a noite chegando não viu o tronco caído a sua frente. Tropeçou e com um grito saiu rolando pelo leve declínio do terreno. Sentiu a torção do tornozelo direito e estava se levantando para continuar a fugir, quando sentiu um potente soco em sua cabeça.

Semi inconsciente, se viu erguida por mãos rudes e levada de volta para perto dos veículos. Jogada com brutalidade no chão, percebeu suas mãos serem amarradas pelas costas e mesmo esperneando e gritando, sua saia foi levantada até a cintura e sua calcinha ser arrancada aos pedaços. Em pânico não pode evitar que sua blusa fosse rasgada e os seios serem mordidos por bocas famintas ao mesmo tempo que dedos se enterravam em sua vagina e no ânus.

Alo cabo de alguns minutos, com os berros desesperada da jovem, decidiram silenciá-la e uma violenta bofetada na mandíbula a pôs a nocaute.

000

Raquel foi aos poucos acordando. Se sentia toda dolorida e com muito frio. Deitada nua sobre folhas e galhos no meio do matagal, com as formigas fazendo a festa em seu corpo até então inerte. A luz da lua, alta no céu banhava seu corpo.
Fora atacada e brutalmente estuprada pelos bandidos que a deixaram abandonada e desmaiada naquele fim de muito. Ao se examinar soube que a crueldade dos canalhas não teve limites. Não existia um só pedaço de seu corpo que não apresentasse marcas dos dentes. Os seios e mamilos e as genitálias as regiões mais durante atingidas, lhe traziam agonia enorme.

Eles levaram tudo que era dela, carro, documentos, dinheiro e até as malas com roupas e a bolsa onde estava o seu celular.

Desorientada, não sabia o que fazer. Nua e descalça como conseguir ajuda. Com dificuldades conseguir se levantar e viu a alguns metros o que sobrou de suas roupas. A blusa rasgada e com manchas de sangue, do seu sangue, da calcinha, do sutiã e da saia nem sinal. Vestiu como pode a blusinha e cambaleando, caindo e se levantando, foi avançando mato a dentro, se recusando a se dar por vencida

000

Os rapazes, ainda comentando sobre o encontro com Raquel, a belíssima jovem jogadora do time de vôlei do clube que frequentavam, seguiam viajem e poucos quilômetros antes de chegarem a Lagoa Vermelha, num desvio da estrada, caminho para a choupana, numa clareira a poucos metros fora da estradinha, tiveram suas atenções para um veículo, um pequeno carro na cor rosa choque.

- Pura merda! Aquele é o carro de Raquel!!! Está de portas abertas e vejo que tem alguém deitado no banco trazeiro! Juro que não é ela!

- Camaradas.... estou com um pressentimento nada bom, vamos até lá ver do que se trata.

O homem, um dos estupradores de Raquel, ficou com o carro dela, como sua parte no saque, enquanto os outros dois ficaram com o dinheiro, as joias e as duas malas de roupas da coitada. Ele gostou do carrinho da ruiva gostosona, pena que aquela cor rosa choque era por demais afeminado para o seu gosto. Mas ainda assim, naquele fim de mundo isso não teria muita importância. Deitado sobre o banco, ainda tinha bem vivo na memória os deliciosos momentos em que ele, Tonho e Bento comeram o rabo e a buceta da vadia. Foram quase duas horas de uma fode que nunca mais ele esquecerá

Ela berrou muito e até tive de a esbofetear por duas vezes, quando teimava em acordar. O mulato só em relembrar quando estava com o pau atolado no cu da ruivinha, estava com excitação máxima e então tomou a decisão de retornar os sessenta quilômetros, agarrar a mulherzinha e terminar o serviço com ela. Assim pensando, levantou e foi quando viu os três rapazes vindo em sua direção.
?
Pensou em pegar seu revólver, sobre o banco dianteiro do veículo, mas não tempo para isso, uma chuva de socos o derrubou e imobilizado no chão, percebeu um punhal a centímetros do seu olho.

- O que fez com a dona deste carro? Onde ela está?

- Eu não sei de nada...encontrei este carro aqui e....,

O mulato não terminou a frase, com um berro, metade de sua orelha foi decepada.

- Tem um segundo para dizer onde ela está e o que fez com ela. Senão vais ficar sem o olho.

- Não, não...eu falo.

000

O dia ainda estava riscando o horizonte, quando Raquel, extenuada jazia caída ao lado do tronco de uma arvore. Pensava em descansar um pouco e esperar o sol raiar e esquentar o seu corpo trêmulo de frio. Não tinha mais forças para ir adiante e então fechou os olhos e rezou por ajuda.
Então escutou vozes gritando pelo seu nome: Raquel.... Raquel...Raquel... Abriu os olhos e viu luzes de lanternas cortando a noite que morria.

A esperança se acendeu em seu coração e ela apagou sem condições de responder ao chamamento, sabendo que pelo menos seu corpo não ficaria jogado no meio do nada.

Continua em: Raquel, a Intrépida – Episódio 2

Sobre este texto

Marcela

Autor:

Publicação:14 de maio de 2018 01:37

Gênero literário:Contos eróticos

Tema ou assunto:Jovens

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Ainda não há estatísticas de leitura deste texto, pois ele foi publicado em 14/05/2018.

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

  • Marcela
    Postado porMarcelaem17 de maio de 2018 09:52

    Zegeraldo

    Muito obrigada pelos teus valiosos comentários. Podes ficar sossegado, Raquel,a Intrépida 2 terá continuação e já esta pronto o episódio 2

    Um beijão
    Marcela

  • zegeraldo
    Postado porzegeraldoem15 de maio de 2018 17:46

    marcela tenho lido os seus contos e vc e muito detalhista oque os torna um pouco cansativo , mas gosto muito dos seus relatos , mas asvezes fico frustado pois muitos dos seus contos sao interrompidos , e a continuaçao nao e escrita , frustando quem le um episodio que nao tem final . espero que vc reveja isto pois as veses nem leio seus contos primeiro olho no final e se estiver escrito continua eu nao leio para me frustar depois.

  • zegeraldo
    Postado porzegeraldoem15 de maio de 2018 02:42

    curtinho somente um preambulo espero que tenha continuaçao e nao seja mais um iniciado e nunca acabado

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*