Conto Erotico | Historia Erótica

Publique seu texto gratuitamente!

Autores mais lidos
Loja História-Erótica
Conto erótico no isntagram
conto erotico no youtube
conto erotico no tumblr
Imagens Eróticas
Do fundo do baú

Desejos Ocultos

Desejos Ocultos
Muitos meses se passaram desde o meu último envolvimento com um garoto. Ele havia sido um grande amor, daqueles avassaladores, que deixam mais marcas do que podemos enumerar.
Durante muito tempo eu não quis me envolver com ninguém. O coração despedaçado, cansado e sem ânimo para qualquer novo relacionamento. Na verdade, eu só queria ficar comigo mesmo, ter paz e viver numa boa.
Mesmo depois de tantos meses da separação, eu e meu ex namorado ainda nos falávamos, apesar da enorme carga emocional que ainda existia, fazendo com que muitas vezes eu ignorasse as mensagens malcriadas no meu celular, a fim de evitar brigas desnecessárias.
– O que você vai fazer hoje?
– Acho que vou sair com a Carol.
– Não acredito que você está com aquela garota! Isso é um absurdo! Essa vagabunda! Piranha!
As mensagens dele apitavam frenéticas na tela. Larguei o aparelho em cima da cama.
A Carol era uma guria que eu conhecia há muito tempo e na pós-graduação, nos reaproximamos. Uma menina linda, divertida, simpática, que parecia se esforçar para me conquistar embora não fosse isso que eu quisesse. O problema não era ela, era eu. Não me sentia preparado para relacionamentos.
No entanto, com a convivência e com os anos de amizade que tínhamos, depois de um tempo acabamos ficando e assim foi. Não, meus caros leitores, eu não voltei a ser hétero. Nem sei se algum dia eu deixei de ser. Eu sempre curti a pessoa, independente do sexo que ela tenha. Naquele momento, a Carol me fazia bem. Não estava apaixonado, não queria compromisso, mas ela parecia entender e estar satisfeita com o que eu estava oferecendo.
Já estava saindo de casa, quando o Kadu chegou. Dei um abraço no meu melhor amigo e um beijo no rosto. Era incrível como nos dávamos bem mesmo morando juntos há tanto tempo.
– Vai encontrar com a Carol?
– Vou, mas antes vou passar na academia e treinar.
– Vai lá, meu brother.
Ele disse, me dando uns tapinhas camaradas nas costas.
Cheguei na academia e cumprimentei meus antigos colegas de trabalho e fui treinar. Estava em um aparelho, quando vi um garoto tímido, se atrapalhando ao fazer um exercício. Apesar de não trabalhar mais como instrutor, não podia deixar o menino se lesionar na minha frente.
Me aproximei e disse:
– Opa, cara. Olha só, você tá fazendo errado. É assim ó.
Eu mostrei, segurando a barra e fazendo o exercício.
– Ah… Eu comecei a pouco tempo e não sei fazer nada. Obrigado.
– De nada. Se você tiver dúvida, pergunta para o instrutor.
– Eu tenho vergonha…
– Não precisa ter vergonha. Ele ta aqui pra isso. Você pode se machucar se fizer errado.
– Ta bom. Vou falar com ele. Obrigado mais uma vez.
Ele disse, ensaiando um sorriso tímido.
Eu voltei para os meus exercícios e de vez em quando eu olhava-o, contendo o riso de vê-lo assim tão atrapalhado. Mais uma vez, o vi executando errado e me aproximei.
– Assim, ó.
Eu apoiei na coxa dele e empurrei.
– Ta vendo? A perna em 90º.
Eu disse e olhei para ele.
Ele me olhava com a boca semiaberta, sem nada dizer. Demonstrou que, de algum jeito, o toque da minha mão na sua coxa o afetou.
– Ta tudo bem?
– T-Ta ta…
Ele disse, envergonhado.
– Olha, eu era instrutor aqui. Só quis ajudar.
– E-Eu sei. Nossa, me ajuda mais. Quer dizer, se você puder… Porque eu não sei mesmo e não quero desistir da academia. Quero melhorar… meu corpo..
– Eu não trabalho mais com isso. To aqui porque curto treinar, só.
– Ah… Posso treinar com você?
Ele perguntou, tímido.
– Meu treino é bem mais pesado. Você não acompanharia.
– Ah… Ta bom.
Ele respondeu meio triste, saindo.
– Ei. Eu te ajudo.
Eu respondi, arrancando um sorriso metálico dos seus lábios.
E assim nos conhecemos. O Enzo era um garoto novo, tímido, mas maduro para idade dele. Aos poucos ele ia se soltando, revelando um lado brincalhão que eu não conhecia. Todo dia treinávamos e conversávamos, sem entrar na intimidade de cada um, embora eu já tivesse percebido que não era de garotas que ele gostava. Não que ele fosse afeminado, não era a questão, mas eu via como ele me olhava às vezes, mesmo ele tentando disfarçar. Porém, fingi que não havia percebido nada.
Eu também ia me soltando, deixando a timidez de lado, até entrando nas brincadeiras dele, mesmo com seriedade que é uma característica minha. Um dia, estávamos terminando o treino e perguntei.
– Você quer tomar um suco na lanchonete da esquina?
– Seria bom, ta muito calor.
– Então vou tomar uma ducha e assim dá tempo de você finalizar a esteira.
– Ta bom.
Ele respondeu.
Estava quase terminando o banho, quando ouvi ele entrar no banheiro, avisar que tinha terminado e que iria me esperar ali. Fechei a torneira e peguei a toalha, passando pelo corpo ainda dentro do reservado. Amarrei a toalha na cintura e sai. Ele me olhou, boquiaberto. Os olhos foram descendo, me analisando, despertando vergonha e ao mesmo tempo, uma excitação que não sabia explicar.
Eu percebi que o volume na sua bermuda aumentou, sem que ele notasse. Inconscientemente, esfreguei o pau por cima da toalha, como se o estivesse secando, olhando nos olhos dele.
O seu rosto foi ficando rubro e de repente, ele se levantou, dizendo que me esperaria lá fora.
Respirei aliviado, pois não sabia o que iria acontecer se aquele jogo de sedução continuasse. Nem poderia ficar com aquela toalha para sempre e não me sentia à vontade de ficar nu na frente dele. Na realidade, nem sabia ao certo o que havia me dado para ter feito aquilo com a toalha e depois daquilo, me pau estava duro como pedra.
Me arrumei, esperei um pouco e encontrei-o do lado de fora. Ele estava sem graça e eu também, mas fomos caminhando juntos para a lanchonete. Chegamos e cada um pediu um suco. Começamos a conversar e não demorou muito para ele tocar no assunto delicado.
– Você tem namorada?
– Não…e você?
– Não. Eu gostava de uma pessoa do meu colégio, mas…acho que nunca fui notado ou … , nem sei seu eu ainda gosto ou só estava acostumado a gostar.
– É complicado, mas não perca tempo gostando de alguém que não gosta de você. Tu és um garoto interessante, inteligente e tenho certeza que tem muita gente que gostaria de ficar com você.
– Você acha mesmo?
– Claro que sim.
Eu disse.
Ele sorriu e sugou o suco com o canudo.
– Fui lá na academia te encontrar e você não estava. Achei que pudesse estar aqui.
A Carol disse, me dando um selinho.
– Ah… Carol, esse é o Enzo, ele treina lá na academia também.
Eu disse, olhando para ele, que estava sério, sem reação.
– Oi, prazer, Carolina.
Ela o cumprimentou, simpática.
– Oi.
Ele respondeu, seco.
Ficou um silêncio incomodo e então eu levantei.
– Bom cara, vou nessa. Valeu.
Eu disse.
Ele assentiu com a cabeça e nada falou.
Achei estranho, mas fiquei quieto.
No dia seguinte, fui na academia, mas ele não estava lá. Nem nos dias em que se passaram. Quando eu ia mandar uma mensagem perguntando, ele apareceu. Foi fazer o treino, sem ao menos olhar na minha cara.
– Ei, o que aconteceu? Você sumiu… Ta tudo bem?
– Ta sim.
– O que foi?
– Nada, ué.
– Enzo, olha pra mim.
Ele olhou. Eu Continuei:
– O que aconteceu? Por que está me tratando assim?
– Você mentiu pra mim!
– Como é?
– Falou que eu não tinha namorada e não é verdade.
– Eu não menti porra nenhuma. Eu não tenho namorada.
– E aquela Carol é o que?
– A gente está ficando, mas eu não tenho compromisso algum com ela. Não to entendendo a sua reação.
– É que.. é… eu achei que você tinha mentido. Odeio mentira. Só isso.
– Ok.
Respondi seco e fui fazer meu treino.
Naquele dia, não nos falamos mais. Fique alguns dias sem ir, atarefado no trabalho e chegando cansado demais para treinar. Fui tomar um chopp com o Kadu e estávamos conversando, quando ele se aproximou, tímido, como de costume.
– Oi… Posso falar com você?
Ele pediu.
O Kadu me olhou e sorriu, com uma cara de quem já tinha entendido tudo. Me levantei e me afastei um pouco das mesas, tentando ter mais privacidade.
Ele me olhou tristonho e falou:
– Eu vim com uns amigos e te vi… resolvi falar com você.
– Pode falar.
– É.. Eu fui um idiota. Desculpa. Eu não sei o que me deu…
– Tudo bem , já passou.
– Você ficou chateado…
– Já passou.
– Ta bom.
Ele disse, ensaiando um sorriso.
– Olha, Biel… Eu não quero segredos entre a gente, então vou te confiar uma coisa que ninguém sabe…Eu não sei bem como começar…tenho medo que você se afaste de mim… acho que é isso que vai acontecer, mas eu não posso esconder. É que…nossa é tão difícil… é que… Eu gosto de meninos… (Pausa. Respirou) Eu nunca fiquei com um, mas eu sei que eu gosto de meninos e…espero que você não mude comigo por conta disso.
Eu o olhei e fiquei mudo alguns segundos, estudando as feições dele. Por fim, disse:
– Eu já sabia.
– Como assim? Sabia como?
– Eu sabia porque eu também gosto de garotos.
X-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x

Essa é um prévia do que seria um novo conto de Biel sabatini, conhecido pelos contos “Diários de um hetero" e “Que porra é essa?! Eu não sou viado, mas...”. Os contos do Biel Sabatini já ultrapassaram a marca de 100 mil visualizações, que fez com que o autor criasse um blog para atender a imensa demanda dos leitores.

O grande sucesso que arrasta centenas de seguidores é que Biel, como é carinhosamente chamado, conta histórias reais, em relatos envolventes e rico em detalhes. Seu jeito de escrever é único e em breve seus relatos se transformarão em livro devido à grande repercussão das suas histórias.

Sempre carinhoso com os seus seguidores, Biel Sabatini desenvolveu várias colunas em seu blog para atender aos diversos pedidos que recebia, além de criar um espaço com entretenimento, informação e os contos tão amados pelo público.

Se você quiser saber mais sobre a encantadora história de amor de Allan e Gabriel: leia www.bielsabatini.wordpress.com/category/conto-diarios-de-um-hetero

Se você ainda tiver curiosidade de ler o primeiro conto do autor, Que porra é essa?! Eu não sou viado, mas..., também poderá encontra-lo completo em: www.bielsabatini.wordpress.com/category/conto-que-porra-e-essa-nao-sou-viado-mas

Todos os capítulos, de ambos os contos, estão numerados por ordem e te desafio a conseguir parar de ler.

Siga no twitter: @biel_sabatini

Conheça o blog:
www.bielsabatini.wordpress.com

Sobre este texto

Pepper

Autor:

Publicação:8 de janeiro de 2018 19:31

Gênero literário:Contos eróticos

Tema ou assunto:Gays

Compartilhe este conto erótico com seus amigos
Ainda não há estatísticas de leitura deste texto, pois ele foi publicado em 08/01/2018.

Comentários

Novo comentário

Os comentários serão moderados. Não serão aceitos comentários agressivos ao autor e/ou que divulguem sites comerciais. No campo nome só aceitaremos nome de pessoas. Se tiver interesse comercial Fale conosco para saber nossa política de publicidade.

Não há comentários até o momento. Seja o primeiro!

Deixe seu comentário abaixo

*Campos com esta marca são de preenchimento obrigatório.
*

Seu endereço de e-mail não será publicado

Mova o seu mouse para fechar essa ajuda.
*